EM VOLTA DA MINHA PROFISSÃO

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DO MOVIMENTO OPERÁRIO NO PORTUGAL CONTINENTAL

ALEXANDRE VIEIRA


Obra da autoria de um operário gráfico, com uma ficha técnica onde (naturalmente) constam todos os intervenientes no processo de produção tipográfica: revisão de Joaquim Gonçalves Piçarra, direcção tipográfica de Luís Cunha e Valeriano José Cavaco, paginação de Germinal de Sousa, composição dos linotipistas Manuel Luís de Sá e José Paiva Guerreiro, impressão de Francisco Martins Palma, gravuras de Belfranco, direcção do trabalho de brochura de Arnaldo da Silva Cruz. Impresso na Tipografia «Gráfica Boa Nova», na Rua Morais Soares, Lisboa.

Ilustrado. 228 páginas. 22,5 x 17 cm. Capa com sinais marginais de manuseio e miolo limpo e em bom estado. Lisboa: Edição do autor, 1950.

Preço: 27 euros.



DOCUMENTOS PARA A

HISTÓRIA DA TIPOGRAFIA PORTUGUESA

NOS SÉCULOS XVI E XVII


VENÂNCIO DESLANDES


Reprodução em fac-símile do exemplar com data de 1888 da Biblioteca da INCM. Introdução de Artur Anselmo. Com um retrado de Venâncio Deslandes, reprodução de uma gravura de 1905. [Índice dos tipógrafos reproduzido em duas das fotografias supra ⇑ ]. Edição sob os auspícios da Comissão Executiva do V Centenário do Livro Impresso em Portugal. Em bom estado. 316+(4) páginas. 24,4 x 16,8 cm. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1988.

Preço: 35 euros.



ANTIGUIDADE TARDIA E PALEOCRISTIANISMO
EM PORTUGAL


M. JUSTINO MACIEL


Trabalho de investigação sobre História da Arte e Arqueologia na área da Antiguidade, em que se apresenta uma nova sistematização dos dados existentes da Antiguidade Tardia em Portugal e seus testemunhos artísticos. Após um levantamento dos refereciais históricos, arqueológicos e literários disponíveis, equaciona-se a interacção que neste contexto existe entre a cidade e o campo, bem como a progressiva abertura a este último e os reflexos que tal dinâmica produz nas manifestações artísticas.
Um estudo dos signos visivelmente conotados com as religiões orientais revela que eles se apresentam numa comunidade de uso de que participam quer a cultura romana quer o crisitianismo. A constatação desta realidade surge como profundamente significante de uma evolução da arte da Antiguidade Tardia numa dinâmica entre a opacidade e a transparência, que vem permitir novas abordagens da escultura, do mosaico e mesmo da arquitectura, da pintura e da decoração de cerâmica. Na sequência desta constatação, efectua-se uma nova leitura dos mais importantes monumentos dos contextos romano tardio, suevo e visigótico, progressivamente conotados com as propostas vivenciais cristãs. No centro desta realidade, quer numa perspectiva sintagmática, quer numa perspectiva paradigmática, estudam-se os monumentos de Tróia de Setúbal, onde a arte romana tardia se revela plenamente como em qualquer outro ponto do Império Romano. Esta investigação desenvolveu-se [ainda com] trabalhos de campo em vários [outros] locais, designadamente em Conímbriga, [e] na Villa Romana do Montinho das Laranjeiras (Algarve).

Com prólogos de J.M. Bairrão Oleiro e Theodor Hauschild. Ilustrado com fotografias, desenhos e plantas. 347 páginas. Formato álbum: 21 x 29,5 cm. Capa manuseada, miolo limpo e em bom estado. Lisboa: Edições Colibri, 1996.

Preço: 27 euros.



RELIGIÕES DA LUSITÂNIA


J. LEITE DE VASCONCELOS


[U]m livro ímpar, pela amplitude e rigor da pesquisa,
pelo sólido travejamento, pelo poder evocativo de tempos passados.

[Orlando Ribeiro]

Obra completa em 3 volumes, na reedição fac-similada da primeira edição, colecção Temas Portugueses da Imprensa Nacional-Casa da Moeda, Lisboa, 1981.

Ilustrados a cor e a preto, e com desdobráveis. 3 volumes de (8)+xl+440+(10) págs.; (4)+xviii+372+(6) págs; e (6)+xviii+636+(4) págs. Com 24,2 x 15 (x 8,3) cm. Miolo limpo. Capas com sinais de manuseio [visíveis nas fotografias ↑], e lombadas amarelecidas e com vincos de leitura. Sólidos. Bom estado geral.

Em conjunto com:

RELIGIÕES ANTIGAS DE PORTUGAL. Aditamentos e observações às Religiões da Lusitânia de J. Leite de Vasconcelos. Fontes epigráficas, de JOSÉ MANUEL GARCIA. Complemento essencial aos 3 volumes, dividido em 3 partes: na primeira, republicação de trabalhos dispersos de Leite de Vasconcelos que se ligam directamente às Religiões da Lusitânia, como aditamentos; na segunda parte, acompanhamento crítico da leitura dos 3 volumes, analisados numa perspectiva actual; e na terceira, as fontes epigráficas não publicadas por Leite de Vasconcelos, e «todas as inscrições epigráficas encontradas até 1986 em Portugal”. Com mapas, plantas, gravuras e fotografias. 688 páginas. 24,2 x 15 cm. Capa e lombada com descoloração marginal. Na colecção Temas Portugueses da Imprensa Nacional-Casa da Moeda, Lisboa, 1991.

AS RELIGIÕES DA LUSITÂNIA DE J. LEITE DE VASCONCELOS: contribuição para o seu estudo — alguns comentários e ÍNDICES gerais, de PAULA BÁRCIA. Ilustrado com mapas e contendo índices didascálico, bibliográfico, onomástico, ideográfico e geográfico; e ainda um índice de figuras e um de instituições, complementados com uma rubrica “diversos” onde se englobam “indicações de congressos, efemérides e colecções particulares de certa importância, a que Leite de Vasconcelos faz referência”. 274+(12) páginas. 24,2 x 15 cm. Miolo limpo, capa com manchas leves, marginais. Na colecção Temas Portugueses da Imprensa Nacional-Casa da Moeda, Lisboa, 1982.

Preço (conjunto dos 5 volumes): 135 euros.



NA COVA DOS LEÕES


TOMÁS DA FONSECA


Livro proibido, edição clandestina [ Edição destinada ao Brasil ]. 454+(10) páginas. 18 x 12 cm. Capa sem perda de cor e lombada em bom estado. Miolo no geral limpo, com manchas leves nas primeiras e últimas páginas. Um bom exemplar. Edição do autor, 1958.

Preço: 45 euros.



VIDA DO VENERÁVEL PADRE
JOSÉ DE ANCHIETA


SIMÃO DE VASCONCELOS


Com um prefácio do Dr. Júlio Dantas. Obra reeditada (1.ª ed. 1672) por ocasião do quarto centenário da cidade de São Paulo (Brasil), cidade que terá sido fundada pelo padre Anchieta, num colégio jesuíta que também incluíria Manuel da Nóbrega. Retrato do biografado em couché, a par do rosto. Encadernação editorial que preserva capas de brochura, em bom estado geral ainda que com pequenas imperfeições na lombada. (6)+446+(2) páginas. 19 x 13 cm. Porto: Lello & Irmão, 1953

Preço: 25 euros.



LISBOA DE OUTROS SÉCULOS

À SOMBRA DOS PAÇOS REAIS

CEM ANOS DE PITORESCO

O NAMÔRO LISBOETA NO SÉCULO XIX


FRANCISCO CÂNCIO


Obra histórica completa em 3 volumes, publicados em fascículos entre 1940 e 1941, aqui reunidos num único tomo monumental de 1340 páginas [561-(13)+463+304]. Ilustrada com fotografias e desenhos. 16,5 x 26,5 cm. Edição do autor. Primeiro volume anuncia uma tiragem de 300 exemplares.

Encadernação com lombada e cantos em pele (meia-francesa), com quatro nervos e os corvos vicentinos na lombada, de manufactura recente e sem defeitos. Miolo limpo e sem manchas, ligeiramente aparado. Conjunto invulgar.

Preço: 185 euros.



RIBATEJO
CASOS E TRADIÇÕES


FRANCISCO CÂNCIO


Uma das várias incursões de fundo de Francisco Câncio no registo e divulgação da cultura popular da província do Ribatejo. Os capítulos e as próprias imagens surgem com uma ordem aparentemente aleatória, unidos pelo desembaraço e segurança de um (bom) contador de histórias, alicerçado em anos de pesquisas nos livros e nas gentes. Vide índice nas fotografias (↑).

2 volumes ilustrados com fotografias, desenhos e gravuras, editados em fascículos. 525+485 páginas. 19,5 x 25,5 x 7,3 cm. Meia-encadernação ‘francesa’, não-editorial, sólida, com ligeiro desgaste nas extremidades, mormente nas cabeças e pés das lombadas. Bom estado geral. Edição com o patrocínio da Junta de Província do Ribatejo, s.l., 1948.

Preço: 165 euros.



D. PEDRO I
E A SUA ÉPOCA


JOSÉ ESTEVÃO DE MORAES SARMENTO


Um longo ensaio pondo em questão a veracidade histórica da crónica que Fernão Lopes dedicou à vida do rei D. Pedro I. Vide índice completo nas fotografias (↑). Exemplar da tiragem normal. Com a capa anterior (espelhada), mas não a posterior. Miolo com pequenas marcas de uso, aparado à cabeça. Com (12)+xliv+562+(2) páginas, e 16,5 x 23,5 cm. Porto: Imprensa Portuguesa, 1924.

* Encadernado com:

Pareceres da Academia das Sciencias de Lisboa àcerca do Livro D. Pedro I e a Sua Época do General Moraes Sarmento. 2.ª edição [ambas fora de mercado], com adenda pelo Dr. Armelim Junior, sócio da mesma academia. Inclui a petição do parecer, pelo general Moraes Sarmento, e os pareceres da secção de jurisprudência (Artur Montenegro; D. António, cardeal patriarca; Júlio de Vilhena; e Visconde de Carnaxide) e da secção de História (Vicente Almeida d’Eça; Pedro Augusto de S. Bartolomeu Azevedo; António Baião; e António Ferrão) da Academia, aprovados pelo secretário-geral, Cristovam Ayres. Invulgar. 37+(3) páginas. 14 x 21 cm. [s.l]: Sintra Gráfica, 1929.

Encadernação sintética moderna, meia-francesa, sem defeitos.

Preço: 45 euros.



D. PEDRO E D. INÊS

1320-1367

ANTERO DE FIGUEIREDO


2.ª edição, revista. Com a chancela do autor. Meia-encadernação de pele sólida, com nervos, em bom estado geral: mínimas marcas (“resto” inócuo de selo de biblioteca pessoal coevo). Sem capas de brochura. Miolo aparado e com algumas manchas. (8)+328+(4) páginas. 18,7 x 12,5 cm. Bom exemplar. Lisboa: Livrarias Aillaud e Bertrand, 1914.

Preço: 20 euros.



LEONOR TELES

FLOR DE ALTURA

ANTERO DE FIGUEIREDO


2.ª edição. 3.º milhar. Com a chancela do autor. Meia-encadernação de pele sólida, com nervos, em bom estado geral: marcas ligeiras, de transporte ou manuseio, na lombada, onde pontua mini-selo de biblioteca pessoal coevo, junto ao pé, que não perturba o conjunto. Com a capa de brochura anterior, e falta da posterior. Miolo aparado e limpo. xi+(1)+412+(4) páginas. 18,7 x 12,5 cm. Um exemplar digno. Lisboa: Livrarias Aillaud e Bertrand, 1916.

Preço: 18 euros.



A VIDA DE NUN’ÁLVARES


OLIVEIRA MARTINS


9.ª edição. 416 páginas. 20,5 x 15 cm. Um exemplar satisfatório, com o miolo limpo, sem defeitos além da lombada amarelecida e com dois ligeiros vincos. Lisboa: Guimarães Editores, 1984.

Preço: 12 euros.



ICONOGRAFIA e Bibliografia
CONDESTABRIANA


BERNARDO XAVIER COUTINHO


Colaboração artística de Gouvêa Portuense. Selecção aprofundada (manancial de seis séculos) de bibliografia e iconografia dedicadas ao Santo Condestável, Nuno Álvares Pereira, com dezenas de ilustrações, a preto e a cor, muitas de página inteira, de desenhos, pinturas, esculturas etc. Exemplar da tiragem normal, capa mole (algumas manchas leves), carimbo de oferta do editor e discreto carimbo de posse de anterior proprietário, na página da ficha técnica. Miolo limpo, couché. Dentro do livro, apensa, uma folha de jornal amarelecida dedicada ao Condestável («Novidades» Letras e Artes ano xxxii n.º 11 de 1 de Abril de 1973, págs. 1 e 2). 366 páginas. 24,8 x 18,7 cm. No geral um bom exemplar, de uma edição cuidada. Lisboa: Instituto de Alta Cultura, 1971.

Preço: 45 euros.



OS AMORES DE CAMÕES
e de Catharina d’Athaide


MADAME GUATIER


Único romance da autoria de Mme. H. Gautier (nome mal grafado na edição portuguesa), originalmente publicado em Paris, 1827. (Les amours de Camoens et de Catherine d’Ataïde). Traduzido do francês por MARIA EMILIA DE MACEDO. Lisboa: Typ. de L. C. da Cunha, 1844.

Edição em dois volumes e com uma litografia — Pátria e musas choram junto ao túmulo do poeta, assinada Pereira e litografada por M.L. — a par do ante-rosto, tal como a edição original francesa. Os dois volumes encadernados num só. 202+215 páginas. 11,5 x 17 cm. Não aparado. Sem capas de brochura. Encadernação sem defeitos.

Possui no verso da litografia, tal como no verso do ante-rosto do segundo volume, uma (mesma) assinatura de posse (feminina) da época.

Preço: 45 euros.



LISBÔA DO PASSADO
LISBÔA DE NOSSOS DIAS


GOMES DE BRITO


José Joaquim Gomes de Brito (1843-1923), olisipógrafo de monta — ou mesmo “o” criador dos estudos toponímicos, no dizer de Luiz Pastor de Macedo —, publicou no mesmo ano um outro livro igualmente curioso, sobre livreiros e impressores em Lisboa na segunda metade do século XVI.

183 páginas. 13,5 x 21 cm. Bom exemplar, com desgaste na lombada (inteira). Miolo impecável. Lisboa: Livraria Férin — Baptista, Torres & C.ta, 1911.

Preço: 17 euros.



PORTUGAL E OS SEUS DETRACTORES


L [uís] A [ugusto] PALMEIRIM


Subtítulo: Reflexões a propósito do livro do Sr. Fernandez de Los Rios, intitulado «Mi Mission», uma obra dedicada a Fontes Pereira de Mello. Introdução do autor. Encadernação da época com lombada em pele, da casa Corazzi, possui marcas de desgaste nas extremidades mas permanece limpa e sólida. Sem capas de brochura. Miolo fresco; aparado. 11,7 cm x 18,2 cm. 354+(2) páginas. Lisboa: Typ. da Bibliotheca Universal de Lucas & Filho, 1877.

Preço: 25 euros.




DICIONÁRIO HISTÓRICO DAS PALAVRAS PORTUGUESAS DE ORIGEM TUPI


ANTÓNIO GERALDO DA CUNHA


Verbetes estudados «sob o aspecto da sua categoria gramatical, das variantes cronológicas e da etimologia do vocábulo português», seguidos de «definição e diferentes acepções» e citações exemplificativas do uso linguístico, cotejadas do património bibliográfico português e brasileiro, tanto literário como histórico, do século XVI ao século XX.

Colaboração de Gilda da Costa Pinto. Prefácio-estudo de António Houaiss. Extensa bibliografia.

Encadernação editorial. 358 páginas. 17,9 cm x 26,3 cm. Bom estado. São Paulo: Melhoramentos / Ed. da Universidade de São Paulo, 1978.

Preço: 35 euros.



DIÁRIO DE UM VIAJANTE EM FRANÇA


Cartas de

LEANDRO JOSÉ DA COSTA


Trinta e seis cartas de Leandro José da Costa dirigidas ao Conselheiro José Luciano de Castro, a primeira datada de 27 de Agosto de 1878. Encadernação modesta mas sólida, com alguma descoloração dispersa. Sem capas de brochura. Miolo com manchas ténues, e um ou outro rabisco a lápis. Com 320 páginas e 13 x 20 cm. Lisboa: Typographia das Horas Romanticas, 1880.

Preço: 28 euros.



ELEMENTOS PARA A HISTÓRIA
DO MUNICÍPIO DE LISBOA


EDUARDO FREIRE DE OLIVEIRA


Título e autor, tal qual figuram no rosto: Elementos para a História do Município de Lisboa, por Eduardo Freire de Oliveira, arquivista da Camara Municipal da mesma cidade. 1.ª PARTE. Publicação mandada fazer a expensas da Camara Municipal de Lisboa, para commemorar o centenario do Marquez de Pombal em 8 de Maio de 1882.

Mais de 10 mil páginas de documentos oficiais de algum modo relevantes, organizados cronologicamente e alusivos a séculos de assuntos invariavelmente díspares — as iguarias de um banquete celebratório, a colocação na prisão do Limoeiro do líder de uma «companhia de comediantes de Castella», a lista das pessoas de cada freguesia que se recusam a participar numa campanha de limpeza pública, a morte do rei —, num panorama que permite acompanhar os reflexos da política e da história do país nas várias decisões e questões do município d’esta cidade onde desde muito cedo esteve instalado um Governo demasiado centralista.

Temos assim «a carta regia que trouxe a communicação official da morte de Filippe II» (tomo II, quase todo dedicado ao “tempo dos Filipes”, pág. 590), «a ruína de Lisboa», no sábado 1 de Novembro de 1755 (tomo XVI, a partir da página 133, com lista e descrição sumária de abalos sísmicos anteriores, nomeadamente os de 1309, 1321, 1344, 1356, 1512, 1531, 1551, 1575, 1597, 1598, 1699 e 1724), a inauguração da estátua equestre de D. José (em parte citada aqui) ou a «consulta da Cammara a el-rei em 2 de julho de 1650», onde se propõem os nomes de «doze fidalgos, doze cidadãos e doze homens do povo» para «terem as chaves das quatro portas da cidade» (tomo V, p. 208, antecedendo em algumas páginas a lista exaustiva dos preços de venda de todo o tipo de animais para alimentação, indexados inteiros, em partes, e por género).

O primeiro documento transcrito no tomo I, que não o foral de 1179, data de 7 de Novembro de 1190, e o último documento transcrito no tomo XVII data de 23 de Agosto de 1777. Entre ambos, os diversos prefácios e as anotações constantes de Freire de Oliveira (1841-1916) desvelam e aprofundam as origens e importância dos textos que transcreve. Contém ainda algumas ilustrações, muito poucas, destacando-se a litografia da Divisa da Cidade, que abre o tomo X, ou a «planta litographada da sala das sessões do senado da camara de Lisboa, que acompanha a carta regia de 13 de Novembro de 1773» (tomo I, pág. 68).

[Para uma descrição mais detalhada da cronologia de cada tomo, consulte-se o artigo de António Miranda na Rossio n.º 1, de 2013. Como o plano cronológico da 1.ª parte da obra deveria ter prosseguido até ao ano do início da publicação (1882), suspeita-se que, além da nunca publicada 2.ª parte, também desta 1.ª parte terá ficado por publicar pelo menos um tomo, para o período 1777-1882.]

Obra completa (tudo quanto se publicou), em XVII tomos de 16,5 x 24,5 cm (66cm de estante), Lisboa: Typographia Universal, 1882-1911.

Tomo I, 1885, (12)+661+(5) págs. Tomo II, 1887, xiv+593+(2) págs. Tomo III, 1888, vi+584+(3) págs. Tomo IV, 1889, xii+628+(3) págs. Tomo V, 1891, vi+620+(3) págs. Tomo VI, 1893, ix+627+(2) págs. Tomo VII, 1894, cxii+466+(3) págs. Tomo VIII, 1896, vi+593+(3) págs. Tomo IX, 1898, vi+617+(4) págs. Tomo X, 1899, viii+595+(2) págs. Tomo XI, 1901, vi+632+(3) págs. Tomo XII, 1903, (10)+652+(3) págs. Tomo XIII, 1904, (6)+622+(3) págs. Tomo XIV, 1906, (6)+634+(3) págs. Tomo XV, 1906, (6)+630+(3) págs. Tomo XVI, 1910, xiv+567+(4) págs. Tomo XVII, 1911, (6)+622+(3) págs.

Acrescentam-se os dois volumes de índices, publicados cerca de 40 anos mais tarde: Índice dos «Elementos para a História do Município de Lisboa», por Esteves Rodrigues da Silva, sob a direcção de Jaime Lopes Dias, 2 vols., Lisboa: Câmara Municipal, 1942-1943. Com 396+578 páginas, e 17 x 22,5 cm. Capa do volume II com um rasgão restaurado. Páginas por abrir.

Todos os 19 volumes em brochura e 17 deles com as páginas por abrir. Bom estado geral, com não mais do que pequenos defeitos dispersos (muito ocasionais picos de humidade; algumas lombadas mais amarelecidas que outras; bicho de papel que atacou superficialmente a capa do tomo VI; e situações afins, de pouca monta).

Conjunto invulgar.

Preço: 450 euros.





 


BIBLIOGRAPHIA HISTORICA PORTUGUEZA


JORGE CESAR DE FIGANIERE


BIBLIOGRAPHIA HISTORICA PORTUGUEZA ou catalogo methodico dos auctores portuguezes, e de alguns estrangeiros domiciliarios em Portugal, que tractaram da Historia civil, politica e ecclesiastica d’estes reinos e seus dominios, e das nações ultramarinas, e cujas obras correm impressas em vulgar; onde também se apontam muitos documentos e escriptos anonymos que lhe dizem respeito, por JORGE CESAR DE FIGANIERE, official da Secretaria de Estado dos Negocios Estrangeiros, commendador da Real Ordem de Isabel a Catholica, Membro do Conservatorio Real de Lisboa, etc.

Bibliografia histórica portuguesa, com índice de autores, em reimpressão fac-simile holandesa, limpa e cuidada, da rara edição portuguesa de 1850. Encadernação editorial em tela. Exemplar em muito bom estado de conservação. 359 páginas. 15 x 23 cm. Naarden: Anton W. Van Bekhoven, 1970.

Preço: 50 euros.



HISTORIA DE UM FOGO-MORTO

(Subsidios para uma História Nacional)

1258-1848
Vianna do Castello
(Fastos politicos e militares).

JOSÉ CALDAS


Com lxxviii + 563 pags, e 19 x 12 cm. Brochado. Ilustrado com uma planta da antiga vila de Viana. Exemplar manuseado e frágil: capa manchada e lombada cansada, prestes a quebrar e com falhas de papel; contudo, a globalidade do miolo apresenta-se limpo e intonso. Porto: Livraria Chardron de Lello & Irmão, editores, 1904.

Preço: 30 euros.



AS FORÇAS DE SEGURANÇA NA
DEFESA PASSIVA DAS GRANDES CIDADES

GASES E FUMOS NAS ALTERAÇÕES DA ORDEM
(GUERRA DE RUAS)

F. ED. DA SILVA PAIS


Estratégias e medidas práticas da autoria do infame futuro director da PIDE, Fernando Silva Pais, enquanto Comandante de Secção da PSP de Lisboa, no instável período entre o início da Guerra Civil Espanhola e o início da Segunda Guerra Mundial. Prefácio do Major Miguel Bacellar. Ilustrado com desenhos. Manuseado, mas sólido. Capa manchada e lombada com falta de papel à cabeça [vide fotografias]. 191 páginas. 25 x 19 cm. Composto e impresso no Centro Tipográfico Colonial, Lisboa, [8 de Outubro de] 1938.

Preço: 40 euros.



QUEM PRATICOU O CRIME DA
“POÇA DAS FEITICEIRAS” ?


JOÃO ILHARCO


Tiragem numerada e chancela do autor. Bom exemplar, miolo limpo. 146 páginas (por abrir). 20,5 x 15 cm. Capa impressa em litografia na Lito-Coimbra, desenho assinado “M. González”. Coimbra: Coimbra Editora, 1952.

Preço: 35 euros.



SERVIÇO SOCIAL NO ESTADO NOVO


ANABELA CARVALHO
HELENA MOURO


(…) procuraremos demonstrar que a resposta ao falhanço do liberalismo, materializado em Portugal na instauração do Estado Novo, se realiza no domínio do Serviço Social, nos mesmos termos que nos países do capitalismo avançado. Também em Portugal a convergência entre o feminismo burguês e a filantropia cristã se manifesta num percurso que iniciado nos finais do Século XIX se integra em 1933 num projecto mais amplo veiculado pela Acção Católica Portuguesa, cujos valores, princípios, e projectos societais subjazem ao projecto corporativista do Estado Novo. Assim, a eventual identificação que possa estabelecer-se entre este e o Serviço Social resulta, em nosso entender, da inspiração comum de ambos: a democracia cristã. [da Introdução].

Capa de António Luís Catarino. 251+(4) páginas. 18 x 12 cm. Coimbra: Centelha, 1987.

Preço: 15 euros.



MEMÓRIAS DE UM ESTUDANTE DE DIREITO

COIMBRA 1911-1916


RAFAEL SALINAS CALADO


2.ª edição. Prefácio de João de Barros (datado de 1942, para a primeira edição). Ilustrado com fotografias e caricaturas. Bom estado geral (capa com pequenas manchas). Vide índice (⇑). 304 páginas. 20,5 x 15 cm. Coimbra: Coimbra Editora, 1961.

Preço: 25 euros.



MEMÓRIAS DE UM POLÍCIA PORTUGUÊS


ANTÓNIO AUGUSTO AFONSO


160 páginas. 20,5 x 14,5 cm. lustrado com diversas fotografias extra-texto, a preto e branco, em papel couché. Ver índice aqui, e excerto de nota biográfica do autor aqui. Assinatura de posse na página de rosto. Uma ou outra pequena mancha perdida no miolo. Bom estado geral. Lisboa: Cronos Publicações, [19 de Abril] de 1973.

Preço: 22 euros.



O SACO

MEMÓRIAS DE UM BOXEUR


MATOS JÚNIOR
[MANUEL MATOS IDEIAS]


Foi campeão regional e defrontou os maiores boxeurs nacionais e espanhóis do seu tempo. Exerceu também as profissões de madeireiro, marçano, guarda-costas, comerciante, arrumador de cinema, estivador, etc. Uma vida sob o signo do infortúnio. Evocadas conhecidas personalidades do meio desportivo e artístico. Um romance vivido e uma advertência à mocidade. Um grito de desespero, mordaz, pungente, angustiante… [texto da contracapa].

Manuel Matos Ideias, conhecido como pugilista pelo nome Matos Júnior, publicou há 50 anos estas memórias da sua vida e carreira em parceria com o jornalista Fernando Laidley. Na introdução, o autor conta de raspão como Fernando Namora o convenceu a escrever as memórias. Capa com desenho de J. Ribeiro, datado de 1966. Estimado. 140 páginas. 13,8 x 20,2 cm. Lisboa: Edições Tapete Mágico, [s.d.].

Assinado por MATOS JÚNIOR com dedicatória de página inteira.

Preço: 30 euros.



O SENHOR DOS PASSOS DA GRAÇA

MEMÓRIAS DE UM REVOLTADO


GOMES LEAL



Depois de saír da Praça dirigi-me para o Rocio, e d’ahi enveredei em direcção ao Campo de Sant’Anna. Era terça-feira, e a feira da Ladra, n’aquelle tempo, celebrava-se ali ás terças. Ora eu carecia de falar com o Rabicha, que tinha loja de bric à brac; mas aonde ia parar tudo quanto éra verdadeiramente bom e antigo e onde concorriam os homens mais perítos e entusiastas por antiguidades. […]
 Eram duas horas da tarde, o sol estava côr d’oiro em fusão. A feira da Ladra estava em todo o seu esplendor. Viam-se ali burguezes e locandeiras, creadas de servir e lacaios, pelintras e cocheiros, janótas encardidos e filósofos de trapeira, polícias á paisana e parteiras, senhoras de chapelinho e algumas de capote e lenço, estudantes de licêo sabios esfarrapados, alfarrabistas pesquisadores e finalmente fadistas do Bairro Alto […]

 

Primeira edição. Encadernação da época com lombada sintética (selo do encadernador A. David, Lisboa), sem capas de brochura, com algumas marcas superficiais visíveis (na fotografia) de bicho do papel, nas zonas de papel (texturado) da pasta frontal, principalmente. Miolo limpo, aparado. 18,8 cm x 12,5 cm. 338+(2) páginas. Lisboa: Empreza da Historia de Portugal – Livraria Moderna, 1904.

Preço: 30 euros.



A ÚLTIMA OPORTUNIDADE DO HOMEM


BERTRAND RUSSELL


2.ª edição, na Colecção Filosofia e Ensaios da Guimarães Editores, Lisboa, 1966. Título original: New Hopes for a Changing World. Tradução de José António Machado. 233+(7) páginas. 19,5 x 13 cm. Meia-encadernação de pele com nervos suaves, e mínimas imperfeições, mantém capas de brochura, o miolo aparado (e carminado) à cabeça.

Com pequena rubrica de posse (datada de 68) de José Ribeiro dos Santos, advogado, dramaturgo, político e jornalista com uma história contínua de oposição à ditadura, e por essa época nos quadros da Gulbenkian [aqui].

Em todo o volume, estimado, apenas uma frase sublinhada, a págs. 136, na mesma tinta da rubrica de posse : «A essência do fanatismo consiste em considerar determinado problema como tão importante que ultrapasse qualquer outro.»

Preço: 20 euros.



DAS ORDENS RELIGIOSAS EM PORTUGAL


PEDRO DINIS


2.ª edição, publicada um ano após a primeira, impressa na mesma tipografia mas com uma nova introdução do autor. 293+(7) páginas. 10,5 x 14,5 cm. Bom exemplar. Encadernação da época, lombada em pele. Miolo aparado, sem capas de brochura. Lisboa: Typographia de J. J. A. Silva, 1854.

Dividida em 40 CAPÍTULOS, assim resumidos no plano da obra: Procuramos responder ás accusações que se fiseram. e se fazem ainda, aos Frades de Portugal, e mostrar, que se não em todas, em grande parte, ha calumnia, absurdo, e odio inveterado, mas sem fundamento. Depois damos uma notícia das Ordens, que n’estes reinos houve, da sua origem, e introducção. Depois ainda apresentamos alguns casos, em que os frades mostraram a sua utilidade, já missionando, já escrevendo, e ensinando; e finalmente concluímos, fazendo algumas reflexões sobre a abolição do monachismo, e procurando mostrar que só uma restituição sisuda das Ordens Religiosas póde attenuar os tristes effeitos da sua extincção.

Vasta galeria de temas versados, tais o matrimónio, o celibato, a fecundação, os comportamentos sociais, os jesuítas, a emigração e a demografia, e resposta directa a muitos ataques históricos ao clero ao longo da história portuguesa.

Importante para o entendimento dos severos conflitos clerico-liberais da primeira metade do século XIX, e curioso, pela compilação de “pequena-história” e pela desenvolta e arreigada prosa apologética do autor.

Preço: 70 euros.



OS FRADES

DEFESA, JUSTIFICAÇÃO E APOLOGIA
INSUSPEITÍSSIMAS

JOÃO DE LEMOS


2.ª edição, imediata à primeira. Com uma advertência do editor, Teixeira de Freitas (4 págs.). Epígrafes de Herculano e Voltaire. Encadernação sintética moderna em muito bom estado. Com capas de brochura (cansadas), e aparado à cabeça. 182+(2) páginas. 21 x 14 cm. Guimarães: Centro de Propaganda Catholica em Portugal, 1883.

Preço: 45 euros.


«Imprimiu-se (…) em 1853, a obra de Pedro Dinis, Das ordens religiosas em Portugal, de exaltante vigor apologético, que o poeta João de Lemos (…) citou profusamente na colectânea Os frades (1883), que conheceu acolhimento entusiástico, traduzido em mais duas edições imediatas (…)»

[DHRP, p.94, aqui,
e biografia e retrato do poeta e jornalista João de Lemos (1819-1890),
no Occidente, aqui.]


AS ÚLTIMAS FREIRAS

O REAL MOSTEIRO DE SANTA CLARA DE VILLA DO CONDE
AS DOMINICANAS DE “CORPUS CHRISTI”
MOURA E OS SEUS MOSTEIROS
AS THEREZINHAS DE COIMBRA

T. LINO D’ASSUMPÇÃO


Estudo seminal de Tomás Lino d’Assumpção (1844-1902), com capítulos dedicados ao Real Mosteiro de Santa Clara de Vila do Conde, às Dominicanas de Corpus Christi (Vila Nova de Gaia), a Moura e aos seus mosteiros, e às Teresinhas de Coimbra.

Com uma carta-prefácio de ANTONIO ENES «acerca das ordens e instituições religiosas».

Brochado, 21 x 14 cm, 272 páginas, muitas por abrir; com um retrato do autor a par do frontispício. Lombada com falhas de papel nas extremidades, capa manchada, miolo apenas amarelecido. Frágil. Porto: Livraria Portuense de Lopes & C.ª – Editores, 1894.

Preço: 35 euros.



MARCAS DE CONTRASTES
E OURIVES PORTUGUESES

DESDE O SÉCULO XV A 1950

MANUEL GONÇALVES VIDAL


Prefácio de Reinaldo dos Santos. Centenas de reproduções de marcas de contrastes e identificação cronológica e geográfica de ourives portugueses ao longo de cinco séculos. Uma referência preciosa para investigadores, estudantes, coleccionadores e comerciantes. Em brochura. Capa cansada. Lombada fendida, de uso prévio, mas perfeitamente manuseável. Miolo limpo. Com (8)+viii+560+(8) páginas, e 27,5 x 19 cm. Lisboa: Casa da Moeda, 1958.

Preço: 90 euros.



MÔSCAS E MOSQUITOS


prefácio
RICARDO JORGE


Resultado e memória do combate a moscas e mosquitos levado a cabo pela Câmara Municipal de Cascais, no final da década de 30, um grosso volume ilustrado que tenta abarcar várias vertentes de análise possíveis dos dois insectos que há séculos ocupam as mentes e preocupações do homem: humor, música e teatro complementam a parte documental da obra (científica, técnica e histórica) com uma forte componente rediofónica — reproduzem-se algumas das campanhas desenhadas para transmissão sem fios na Emissora Nacional e no Rádio Club Português, parte fulcral das ditas acções camarárias de sensibilização e higienização.

Índice aqui e aqui. Inclui capítulos sobre “a mosca e o turismo” e “a mosca e o urbanismo“. Abre o prefácio Ricardo Jorge com a recordação das queixas de Camilo, em Seide, «possesso de raiva contra as ferroadas das que na calma de Agosto o acometiam das carvalheiras».

Ilustrado com desenhos, fotografias e fac-similes de documentos (e até uma pauta musical), em 94 páginas de extra-textos couché, alguns desdobráveis. Colaboração de Emmerico Nunes, Alberto de Sousa, Tomás Ribeiro Colaço, Arnaldo Leite, José de Oliveira Cosme, e outros. Assinado, numa larga diagonal que atravessa o rosto, por um dos colaboradores, António Augusto Velasco Martins (1896-1944), por então professor da Escola Superior de Medicina Veterinária. Em brochura. 236+(94) páginas. 24,5 x 17 cm. Bom estado. Edição da Junta de Turismo de Cascais, 1939.

Curioso.

Preço: 40 euros.



HOMENS DO MEU TEMPO

IMPRESSÕES PSYCHOPATHOLOGICAS.
NOTAS INEDITAS E DADOS BIBLIOGRAPHICOS.

JOÃO PAULO FREIRE
(MÁRIO)


[Razão da obra]
Foi a «pneumonica» que deu origem a êstes apontamentos.

Muito fraco, depois de um mês de cama. e de ter estado com pé e meio «do lado de lá» (…)

Memórias e impressões, escritas em 1918 mas apenas publicadas em 1924, de diversas “personalidades” da época:

Adelino Mendes, Agostinho Fortes, Alberto Pimentel, Alberto Souza, Albino de Souza Cruz, Alfredo Serrano, Álvaro Neves, D. António Barroso, Augusto José Vieira, Azedo Gneco, Bartolomeu Constantino, Bernardino Machado, Conde de Pinheiro Domingues, Cruz Magalhães, Domingos Pinto Coelho, Estevão de Vasconcelos, Faustino da Fonseca, Garibaldi Falcão, Hermano Neves, Henrique Marques Júnior, Jaime Victor, João Franco Monteiro, João Lage, João de Vasconcelos e Sá (D. Tancredo), José Constante, José Maria Ançã, Júlio Dantas, Oldemiro César, Raposo de Oliveira, Tomás Joaquim de Almeida, Visconde de Morais, Zeferino de Oliveira e Zuzarte de Mendonça.

1.º volume. 1.º milhar. Em brochura. 272 páginas. 19 x 12,3 cm. Bom estado geral (preço antigo escrito a lápis na capa). Lisboa: Livraria Civilisação, [1924].

Preço: 22 euros.



SOBRE AS FEITICEIRAS


JULES MICHELET


Título original: La Sorcière (1862). Tradução de Manuel João Gomes. Comentários de Afonso Cautela, Manuel João Gomes, Maria Alzira Seixo e Maria Teresa Horta. Ilustrado. Qualidade superior no desenho do livro, tipografia e papel escolhido, inigualável à época. 429+(3) páginas. 18,5 x 13,5 cm. Bom exemplar. Colecção Clássicos, das Edições Afrodite / Fernando Ribeiro de Mello, Lisboa, [Novembro de] 1974.

Preço: 40 euros.



GRANDE LIVRO DE S. CIPRIANO
OU TESOUROS DO FEITICEIRO


S. CIPRIANO


Ilustrações de Martim Avillez. Comentários de António José Forte, António Alçada Baptista, Padre A. Miranda Santos, Padre Avelino Rodrigues e Fernando Calixto. Plano, arranjo e controle gráfico de José Marques de Abreu. 360 páginas. 18,6 x 13,2 cm. Capas frontal e posterior com vincos de leitura e lombada com desgaste à cabeça — defeitos verificáveis nas fotografias. Miolo com muito ocasionais picos de oxidação, amarelecido no corte das folhas. Assinatura de posse de António d’Orey Capucho no rosto. Colecção Clássicos das Edições Afrodite / Fernando Ribeiro de Mello, Lisboa, 1971.

Preço: 25 euros.



PEREGRINAÇÃO


FERNÃO MENDES PINTO


Versão de Maria Alberta Menéres. Comentários de Vítor Silva Tavares, Eduardo Lourenço, Eduardo Prado Coelho, Almeida Faria, Armando Castro e Armando Martins Janeira. Desenhos de Eurico, Carlos Ferreiro e António Areal. Ilustrado com mapas (1 desdobrável, com a tentativa de reprodução da rota pelo Visconde de Lagoa), frontispícios e documentos. Maqueta da colecção de Paulo-Guilherme. Arranjo gráfico de José Marques de Abreu.

Obra completa, em 2 volumes — ambos em primeira edição. Com 508 + 580 páginas. 18,6 x 13,2 (x 5,3) cm. Bom estado geral, embora nas lombadas haja perda de cor e ligeiras faltas de papel, visíveis nas fotografias supra. Corte superior do miolo amarelecido. Colecção Clássicos das Edições Afrodite / Fernando Ribeiro de Mello, Lisboa, 1971.

Preço: 45 euros.



HISTÓRIA TRÁGICO-MARÍTIMA


BERNARDO GOMES DE BRITO


Capa com desenho de Cruzeiro Seixas. Desenhos de Cruzeiro Seixas, Eurico, Carlos Calvet e José Escada. Fixação do texto, glossário e notas de Neves Águas. Comentários de José Saramago, Fernando Luso Soares e Maria Lúcia Lepecki. Ilustrado com facsimiles de documentos e frontispícios. Maqueta da colecção de Paulo-Guilherme. Arranjo gráfico de José Marques de Abreu.

Obra completa, em 2 volumes. Com cxx + 816 páginas, ilustrações em papel couché. 18,6 x 13,2 (x 6,8) cm. Bom estado, embora com o corte superior das folhas amarelecido. Primorosa edição na Colecção Clássicos das Edições Afrodite / Fernando Ribeiro de Mello, Lisboa, 1971.

Preço: 60 euros.



DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM
CONVENÇÃO EUROPEIA DOS DIREITOS DO HOMEM

Apresentação de Ramalho Eanes, então Presidente da República, e depoimento de Ângelo de Almeida Ribeiro, presidente da Liga Portuguesa dos Direitos do Homem. 88 páginas. 20,8 x 14,7 cm. Miolo em bom estado. Capa com algumas manchas e perda de cor. Colecção Documentos, das Edições Afrodite / Fernando Ribeiro de Mello, Lisboa, [Maio de] 1977.

Preço: 15 euros.



SOROR MARIANA


LUCIANO CORDEIRO


2.ª Edição. Illustrada, correcta e augmentada sobre novos documentos. Ilustrada no texto e em extra-textos couché. Em brochura e em bom estado. 352 páginas. 22,5 x 14,2 cm. Lisboa: Ferin & C.ª Editores, [1891].

Preço: 40 euros.



MARIANA ALCOFORADO

História e Crítica de Uma Fraude Literária


ANTÓNIO GONÇALVES RODRIGUES


Segunda edição revista, seguida de uma Bibliografia das Cartas. 178 páginas. 21,6 x 14,2 cm. Bom estado, pese embora marcas superficiais de bicho do papel, junto à margem inferior da capa, visível na fotografia supra. Coimbra: Coimbra Editora, 1944.

Preço: 22 euros.



10 POEMAS PARA CATARINA


«No 27.º aniversário do assassínio de Catarina Eufémia».

Pasta de cartão (20,5 x 29,7 cm) contendo 19 folhas soltas (19,5 x 28,5 cm), com poemas de Álvaro Magalhães, António Ramos Rosa, Armando Silva Carvalho, Egito Gonçalves, José Gomes Ferreira, Manuel Alberto Valente, Maria Teresa Horta, Marta Cristina de Araújo, Papiniano Carlos e Sophia de Mello Breyer Andresen; três desenhos de José Rodrigues; um excerto de um texto de José Dias Coelho sobre Catarina Eufémia; e a reprodução da primeira página do Avante! [VI série, n.º 187, Abril-Maio 1954] com a notícia da “carga” da GNR que matou a ceifeira de Baleizão.

Álbum organizado por Marta Cristina de Araújo, e dirigido graficamente por Armando Alves. Tiragem de 600 exemplares, dos quais 500 com distribuição comercial (este o número 490). Bom estado. Capa com mínimas imperfeições, visíveis nas fotografias. Folhas soltas em estado impecável. Porto: O Oiro do Dia, 1981.

Preço: 40 euros.



AS MULHERES DE
MOÇAMBIQUE


MICHÈLE MANCEAUX


«Reportagem em moldes diversos dos clássicos sobre o processo revolucionário de Moçambique, com insistência no papel da mulher. Uma adesão à revolução moçambicana, mormente no seu aspecto de luta pela libertação feminina da prostituiçao, bigamia, trabalho-escravo, analfabetismo… Sendo as mulheres as mais oprimidas pelo colonialismo, é lógico que elas sejam, em quantidade e qualidade, o principal alicerce da Frelimo.
«Um livro confessadamente pensado para ser lido pelas mulheres de Moçambique ainda não mobilizadas para a revolução. O propósito de, através das palavras das militantes da Frelimo entrevistadas, dar forma à história da guerra de libertação do país. Uma obra didáctica para as mulheres da Europa conservadora pois, a ocidentalismo, opõe a vivência revolucionária rumo ao socialismo.»
[texto da contracapa]

Tradução de Manuel João Gomes, de um original de 1975 (Les Femmes de Mozambique). Brochado. 128+(8) páginas. 20,5 x 13,5 cm. Bom estado geral. Lisboa: Arcádia, [Janeiro de] 1976.

Preço: 17 euros.



CARTA DE GUIA DE CASADOS

DOM FRANCISCO MANUEL DE MELO

___ encadernado com ___

ODES PINDARICAS

ANTÓNIO DINIZ DA CRUZ E SILVA


Durante a segunda e terceira décadas de oitocentos, por consequência das Invasões Napoleónicas e sequentes Revolução Liberal e Guerra Civil, uma comunidade de exilados portugueses em Londres animou a edição de clássicos, periódicos e diatribes político-governativas, parte da qual tipografada na Fleet Street, na oficina de Thomas Curson Hansard, famoso impressor dos Debates Parlamentares britânicos.

A Carta de Guia de Casados, de Dom Francisco Manuel de Melo (1 de Maio de 1820), e as Odes Pindaricas (3 de Março de 1820), de António Diniz da Cruz e Silva, foram impressas por Hansard com poucos meses de distância, «dadas á luz» por «dois portuguezes» [cit. Advertência (s)] anónimos, movidos «por os desejos de fazer reviver alguns dos nossos livros classicos»:


[volume compósito formado por]

CARTA DE GVIA DE CASADOS. Paraque Pello Caminho da Prudencia se Acerte Com a Casa do Descanso. A hum amigo. Por D. Francisco Manuel [de Melo]. Em Londres: na officina de T. C. Hansard, Peterboro’-Court, Fleet Street. 1820. Com xxvi+(2)+184 páginas. Antecedem a obra a advertência (datada) dos editores (anónimos), onde anunciam seguir a edição de Craesbeeck (1671); e um epítome da vida do autor, por «Dom Bartholomeu de Gallardo».

[seguido de]

ODES PINDARICAS, de Antonio Dinys da Cruz e Silva; chamado entre os poetas da Arcadia Portugueza, ELPINO NONACRIENSE. Londres: na officina de T. C. Hansard, Peterboro’-Court, Fleet Street. 1820. [Citação de Horácio no rosto, visível numa das fotografias supra]. Com iv+224+(2) páginas — em falta: as duas páginas da Advertência (datada) dos editores (anónimos), constatada noutro exemplar.
Inclui índice dos dedicatários: Vasco da Gama, Henrique de Macedo, André Furtado de Mendonça, António Correa Baharem, Paulo de Lima, João Fernandes Vieira, Heitor da Silveira, Nuno Álvares Botelho, António de Saldanha, Dom João de Castro, António Moniz Barreto, Salvador Ribeiro de Sousa, João Rodrigues de Sá, Duarte Pacheco Pereira, Fernando Peres de Andrade, Nuno Fernandes de Ataíde, Gonçalo Pereira Marramaques, André de Albuquerque, Mem Lopes Carrasco, António Galvão, Lopo de Sousa Coutinho, Diogo da Silveira, António da Silveira, Conde de Lippe, Marquês de Pombal, D. José I, Henrique José Maria Adão, João de Saldanha, Martinho de Melo e Castro e Dom João da Silva.


Em ambas as edições destacou Inocêncio «a nitidez dos typos» e o tipo de papel [II, 441; I, 124], não deixando de anotar que, nesta 3.ª edição das Odes de Diniz da Cruz e Silva, há falta de dez odes relativamente às antecedentes de Coimbra (1801) e Lisboa (1815-1817).

Terão sido reunidas num único volume por antigo possuidor, que os marcou com a assinatura de posse «Bento da França» no ante-rosto da primeira obra e após a última página da segunda.

Dos (pelo menos) três Bento da França cujo registo se conhece ao longo do século XIX, um foi militar liberal e dois administradores coloniais. Pensamos tratar-se de Bento da França Pinto de Oliveira (1833-1889), autor de títulos importantes para a História de Macau.

Uma segunda assinatura de posse ilegível, coeva da primeira, figura sumida no ante-rosto da Carta.

Encadernação sintética modesta, de difícil datação, com 17 x 11 cm. Cerca de 440 páginas. Miolo aparado, com leves e ocasionais manchas de humidade.

Raro.

Preço: 165 euros.



AfonsoRibeiro


POVO


AFONSO RIBEIRO


Contos. Capa de Júlio Pomar. Primeira edição. Proibido pela censura. Brochado, com 13 cm x 19,7 cm e 267+(5) páginas. Capa em bom estado, lombada um pouco escurecida, miolo limpo. Porto: Editorial Ibérica, 1947.

Preço: 20 euros.



OS ANTEPASSADOS DE
ALGUNS CINEMAS DO PORTO


ALVES COSTA


São evocados o Cine-Teatro S. João, o Salão High-Life, o Cinema Batalha [inclui fotografia do fresco desaparecido de Júlio Pomar], o Salão-Jardim Passos Manuel (“antepassado do actual «Coliseu» e «Cinema Passos Manuel»”), e feita menção a outras salas e animatógrafos.

Ilustrado com fotografias, cartazes e programas. Brochado, 17 cm x 22,8 cm. 37+(3) páginas. Manuseado. Capa e algumas páginas com pontos de oxidação. Lisboa: Instituto Português de Cinema – Cinemateca Nacional, 1975.

Preço: 17 euros.



OS MAIS ANTIGOS CINEMAS DE LISBOA
1896-1939

A DISTRIBUIÇÃO DE FILMES EM PORTUGAL
1908-1939


M. FÉLIX RIBEIRO


Lista exaustiva dos Cinemas e Teatros referidos nesta obra: Animatographo de Alcântara, Animatographo do Rossio, Belém Cinema, Campolide Cinema, Capitólio, Casino Étoile, Chiado Terrasse, Cine Bélgica, Cine Esperança, Cine Ginásio, Cine Oriente, Cine Pátria, Cine Paris, Cine Tortoise, Cinema Avis, Cinema Colossal, Cinema Condes, Cinema Cosmopolita, Cinema Europa, Cinema Gil Vicente, Cinema Palácio, Cinema Palatino, Cinema Pathé, Cinema Popular, Cinema Promotora, Cinema Restauradores, Cinema Rex, Cinema Universal, Cinema Voz do Operário, Coliseu de Lisboa, Coliseu dos Recreios, Eden Cinema, Eden Concerto, Esplanada Belém-Jardim, Esplanada Monumental, Grande Animatographo de Alcântara, Imperial Cinema, Império (1916), Jardim Cinema, Lusitania Film, Lys, Max Cine, Novo Cine, Odéon, Olympia, Palais Cinema, Paradis Cinema, Paraíso de Lisboa, Paris Cinema, Pathé Cinema, Rossio Palace, Royal Cine, Roxy, Tivoli, Trianon Palace, The Wonderful, Salão Avenida, Salão Central, Salão Chantecler, Salão Chiado, Salão Cosmopolita, Salão Edison, Salão Fantástico, Salão Foz, Salão Ideal, Salão Liberdade, Salão Lisboa, Salão Portugal (Alfama), Salão Portugal (Ajuda), Salão Rubi, Salão Theatro de Variedades, Salão das Trinas, Salão Recreio da Graça, Salão S. Carlos, Salão da Trindade, Salon Rouge, São Luiz Cine, Eden Teatro, Teatro D. Amélia, Teatro Estrela, Teatro do Ginásio, Teatro Joaquim de Almeida, Teatro Moderno, Teatro Politeama, Teatro do Rato, Teatro República, Teatro Salão dos Anjos, Teatro São Luís, Teatro da Trindade.

Profusamente ilustrado. Brochado, 264+(4) páginas. 17,5 cm x 23,8 cm. Assinatura de posse na página de guarda. Capa manuseada (perda de cor, desgaste marginal), cortes do miolo com picos de oxidação, miolo em bom estado. Lisboa: Instituto Português de Cinema – Cinemateca Nacional, 1978.

Preço: 25 euros.



FILMES, FIGURAS E FACTOS
DA HISTÓRIA
DO CINEMA PORTUGUÊS
1896-1949


M. FÉLIX RIBEIRO


Prefácios de Luís de Pina e de João Bénard da Costa, e introdução do autor:

Meti ombros a este trabalho na intenção de que nele ficassem apontados e respeitados muitos e variados aspectos do que foi a caminhada percorrida pelo cinema português ao longo do período que decorre entre o anos de 1896, quando Aurélio da Paz dos Reis dá as primeiras voltas de manivela, por intermédio da sua tão primitiva, embora eficiente, máquina de filmar, para nos oferecer a sua «Saída do Pessoal Operário da Fábrica Confiança», e o final de 1949, para nós um limite para os nossos propósitos […]

Capítulo I: 1.º Ciclo do Porto / Capítulo II: 1.º Ciclo de Lisboa / Capítulo III: 2.º Ciclo do Porto / Capítulo IV: 2.º Ciclo de Lisboa / Capítulo V: O sonoro chega a Portugal.

Com fotografias, anúncios, desenhos, caricaturas, fotogramas de filmes, etc. Brochado, 651+(5) páginas (papel couché), 17,8 cm x 25,8 cm. Bom estado geral. Lisboa: Cinemateca Portuguesa, 1983.

Preço: 45 euros.