FYSIOGNOMIA
E VARIOS SEGREDOS DA NATUREZA


JERONYMO CORTEZ


Título completo [e restante informação contida no rosto da obra]: FYSIOGNOMIA, E VARIOS SEGREDOS DA NATUREZA. Contém Cinco Tratados de differentes materias, revisto, e melhorados nesta ultima impressão. Accrescentado nesta ultima idição com huns segredos emportantes para tirar nodoas. Composto por Jeronymo Cortez, Natural da Cidade de Valença. Agora novamente traduzido em Portuguez por Antonio da Silva de Brito. Lisboa, Na Officina de Francisco Borges de Sousa, Anno MDCCXCII. Com licença da Real Meza da Commissão Geral Sobre o Exame, e Censura dos Livros.

Um catálogo, ou receituário, contendo diversas fórmulas práticas e mezinhas, mais ou menos credíveis, com tanto de impraticável — por dificuldades de obtenção de certos ingredientes (dentes de lobo?) — como de realização fácil, na oficina, no campo ou no lar. Há astrologia, agricultura, folclore, curandeirismo, zoologia, geografia, e métodos para a produção de bebidas alcoólicas. O título, por exemplo, destaca «segredos emportantes para tirar nódoas». O autor: Jerónimo Cortez, ou Gerónimo Cortés (1555-1615), natural de Valência e autor do famosíssimo Lunário Perpétuo, até aos nossos dias republicado… e usado.

Os cinco tratados referidos no título são: 1) «Da Fysiognomia Natural do homem, conforme o methodo da Filosofia, e Medicina»; 2) «Das excellencias do Alecrim, e sua qualidade»; 3) «Das muitas, e mui grandes propriedades da Agua ardente»; 4) «Dos Segredos da Natureza, e maravilhosos effeitos delles»; e 5) «Da Regiao Elementar, e Celeste, no qual se descrevem as naturezas dos quatro Elementos, e Corpos Celestes, e de muitos, e varios effeitos, que causão».

Uma das inúmeras edições portuguesas da obra, mais ou menos expurgada, ao longo dos últimos 300 anos — só na Biblioteca Nacional existem edições de 1699, 1706, 1815, 1844, 1860, 1866, 1879, 1900, 1978, 1993 e 1995, bem como uma castelhana de 1598.

Com 238 páginas, e 9,8 x 14,9 cm. Encadernação da época, inteira de pele, com diversos defeitos (faltas e furos, principalmente na lombada) mas bem sólida. Um ou outro defeito menor no interior (pequena falta de papel no canto inferior exterior da página 181/182, que não chega a tocar o texto; garatujas a lápis nos intervalos do texto das páginas 222 a 224).
No geral, um bom exemplar.

Invulgar.

Preço: 85 euros.



O LIVRO DE ALPORTEL


ESTANCO LOURO


Título completo: O LIVRO DE ALPORTEL / Monografia de uma Freguesia Rural — Concelho / Livro I — A Geografia / Livro 2 — A História / Livro 3 — A Vida Económica / Livro IV — A Vida Mental / Livro V — A Vida Social / — Esboço Monográfico de uma Família / — Conclusões

2.ª edição, esgotada [houve 3.ª, em 1996, com diferente capa]. Prefácio de João Pires da Cruz. Com xv+(7)+470+(29) páginas, e 16,5 x 24 x 4 cm. Ilustrado (tabelas e alguns mapas desdobráveis). Vide índice nas fotografias supra. Bom estado. São Brás de Alportel: Câmara Municipal, 1986.

Reedição e reunião da obra original de Estanco Louro, um estudo de pormenor da história, etnografia e geografia do concelho, que «inclui um estudo de caso sobre uma família rural e também uma recolha de contos tradicionais, cantos de Natal, e outros géneros literários no âmbito da literatura oral e da tradição oral», bem como «um estudo dialectológico do “falar” Alportelense, acompanhado de gramática e vocabulário» [citações do catálogo da Biblioteca com o nome do autor, sublinhados nossos].

Preço: 45 euros.



LISBOA DE OUTROS SÉCULOS

À SOMBRA DOS PAÇOS REAIS

CEM ANOS DE PITORESCO

O NAMÔRO LISBOETA NO SÉCULO XIX


FRANCISCO CÂNCIO


Obra histórica completa em 3 volumes, publicados em fascículos entre 1940 e 1941, aqui reunidos num único tomo monumental de 1340 páginas [561-(13)+463+304]. Ilustrada com fotografias e desenhos. 16,5 x 26,5 cm. Edição do autor. Primeiro volume anuncia uma tiragem de 300 exemplares.

Encadernação com lombada e cantos em pele (meia-francesa), com quatro nervos e os corvos vicentinos na lombada, de manufactura recente e em excelente estado de conservação. Miolo limpo e sem manchas, ligeiramente aparado. Raro conjunto.

Peça de colecção.

Preço: 280 euros.




Do autor, sobre as tradições do Ribatejo, aqui.



ROTEIRO ARTESÃO PORTUGUÊS

MINHO


MARIA NATÁLIA ALMEIDA D’EÇA


Artesãos e artigos de lavoura, cestaria, tecelagem, colchas, rendas e bordados, tanoaria, cerâmica, olaria (várias páginas sobre Rosa Ramalho), talha, cobres, funilaria, madeira, bonecos, tamancos, pirotecnia, zés-pereiras, instrumentos musicais, trabalhos em palhinha, couros, lãs, conchas, e outros, nos concelhos de Amares, Braga, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Esposende, Fafe, Guimarães, Póvoa de Lanhoso, Terras de Bouro, Vieira do Minho, Vila Nova de Famalicão, Vila Verde, Arcos de Valdevez, Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte de Lima, Valença, Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira.

Obra em 2 volumes, com 272 e 228 páginas e 16,5 x 23 x 2,5 cm, profusamente ilustrados, em edição da autora, com tiragens de 1000 exemplares por volume, Porto, 1989-1990. Capa do segundo volume com ligeira perda de cor.

Preço: 40 euros.



RIBATEJO
CASOS E TRADIÇÕES


FRANCISCO CÂNCIO


Uma das várias incursões importantes de Francisco Câncio no registo e divulgação da cultura popular da província do Ribatejo. Os capítulos e as próprias imagens surgem com uma ordem aparentemente aleatória, unidos pelo desembaraço e segurança de um bom contador de histórias, alicerçado em anos de pesquisas nos livros e nas gentes, e o leitor curioso da etnografia e do folclore da região tem deleite prometido ao passear sem mapa por estas páginas ribatejanas fora. Vide índice nas fotografias.

2 volumes ilustrados com fotografias, desenhos e gravuras, editados em fascículos. 525+485 páginas. 19,5 x 25,5 x 7,3 cm. Meia-encadernação ‘francesa’, não-editorial, sólida, com ligeiro desgaste nas extremidades, mormente nas cabeças e pés das lombadas. Bom estado geral. Edição com o patrocínio da Junta de Província do Ribatejo, s.l., 1948.

Preço: 185 euros.



HOSPITAL JÚLIO DE MATOS

Um Ano de Administração. 1946


JOAQUIM JOSÉ DE PAIVA CORRÊA (coord.)


Um balanço económico-financeiro da administração do Hospital Júlio de Matos, em 1946. As dificuldades logísticas, tentativas de reforma, soluções implementadas e seus resultados práticos, no primeiro ano após a reorganização administrativa do Hospital por despacho ministerial, mas também um ano de subida geral de preços — o primeiro depois do fim da II Guerra Mundial —, e pois de custos e despesas correntes.

Num extenso relatório, são discriminadas todas as receitas e despesas do Hospital, em tabelas, gráficos e quadros (muitos deles em folhas desdobráveis de dimensões generosas), que dão um retrato muito curioso de todo o o movimento no interior de uma tal instituição, pesada e complexa.
Exemplos: o custo por doente discriminado (vestuário, alimentação, farmácia, exames médicos, assistência clínica e de enfermagem, transportes); os materiais que foram gastos por mês na oficina de costura (agulhas, alfinetes, botões, colchetes, cotim, dedais, fita de nastro, fivelas, linhas, óleo, pano cru, molas, sarja, zuarte) e o que lá se produziu (almofadas, aventais, batas, calças, camisas, casacos, ceroulas, cobertores, colchas, colchões, cuecas, guardanapos, lençóis, lenços de cabeça, panos de cozinha, peúgas, toalhas e vestidos); ou na de sapataria; despesas com as caldeiras, com a farmácia, com os transportes (automóveis e hipomóveis); com a exploração agropecuária (que produzia batatas, cebolas, cenouras, tomates, alhos, couves, alfaces, nabiças, repolho, feijão verde, pimentos, favas, nabos, abóbora, pêssegos, abrunhos, alperces, ameixas, morangos e milho) e os jardins (ergoterápicos); com a alimentação (incluindo pormenores como a variação de preço de todos os géneros alimentícios consumidos nas cantinas do hospital, incluindo a mão de vaca, nos 3 anos anteriores); etc.; etc.

Um retrato em números do funcionamento de um grande hospital (160 profissionais para 519 doentes), em Portugal, nos meados da década de 40.

Com 184 páginas, e 24 folhas desdobráveis, com quadros e gráficos. 17 x 24 cm. Bom estado. Miolo muito limpo. Lisboa: Hospital Júlio de Matos, 1947.

Preço: 35 euros.


 


CONSTANTINO GUARDADOR DE
VACAS E DE SONHOS


ALVES REDOL


Assinado com dedicatória não datada pela esposa do escritor, Maria dos Santos Mota Redol.

Fala Alves Redol sobre a personagem principal do livro (p.102): «Embora inspirado na vida de um jovem [do Freixial], Constantino Cara-Linda, meu vizinho e amigo, este livro não é bem a crónica rigorosa do seu passadio. Inspira-se nele, reprodu-lo nas imagens que ilustram o texto [da primeira edição], mas recria-o e inventa-o também naquela medida em que o escritor decanta ou engravida a realidade de que se apossa com amor ou com raiva.»

12.ª edição. 121 páginas. 11 X 17,5 cm. Muito bom estado de conservação. Sem defeitos tirando o inevitável amarelecimento do tipo de papel desta colecção. Colecção Livros de Bolso Europa-América n.º 100. Lisboa: Publicações Europa-América, 1988.

Preço: 17 euros.



GEOGRAFIA DO FUMO NA BAHIA


NONATO MARQUES


Um estudo técnico do engenheiro agrónomo, poeta e político brasileiro Antônio Nonato Marques (1910-2006), antigo presidente do Instituto Bahiano do Fumo na década anterior a esta publicação. Com capítulos sobre a origem d expansaõ geográfica do «fumo» (tabaco) no mundo, o fumo no Brasil, a área geográfica do fumo na Bahia, o «Recôncavo» [zona fisiográfica baiana], a planta e a terra, o homem e a produção, a geografia na classificação comercial do fumo, o rio fumageiro [o Paraguassú, via comercial essencial] e informações sobre os principais municípios produtores de tabaco da Bahia.

Edição do Centro de Estudos Ruralistas Nonato Marques, Salvador da Bahia, [1951]. Ilustrado com 6 estampas extra-texto. 85 páginas. 16,5 x 23 cm. Capa com um carimbo de oferta do Serviço de Divulgação da a Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio. Bom estado geral. Invulgar.

Preço: 20 euros.


Vide aqui uma homenagem ao autor.



A CERA DAS ABELHAS NO ULTRAMAR PORTUGUÊS

SUGESTÕES PARA A SUA VALORIZAÇÃO COMERCIAL
E INDUSTRIALIZAÇÃO LOCAL

VASCO CORREIA PAIXÃO


Entende o autor, com efeito, não estar bem visto o aspecto tecnológico das ceras de abelhas no Ultramar português e, consequentemente, achar-se mal equacionado o problema que envolve a sua preparação, comércio e industrialização; ao ler os alvitres de quantos se debruçaram já sobre o assunto — com características comuns, aliás, à generalidade das zonas de clima quente, mormente do continente africano — fica-se com a impressão que eles ignoram toda a série de operações incluídas na arte do cerieiro, entendida esta desde a lagaragem das ramas até ao fabrico de obras com a matéria-prima resultante das mesmas.

Ilustrado com fotografias e desenhos, e algumas tabelas desdobráveis. 131 páginas. 16 x 23,5 cm. Lisboa: Edição do Autor, 1965.

Preço: 15 euros.



LA VITA DELL’APE

E L’APICOLTURA RAZIONALE INTENSIVA:

COME SI CONDUCE UN APIARIO AD ALTO RENDIMENTO
(GUIDA PRATICA)

BENIAMIMO CHRISTILLIN


Pequeno livro de bolso, por um reputado membro do Concelho Científico do Museu Internacional de Apicultura. Ilustrado com fotografias e desenhos. 48 páginas. 12 x 17 cm. Capa texturada. Torino: Industriale e Riva, 1931.

Preço: 10 euros.




AS AVES CANTAM. PORQUÊ?


JACQUES DELAMAIN


Título original: Pourquoi les oiseaux chantent. Prefácio de Jerôme e Jean Tharaud. Tradução de João de Barros. 2.º milhar. 214 páginas. 12,5 x 19 cm. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1938. Com uma dedicatória manuscrita, não autoral, no ante-rosto. Bom exemplar.

Preço: 12 euros.



ABASTECIMENTO DE PRODUTOS HORTÍCOLAS A LISBOA


M. LOURDES SANTOS PEREIRA


Inclui curiosos mapas desdobráveis com uma relação parcial das hortas existentes na zona de Lisboa, visíveis numa das fotografias, e capítulos sobre os meios de transporte usados (carroça, galera e camioneta), as épocas características de cada região ou as zonas abastecedoras, de Aveiro, Oeste, Saloia, Outra Banda, Setúbal, Vila Franca, Santarém e Algarve.

Com dedicatória autógrafa da autora, engenheira agrónoma, ao então presidente da Junta Nacional de Frutas, Mário Brito Soares. Capa e desenhos de Mário Marcelo Nogueira. Prefácio de Henrique de Barros. Com xvi+212 páginas, e 16,5 x 22,5 cm. Excelente estado de conservação. Lisboa: Junta Nacional das Frutas, 1949.

Preço: 20 euros.



A SOJA

SUA CULTURA E USOS


ARTUR CASTILHO


Capa assinada «Ribeiro». Ilustrado. 15 páginas. 14 x 20 cm. Em excelente estado de conservação. Colecção Campanha da Produção Agrícola, série B, n.º 17. Serviço editorial da Repartição de Estudos, Informação e Propaganda do Ministério da Economia / Direcção Geral dos Serviços Agrícolas, 1942.

Preço: 10 euros.