O AUTO DAS REGATEIRAS DE LISBOA

COMPOSTO POR UM FRADE LOYO FILHO DE HUÃ DELAS

SILVEIRA BUENO


2.ª edição, revista e aumentada. Capa de Cambraia. Brochado. 394,(4) páginas. 19,5 x 13,5 cm. Capa com manchas ligeiras. Miolo no geral limpo. Assinatura de posse no rosto. Bom exemplar, da tiragem normal. Colecção Cultura Literária, n.º 4. Lisboa: Pro Domo, 1945.

Preço: 20 euros.


 


PARA A HISTÓRIA DA RÁDIO RENASCENÇA

(1974-1975)

UM BARÓMETRO DA REVOLUÇÃO

A. PEREIRA CALDAS


Com um testemunho de D. António dos Reis Rodrigues. Ilustrado. Brochado. 207,(7) páginas. 20,5 x 13 cm. Pequenos sinais de uso exteriores. Muito ligeiro foxing no corte das folhas. Miolo limpo. Co-edição Grifo / Rádio Renascença, Lisboa, 1999.

em conjunto com:

RÁDIO RENASCENÇA: OS TRABALHOS E OS DIAS (1933-1948). AURA MIGUEL. Introdução de Jorge Borges de Macedo. Ilustrado. Brochado. 122,(2),16 páginas. 20,5 x 14,5 cm. Mínimos sinais de uso exteriores. Miolo limpo. No geral, bom exemplar. Colecção Symbolon, dirigida por Artur Anselmo. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda / Universidade Católica Portuguesa, 1992.

Preço (do conjunto): 18 euros.


 


ELEMENTOS PARA A HISTÓRIA
DO MUNICÍPIO DE LISBOA


EDUARDO FREIRE DE OLIVEIRA


Título e autor, tal qual figuram no rosto: Elementos para a História do Município de Lisboa, por Eduardo Freire de Oliveira, arquivista da Camara Municipal da mesma cidade. 1.ª PARTE. Publicação mandada fazer a expensas da Camara Municipal de Lisboa, para commemorar o centenario do Marquez de Pombal em 8 de Maio de 1882.

Mais de 10 mil páginas de documentos oficiais de algum modo relevantes, organizados cronologicamente e alusivos a séculos de assuntos invariavelmente díspares — as iguarias de um banquete celebratório, a colocação na prisão do Limoeiro do líder de uma «companhia de comediantes de Castella», a lista das pessoas de cada freguesia que se recusam a participar numa campanha de limpeza pública, a morte do rei —, num panorama que permite acompanhar os reflexos da política e da história do país nas várias decisões e questões do município d’esta cidade onde desde muito cedo esteve instalado um Governo demasiado centralista.

Temos assim «a carta regia que trouxe a communicação official da morte de Filippe II» (tomo II, quase todo dedicado ao “tempo dos Filipes”, pág. 590), «a ruína de Lisboa», no sábado 1 de Novembro de 1755 (tomo XVI, a partir da página 133, com lista e descrição sumária de abalos sísmicos anteriores, nomeadamente os de 1309, 1321, 1344, 1356, 1512, 1531, 1551, 1575, 1597, 1598, 1699 e 1724), a inauguração da estátua equestre de D. José (em parte citada aqui) ou a «consulta da Cammara a el-rei em 2 de julho de 1650», onde se propõem os nomes de «doze fidalgos, doze cidadãos e doze homens do povo» para «terem as chaves das quatro portas da cidade» (tomo V, p. 208, antecedendo em algumas páginas a lista exaustiva dos preços de venda de todo o tipo de animais para alimentação, indexados inteiros, em partes, e por género).

O primeiro documento transcrito no tomo I, que não o foral de 1179, data de 7 de Novembro de 1190, e o último documento transcrito no tomo XVII data de 23 de Agosto de 1777. Entre ambos, os diversos prefácios e as anotações constantes de Freire de Oliveira (1841-1916) desvelam e aprofundam as origens e importância dos textos que transcreve. Contém ainda algumas ilustrações, muito poucas, destacando-se a litografia da Divisa da Cidade, que abre o tomo X, ou a «planta litographada da sala das sessões do senado da camara de Lisboa, que acompanha a carta regia de 13 de Novembro de 1773» (tomo I, pág. 68).

[Para uma descrição mais detalhada da cronologia de cada tomo, consulte-se o artigo de António Miranda na Rossio n.º 1, de 2013. Como o plano cronológico da 1.ª parte da obra deveria ter prosseguido até ao ano do início da publicação (1882), suspeita-se que, além da nunca publicada 2.ª parte, também desta 1.ª parte terá ficado por publicar pelo menos um tomo, para o período 1777-1882.]

Obra completa (tudo quanto se publicou), em XVII tomos de 24,5 x 16,5 cm (66cm de estante), Lisboa: Typographia Universal, 1882-1911.

Tomo I, 1885; (12),661,(5) págs. — Tomo II, 1887; xiv,593,(2) págs. — Tomo III, 1888; vi,584,(3) págs. — Tomo IV, 1889; xii,628,(3) págs. — Tomo V, 1891; vi,620,(3) págs. — Tomo VI, 1893; ix,627,(2) págs. — Tomo VII, 1894; cxii,466,(3) págs. — Tomo VIII, 1896; vi,593,(3) págs. — Tomo IX, 1898; vi,617,(4) págs. — Tomo X, 1899; viii,595,(2) págs. — Tomo XI, 1901; vi,632,(3) págs. — Tomo XII, 1903; (10),652,(3) págs. — Tomo XIII, 1904; (6),622,(3) págs. — Tomo XIV, 1906; (6),634,(3) págs. — Tomo XV, 1906; (6),630,(3) págs. — Tomo XVI, 1910; xiv,567,(4) págs. — Tomo XVII, 1911; (6),622,(3) págs.

Acrescentam-se os dois volumes de índices, publicados cerca de 40 anos mais tarde: Índice dos «Elementos para a História do Município de Lisboa», por Esteves Rodrigues da Silva, sob a direcção de Jaime Lopes Dias, 2 vols., Lisboa: Câmara Municipal, 1942-1943. Com 396 e 578 páginas, e 22,5 x 17 cm. Capa do volume II com um rasgo restaurado. Páginas por abrir.

Todos os 19 volumes em brochura e 17 deles com as páginas por abrir. Bom estado geral, com não mais do que pequenos defeitos dispersos (muito ocasionais picos de humidade; algumas lombadas mais amarelecidas que outras; bicho de papel que atacou superficialmente a capa do tomo VI; e situações afins, de pouca monta).

Conjunto invulgar.

Preço: 420 euros.



 


ORAÇÃO DA COROA


DEMÓSTENES


Versão do grego, prefácio e notas de Vieira de Almeida, e carta-prefácio de Rebelo Gonçalves. Exemplar n.º 40 da tiragem especial de 100 exemplares numerados e rubricados, impressos em papel Leorne, da Companhia do Papel do Prado.

Brochado. Não aparado. ccxlvi,(2),95,(5) páginas. 25 x 17 cm. Bom exemplar. Colecção de Clássicos Sá da Costa. Lisboa: Sá da Costa Editora, 1956.

Preço: 35 euros.


 


O MONUMENTO DE MAFRA


JOAQUIM DA CONCEIÇÃO GOMES


Título completo: O MONUMENTO DE MAFRA. Descripção Minuciosa d’este Edifício. Idéa geral da sua origem e construção e dos objectos mais importantes que o constituem. 6.ª edicção muito correcta e augmentada com muitas notas, por Joaquim da Conceição Gomes, Conservador da Real Basílica de Mafra, etc.

Encadernação editorial em percalina gravada com motivos arte-nova em ambas as pastas, assinada «A. David». Ilustrado com 8 extra-textos fotográficos em papel couché, e vinhetas art-nouveau. 117,(3),[8] páginas. 18 x 12 cm. Bom exemplar. Mafra: Viúva de José Maria da Costa & C.ª, 1906.

Preço: 35 euros.


 


ANTIQUALHAS

HISTÓRIA
BIBLIOGRAFIA
ARTE

Reunião de ensaios sobre «história, bilbliografia [e] arte», da autoria de António de Aguiar, Ernesto Soares, Francisco Xavier de Avillez, Mário da Costa Roque e Martinho Pereira Coutinho.

Assinado com dedicatória datada, a Francisco Belard da Fonseca, por Martinho Pereira Coutinho, autor do estudo que encerra o volume, dedicado à iconografia da Torre de Belém.

Tiragem numerada de 250 exemplares (este o n.º 105). Ex-libris de anterior proprietário. Ilustrado com reproduções fotográficos, no texto, a preto.

Brochado. 125,(3) páginas. 24,5 x 17 cm. Capa com alguns pequenos pontos dispersos de oxidação. Miolo limpo. Bom exemplar. Lisboa: edição dos autores, 1952.

Preço: 25 euros.


 


MATERIAIS PARA A HSTÓRIA DA FIGUEIRA
NOS SÉCULOS XVII E XVIII

HISTÓRIA, TOPOGRAPHIA E ETHNOGRAPHIA

ANTÓNIO DOS SANTOS ROCHA


2.ª edição, em comemoração do primeiro centenário do nascimento de António dos Santos Rocha. Prefácio de Joaquim de Carvalho. Ilustrado com a reprodução desdobrável de um mapa da Figueira da Foz nos fins do século XVII e princípios do século XVIII.

Brochado. (12),266,(2) páginas, por abrir. 25 x 17 cm. Bom estado. Figueira da Foz: Câmara Municipal, 1954.

Preço: 27 euros.


 


MATERIAES PARA A HSTÓRIA DA FIGUEIRA
NOS SÉCULOS XVII E XVIII

HISTÓRIA, TOPOGRAPHIA E ETHNOGRAPHIA

ANTÓNIO DOS SANTOS ROCHA


Edição evocativa dos 160 anos do nascimento de António dos Santos Rocha e comemorativa dos 120 anos da 1.ª edição. Inclui os prefácios da 1.ª e 2.ª edições.

Ilustrado com a reprodução desdobrável de um mapa da Figueira da Foz nos fins do século XVII e princípios do século XVIII. Brochado. 216,(2),[1]. 23,5 x 17 cm. Bom estado. Figueira da Foz: Quartzo Editora / Casino Figueira, 2013.

Preço: 17 euros.


 


SANTOS ROCHA

A ARQUEOLOGIA E A SOCIEDADE DO SEU TEMPO


RAQUEL VILAÇA e SÓNIA PINTO (coord.)


Colectânea de artigos de vários autores, com ensaios sobre o trabalho de Santos Rocha no Algarve, Alentejo, Coimbra, Bombarral, e outros locais.

Álbum ilustrado. Brochado. 175,(1) páginas. 27 x 21 cm. Bom estado. Rúbrica no rosto (autoral?). Figueira da Foz: Casino Figueira, 2012.

Preço: 15 euros.


 


O SENHOR DOS PASSOS DA GRAÇA

MEMÓRIAS DE UM REVOLTADO


GOMES LEAL


Depois de saír da Praça dirigi-me para o Rocio, e d’ahi enveredei em direcção ao Campo de Sant’Anna. Era terça-feira, e a feira da Ladra, n’aquelle tempo, celebrava-se ali ás terças. Ora eu carecia de falar com o Rabicha, que tinha loja de bric à brac; mas aonde ia parar tudo quanto éra verdadeiramente bom e antigo e onde concorriam os homens mais perítos e entusiastas por antiguidades. […] Eram duas horas da tarde, o sol estava côr d’oiro em fusão. A feira da Ladra estava em todo o seu esplendor. Viam-se ali burguezes e locandeiras, creadas de servir e lacaios, pelintras e cocheiros, janótas encardidos e filósofos de trapeira, polícias á paisana e parteiras, senhoras de chapelinho e algumas de capote e lenço, estudantes de licêo sabios esfarrapados, alfarrabistas pesquisadores e finalmente fadistas do Bairro Alto […]

Primeira edição. Meia-encadernação da época, com lombada sintética (selo do encadernador A. David, Lisboa), sem capas de brochura, com pequenos pontos de desgaste superficial. Miolo limpo, aparado. 18,8 cm x 12,5 cm. 338,(2) páginas. Lisboa: Empreza da Historia de Portugal – Livraria Moderna, 1904.

Preço: 25 euros.


 


A REPUBLICA

COMEDIA EM UM ACTO ORIGINAL

AUGUSTO DA SILVA CARVALHO


Representada pela primeira vez no Theatro de Variedades,
com geraes applausos.

Diz-nos Sousa Bastos, na Carteira do Artista, que Silva Carvalho «teve diversos empregos, acabando em negociante de moveis. Foi por muito tempo dedicado ás lettras, publicando um volume de versos e collaborando nos jornaes. Tambem fez algumas comedias, e, entre ellas, uma com o titulo A Republica, que se representou com muito agrado no theatro das Variedades.»

Na colecção Bibliotheca dos Actores. 16 páginas (por abrir). 16 x 11,5 cm. Alguns, poucos, picos de acidez no miolo. Bom estado. Lisboa: Typ. de Antonio José Germano, 1870.

Preço: 10 euros.



O POMPON

ópera cómica em 3 actos

H. CHIVOT
A. DURU


Tradução de Sousa Bastos. N.º 4 da Colecção de Coplas, Monólogos e Cançonetas, da Companhia Sousa Bastos. Inclui lista das personagens e respectivos actores da companhia que terão representado a opereta.

Folheto. 40 páginas. 19,5 x 12,5 cm. Frágil. Capa com pequenos defeitos. Lisboa: [Livraria Ferreira e Franco], 1900.

Preço: 8 euros.



GATA E MULHER

DISPARATE EM UM ACTO

Traducção por
J. J. ANNAYA


Sousa Bastos, na Carteira do Artista (p. 497): «1 de Março de 1826. Nasce em Lisboa Joaquim José Annaya. / Teve em tempos um collegio seu a Buenos Ayres. Em 1855 fechou-o e entrou para a Escola Academica como subdirector e lá esteve até que, por ordem dos medicos, sahiu em 1882. / Quantos alumnos d’aquella escola se recordam d’elle com saudade, porque era effectivamente um bom homem e amigo de todos! / O Annaya traduziu innumeras peças, algumas que foram representadas e outras que se publicaram n’uma bibliotheca theatral que elle editou. / Muitas das traducções eram feitas pelos rapazes da escola e por elle corrigidas, seja dita a verdade, ficando às vezes peiores

32 páginas por abrir. 14 x 20 cm. Com defeitos: sem capa mas com a contracapa em muito bom estado; manchado nas primeiras páginas (as últimas e a capa posterior limpas e bem conservadas); anotação a lápis no rosto. Frágil. Lisboa: Typographia do «Ensino Livre», 1872.

Preço: 7 euros.



CARTEIRA DO ARTISTA


SOUSA BASTOS


Apontamentos para a Historia do Theatro Portuguez e Brazileiro acompanhados de notícias sobre os Principaes artistas, escritores dramaticos e compositores estrangeiros.

Jornalista e “homem do teatro” — empresário, director teatral, encenador e ensaiador, dramaturgo e dramatógrafo —, António de Sousa Bastos (1844-1911), marido da actriz Palmira Bastos, compilou esta grande e pequena história do teatro português seu contemporâneo, o do final do século XIX, com espaço para muito mais do que actores, dramaturgos e salas de teatro.

Os índices alfabéticos listam: actores portuguezes e brazileiros; actrizes portuguezas e brazileiras; aderecistas; architectos, auctores de figurinos e decoradores; artistas dramáticos estrangeiros; benemeritos do theatro; cabelleireiros de theatro; cantores portuguezes; companhias diversas; contraregras; curiosidades theatraes; decretos, portarias, tratados e outros documentos referentes ao theatro; diversos empregados de theatro; dramas, comedias, tragedias, operas-comicas, revistas e peças phantasticas notaveis pelo seu merecimento ou pelo sucesso que obtiveram; emprezarios theatraes; ensaiadores portuguezes e brazileiros; escriptores, dramaticos e criticos theatraes, portuguezes e brazileiros; escriptores dramaticos estrangeiros; guarda-roupas; machinistas; musicos estrangeiros; musicos portuguezes e brazileiros; operas e dansas; pontos; scenographos; theatros estrangeiros; e theatros portuguezes e brazileiros.

Esta espécie de enciclopédia caótica do teatro, repleta de pequenas gravuras, está inicialmente organizada cronológicamente, por dias e meses do ano: nascimentos de determinado actor, estreia de uma dada peça, abertura de uma nova sala, etc.
O dito calendário ocupa um pouco mais de metade do livro, bem organizada mas, a partir da página 475, a sucessão de apêndices, acrescentos, correções, adendas, novas informações, rectificações, ampliações e eventos sem data torna a pesquisa de informação uma curiosa aventura proto-hipertextual para a qual o índice de 30 páginas é a peça chave.

Primeira edição. Com 868 páginas, e 26 x 18,5 cm. Encadernação com lombada em pele, com ligeiro desgaste. Aparado. Conserva a capa de brochura anterior, uma litografia de Rafael Bordalo Pinheiro. Pequenas e inócuas marcas de bicho do papel em algumas páginas. Assinatura de posse no rosto. Exemplar interessante, sólido, em bom estado geral. Lisboa: Antiga Casa Bertrand — José Bastos, Editor, 1899.

Preço: 80 euros.


 

Disponível online, digitalizado, aqui.

 


 


DAVID TRIUNFANTE

Poema Heroico Offerecido ao Illustrissimo e Excelentissimo
Senhor D. Vicente de Sousa Coutinho, Conde d’Alva, por…

ANTONIO VIALE


Quando o architecto risca o desenho de um edificio, costuma sempre ajuntar-lhe um petipé, ou escala de palmo, que manifeste a vastidão da fabrica que elle se propõe construir; e o pequeno desenho deixa de parecer tal, logo que se observa a relação das proporções e idéas analogas concebidas pelo artista. Servindo-me deste simile que me ministra uma das Bellas Artes alliadas da Poesia, rogo aos Leitores que quando lêrem este pequeno poema, recorram á escala de palmo, i.e. aos doze annos que apenas conta de idade o seu juvenil autor; e então espero que relevarão benignos os deffeitos que lhe notarem; lembrando-se ao mesmo tempo que a mais perfeita pintura foi talvez na sua origem um bem informe debuxo. [nota do editor, pág. VII]

O autor [1806-1889], natural de Itália, compôs este poema heróico com 12 anos de idade; prosseguiria carreira nas letras portuguesas, passando mais tarde a assinar ANTÓNIO JOSÉ VIALE, e destacando-se principalmente como latinista e helenista. Publicou diversas obras sobre Camões e Os Lusíadas.

Encadernação “caseira” em papel de cartolina verde. Sem capa de brochura. Com (viii),23 páginas, e 19,5 x 14 cm. Miolo aparado, em excelente papel. Carimbo sumido da antiga biblioteca do Colégio de Campolide na folha de rosto. Bom estado geral. Lisboa: na Impressão Régia, 1819.

Preço: 25 euros.


 


O CASO DA ELEIÇÃO DE MISS PORTUGAL

para o concurso mundial de beleza do Rio de Janeiro, de 1930,
perante o Supremo Tribunal de Justiça


Minuta de Revista feita pelo advogado, do Porto,
DR. AFONSO DE ALBUQUERQUE


Recorrente: D. Maria Madalena da Gama Braga de Sá Teixeira, de Lisboa. Recorridas: A Renascença Gráfica, soc. an. port. de resp. limitada, proprietária do jornal Diário de Lisboa, e D. Fernanda Gonçalves, «desta cidade». Com 124 páginas e 23 x 16 cm. Bom estado. Porto: Tipografia Progresso, 1934.

Um pedido de indemnização por perdas e danos, por uma das finalistas, devido a uma questão de idade nos regulamentos. Um concurso onde as concorrentes teriam de ser «solteiras e reconhecidamente honestas, não importando a sua categoria social», e «distintas de apresentação». Uma das questões contra as quais o advogado se insurge é o facto de o Diário de Lisboa ter aproveitado o seu espaço mediático para auto-defesa pública.

Preço: 22 euros.