HOSPITAL JÚLIO DE MATOS

Um Ano de Administração. 1946


JOAQUIM JOSÉ DE PAIVA CORRÊA (coord.)


Um balanço económico-financeiro da administração do Hospital Júlio de Matos, em 1946. As dificuldades logísticas, tentativas de reforma, soluções implementadas e seus resultados práticos, no primeiro ano após a reorganização administrativa do Hospital por despacho ministerial, mas também um ano de subida geral de preços — o primeiro depois do fim da II Guerra Mundial —, e pois de custos e despesas correntes.

Num extenso relatório, são discriminadas todas as receitas e despesas do Hospital, em tabelas, gráficos e quadros (muitos deles em folhas desdobráveis de dimensões generosas), que dão um retrato muito curioso de todo o o movimento no interior de uma tal instituição, pesada e complexa.
Exemplos: o custo por doente discriminado (vestuário, alimentação, farmácia, exames médicos, assistência clínica e de enfermagem, transportes); os materiais que foram gastos por mês na oficina de costura (agulhas, alfinetes, botões, colchetes, cotim, dedais, fita de nastro, fivelas, linhas, óleo, pano cru, molas, sarja, zuarte) e o que lá se produziu (almofadas, aventais, batas, calças, camisas, casacos, ceroulas, cobertores, colchas, colchões, cuecas, guardanapos, lençóis, lenços de cabeça, panos de cozinha, peúgas, toalhas e vestidos); ou na de sapataria; despesas com as caldeiras, com a farmácia, com os transportes (automóveis e hipomóveis); com a exploração agropecuária (que produzia batatas, cebolas, cenouras, tomates, alhos, couves, alfaces, nabiças, repolho, feijão verde, pimentos, favas, nabos, abóbora, pêssegos, abrunhos, alperces, ameixas, morangos e milho) e os jardins (ergoterápicos); com a alimentação (incluindo pormenores como a variação de preço de todos os géneros alimentícios consumidos nas cantinas do hospital, incluindo a mão de vaca, nos 3 anos anteriores); etc.; etc.

Um retrato em números do funcionamento de um grande hospital (160 profissionais para 519 doentes), em Portugal, nos meados da década de 40.

Com 184 páginas, e 24 folhas desdobráveis, com quadros e gráficos. 17 x 24 cm. Bom estado. Miolo muito limpo. Lisboa: Hospital Júlio de Matos, 1947.

Preço: 35 euros.


 


NA ABERTURA DA EXPOSIÇÃO POSTUMA DE

ABEL SALAZAR


JÚLIO POMAR


Não admira, pois, que a obra plástica de Abel Salazar não tenha achado bitola que a julgue, isto é: que ela tenha aparecido aos olhos da generalidade dos que em Portugal dizem fazer arte como uma mensagem estranha à qual não servem os clichés que é de uso trazer no bolso, prontos a aplicar a qualquer um. A verdade é que não se perdoou ainda a Abel Salazar o ter pintado ou martelado cobres; a verdade é que, em nome sei lá de que purismos esteticistas, se excomungaram e se excomungam ainda as revelações violentas que Abel Salazar nos deixou.

Opúsculo raro, da autoria do pintor Júlio Pomar, apenas reeditado em 1989. 15 páginas. 12 x 19 cm. Porto: Fundação Abel Salazar, 1948.

Preço: 20 euros.



A PERSONALIDADE ARTÍSTICA DE

ABEL SALAZAR


ADRIANO DE GUSMÃO


Ilustrado com duas reproduções, extra-texto, de uma gravura e de um desenho de Abel Salazar. 28+(2) páginas. 12 x 19 cm. Porto: Fundação Abel Salazar, 1948.

Preço: 15 euros.



PROJET DE RÉFORME PARLEMENTAIRE ÉLECTORALE

ADRESSÉ A L’ASSEMBLÉE NATIONALE LÉGISLATIVE DE LA FRANCE

LUCIANO LOPES PEREIRA


Resumido da seguinte forma no rosto: Organisation législative intégrale (A bas les monocéphalies et bicéphalies législatives); Representation des classes (A bas l’absurde représentation des localités); Hiérarchie des capacités (A bas les capacités improvisées); Système des candidatures (A bas la duperie électorale).

Encadernação da época, com desgaste superficial. 20 páginas. 17 x 25 cm. Rio de Janeiro: Typographia Franceza, 1849.

Autografado pelo autor, docteur de la faculté de médecine de Paris, para «o distinto historiador Alexandre Herculano».

Preço: 40 euros.



PARA OS NOSSOS FILHOS

LEREM AOS 18 ANNOS

CONSELHOS D’UM MEDICO

ALFREDO FOURNIER


Meus amigos, eis-vos chegados a uma edade, que já não é a infancia nem sequer a adolescencia. A aurora de uma epoca differente annuncia-se em vos por um conjuncto de signaes que sao os apanagios de uma virilidade proxima. N’uma palavra, ides ser homens.

Traduzido do francez. 3.ª edição (1905). 44 páginas. 12 x 16 cm. Sem menção de tradutor, local de publicação ou editor, mas com indicação para distribuição gratuita.

Preço: 10 euros.