DESASTRE NU

PEÇA EM QUATRO EPISÓDIOS

ANTÓNIO ARAGÃO


2.º Prémio do Concurso de Peças de Teatro Inéditas — 1980, promovido pela Secretaria de Estado da Cultura (SEC). Capa de Vitorino Martins sobre «Das Rote Lachen», de Magnus Zeller. 98+(6) páginas. 18 x 11,7 cm. Bom estado. Colecção Pistas, série Palco, patrocinada pela SEC. Lisboa: Moraes Editores, Outubro de 1981.

Preço: 25 euros.


 


TEATRO


PETER HANDKE


Duas Peças: Gaspar, seguida de Grito de Socorro. Tradução de Anabela Drago Miguens Mendes. Notas críticas de Urbano Tavares Rodrigues (texto de O Século) e Carlos Porto (texto publicado no Suplemento Literário do Diário de Lisboa), em apêndice.

Capa de Mário Henrique Leiria. 138+(6) páginas. 17,9 x 11,3 cm. Capas com manchas marginais e marcas de manuseio. Assinatura de posse de antigo livreiro na página de rosto. Colecção Teatro Vivo n.º 8. Lisboa: Plátano Editora, 1975.

Preço: 15 euros.


 


PARA UM «DOSSIER» GULBENKIAN


MÁRIO VIEIRA DE CARVALHO


Referências a situações respeitantes aos Festivais de Música Gulbenkian, à Orquestra Gulbenkian, a Jorge Peixinho, Michel Giacometti, Carlos Franco, Álvaro Machado, e outros, terminando com um capítulo sobre a relação da Fundação «com o regime fascista». Vide índice ↑.

Autografado pelo autor com dedicatória datada. 158+(2) páginas. 18,5 x 11,8 cm. Capa com desgaste nas arestas e cantos, sem perda de cor. Miolo limpo. Lisboa: Editorial Estampa, (Novembro de) 1974.

Preço: 20 euros.


 


VORAGEM DOS DIAS


VIRIATO SOROMENHO MARQUES


Poesia. Autografado pelo autor com dedicatória; assinatura de posse coeva na mesma página. 67+(5) páginas. 20,7 x 12,8 cm. Bom estado. Águeda: edição do autor, Março de 1974

Preço: 25 euros.


 


CONVERSAS


MÁRIO VENTURA


14 ENTREVISTADOS: Agustina Bessa Luís — António Lobo Antunes — Augusto Abelaira — Camilo José Cela — Fernando Namora — Jorge Amado — José Cardoso Pires — José Gomes Ferreira — José Saramago — Maria Velho da Costa — Natália Correia — Nuno Bragança — Urbano Tavares Rodrigues — Vergílio Ferreira.

À excepção das entrevistas com Maria Velho da Costa e José Saramago, realizadas propositadamente para este volume, todas as restantes foram publicadas no Diário de Notícias.

Ilustrado com fotografias dos entrevistados, da autoria de Inácio Ludgero. 195 páginas. 23,5 x 15,4 cm. Ligeira descoloração na lombada. Bom estado geral. Colecção Figuras n.º 5. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1986,

Preço: 20 euros.


 

Dinis MACHADO

[27Nov20]


DISCURSO DE ALFREDO MARCENEIRO
A GABRIEL GARCIA MARQUEZ


DINIS MACHADO


Autografado pelo autor com dedicatória datada. Ilustrações de Fátima Vaz. Conto. Primeira edição. 30 páginas. 21 x 14 cm. Bom exemplar. Lisboa: Livraria Bertrand, 1984.

Preço: 35 euros.



O QUE DIZ MOLERO


DINIS MACHADO


Primeira edição. Capa de Saldanha Coutinho. 182 páginas. 19 x 12 cm. Manuseado e com assinatura de posse de antigo jornalista desportivo no canto interior de rosto e ante-rosto. Lisboa: Livraria Bertrand, (Março de) 1977.

Preço: 15 euros.


«Temos a seita dos calmeirões, os Vai ou Racha», disse Austin, «que já tinham sido os Malhoas e os Roquetes, e que mais tarde seriam os Sertórios. O rapaz via-os, rua acima, rua abaixo, gingando o corpo, fazendo gestos vagamente obscenos para a janela das costureirinhas, combinando petiscadas, provocando quem passava, uma discussão, uns tabefes, umas sandes de presunto, uns copos de vinho tinto, a ronda nocturna pelas casas de prostitutas, as últimas anedotas contadas sob a lua alta e as estrelas, o jogo das moedas à luz esverdeada do candeeiro de gás, fantasmas movendo-se, os últimos de cada dia, na tranquilidade do bairro adormecido. Molero enumera-os: o Pé de Cabra, que era o chefe e que fazia contrabando de tudo, desde relógios suíços a cigarros Camel e Lucky Strike, que tinha como passatempo favorito dar carolos, pancadas com os nós dos dedos nas cabeças deste e daquele, principalmente dos mais miúdos, para enrijar a moleirinha, dizia ele; o Gil Penteadinho, que vivia de mulheres, jogava à pancada com a mãe todos os dias por causa disso e andava sempre a atirar uma moeda ao ar como, depreende Molero, George Raft no Scarface; o Bexigas Doidas, que não era bexigoso, como se poderá supor, tinha uma doença de pele e coçava-se muito, às vezes os outros coçavam-lhe as costas porque ele não chegava lá; o Lucas Pireza, que ganhava todos os concursos de tango nas sociedade de recreio, tinha o pai na Mitra e dava cem toques na bola com o pé esquerdo sem a deixar cair; o Metro e Meio, que nem Metro e Meio parecia ter, crescia para os lados, não para cima; o Tonecas Arenas, que usava sombrero, falava de touradas que nunca tinha visto, nunca viu nenhuma, vendia imagens religiosas à porta das igrejas, e também fotografias pornográficas para eventuais turistas depravados, tudo isto à Comissão, o fabricante era o mesmo; o Peito Rente, que tinha uma expressão muito dele quando achava bem qualquer coisa, dizia isso é rachmaninófico, é rachmaninófico, e que golfava sangue quando chegava o Outono. [excerto das páginas 33-34]

 


CRÓNICA DOS BONS MALANDROS


MÁRIO ZAMBUJAL


Primeira Edição, rapidamente esgotada (chegaria à 10.ª edição nos meses seguintes). 144+(4) páginas. 21,1 x 13,8 cm. Lombada ligeiramente descolorada. Miolo limpo. Bom estado. Lisboa: Livraria Bertrand, Maio de 1980.

Preço: 35 euros.


 


LIVRO NEGRO

INSTRUÇÕES SECRETAS PARA A SUBVERSÃO DA SOCIEDADE MODERNA


TITO KOWALSKI


[Pseudónimo não identificado de autor português.] Começando por justificar uma afirmação de Álvaro Cunhal, após encontro com Georges Marchais, de que «o eurocomunismo não se aplica em Portugal», o texto parte para a análise de alguns comunismos europeus (Itália, França, …), antes de uma digressão pela história recente de algumas insurreições armadas, e a sua sustentação teórica em diversos autores, de uma forma não muito clara (vide índice ↑). As instruções são, principalmente, tópicos.

Capa de V.M. 73+(7) páginas. 20,8 x 14,7 cm. Selo e etiqueta destacável, na guarda, da agência de jornais Jornália, nas Caldas da Rainha. Capa com marcas de manuseio, miolo limpo: bom exemplar. Impresso na Tipave, em Aveiro. Queluz: Literal, 1977.

Preço: 17 euros.


 


PREOCUPAÇÕES DE UM DEPUTADO

I.
A GRANDE ESPERANÇA

ANTÓNIO MARTINS DA CRUZ


Autografado por Martins da Cruz, com «um abraço de amizade e admiração» ao professor Carlos Silva.

Abre com bibliografia e prefácio do autor. Seguem-se intervenções sobre questões educativas, na Assembleia Nacional, entre Janeiro de 1962 e Dezembro de 1964, onde pugna pela igualdade de instrução para todos; abertura e melhoria de escolas no Fundão, Castelo Branco (Liceu Nuno Álvares e inexistência de um Liceu Feminino), Sertã, e Beira-Baixa em geral; ou melhores orçamentos para a Educação (vide índice nas fotografias acima).

Com xxxix+(1)+205+(3) páginas, e 23,5 x 16 cm. Capa com muitos picos de oxidação. Miolo limpo. Lisboa: edição do autor [composto e impresso nas oficinas da Imprensa de Coimbra], 1965.

Preço: 25 euros.


 


QUATRO ANOS NA ASSEMBLEIA NACIONAL


JACINTO FERREIRA


Quatro Anos na Assembleia Nacional é uma colecção de intervenções políticas onde o autor começa por justificar o sentido da presença de um monárquico numa assembleia parlamentar. Destacam-se em seguida intervenções em questões como: o reforço do apoio à investigação científica; mais e melhores bolsas de estudo; equiparação entre os diferentes tipos de jornalistas; redução de impostos nos três primeiros anos da entrada do cidadão no mercado de trabalho; ou mesmo uma intervenção em favor de um indulto ao capitão Jorge Valadas, um tema tabú na época.

António Jacinto Ferreira, 1906-1995, veterinário e professor universitário, fundou durante a legislatura de que este volume deixa testemunho, 1949-1952, o semanário monárquico O Debate (1951).

Capa muito manchada, miolo no geral limpo. Carimbo coevo de “oferta”, na capa. 201+(3) páginas. 22,7 x 16 cm. Lisboa: Edição das Comissões de Freguesia de Lisboa da Causa Monárquica, 1953.

Preço: 22 euros.