O SACO

MEMÓRIAS DE UM BOXEUR


MATOS JÚNIOR
[MANUEL MATOS IDEIAS]


Foi campeão regional e defrontou os maiores boxeurs nacionais e espanhóis do seu tempo. Exerceu também as profissões de madeireiro, marçano, guarda-costas, comerciante, arrumador de cinema, estivador, etc. Uma vida sob o signo do infortúnio. Evocadas conhecidas personalidades do meio desportivo e artístico. Um romance vivido e uma advertência à mocidade. Um grito de desespero, mordaz, pungente, angustiante… [texto da contracapa].

Manuel Matos Ideias, conhecido como pugilista pelo nome Matos Júnior, publicou há 50 anos estas memórias da sua vida e carreira em parceria com o jornalista Fernando Laidley. Na introdução, o autor conta de raspão como Fernando Namora o convenceu a escrever as memórias. Capa com desenho de J. Ribeiro, datado de 1966. Estimado. 140 páginas. 13,8 x 20,2 cm. Lisboa: Edições Tapete Mágico, [s.d.].

Assinado por MATOS JÚNIOR com dedicatória de página inteira.

Preço: 30 euros.


Coristas, 1941

[17Ago20]

cori1

cori4


CORISTAS

Comédia em 3 Actos

ARMANDO VIEIRA PINTO


O autor [Viana do Castelo, 1906 – Lisboa, 1964] foi jornalista, dramaturgo, letrista de fado, argumentista, realizador.

Antecede a peça com um prefácio sobre o processo de escrita de teatro, o público e a crítica. Segue-se a lista das personagens e actores que as representaram na noite de estreia a 27 de Março de 1942, no Teatro Nacional D. Maria II.

Exemplar com assinatura de posse, a lápis, datada, de José Palla e Carmo [o “humorista” José Sesinando], que sublinhou a seguinte passagem do prefácio (pág. 7):

Para que de uma obra risonha possam tirar-se conclusões sérias, são necessários um certo poder de raciocínio imediato e um profundo sentido do humor. Nem uma nem outra destas qualidades, infelizmente, são peculiares ao nosso público.

Na (colecção) Biblioteca Teatral “Teatro do Povo”. Desenho da capa não assinado. 173 páginas. 13 x 18,5 cm. Lombada amarelecida e corte superior das folhas escurecido. Miolo limpo. Porto: Livraria Tavares Martins, 1941.

Preço: 15 euros.



REVISTA K


N.º 1 a 32


Um manancial de milhares de páginas escritas e ilustradas por um vasto número de destacados artistas, jornalistas, escritores e designers da última década do século XX:

Dirigida por Miguel Esteves Cardoso. Projecto gráfico de João Botelho. Colaboração de Agustina Bessa-Luís, Edgar Pêra, Catarina Portas, Manuel Hermínio Monteiro, Vasco Pulido Valente, João Bénard da Costa, Maria Filomena Molder, Maria Filomena Mónica, Rui Zink, Pedro Ayres de Magalhães, Ferreira Fernandes, Noé Sendas, Sérgio Mah, João Queirós, José Fragateiro, Pedro Rolo Duarte, Francisco José Viegas, e outros.

Colecção completa — os 32 números publicados mensalmente entre Outubro de 1990 e Maio de 1993. Formato largo: 28,5 x 23 cm. Conjunto das lombadas: 15,5 cm. Edição C. C. & B., Oeiras, 1990-1993. Bom estado de conservação.

Preço: 360 euros.



PÁSSAROS DE ASAS CORTADAS


LUÍS FRANCISCO REBELO
ARTUR RAMOS
[LUÍS DE] STTAU MONTEIRO
ALEXANDRE O’NEILL


Guião do filme, estreado no Coliseu do Porto a 19 de Abril de 1963, segundo a peça de Luís Francisco Rebelo, adaptada por Artur Ramos e Luís Francisco Rebelo, com diálogos de Luís de Sttau Monteiro e Alexandre O’Neill, e planificação de Artur Ramos.

Assinado no ante-rosto pelos quatro autores.

Ilustrado com inúmeros fotogramas do filme (“gravuras da Fotogravura”), alguns de página inteira. Capa de Miguel Flávio. Exemplar manuseado: capa cansada e com manchas, ao que acresce um carimbo de posse no topo da página dos autógrafos. Anotação manuscrita na página de guarda posterior (página em branco, verso do colofón). 138+(6) páginas. 12,5 x 18,5 cm. Lisboa: Prelo, 1963.

Preço: 45 euros.



FEIRA CABISBAIXA


ALEXANDRE O’NEILL


Primeira Edição. Prefácio de António Alçada Baptista. Colecção dirigida por Vítor Silva Tavares. Obra apreendida pela PIDE. Muito bom estado, salvo pequena rubrica de posse no ante-rosto — se coeva, um pequeno acto de coragem. 58 páginas. 18 x 10 cm. Colecção Poesia e Ensaio n.º 6, Lisboa: Ulisseia, 1965.

Preço: 45 euros.



AS ANDORINHAS NÃO
TÊM RESTAURANTE


ALEXANDRE O’NEILL


«As primeiras prosas de um poeta». Primeira Edição. 89+(7) páginas. 18 x 11 cm. Lombada com ligeira perda de cor, capa com ténues marcas de uso. Miolo impecável. Colecção Cadernos de Literatura n.º 7, das Publicações Dom Quixote, Lisboa, 1970.

Preço: 35 euros.



POESIAS COMPLETAS
1951/1986


ALEXANDRE O’NEILL


3.ª edição revista e aumentada. Edição do Dia de Portugal, 10 de Junho de 1990 (Comissão Organizadora do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas), altura em que, a título póstumo, foi nomeado Grande-Oficial da Ordem de Sant’Iago da Espada. Prefácio de Clara Rocha. Biografia cronológica de Ana Maria Pereirinha (dedicatória na página de rosto da autoria da mesma). Na capa reproduz-se fotografia executada por Alexandre Delgado O’Neill. Brochado. 574+(22) páginas. 15 cm x 23,7 cm. Capa com sinais de manuseamento (ligeiros, nalgumas arestas), primeira e última página parcialmente amarelecidas. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1990.

Preço: 28 euros.



POESIAS COMPLETAS

1951 / 1981


ALEXANDRE O’NEILL


Exemplar da tiragem regular. 504+(16) páginas. 24 x 15 cm. Usado em bom estado (vinco na capa visível na fotografia supra; vincos de leitura na lombada; micro-carimbo de posse no rosto; exemplar sólido). Colecção Biblioteca de Autores Portugueses. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1982.

Preço: 15 euros.



ROMEU, JULIETA E AS TREVAS


JAN OTCHENACHEK


Tradução de Alexandre O’Neill. Prefácio de Aragon. Capa de Cidália de Brito. Encadernação editorial com sobrecapa. 228 páginas. 19 x 12 cm. Muito bom estado de conservação. Colecção Encontro n.º 44. Lisboa: Arcádia, 1967.

Preço: 15 euros.



ROMEU, JULIETA E AS TREVAS


JAN OTCHENACHECK


Título original: Romeo, Julie a Tma. Tradução de ALEXANDRE O’NEILL. Capa de Cidália de Brito. 2.ª edição. 227 páginas. 12 x 19 cm. Encadernação editorial. Miolo amarelecido e sobrecapa da colecção com várias imperfeições nas orlas. Lisboa: Arcádia, 1967.

Preço: 5 euros.


 


Revista

COLÓQUIO / LETRAS


N.º 113-114

Janeiro-Abril de 1990

Número duplo. Contém dossier de 50 páginas: «Alexandre O’Neill — Elementos para uma biografia (1924-1953) / 3 poemas de 1942 / 2 poemas inéditos / apresentados e anotados por Laurinda Bom». Ilustrada. 240 páginas e diversos encartes extra-texto, como habitual. 24,5 x 17 cm. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1990.

Preço: 17 euros.


jgf


OS SEGREDOS DE LISBOA


JOSÉ GOMES FERREIRA


Contos. Primeira e única edição: a obra viria uns anos depois a ser incluída em Irreal Quotidiano (1971). N.º 5 da colecção Tempo de Ficção, dirigida por Alexandre Pinheiro Torres, tipograficamente singela. Inclui uma folha volante, com um texto de Alexandre O’Neill, que publicita a colecção Tempo de Poesia, na mesma editora. 36 páginas. 12,3 x 20 cm. Exemplar vincado (“a seco”) no canto superior direito, em todo o volume (visível na fotografia supra). Lisboa: Edições Tempo, [1962].

Preço: 17 euros.



CICLO DE CINEMA DE
FICÇÃO CIENTÍFICA

1984: “O Futuro é já Hoje?”


João Bénard da Costa (org.)


Marcando o ano “fatídico” que Orwell imaginara quarenta anos antes, a Gulbenkian e a Cinemateca Portuguesa juntaram-se em 1984 para um épico ciclo de filmes de Ficção Científica. O catálogo que daí resultou poderá bem ser uma das melhores edições jamais dedicadas ao género e, certamente, um dos mais impressionantes livros feitos em Portugal. [ler aqui]

Direcção literária de João Bénard da Costa. Direcção gráfica de Fernando de Azevedo. Textos de John Baxter, Olivier Assayas, Trindade Santos, João Manuel Barreiros e Alberto Vaz da Silva. 516 páginas, algumas desdobráveis. 30,5 x 22,5 cm. Encadernação editorial gravada a ouro, com sobrecapa. Em muito bom estado de conservação. Tiragem de 2000 exemplares, esgotada na primeira semana. Edição conjunta Cinemateca Portuguesa / Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1984.

Um objecto invulgar.

Preço: 135 euros.



OS ANTEPASSADOS DE
ALGUNS CINEMAS DO PORTO


ALVES COSTA


São evocados o Cine-Teatro S. João, o Salão High-Life, o Cinema Batalha [inclui fotografia do fresco desaparecido de Júlio Pomar], o Salão-Jardim Passos Manuel (“antepassado do actual «Coliseu» e «Cinema Passos Manuel»”), e feita menção a outras salas e animatógrafos.

Ilustrado com fotografias, cartazes e programas. Brochado, 17 cm x 22,8 cm. 37+(3) páginas. Manuseado. Capa e algumas páginas com pontos de oxidação. Lisboa: Instituto Português de Cinema – Cinemateca Nacional, 1975.

Preço: 17 euros.



OS MAIS ANTIGOS CINEMAS DE LISBOA
1896-1939

A DISTRIBUIÇÃO DE FILMES EM PORTUGAL
1908-1939


M. FÉLIX RIBEIRO


Lista exaustiva dos Cinemas e Teatros referidos nesta obra: Animatographo de Alcântara, Animatographo do Rossio, Belém Cinema, Campolide Cinema, Capitólio, Casino Étoile, Chiado Terrasse, Cine Bélgica, Cine Esperança, Cine Ginásio, Cine Oriente, Cine Pátria, Cine Paris, Cine Tortoise, Cinema Avis, Cinema Colossal, Cinema Condes, Cinema Cosmopolita, Cinema Europa, Cinema Gil Vicente, Cinema Palácio, Cinema Palatino, Cinema Pathé, Cinema Popular, Cinema Promotora, Cinema Restauradores, Cinema Rex, Cinema Universal, Cinema Voz do Operário, Coliseu de Lisboa, Coliseu dos Recreios, Eden Cinema, Eden Concerto, Esplanada Belém-Jardim, Esplanada Monumental, Grande Animatographo de Alcântara, Imperial Cinema, Império (1916), Jardim Cinema, Lusitania Film, Lys, Max Cine, Novo Cine, Odéon, Olympia, Palais Cinema, Paradis Cinema, Paraíso de Lisboa, Paris Cinema, Pathé Cinema, Rossio Palace, Royal Cine, Roxy, Tivoli, Trianon Palace, The Wonderful, Salão Avenida, Salão Central, Salão Chantecler, Salão Chiado, Salão Cosmopolita, Salão Edison, Salão Fantástico, Salão Foz, Salão Ideal, Salão Liberdade, Salão Lisboa, Salão Portugal (Alfama), Salão Portugal (Ajuda), Salão Rubi, Salão Theatro de Variedades, Salão das Trinas, Salão Recreio da Graça, Salão S. Carlos, Salão da Trindade, Salon Rouge, São Luiz Cine, Eden Teatro, Teatro D. Amélia, Teatro Estrela, Teatro do Ginásio, Teatro Joaquim de Almeida, Teatro Moderno, Teatro Politeama, Teatro do Rato, Teatro República, Teatro Salão dos Anjos, Teatro São Luís, Teatro da Trindade.

Profusamente ilustrado. Brochado, 264+(4) páginas. 17,5 cm x 23,8 cm. Assinatura de posse na página de guarda. Capa manuseada (perda de cor, desgaste marginal), cortes do miolo com picos de oxidação, miolo em bom estado. Lisboa: Instituto Português de Cinema – Cinemateca Nacional, 1978.

Preço: 25 euros.



FILMES, FIGURAS E FACTOS
DA HISTÓRIA
DO CINEMA PORTUGUÊS
1896-1949


M. FÉLIX RIBEIRO


Prefácios de Luís de Pina e de João Bénard da Costa, e introdução do autor:

Meti ombros a este trabalho na intenção de que nele ficassem apontados e respeitados muitos e variados aspectos do que foi a caminhada percorrida pelo cinema português ao longo do período que decorre entre o anos de 1896, quando Aurélio da Paz dos Reis dá as primeiras voltas de manivela, por intermédio da sua tão primitiva, embora eficiente, máquina de filmar, para nos oferecer a sua «Saída do Pessoal Operário da Fábrica Confiança», e o final de 1949, para nós um limite para os nossos propósitos […]

Capítulo I: 1.º Ciclo do Porto / Capítulo II: 1.º Ciclo de Lisboa / Capítulo III: 2.º Ciclo do Porto / Capítulo IV: 2.º Ciclo de Lisboa / Capítulo V: O sonoro chega a Portugal.

Com fotografias, anúncios, desenhos, caricaturas, fotogramas de filmes, etc. Brochado, 651+(5) páginas (papel couché), 17,8 cm x 25,8 cm. Bom estado geral. Lisboa: Cinemateca Portuguesa, 1983.

Preço: 45 euros.