ELEMENTOS PARA A HISTÓRIA
DO MUNICÍPIO DE LISBOA


EDUARDO FREIRE DE OLIVEIRA


Título e autor, tal qual figuram no rosto: Elementos para a História do Município de Lisboa, por Eduardo Freire de Oliveira, arquivista da Camara Municipal da mesma cidade. 1.ª PARTE. Publicação mandada fazer a expensas da Camara Municipal de Lisboa, para commemorar o centenario do Marquez de Pombal em 8 de Maio de 1882.

Mais de 10 mil páginas de documentos oficiais de algum modo relevantes, organizados cronologicamente e alusivos a séculos de assuntos invariavelmente díspares — as iguarias de um banquete celebratório, a colocação na prisão do Limoeiro do líder de uma «companhia de comediantes de Castella», a lista das pessoas de cada freguesia que se recusam a participar numa campanha de limpeza pública, a morte do rei —, num panorama que permite acompanhar os reflexos da política e da história do país nas várias decisões e questões do município d’esta cidade onde desde muito cedo esteve instalado um Governo demasiado centralista.

Temos assim «a carta regia que trouxe a communicação official da morte de Filippe II» (tomo II, quase todo dedicado ao “tempo dos Filipes”, pág. 590), «a ruína de Lisboa», no sábado 1 de Novembro de 1755 (tomo XVI, a partir da página 133, com lista e descrição sumária de abalos sísmicos anteriores, nomeadamente os de 1309, 1321, 1344, 1356, 1512, 1531, 1551, 1575, 1597, 1598, 1699 e 1724), a inauguração da estátua equestre de D. José (em parte citada aqui) ou a «consulta da Cammara a el-rei em 2 de julho de 1650», onde se propõem os nomes de «doze fidalgos, doze cidadãos e doze homens do povo» para «terem as chaves das quatro portas da cidade» (tomo V, p. 208, antecedendo em algumas páginas a lista exaustiva dos preços de venda de todo o tipo de animais para alimentação, indexados inteiros, em partes, e por género).

O primeiro documento transcrito no tomo I, que não o foral de 1179, data de 7 de Novembro de 1190, e o último documento transcrito no tomo XVII data de 23 de Agosto de 1777. Entre ambos, os diversos prefácios e as anotações constantes de Freire de Oliveira (1841-1916) desvelam e aprofundam as origens e importância dos textos que transcreve. Contém ainda algumas ilustrações, muito poucas, destacando-se a litografia da Divisa da Cidade, que abre o tomo X, ou a «planta litographada da sala das sessões do senado da camara de Lisboa, que acompanha a carta regia de 13 de Novembro de 1773» (tomo I, pág. 68).

[Para uma descrição mais detalhada da cronologia de cada tomo, consulte-se o artigo de António Miranda na Rossio n.º 1, de 2013. Como o plano cronológico da 1.ª parte da obra deveria ter prosseguido até ao ano do início da publicação (1882), suspeita-se que, além da nunca publicada 2.ª parte, também desta 1.ª parte terá ficado por publicar pelo menos um tomo, para o período 1777-1882.]

Obra completa (tudo quanto se publicou), em XVII tomos de 16,5 x 24,5 cm (66cm de estante), Lisboa: Typographia Universal, 1882-1911.

Tomo I, 1885, (12)+661+(5) págs. Tomo II, 1887, xiv+593+(2) págs. Tomo III, 1888, vi+584+(3) págs. Tomo IV, 1889, xii+628+(3) págs. Tomo V, 1891, vi+620+(3) págs. Tomo VI, 1893, ix+627+(2) págs. Tomo VII, 1894, cxii+466+(3) págs. Tomo VIII, 1896, vi+593+(3) págs. Tomo IX, 1898, vi+617+(4) págs. Tomo X, 1899, viii+595+(2) págs. Tomo XI, 1901, vi+632+(3) págs. Tomo XII, 1903, (10)+652+(3) págs. Tomo XIII, 1904, (6)+622+(3) págs. Tomo XIV, 1906, (6)+634+(3) págs. Tomo XV, 1906, (6)+630+(3) págs. Tomo XVI, 1910, xiv+567+(4) págs. Tomo XVII, 1911, (6)+622+(3) págs.

Acrescentam-se os dois volumes de índices, publicados cerca de 40 anos mais tarde: Índice dos «Elementos para a História do Município de Lisboa», por Esteves Rodrigues da Silva, sob a direcção de Jaime Lopes Dias, 2 vols., Lisboa: Câmara Municipal, 1942-1943. Com 396+578 páginas, e 17 x 22,5 cm. Capa do volume II com um rasgão restaurado. Páginas por abrir.

Todos os 19 volumes em brochura e 17 deles com as páginas por abrir. Bom estado geral, com não mais do que pequenos defeitos dispersos (muito ocasionais picos de humidade; algumas lombadas mais amarelecidas que outras; bicho de papel que atacou superficialmente a capa do tomo VI; e situações afins, de pouca monta).

Conjunto invulgar.

Preço: 480 euros.



CAMILLO

MULHERES E LÁGRIMAS

(LIVRO DO AMOR E DO CORAÇÃO)

NUNO CATHARINO CARDOSO


Contendo cento e noventa e três pensamentos respigados na obra do Grande Romancista.

Colecção (encalorada) de citações camilianas, sem lugar para a menção das diversas proveniências, e com prefácio datado de 22/2/1922. Exemplar do 1.º milhar. xvi+55 páginas. 12,5 x 19 cm. Brochado. Bom estado. Lisboa: Portugália Editora, 1922.

Preço: 22 euros.



SEROENS DE S. MIGUEL DE SEIDE

CHRONICA MENSAL DE LITTERATURA AMENA

NOVELLAS, POLEMICA MANSA
CRITICA SUAVE DOS MÁOS LIVROS E DOS MÁOS COSTUMES

CAMILLO CASTELLO BRANCO


Edição original.

6 fascículos em 1 único volume (obra completa). Encadernação com rótulo em pele. Miolo aparado. Conserva a capa de brochura anterior do primeiro fascículo. Com 75+(5), 69+(3), 95+(1), 72+(8), 99+(1), 76+(6) páginas. 11,5 x 16 cm. Porto: Livraria Civilisação, de Eduardo da Costa Santos, 1885-1886.

Preço: 120 euros.



MEMORIAS D’UM SUICIDA


MAXIME DU CAMP


Colecção Economica n.º 20. Tradução de Silva Pinto. 270 páginas. 11,5 x 16,5 cm. Usado. Marcas de restauro. Exemplar razoável. Lisboa: Parceria Antonio Maria Pereira, 1907.

Preço: 12 euros.



LISBOA DE OUTROS SÉCULOS

À SOMBRA DOS PAÇOS REAIS

CEM ANOS DE PITORESCO

O NAMÔRO LISBOETA NO SÉCULO XIX


FRANCISCO CÂNCIO


Obra histórica completa em 3 volumes, publicados em fascículos entre 1940 e 1941, aqui reunidos num único tomo monumental de 1340 páginas [561-(13)+463+304]. Ilustrada com fotografias e desenhos. 16,5 x 26,5 cm. Edição do autor. Primeiro volume anuncia uma tiragem de 300 exemplares.

Encadernação com lombada e cantos em pele (meia-francesa), com quatro nervos e os corvos vicentinos na lombada, de manufactura recente e em excelente estado de conservação. Miolo limpo e sem manchas, ligeiramente aparado. Raro conjunto.

Peça de colecção.

Preço: 280 euros.




Do autor, sobre as tradições do Ribatejo, aqui.



DO OUTRO LADO

cançoneta comica


ALFREDO DE MORAES PINTO
(Pan-Tarantula)


Ilustrações de Raphael Bordallo Pinheiro (14 no texto + 2 nas capas). Desenho da capa “continua” na contracapa, e a frente e o verso do livro estão trocados, de acordo com o título.

16 páginas. 12 x 18,5 cm. Impresso na Typographia Elzeviriana. Em bom estado geral, pese embora ter as capas praticamente soltas. Lisboa: Tavares Cardoso & Irmão, 1885.

Invulgar.

Preço: 60 euros.



CARICATURAS PESSOAIS


FRANCISCO VALENÇA


Colecção do Sempre Fixe, n.º I. Exemplar enriquecido com 10 outras caricaturas de Valença recortadas de jornais e identificadas, adicionadas ou em páginas do livro ou em página à parte, como se pode ver em duas das fotografias. 215 páginas. 19 x 24 cm. Manuseado, mas um exemplar bastante interessante. Porém, tem faltas de papel símiles (visíveis nas fotografias) no pé das páginas 5, 99 e 213, e inócua falta da página de guarda. No verso da capa tem dois ex-libris. Lisboa: Renascença Gráfica, 1931.

Invulgar.

Preço: 90 euros.



MYRTIS ET KORINNA


WILLIAM RITTER


William Ritter (1867-1955), nascido em Neuchâtel, amigo de Mahler, estudou em Viena e foi escritor, pintor, crítico de arte e crítico musical. Ilustrações de Antoine Calbet. Primeira edição. Collection Lotus Alba, para bibliófilos. Estimado. Com (14)-90-(6) páginas, e 7 x 14,5 cm. Paris: Librairie Borel, 1898.

Um centauro apaixona-se por uma jovem rapariga…



LA GUERRE DES DIEUX


PARNY


Originalmente publicado em 1799, com autoria de Évariste Parny (1753-1814). Dois volumes encadernados num único, com capas de brochura. Assinatura de posse de Alberto Cupertino Pessoa, professor de Medicina na Universidade de Coimbra, em letra muito miúda, em ambas as páginas de ante-rosto. Ilustrado com gravuras e vinhetas, sem autoria atribuída, embora assinadas. 128+128 páginas. 9 x 14 cm. Capas de brochura manchadas, miolo não tanto. Não aparado. Colecção Petite Bibliothèque Diamant. Paris: L. Boulanger, [s.d.].



LA NONNE ALFEREZ


JOSÉ-MARIA DE HEREDIA


Primeira edição. Heredia nasceu em Cuba em 1833 e naturalizou-se francês em 1893. Ilustrações de Daniel Vierge, gravadas por Privat-Richard. Encadernado com capas de brochura. Monograma do arquitecto Alberto Pessoa, na página de rosto. Com viii-175 páginas, e 9 x 14,5 cm. Colecção Lemerre Ilustrée. Bom estado, mas com a capa de brochura manchada. Não aparado. Paris: Alphonse Lemerre, 1894.



Colecção estimada de três diferentes obras eróticas publicadas em França no final do século XIX, um conjunto uno de robustas e suaves encadernações inteiras de pele com nervos nas lombadas, cada uma de sua cor e todas do mesmo estilo, com o selo do encadernador Raúl de Almeida (Lisboa).

Preço (do conjunto dos 3 livros): 65 euros.



BIBLIOGRAPHIA HISTORICA PORTUGUEZA


JORGE CESAR DE FIGANIERE


[Título completo:] BIBLIOGRAPHIA HISTORICA PORTUGUEZA ou catalogo methodico dos auctores portuguezes, e de alguns estrangeiros domiciliarios em Portugal, que tractaram da Historia civil, politica e ecclesiastica d’estes reinos e seus dominios, e das nações ultramarinas, e cujas obras correm impressas em vulgar; onde também se apontam muitos documentos e escriptos anonymos que lhe dizem respeito, por JORGE CESAR DE FIGANIERE, official da Secretaria de Estado dos Negocios Estrangeiros, commendador da Real Ordem de Isabel a Catholica, Membro do Conservatorio Real de Lisboa, etc.

Reimpressão fac-simile holandesa da rara edição portuguesa de 1850. Vide índice nas fotografias. Encadernação editorial em tela. Exemplar em óptimo estado de conservação. 359 páginas. 15 x 23 cm. Naarden: Anton W. Van Bekhoven, 1970.

Preço: 70 euros.


clerc2


O CELIBATO CLERICAL


JOSÉ MANOEL DA VEIGA


Memoria que serviu de fundamento a uma das theses dos Actos Grandes, de seu author o Dr. José Manoel da Veiga, commendador da ordem de Christo, cavalleiro da Conceição, oppositor ás cadeiras de direito na Universidade de Coimbra e advogado na côrte, fallecido a 25 de septembro de 1859.

2.ª edição de uma obra rara e importante, primeiramente editada em 1822, e que segundo Fernando Catroga, foi «a melhor expressão teórica da discussão ocorrida no período vintista sobre o celibato eclesiástico». Esta reedição de 1866 ocorre aquando do reerguer da questão na década de 60 do século XIX.

Com 198-xxvi páginas, e 13 x 20,5 cm. Capa cansada. Exemplar razoável. Lisboa: Typ. da Sociedade Typographica Franco-Portugueza, 1866.

Preço: 25 euros.



A ARISTOCRACIA DO GENIO E DA
BELLEZA FEMINIL NA ANTIGUIDADE


JOSÉ PALMELLA


SemiramisSapho de MityleneCorinnaAspasia  —
PhrynéCleopatraHypathia de Alexandria

Com uma carta de Victor Hugo.
Introdução de Júlio César Machado.
As primeiras 85 páginas, antes da obra propriamente dita, incluem ainda cartas ao autor de Angel Fernandez de Los Rios, Marianna Angelica de Andrade e Narcisa Amália; juízos críticos de Amália Figueirôa, Izabel Bueno, Luiz Guimarães Júnior, Quirino dos Santos, Rebello de Vasconcellos, Manuel Nuñez de Prado, Guiomar Torrezão, e de outros escritores e da imprensa portuguesa; e os prefácios das  anteriores quatro edições do livro. Vide índice nas fotografias.

Ensaios biográfico-líricos dedicados a destacadas e libertárias figuras femininas da antiguidade. 5.ª edição, «augmentada». 304 páginas.  21,2 x 13,4 cm. Capa bastante manchada, interior com manchas ténues, visíveis nas fotografias. Lombada com pequenas falhas de papel. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1876.

Preço: 17 euros.



CANÇÕES PORTUGUESAS

DO SÉCULO XVIII À ACTUALIDADE


PEDRO FERNANDES TOMÁS


Com algumas pautas musicais. Dividido em: Romances; Canções Religiosas; Cantigas Velhas; Danças de Roda e Descantes.

169 páginas. 22,7 x 16,6 cm. Volume XXX da colecção Subsídios para a História da Arte Portuguesa, Coimbra: Imprensa da Universidade, 1934. Assinatura de posse na página de rosto. Manuseado. Bom estado.

Preço: 45 euros.



CARTEIRA DO ARTISTA


SOUZA BASTOS


Apontamentos para a Historia do Theatro Portuguez e Brazileiro acompanhados de notícias sobre os Principaes artistas, escritores dramaticos e compositores estrangeiros.

Jornalista e “homem do teatro” — empresário, director teatral, encenador e ensaiador, dramaturgo e dramatógrafo —, António de Sousa Bastos (1844-1911), marido da actriz Palmira Bastos, compilou esta grande e pequena história do teatro português seu contemporâneo, o do final do século XIX, com espaço para muito mais do que actores, dramaturgos e salas de teatro.

Os índices alfabéticos listam: actores portuguezes e brazileiros; actrizes portuguezas e brazileiras; aderecistas; architectos, auctores de figurinos e decoradores; artistas dramáticos estrangeiros; benemeritos do theatro; cabelleireiros de theatro; cantores portuguezes; companhias diversas; contraregras; curiosidades theatraes; decretos, portarias, tratados e outros documentos referentes ao theatro; diversos empregados de theatro; dramas, comedias, tragedias, operas-comicas, revistas e peças phantasticas notaveis pelo seu merecimento ou pelo sucesso que obtiveram; emprezarios theatraes; ensaiadores portuguezes e brazileiros; escriptores, dramaticos e criticos theatraes, portuguezes e brazileiros; escriptores dramaticos estrangeiros; guarda-roupas; machinistas; musicos estrangeiros; musicos portuguezes e brazileiros; operas e dansas; pontos; scenographos; theatros estrangeiros; e theatros portuguezes e brazileiros.

Esta espécie de enciclopédia caótica do teatro, repleta de pequenas gravuras, está inicialmente organizada cronológicamente, por dias e meses do ano: nascimentos de determinado actor, estreia de uma dada peça, abertura de uma nova sala, etc.
Este calendário ocupa um pouco mais de metade do livro, bem organizada. Mas a partir da página 475, a sucessão de apêndices, acrescentos, correções, adendas, novas informações, rectificações, ampliações e eventos sem data torna a pesquisa de informação uma curiosa aventura proto-hipertextual para a qual o índice de 30 páginas supra-citado é a peça chave.

Primeira edição. Lisboa: Antiga Casa Bertrand — José Bastos, Editor, 1899. Com 868 páginas, e 18,5 x 26 cm. Encadernação com lombada em pele. Aparado. Conserva a capa de brochura anterior, uma litografia de Raphael Bordallo Pinheiro. Pequenas e inócuas marcas de bicho do papel em algumas páginas. Assinatura de posse no rosto. Bom estado.

Digitalizado e disponível online aqui.

Preço: 115 euros.



EVOLUÇÃO SOCIAL


PAULO DE BARROS


Discurso Pronunciado no «Grémio de Instrucção e Recreio», de Bragança, na noite do dia 26 de Maio de 1881. Porto: Real Typographia Lusitana, 1881. /// 48 páginas. 14 x 22 cm. Capa com algum desgaste. Nota manuscrita (pelo autor?) à cabeça: «Ex.mo Sr. Alferes M.el Rodrigues». /// Lista de obras anteriores do autor, constante da contracapa: Questões de Hygiene e de Agricultura – Cemitérios e Incineração dos cadaveres; e Breves reflexões sobre as quantidades negativas.

Pensamos tratar-se de Paulo de Barros Pinto Osório [n. 1848], viticultor no Douro nascido em Peso da Régua, parlamentar entre 1900 e 1910, como deputado progressista, e engenheiro-chefe da construção na Companhia dos Caminhos de Ferro do Minho e Douro (1901).

Preço: 12 euros.


Camarões /// 1888

[06Set15]

camaroes3

camaroes4


OS CAMAROES

Monólogo em Verso
Traducção Livre de Les Écrevisses de Jacques Normand

ACACIO ANTUNES


Versão do poeta e dramaturgo figueirense Acácio Antunes [1853-1927] de um curioso monólogo em verso de Jacques Normand, Les Écrevisses (consultar aqui o texto original ilustrado), adaptado à realidade portuguesa: Paris torna-se Azeitão.

15 páginas. 11,5 x 17 cm. Capa com pequenos defeitos. Lisboa: Tavares Cardoso & Irmão Editores, 1888.

Preço: 10 euros.


Victor Hugo, 1887

[03Set15]


NOSSA SENHORA DE PARIS


VICTOR HUGO


Tradução de João Pinheiro Chagas. Inclui gravuras de Brion, Beaumont, Vierge, Viollet-Le-Duc, Foulquier, e vários outros. Impresso na Typographia Elzeviriana, Lisboa. Editado no Porto pela Livraria Civilisação, de Eduardo da Costa Santos, em 1887.

Edição monumental, com 725 páginas e 20 x 28 cm. Encadernação com lombada em pele, sem capas de brochura. Marcas de bicho do papel (já falecido) diminuindo no canto superior interior ao longo das primeiras 33 páginas (vide fotografia). Miolo com leves manchas generalizadas. Um exemplar razoável.

Preço: 30 euros.


crombie3


LICHENES BRITANNICI


JAMES CROMBIE


Mr. Crombie is well-known as an indefatigable hunter after lichens and one who has added a considerable number of new species to the British flora. This little book contains a record of the habitat and distribution of the 658 species of lichens at present known as inhabitants of Great Britain and Ireland, together with references to the authorities where descriptions are to be found and the synonymy. [da recensão a seta obra de James Crombie, publicada no primeiro volume da revista Nature, em 1870 — o número 1 da revista data de 1869.]

Título completo: LICHENES BRITANNICI, seu Lichenum in Anglia, Scotia, et Hibernia Vigentium, Enumeratio, cum Eorum Stationibus et Distributione, scripsit Rev. Jacobus M. Crombie, M.A., London: L. Reeve and  Co., 1870.

Texto em latim. Com 138 páginas e 11 x 18 cm. Usado mas em bom estado. Ex-libris triangular de anterior proprietário.

Preço: 15 euros.


papa1
papa2 papa3 papa4


O PAPA NO DECIMO NONO SECULO


J. MAZZINI

Triumviro da República Romana

Giuseppe Mazzini (1805-1872), escritor, jornalista, activista, político e ex-carbonário, é uma das figuras principais do chamado Risorgimento, movimento que na segunda metade do século XIX pugnou pela unificação dos vários estados italianos num único país com um governo central, secular e republicano. Várias vezes exilado por motivos políticos, na Suíça, em França e em Inglaterra, participou na fundação de uma Segunda República Romana (1849), insubmissa ao poder papal, onde desempenhou funções no triunvirato governativo. O projecto falhou, seguindo-se novo exílio para o autor, e a publicação do libelo anti-papal que aqui se apresenta, em tradução portuguesa publicada no mesmo ano da edição original.

Com 64 páginas e 11 x 16 cm. Capa com mínimas falhas de papel, e uma assinatura de posse («205 – Joaquim  Martins»). Assinatura de posse, também, no topo da primeira página do texto, visível numa das fotografias. Última página com falta de uma porção inferior, já fora da mancha de texto. Bruxelas: na Imprensa de V. Wouters, 1850.

Raro.

Preço: 15 euros.





O PERIGO DAS PAIXÕES INDISCRETAS

CONTO ALLEGORICO

MADAMA D’UNCY


Traduzido por António Maria do Couto (1778-1843), professor de grego, tradutor de HomeroVoltaire, Marmontel, Mme. d’Aulnoy, e biógrafo de Bocage e José Agostinho de Macedo.

Com uma nota do tradutor. (vi)-72 páginas. 11 x 15,5 cm. Capa de papel da época. Com pequenos defeitos normais para a idade. Produção XL. Lisboa: na Impressão de J.F.M. de Campos, 1815. Há notícia de uma primeira edição em 1803, com um subtítulo mais desenvolvido: Conto allegorico e moral para serviço de lição à Mocidade.

Preço: 15 euros.