MONOGRAPHIA

AS FORÇAS MILITARES DE LAGOS
NAS GUERRAS DA RESTAURAÇÃO E PENINSULAR
E NAS PUGNAS PELA LIBERDADE

MANOEL JOÃO PAULO ROCHA


Ilustrado. 488 páginas. 16,5 x 25,5 cm. Exemplar num estado de conservação muito aceitável: miolo em bom estado, capa e lombada com pequenas falhas de papel. Vide índice nas fotografias. Porto: Typographia Universal, 1910.

Invulgar.

Preço: 60 euros.



O LIVRO DE ALPORTEL


ESTANCO LOURO


Título completo: O LIVRO DE ALPORTEL / Monografia de uma Freguesia Rural — Concelho / Livro I — A Geografia / Livro 2 — A História / Livro 3 — A Vida Económica / Livro IV — A Vida Mental / Livro V — A Vida Social / — Esboço Monográfico de uma Família / — Conclusões

2.ª edição, esgotada [houve 3.ª, em 1996, com diferente capa]. Prefácio de João Pires da Cruz. Com xv+(7)+470+(29) páginas, e 16,5 x 24 x 4 cm. Ilustrado (tabelas e alguns mapas desdobráveis). Vide índice nas fotografias supra. Bom estado. São Brás de Alportel: Câmara Municipal, 1986.

Reedição e reunião da obra original de Estanco Louro, um estudo de pormenor da história, etnografia e geografia do concelho, que «inclui um estudo de caso sobre uma família rural e também uma recolha de contos tradicionais, cantos de Natal, e outros géneros literários no âmbito da literatura oral e da tradição oral», bem como «um estudo dialectológico do “falar” Alportelense, acompanhado de gramática e vocabulário» [citações do catálogo da Biblioteca com o nome do autor, sublinhados nossos].

Preço: 45 euros.



ARMAS DA GUERRILHA


JEAN-LOUIS BRAU


Pela primeira vez na Europa, a nomenclatura precisa e pormenorizada das técnicas utilizadas, quer em África, quer no Vietname, quer, ainda, na América Latina.

Dividido em três partes: Os Fundamentos da Guerrilha; O Guerrilheiro e as suas Armas; A Formação do Guerrilheiro.

Edição ilustrada com fotografias, desenhos, esquemas e tabelas. Tradução de Zarco Moniz Ferreira. 190 páginas. 14 x 20 cm. Bom exemplar. Lisboa: Ulisseia, [1974].

Óptimo estado de conservação.

Preço: 40 euros.



O PORTUGUÊS

CRISTOVÃO COLOMBO

AGENTE SECRETO DO REI DOM JOÃO II


MASCARENHAS BARRETO


Exemplar que pertenceu a Fernando Falcão Machado (1904-1993), que o anotou criticamente de diversas formas (a lápis —> com marcas, sublinhados e pequenas notas; e a tinta —> em pequenos papéis apensos às páginas a que se referem). Parece haver um tentame de índice onomástico no final, visível numa das fotografias supra. Exemplar com interesse acrescido.

Com várias ilustrações ao longo do texto, algumas a cor. 613+(11) páginas. 17 x 24 cm. Bom exemplar. Lisboa: Edições Referendo, 1988.

Preço: 40 euros.



D. PEDRO I
E A SUA ÉPOCA


JOSÉ ESTEVÃO DE MORAES SARMENTO


Um longo ensaio que questiona, com diversos fundamentos, a veracidade histórica da crónica que Fernão Lopes dedicou à vida do rei D. Pedro I. Vide índice nas fotografias supra. Exemplar da tiragem normal. Com a capa anterior (espelhada), mas não a posterior. Miolo com pequenas marcas de uso. Com (12)+xliv+562+(2) páginas, e 16,5 x 23,5 cm. Porto: Imprensa Portuguesa, 1924.

Encadernado com:

Pareceres da Academia das Sciencias de Lisboa àcerca do Livro D. Pedro I e a Sua Época do General Moraes Sarmento. 2.ª edição [ambas fora de mercado], com adenda pelo Dr. Armelim Junior, sócio da mesma academia. Inclui a petição do parecer, pelo general Moraes Sarmento, e os pareceres da secção de jurisprudência (Artur Montenegro; D. António, cardeal patriarca; Júlio de Vilhena; e Visconde de Carnaxide) e da secção de História (Vicente Almeida d’Eça; Pedro Augusto de S. Bartolomeu Azevedo; António Baião; e António Ferrão) da Academia, aprovados pelo secretário-geral, Cristovam Ayres. Invulgar. 37+(3) páginas. 14 x 21 cm. [s.l]: Sintra Gráfica, 1929.

Encadernação sintética moderna, meia-francesa, em excelente estado de conservação.

Preço: 45 euros.



ELEMENTOS PARA A HISTÓRIA
DO MUNICÍPIO DE LISBOA


EDUARDO FREIRE DE OLIVEIRA


Título e autor, tal qual figuram no rosto: Elementos para a História do Município de Lisboa, por Eduardo Freire de Oliveira, arquivista da Camara Municipal da mesma cidade. 1.ª PARTE. Publicação mandada fazer a expensas da Camara Municipal de Lisboa, para commemorar o centenario do Marquez de Pombal em 8 de Maio de 1882.

Mais de 10 mil páginas de documentos oficiais de algum modo relevantes, organizados cronologicamente e alusivos a séculos de assuntos invariavelmente díspares — as iguarias de um banquete celebratório, a colocação na prisão do Limoeiro do líder de uma «companhia de comediantes de Castella», a lista das pessoas de cada freguesia que se recusam a participar numa campanha de limpeza pública, a morte do rei —, num panorama que permite acompanhar os reflexos da política e da história do país nas várias decisões e questões do município d’esta cidade onde desde muito cedo esteve instalado um Governo demasiado centralista.

Temos assim «a carta regia que trouxe a communicação official da morte de Filippe II» (tomo II, quase todo dedicado ao “tempo dos Filipes”, pág. 590), «a ruína de Lisboa», no sábado 1 de Novembro de 1755 (tomo XVI, a partir da página 133, com lista e descrição sumária de abalos sísmicos anteriores, nomeadamente os de 1309, 1321, 1344, 1356, 1512, 1531, 1551, 1575, 1597, 1598, 1699 e 1724), a inauguração da estátua equestre de D. José (em parte citada aqui) ou a «consulta da Cammara a el-rei em 2 de julho de 1650», onde se propõem os nomes de «doze fidalgos, doze cidadãos e doze homens do povo» para «terem as chaves das quatro portas da cidade» (tomo V, p. 208, antecedendo em algumas páginas a lista exaustiva dos preços de venda de todo o tipo de animais para alimentação, indexados inteiros, em partes, e por género).

O primeiro documento transcrito no tomo I, que não o foral de 1179, data de 7 de Novembro de 1190, e o último documento transcrito no tomo XVII data de 23 de Agosto de 1777. Entre ambos, os diversos prefácios e as anotações constantes de Freire de Oliveira (1841-1916) desvelam e aprofundam as origens e importância dos textos que transcreve. Contém ainda algumas ilustrações, muito poucas, destacando-se a litografia da Divisa da Cidade, que abre o tomo X, ou a «planta litographada da sala das sessões do senado da camara de Lisboa, que acompanha a carta regia de 13 de Novembro de 1773» (tomo I, pág. 68).

[Para uma descrição mais detalhada da cronologia de cada tomo, consulte-se o artigo de António Miranda na Rossio n.º 1, de 2013. Como o plano cronológico da 1.ª parte da obra deveria ter prosseguido até ao ano do início da publicação (1882), suspeita-se que, além da nunca publicada 2.ª parte, também desta 1.ª parte terá ficado por publicar pelo menos um tomo, para o período 1777-1882.]

Obra completa (tudo quanto se publicou), em XVII tomos de 16,5 x 24,5 cm (66cm de estante), Lisboa: Typographia Universal, 1882-1911.

Tomo I, 1885, (12)+661+(5) págs. Tomo II, 1887, xiv+593+(2) págs. Tomo III, 1888, vi+584+(3) págs. Tomo IV, 1889, xii+628+(3) págs. Tomo V, 1891, vi+620+(3) págs. Tomo VI, 1893, ix+627+(2) págs. Tomo VII, 1894, cxii+466+(3) págs. Tomo VIII, 1896, vi+593+(3) págs. Tomo IX, 1898, vi+617+(4) págs. Tomo X, 1899, viii+595+(2) págs. Tomo XI, 1901, vi+632+(3) págs. Tomo XII, 1903, (10)+652+(3) págs. Tomo XIII, 1904, (6)+622+(3) págs. Tomo XIV, 1906, (6)+634+(3) págs. Tomo XV, 1906, (6)+630+(3) págs. Tomo XVI, 1910, xiv+567+(4) págs. Tomo XVII, 1911, (6)+622+(3) págs.

Acrescentam-se os dois volumes de índices, publicados cerca de 40 anos mais tarde: Índice dos «Elementos para a História do Município de Lisboa», por Esteves Rodrigues da Silva, sob a direcção de Jaime Lopes Dias, 2 vols., Lisboa: Câmara Municipal, 1942-1943. Com 396+578 páginas, e 17 x 22,5 cm. Capa do volume II com um rasgão restaurado. Páginas por abrir.

Todos os 19 volumes em brochura e 17 deles com as páginas por abrir. Bom estado geral, com não mais do que pequenos defeitos dispersos (muito ocasionais picos de humidade; algumas lombadas mais amarelecidas que outras; bicho de papel que atacou superficialmente a capa do tomo VI; e situações afins, de pouca monta).

Conjunto invulgar.

Preço: 480 euros.



SEROENS DE S. MIGUEL DE SEIDE

CHRONICA MENSAL DE LITTERATURA AMENA

NOVELLAS, POLEMICA MANSA
CRITICA SUAVE DOS MÁOS LIVROS E DOS MÁOS COSTUMES

CAMILLO CASTELLO BRANCO


Edição original.

6 fascículos em 1 único volume (obra completa). Encadernação com rótulo em pele. Miolo aparado. Conserva a capa de brochura anterior do primeiro fascículo. Com 75+(5), 69+(3), 95+(1), 72+(8), 99+(1), 76+(6) páginas. 11,5 x 16 cm. Porto: Livraria Civilisação, de Eduardo da Costa Santos, 1885-1886.

Preço: 120 euros.



MARCELO REBELO DE SOUSA
A REVOLUÇÃO E O NASCIMENTO DO PPD
(Abril de 1974 a Maio de 1975)
2 volumes (obra completa). 1.º volume em 2.ª edição. 2.º Volume em 1.ª edição. Revisão e índices de Vasco Rosa. 1133+xxvii+lx páginas. 15,5 x 24 x 7 cm. Excelente estado de conservação. Lisboa: Bertrand Editora, 2000.
Preço (do conjunto): 20 euros.

CAMARATE
Relatórios Finais das Comissões Parlamentares de Inquérito.
Uma iniciativa do deputado Nuno Melo, presidente da VIII Comissão Parlamentar de Inquérito à Tragédia de Camarate. Coordenação editorial de Helena Alves e Noémia Bernardo. Tiragem de 1000 exemplares, não esgotados. 678 páginas. 15 x 21 cm. Bom estado de conservação. Lisboa: Assembleia da República, 2005.
Preço: 10 euros.

INÊS SERRA LOPES
CAMAROTE. A VERDADE NÃO PRESCREVE
Prefácio de Marcelo Rebelo de Sousa. A jornalista, à época grande repórter d’O Independente, revisita teorias, depoimentos e entrevistas, e acrescenta novos dados ao processo, defendendo, sem quaisquer dúvidas, a teoria do atentado. 250 páginas. 15,5 x 23,5 cm. Bom estado. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1996.
Preço: 15 euros.

AUGUSTO CID
CAMARATE
Augusto Cid, membro do PSD desde 1974 e autor das setas do símbolo do partido, dedicou uma parte da sua vida à investigação do Caso Camarate, e este volume de peso ficou como testemunho desse período e ponto de paragem obrigatório de qualquer pesquisa sobre o Caso. 1.ª edição. Ilustrado. 902 páginas. 14,5 x 21 cm. Com marcas de uso, entre as quais dedicatória não-autoral na página de rosto. Lisboa: Distri Editora, 1984.
Preço: 15 euros.

FRANCISCO SÁ CARNEIRO
TEXTOS (1969-1974)
2 volumes (de um total de 3). Volume 1 de 1969 a 1973, e Volume 2 de 1973 a 1974. Bom estado, embora a lombada do primeiro volume possua alguns vincos. 382+470 páginas. 14 x 21 x 6 cm. Lisboa: Editorial Progresso Social e Democracia, 1982.
Preço (do conjunto): 10 euros.

ANTÓNIO MARIA PEREIRA
O PENSAMENTO DE SÁ CARNEIRO EM POLÍTICA EXTERNA
O autor foi «amigo e advogado de Francisco Sá Carneiro», e deputado pelo PSD. 179 páginas. 13,5 x 21 cm. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1981.
Preço: 10 euros.

[Jornal] O DIÁRIO
WATERGATE SÁ CARNEIRO
(História de Uma Fraude)
«Quando O Diário revelou, em 14 de Abril de 1976, a existência das dívidas dos irmãos Sá Carneiro à banca nacionalizada, o chefe do PSD estava bem longe de imaginar que esse caso iria provocar, quatro anos depois, o pedido de uma reunião extraordinária da Assembleia da República, e que poria em causa o seu ambicionado cargo de Primeiro-Ministro.» Ilustrado. Inclui transcrições e fac-símiles de requerimentos e peças do processo de Sá Carneiro contra o jornal O Diário, e elementos da defesa que factualizam a informação considerada caluniosa pela acusação. 142 páginas. 15 x 21 cm. Capa de Balthazar. Lisboa: Editorial Caminho, 1980.
Preço: 15 euros.



AVE, PALAVRA


JOÃO GUIMARÃES ROSA


Obra póstuma. Capa de Gian. Com uma fotografia do autor. Nota introdutória de Paulo Rónai. Em excelente estado de conservação. 274 páginas. 14 x 21 cm. 1.ª edição, Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editôra, 1970.

Preço: 25 euros.



PRIMEIRAS ESTÓRIAS


JOÃO GUIMARÃES ROSA


Segundo o colofón, «êste livro foi feito nas oficinas de Artes Gráficas Bisordi S. A., na Rua do Hipódromo 63/69, São Paulo, para a Livraria José Olympio Editôra S. A., Rio, terminando-se a impressão em agôsto de 1962 — ano em que o Brasil, conquistando a Taça Jules Rimet, sagrou-se Bicampeão Mundial de Futebol.»

1.ª edição. 176-(4) páginas. 14 x 21 cm. Capa cansada. Guarda, ante-rosto e 12 páginas finais com ténue mancha de humidade no canto inferior exterior, que não toca o texto. Pequena assinatura de posse no rosto, sob o título. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editôra, 1962.

Preço: 30 euros.



GUIMARÃES ROSA


ADÓNIAS FILHO
ÓSCAR LOPES
CURT MEYER-CLASON
VÍTOR MANUEL DE AGUIAR E SILVA


Textos de um ciclo de conferências sobre Guimarães Rosa, aquando das exposições biobibliográficas sobre o autor, na Galeria Quadrante, em Lisboa, e na Faculdade de Letras de Coimbra, em 1968/1969. Com 81 páginas, e 14 x 20,5 cm. Bom exemplar. Lisboa: Instituto Luso-Brasileiro, 1969.

Ensaios: «A ficção de Guimarães Rosa» (Adónias Filho), «Guimarães Rosa — intenções de um estilo» (Óscar Lopes), «Guimarães Rosa e a língua alemã» (Curt Meyer-Clason, tradutor de Guimarães Rosa para alemão) e «Visão do mundo e estilo em Grande Sertão: Veredas» (Vítor Manuel de Aguiar e Silva).

Acompanhado de um cartão do Instituto Luso-Brasileiro de Lisboa, autografado com “abraços amigos sempre”, mas sem menção do destinatário, por Ruben A.

Raro.

Preço: 25 euros.



INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DO
TEATRO PORTUGUÊS


DUARTE IVO CRUZ


Plano da obra: Os esboços pré-vicentinos / Gil Vicente, o que faz os autos a El-Rei / O teatro pré-vicentino / Renascimento e teatro / Pausa neo-latina / A luta pela sobrevivência teatral / Dualidade do séc. XVIII / Séc. XIX / Séc. XX.

Com 229 páginas e 15 x 21 cm. Com ténues marcas de uso. Carimbo antigo de oferta institucional na página de guarda. Lisboa: Guimarães Editores, 1983.

Preço: 15 euros.



NOVAS CARTAS PORTUGUESAS


MARIA ISABEL BARRENO
MARIA TERESA HORTA
MARIA VELHO DA COSTA


Primeira edição do polémico livro que revisitou Soror Mariana Alcoforado no espectro da Primavera Marcelista.

Muito bom estado de conservação, limpo e por abrir. 389 páginas. 12 x 19,5 cm. Colecção Serpente da Estúdios Cor, Lisboa, 1972.

Preço: 50 euros.



LISBOA DE OUTROS SÉCULOS

À SOMBRA DOS PAÇOS REAIS

CEM ANOS DE PITORESCO

O NAMÔRO LISBOETA NO SÉCULO XIX


FRANCISCO CÂNCIO


Obra histórica completa em 3 volumes, publicados em fascículos entre 1940 e 1941, aqui reunidos num único tomo monumental de 1340 páginas [561-(13)+463+304]. Ilustrada com fotografias e desenhos. 16,5 x 26,5 cm. Edição do autor. Primeiro volume anuncia uma tiragem de 300 exemplares.

Encadernação com lombada e cantos em pele (meia-francesa), com quatro nervos e os corvos vicentinos na lombada, de manufactura recente e em excelente estado de conservação. Miolo limpo e sem manchas, ligeiramente aparado. Raro conjunto.

Peça de colecção.

Preço: 280 euros.




Do autor, sobre as tradições do Ribatejo, aqui.



NO LEILÃO AMEAL


GUSTAVO DE MATOS SEQUEIRA


1.ª edição rara, limitada a 500 exemplares. Um leilão lendário, pela qualidade e história dos lotes exibidos e despicados, dado a ver no relato telegráfico-cómico de Matos Sequeira, bastante adequado.

Título completo: NO LEILÃO AMEAL. 31 de Março a 16 de Abril de 1924. Crónica Amena de uma Livraria a Menos.

Desenhos de Alberto Sousa. Lisboa: Empresa Editora e de Publicidade A Peninsular Lda., 1924. Com 66 páginas e 14 x 20 cm. Meia-encadernação de pele com cantos, e algumas marcas de uso na lombada, visíveis na fotografia; miolo aparado, preserva capa de brochura anterior.

Valorizado com anotações a lápis de anterior proprietário, que desvendam as iniciais de cada uma das caricaturas.

Peça de colecção.

Preço: 45 euros.




Reeditado pela livraria Letra Livre em 2008.



HISTÓRIAS À MARGEM DE UM SÉCULO DE HISTÓRIA


F. KEIL DO AMARAL


Livro de “memórias da família” do arquitecto Francisco Keil do Amaral (1910-1975), publicado na Biblioteca de Estudos sobre a Sociedade e a Cultura Portuguesas, secção I, n.º 6, da editora Seara Nova, Lisboa, 1970. Capa de Guilherme Lopes Alves. 242 páginas. 14 x 22 cm. Bom estado.

Assinado pelo autor com dedicatória datada de 1970.

Preço: 25 euros.



HISTÓRIAS À MARGEM DE UM SÉCULO DE HISTÓRIA


F. KEIL DO AMARAL


Livro de “memórias da família” do arquitecto Francisco Keil do Amaral (1910-1975), publicado na Biblioteca de Estudos sobre a Sociedade e a Cultura Portuguesas, secção I, n.º 6, da editora Seara Nova, Lisboa, 1970. Capa de Guilherme Lopes Alves. 242 páginas. 14 x 22 cm. Usado. Com assinatura de posse no rosto.

Preço: 10 euros.



14, CITÉ FALGUIÈRE


DIOGO DE MACEDO


Memória. Nova edição (póstuma), acrescentada com uma nota de abertura pelo autor e um desenho inédito de Modigliani. Tiragem especial numerada (exemplar n.º 381 de 800). 87 páginas. 13 x 18 cm. Arranjo gráfico de Fernando Ferrão. Edição patrocinada pelo Jornal do Fôro. Lisboa, Novembro de 1960.

Invulgar.

Preço: 25 euros.



DO OUTRO LADO

cançoneta comica


ALFREDO DE MORAES PINTO
(Pan-Tarantula)


Ilustrações de Raphael Bordallo Pinheiro (14 no texto + 2 nas capas). Desenho da capa “continua” na contracapa, e a frente e o verso do livro estão trocados, de acordo com o título.

16 páginas. 12 x 18,5 cm. Impresso na Typographia Elzeviriana. Em bom estado geral, pese embora ter as capas praticamente soltas. Lisboa: Tavares Cardoso & Irmão, 1885.

Invulgar.

Preço: 60 euros.



CARICATURAS PESSOAIS


FRANCISCO VALENÇA


Colecção do Sempre Fixe, n.º I. Exemplar enriquecido com 10 outras caricaturas de Valença recortadas de jornais e identificadas, adicionadas ou em páginas do livro ou em página à parte, como se pode ver em duas das fotografias. 215 páginas. 19 x 24 cm. Manuseado, mas um exemplar bastante interessante. Porém, tem faltas de papel símiles (visíveis nas fotografias) no pé das páginas 5, 99 e 213, e inócua falta da página de guarda. No verso da capa tem dois ex-libris. Lisboa: Renascença Gráfica, 1931.

Invulgar.

Preço: 90 euros.




SERVIÇO SOCIAL NO ESTADO NOVO


ANABELA CARVALHO
HELENA MOURO


(…) procuraremos demonstrar que a resposta ao falhanço do liberalismo, materializado em Portugal na instauração do Estado Novo, se realiza no domínio do Serviço Social, nos mesmos termos que nos países do capitalismo avançado. Também em Portugal a convergência entre o feminismo burguês e a filantropia cristã se manifesta num percurso que iniciado nos finais do Século XIX se integra em 1933 num projecto mais amplo veiculado pela Acção Católica Portuguesa, cujos valores, princípios, e projectos societais subjazem ao projecto corporativista do Estado Novo. Assim, a eventual identificação que possa estabelecer-se entre este e o Serviço Social resulta, em nosso entender, da inspiração comum de ambos: a democracia cristã. [da Introdução].

Capa de António Luís Catarino. 251-(4) páginas. 12 x 18 cm. Coimbra: Centelha, 1987.

Preço: 12 euros.