O SOLAR DOS BRASIS


RUBEN ANDRESEN LEITÃO


Foi o João Santos Simões quem um dia me disse — já lá vão uns bons três anos — que, se estivesse perto de Trancoso, não deixasse de ir ver a Torre do Terrenho. Fiquei a pensar, sobretudo quando soube que a capela do «Solar dos Brasis», na Torre do Terrenho, estava intimamente ligada à História do Brasil, à época áurea da mineração, ao mundo de espanto e de dor que teve D. João V no trono, à inquisição nas suas formas mais requintadas, à talha na sua pura criação de mensagem artística universal, e a um título de Fidelíssimo para durar enquanto os reis estivessem no trono. O Terrenho fica a pouco mais de uma légua da vila nobre de Trancoso, e andados uns dois ou três quilómetros mais além temos a Torre do Terrenho. No ouvido ainda soava a frase do João — «Toda a capela é um ex-voto»!
[início da Nota Prévia]

Dedicatória do autor, na página de rosto. Ilustrado com quatro páginas de fotografias a preto e branco, em extra-texto. Brochado, 32+(4) páginas. 17,5 cm x 24,2 cm. Separata da Revista Ocidente, Volume LXXXI. Lisboa, 1971.

Preço: 22 euros.



PORTUGAL E OS SEUS DETRACTORES


L [uís] A [ugusto] PALMEIRIM


Subtítulo: Reflexões a propósito do livro do Sr. Fernandez de Los Rios, intitulado «Mi Mission». Obra dedicada a Fontes Pereira de Mello. Introdução do autor. Encadernação da época com lombada em pele, da casa Corazzi (vide selo na fotografia supra), possui marcas de desgaste nas extremidades mas permanece limpa e sólida. Sem capas de brochura. Miolo fresco; aparado. 11,7 cm x 18,2 cm. 354+(2) páginas. Lisboa: Typ. da Bibliotheca Universal de Lucas & Filho, 1877.

Preço: 25 euros.




A REVOLUÇÃO PORTUGUESA


JESUS PÁBON


Publicado originalmente em espanhol, em 2 volumes, o ensaio histórico de Jesus Pábon sobre as duas décadas que antecederam o Estado Novo recebeu quase de imediato o Prémio Camões, do SNI, em 1951, antes mesmo da publicação da tradução portuguesa.

Historiador bem posicionado no regime franquista, Pábon assume uma visão parcial, de extrema-direita, sobre a Primeira República Portuguesa, destacando sempre «a desordem, a demagogia e a instabilidade governativa» [cit. aqui] por contraponto à bonança trazida pelo 28 de Maio. A obra começa com um elogio a D. Carlos e termina com uma citação de Salazar…

Ilustrado. Prólogo do autor. Tradução de Manuel Emídio e Ricardo Tavares. 684+(4) páginas e 16 cm x 23,8 cm. Encadernação sintética sóbria, mantendo as capas de brochura originais. Miolo aparado, com algumas manchas de oxidação e marcas de restauro. Carimbo de posse sumido no ante-rosto. Bom estado geral. Colecção Grandes Estudos Históricos. Lisboa: Editorial Aster, [s.d.]

Preço: 40 euros.




PRÉ-HISTÓRIA DE PORTUGAL


M. FARINHA DOS SANTOS


2.ª edição revista e actualizada. Dedicatória manuscrita do autor. Ilustrado com fotografias, da autoria de Manuel Leitão, C. T. North, C. Tavares da Silva, Carlos Ferreira de Almeida e J. Justo; e desenhos. Brochado. Usado e em bom estado. 14,5 cm x 21 cm. 175+(1) páginas. Colecção Biblioteca das Civilizações Primitivas. Lisboa: Editorial Verbo, [13 de Fevereiro de] 1974.

Preço: 17 euros.