Três Português

[15Ago18]


ARTE DE SER PORTUGUÊS


TEIXEIRA DE PASCOAES


Ensaio que agrega e culmina as ideias de uma série de conferências e artigos que o autor vinha publicando na revista Águia. 2.ª edição. 160 páginas (por abrir). 12 x 16,5 cm. Bom exemplar. Porto: Renascença Portuguesa, 1920.

Preço: 20 euros.



PORTUGUÊS, ESCRITOR,
QUARENTA E CINCO ANOS DE IDADE


BERNARDO SANTERENO


1.ª edição. Capa de José Cândido. Peça estreada no Teatro Maria Matos, com uma canção de José Carlos Ary dos Santos [Teu pai um potro de sangue / emprenhou uma gazela (…)] e música de Fernando Tordo. Bom exemplar, embora com assinatura de posse, de um antigo livreiro, na página de rosto. Colecção Teatro das Edições Ática, Lisboa, 1974.

Preço: 20 euros.



PORTUGUÊS, TRABALHADOR, DOENTE MENTAL


MARIA DE FÁTIMA BÍVAR VELHO DA COSTA


Servirá este trabalho para dar sinal, embora sem rigor, do imenso teor de ambiguidade e absurdo de instituições ratificadas pelo sistema legal aparentemente razoável por que somos regidos. Tal não era o meu objectivo ao iniciá-lo e não duvido que ele não se me teria tornado tão aparente, não fora eu definindo-me cada vez mais (por tentativa e erro) como membro dessa casta um pouco à margem de toda a institucionalização — produtor perplexo que ainda que viva bem não viva do seu trabalho específico — o escritor português. [início do livro]

Capa de Henrique Ruivo. 166 páginas. 14 x 20 cm. Bom estado. Colecção Temas Actuais da Seara Nova, Lisboa, 1976.

Preço: 20 euros.



A MANUTENÇÃO MILITAR

1920-1921

RELATÓRIO DA GERÊNCIA

FRANCISCO DE PINA LOPES


O Major Francisco de Pina Lopes, com uma carreira militar preenchida de honras e louvores, destacou-se na organização administrativa [«modelar», segundo Gomes da Costa, e «com a mais severa economia e perfeição»], tanto na Guarda Fiscal como na 1.ª Divisão do C.E.P., mas também, depois da Guerra, na Manutenção Militar. Foi eleito senador em 1915, e deputado em 1919, tendo exercido funções de secretário e relator de diversas comissões relativas a assuntos militares, fiscais e orçamentais. Finalmente, nos governos de António Maria Baptista e José Ramos Preto, foi Ministro das Finanças. Após passar à situação de licença ilimitada, em 1923, foi administrador da C.P. e de várias outras indústrias e bancos, nacionais e ultramarinos [conferir GEPB, 21, 690-691].

Este relatório da gerência da Manutenção Militar, correspondente ao biénio 1920-1921, é um excelente exemplo das ditas capacidades organizativas e administrativas de Pina Lopes, que procura ser «intérprete fiel e austero» do que observou, executou e fez executar, num momento orçamental difícil. Extenso e detalhado, com fotografias, desenhos e tabelas e mapas desdobráveis, pormenoriza secções, divisões, serviços, sucursais e depósitos, funções e vencimentos do pessoal, a instrução, o fardamento, a disciplina, os transportes ou a produção cerealífera — destaque para o capítulo VIII, sobre a Greve dos Padeiros (p. 31-33).

Com 16,5 x 22 cm, e 78+[67]+XXI+(3) páginas, contém 58 fotografias [desde a barbearia à biblioteca, passando pela marcha das operárias e o touro holandês da sucursal dos Olivais], 2 páginas com desenhos [a produção de pão e a produção de enchidos], 2 mapas desdobráveis e 2 tabelas desdobráveis. Em muito bom estado de conservação.

Invulgar.

Preço: 40 euros.