A SEVÉRA


JÚLIO DANTAS


Teatro. Primeira edição. Peça em 4 actos representada pela primeira vez em Janeiro de 1901, no Teatro Nacional D. Maria II, com Augusto Rosa no papel do Conde de Marialva. Dois anos depois, Dantas publicaria a primeira edição do romance A Severa.
Meia-encadernação sintética, em óptimo estado. Encadernado com ambas as capas de brochura (algo cansadas e com marcas de restauro), e não aparado. Miolo limpo. Assinaturas de posse na capa, na página de ante-rosto e no rosto. 196 páginas. 13 x 21,5 cm. Lisboa: Manuel Gomes Editor, 1901.

Preço: 45 euros.



A SEVERA


JÚLIO DANTAS


Romance. Ilustrações de Maria Vasconcellos. Reproduz o prefácio do editor da 2.ª edição, Avelino S. Vieira. Em 2 volumes [1.º volume: 4.ª edição, 23.º milhar / 2.º volume: 4.ª edição]. Estado óptimo. Colecção Portuguesa n.ºs 24 e 25. 172+205 páginas. 12,2 x 18,8 cm. Porto: Domingos Barreira Editor, [1945].

Preço: 22 euros.



A CATEDRAL DE VISEU


A. DE LUCENA E VALE


Trabalho elaborado para o Ciclo das Conferências Culturais do 8.º centenário da reintegração da Diocese de Viseu. Proferido pelo autor dentro da própria Sé, no dia 31 de Dezembro de 1944. Acrescentado com um estudo de pormenor sobre a Capela do Calvário, nos claustros. 58 páginas (por abrir) + 23 fotografias extra-texto. 17 x 22 cm. Bom estado de conservação. Separata da revista Beira Alta, Viseu, 1945, parcialmente reproduzida aqui.

Preço: 15 euros.


A GUERRA CIVIL DE ESPANHA


HELLMUTH GÜNTHER DAHMS


Título original: Der Spanische Bürgerkrieg (1962). Tradução portuguesa de Maria da Graça Cardoso. Ilustrado com 47 fotografias extra-texto, das agências de notícias EFE (Madrid) e Keystone (Paris). 347 páginas. 14,5 x 21 cm. Encadernação editorial, com a sobrecapa original em bom estado de conservação, salvo alguma perda de cor na lombada. Lisboa: Editorial Ibis, 1964. Só conheceria edição espanhola em 1966.

Preço: 15 euros.



BISMARCK

ARTÍFICE DE LA TERCERA REPÚBLICA FRANCESA

MARQUÉS DE QUINTANAR


Prólogo de RAMIRO DE MAEZTU. Brochado. 221 páginas. 14,5 x 20,5 cm. Madrid: Cultura Española, 1936. /// Exemplar autografado pelo autor com dedicatória ao antigo embaixador português LUÍS NORTON.

Ramiro de Maeztu, assassinado poucos meses após a publicação deste livro, e o Marqués de Quintanar [Fernando Gallego de Chaves Calleja, 1889-1974, Conde de Santibáñez del Río, «amigo fraternal» de António Sardinha e dos integralistas portugueses] foram ambos colaboradores próximos de Primo de Rivera durante a Ditadura. Após a queda da Monarquia e o advento da Segunda República fundaram a revista nacionalista Acción Española (1931-1937), propalado veículo reaccionário de ideias tradicionalistas, anti-liberais, anti-democráticas e anti-parlamentares.

Preço: 25 euros.





EL ALMENDRO Y LA ESPADA

POEMAS DE PAZ Y GUERRA


CONDE DE FOXÁ


Poemas de paz e de guerra, de Agustín de Foxá Torroba, Conde de Foxá (1903 – 1959), uma parte dos quais sobre a guerra civil espanhola; refira-se ainda a presença de um Canto a Roma dedicado a Mussolini. Foxá foi jornalista e diplomata falangista, e nas letras destacou-se também como autor de ficção científica.

Capa e desenhos de Jesús Olasagasti (1907 – 1955). Assinatura de posse, a lápis, na capa, do embaixador Luiz Norton. Capa com algumas manchas de humidade, e interior impecável, em excelente papel. Intonso. 119 páginas. 14,5 x 21 cm. San Sebastian: Editora Internacional, 1940.

Preço: 25 euros.


ouro-fischer

k-ouro ouro-zamith ouro-buceta


2.ª REGIÃO MILITAR

LIVRO DE OURO

NOTAS BIOGRÁFICAS DOS GENERAIS COMANDANTES
DA 5.ª DIVISÃO MILITAR, 5.ª DIVISÃO DO EXÉRCITO E 2.ª REGIÃO MILITAR
1901-1954

Álbum brochado (23 x 31 cm) com 80 páginas de textos essencialmente biográficos + uma página extra-texto, com retrato fotográfico e lista de condecorações, para cada um dos generais:

1.º Período, 5.ª Divisão Militar (1901-1911):
General de Brigada Manuel Joaquim da Silva Mata (1901-1902), General Frederico Augusto de Almeida Pinheiro (1902-1905), General José Estanislau Ventura (1906), General José Augusto Nogueira de Sá (1906-1909) e General Joaquim José da Silva Monteiro (1909-1911).

2.º Período, 5.ª Divisão do Exército (1911-1926):
General Diogo Pereira de Sampaio (1911-1913), General João Rodrigues Blanco (1913-1915), General Duarte Ivens (1915), General Bernardo António de Brito e Abreu (1915), General Fernando Tamagnini de Abreu e Silva (1915-1917 e 1918-1919), General António Maria de Matos Cordeiro (1917), General João Evangelista Pinto de Magalhães (1917), General Jaime Leitão de Castro (1917-1918), General Brás Mouzinho de Albuquerque (1919-1921), General José Augusto Simas Machado (1921-1925), General João de Morais Zamith (1925-1926) e General António Teixeira de Aguiar (1926).

3.º Período, 2.ª Região Militar, a partir de 1926:
General José Ernesto de Sampaio (1926), General Jacinto dos Reis Fischer (1927-1929), General António Gomes de Sousa Júnior (1929-1938), General Carlos Maria Pereira dos Santos (1938), General Fernando Augusto Borges Júnior (1938-1939), General José Vítor Franco (1939-1945), General Augusto Martins Nogueira Soares (1945-1949), General Manuel Bernardes de Almeida Topinho (1950-1953) e General Humberto Buceta Martins (1953-1954).

Explica o comandante da 2.ª região militar, na introdução, que o livro resulta de uma sugestão do Ministro da Guerra, o então Tenente-Coronel Fernando dos Santos Costa, em 1948, de que «nos Quartéis Generais, Comandos de Unidades e Sedes de Estabelecimentos Militares, fossem expostos os retratos de antigos Comandantes e Chefes».

Exemplar de uma tiragem (não-numerada) de 300 exemplares, impressa na Tipografia da Gráfica de Coimbra aos 10 de Dezembro de 1954 (na capa e contracapa, bem como no final da introdução, a data simbólica que figura é o 1.º de Dezembro).

Capa com ligeiras marcas de uso, nas orlas, o interior em bom estado; no geral um exemplar bastante satisfatório.

Preço: 60 euros.


rosto-ouro

laranja


A CONVENÇÃO ORTOGRÁFICA LUSO-BRASILEIRA

ESTABELECIDA PELO DECRETO N.º 35:228

Com um prefácio de Augusto Moreno, e um vocabulário auxiliar organizado por Cardoso Júnior. O decreto, assinado por Salazar, Carmona e Caeiro da Mata, inclui as conclusões da Conferência Interacadémida de Lisboa para a Unificação Ortográfica da Língua Portuguesa, entre a Academia de Ciências de Lisboa e a Academia Brasileira de Letras, realizada entre Julho e Outubro de 1945, conclusões essas assinadas por Júlio Dantas, Pedro Calmon, Gustavo Cordeiro Ramos, José Maria de Queiroz Velloso, Olegario Marianno e Luiz da Cunha Gonçalves. 144-(5) páginas. 13,5 x 19,5 cm. Lombada cansada e uma assinatura de posse na página de guarda. Lisboa: Editorial Inquérito, 1945.

Preço: 10 euros.


limao


REGRAS PARA APRENDER A LÍNGUA PORTUGUESA

SEGUNDO O ACORDO ORTOGRÁFICO LUSO BRASILEIRO DE 1945


J. ESTEVÃO PINTO


Regras ortográficas, seguidas de pequenos vocabulários de nomes comuns e de nomes próprios e de frases, para bem se escrever a Língua Portuguesa. 80 páginas. 13,5 x 20 cm. Lisboa: Livraria Popular de Francisco Franco, [1945]. Bom estado.

Preço: 8 euros.


toranja


A DEMANDA DA ORTOGRAFIA PORTUGUESA

COMENTÁRIO DO ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1986 E SUBSÍDIOS PARA A COMPREENSÃO DA QUESTÃO QUE SE LHE SEGUIU

Volume organizado por:

IVO CASTRO
INÊS DUARTE
ISABEL LEIRIA


Uma compilação de documentos, testemunhos e cronologias fundamental para a compreensão do actual Acordo Ortográfico, com a posição de vários especialistas  e a história e fundamentos dos diversos acordos, reformas, propostas e projectos de alteração da ortografia portuguesa, desde 1885.

Capa de Victor da Silva. 281 páginas. 15,5 x 23 cm. Primeira edição (republicado em 2005). Lisboa: Edições João Sá da Costa, 1987.

Preço: 10 euros.



REVOLUÇÕES MUSICAIS


DOMINIQUE BOSSEUR
JEAN-YVES BOSSEUR


Um panorama das ideias e acontecimentos que marcaram a música depois de 1945 (serialismo, electrónica, obra móbil, electro-acústica, matemática aplicada à música, música de acção, investigação em computador, inter-media, audição activa, etc.):

No vasto labirinto em que se entrecruzam as múltiplas tendências da vida musical a partir do fim dos anos de 1940, uma ideia fulcral parece contudo impor-se com evidência: a da relatividade dos sistemas. Explosões, desaparecimento dos pontos de referência estáveis, mistura das linhas directrizes do pensamento musical de hoje: será caso para lamentar que cada ouvinte deva agora trilhar o seu caminho pessoal no dédalo das pesquisas actuais?

Traduzido do francês por Maria José Bellino Machado. Capa com ilustração de Rui S. Romão. Ilustrado. 319 páginas. 14,5 x 21 cm. Óptimo estado de conservação. Lisboa: Editorial Caminho, 1990.

Preço: 12 euros.





CONSIDERAÇÕES PESSOAIS

ENSAIOS

ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Primeiro livro de ensaios do autor (1908 – 1972), co-director da Presença a partir de 1931 e até ao último número publicado, em 1940 (José Régio e João Gaspar Simões partilhavam com Casais Monteiro a direcção da revista). O ensaio de abertura, «A Arte contra a Ordem», começa da seguinte forma:

Adormecendo com sempre renovado sono após a descoberta duma nova direcção; após cada revolução caindo na escolástica do que ela trouxe de novo, tendemos a esquecer que toda a obra de génio que repousa nas nossas estantes, ou na parede severa dos museus, com a segurança dum incontestável classicismo, foi um dia motivo de escândalo, objecto de sarcasmo e riso, quando não duma completa indiferença.

Com ensaios sobre cinema, crítica literária, Mário de Sá-Carneiro, Goethe e Benjamin Jarnés, e outros que falam de José Régio, Tolstoi, Dostoievski, James Joyce, Marcel Proust, Paul Valéry, Stéphane Mallarmé ou Jules Supervielle. 213 páginas. 12 x 19 cm. Um excelente exemplar, muito estimado. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1933 (foi reeditado em 2004, com um novo prefácio de Carlos Leone).

Como curiosidade, refira-se a existência desta obra na biblioteca pessoal de Fernando Pessoa.

Preço: 30 euros.



ADOLESCENTES


ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Primeiro, e único, romance de Casais Monteiro. Capa de Roberto Araújo. Página de guarda com um carimbo «Oferta dos Editores» e uma nota manuscrita: «Para a Biblioteca do SEN». 201 páginas. 13 x 19,5 cm. Porto: Editorial Ibérica, 1945.

Invulgar.

Preço: 20 euros.



O CORSÁRIO


JEAN DRAULT


Tradução de ADOLFO CASAIS MONTEIRO. Segundo o prefácio de Drault, este romance de pirataria é, sob certos aspectos, «uma nova história de Robinsons», passada na Ilha Maurícia. Com 224 páginas, e 12,5 x 19 cm. Porto: Editora Educação Nacional, 1941.

Preço: 10 euros.



POESIAS COMPLETAS

1929 – 1969


ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Compilação de (quase) toda a poesia publicada por Adolfo Casais Monteiro, com um prefácio do autor e acrescida do livro inédito O Estrangeiro Definitivo, escrito no Brasil. Capa de João da Câmara Leme. Com xii-346 páginas, e 14 x 20 cm. Um bom exemplar. Colecção Poetas de Hoje, n.º 32. Lisboa: Portugália, 1969.

Preço: 30 euros.



ESTRUTURA E AUTENTICIDADE
NA TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIAS


ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Capa de Armando Alves. 160 páginas. 15 x 24 cm. Colecção Estudos Gerais, série Universitária. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1984. Esgotado.

Preço: 15 euros.



ALEXANDRE HERCULANO

A SUA VIDA E A SUA OBRA
(1810-1877)


CARLOS PORTUGAL RIBEIRO


Obra em 2 volumes. Prémio Herculano da Sociedade de Geografia de Lisboa, em 1932, cujo júri foi constituído por Agostinho Fortes, António Ferrão, Joaquim Leitão, Afonso de Dornelas e Henrique Ferreira de Lima.

Ambos os volumes autografados pelo autor com dedicatória. 255 + 321 páginas. 13 x 19 cm. Óptimo estado de conservação. Lisboa: Typ. da Emprêsa Nacional de Publicidade, [1933 – 1934].

Preço: 50 euros.



A PROFECIA DOS PAPAS

(ATRIBUÍDA A S. MALAQUIAS)


A. VIEIRA D’AREIA


Exemplar autografado pelo autor com dedicatória a um «velho amigo e camarada», em 1944. Na colecção Forum, publicada sob a direcção de Ferreira da Costa, 6.ª secção (Ciências Históricas), n.º 1. Com 76 páginas, e 14 x 20,5 cm. Porto: Editora Educação Nacional, 1944.

Preço: 12 euros.



MARCO POLO


A. VIEIRA D’AREIA


Na colecção Enciclopédia Popular — Pequena Biblioteca de Iniciação Cultural, dirigida pelo autor, II secção (Biografias), n.º 1. Com 153 páginas e 12 x 19 cm. Lisboa: Agência Editorial Brasileira, de José Rodrigues Júnior, Editor, 1945.

Preço: 8 euros.


* * * * *

Vide outros livros de A. Viera d’Areia aqui.

* * * * *

Jean-Paul SARTRE

[03Nov10]


Revista L’ARC n.º 30 (1966)


Número especial dedicado a JEAN-PAUL SARTRE


Com textos de J.M.G. Le Clézio («Un homme exemplaire»), Jean Paul Sartre («Saint Georges le dragon», sobre Tintoretto), Raymond Bellour («Homme pour homme»), Michel Antoine Burnier («Un combat politique»), Robert Castel («Un beau risque»), Pierre Trotignon, («Le dernier métaphysicien»), Christine Glucksmann («L’origine de la littérature»), Raymond Jean («La parole poétique»), Jean Jacques Brochier («Les Huns et les autres») e um encarte de Georges Gurvitch (o estudo crítico «Dialectique et Sociologie selon J.-P. Sartre»).

L’ARC Revue Trimestrielle, Aix-en-Provence, 1966 (4.º Trimestre). 2.ª edição. Número concebido e dirigido por Bernard Pingaud. 102 páginas. Ilustrado. 18 x 23 cm.

Preço: 12 euros.



KEAN


JEAN-PAUL SARTRE


Uma peça originalmente escrita por ALEXANDRE DUMAS, aqui na versão de Jean-Paul Sartre. 2.ª edição. Tradução de Fernando Midões. Capa de Alves Martins. 197 páginas. 12 x 19 cm. Lisboa: Editorial Presença, [s.d.].

Preço: 10 euros.


putain


LA PUTAIN RESPECTEUSE


JEAN-PAUL SARTRE


Peça em um acto e dois quadros. Bom exemplar da tiragem vulgar da primeira edição, muito limpo e sólido. 164-(3) páginas. 12 x 19 cm. Paris: Editions Nagel, 1946.

Preço: 10 euros.



AS ESTÁTUAS VOLANTES


JEAN-PAUL SARTRE


Prefácio de Lionel de Roulet, discípulo e amigo de Sartre, que sugeriu o título para esta tradução portuguesa. Título Original: La Chambre. Tradução de ADOLFO CASAIS MONTEIRO. 70 páginas. 12,5 x 18,5 cm. Colecção Novelas “Inquérito” n.º 26. Lisboa: Editorial Inquérito, 1941.

Preço: 7 euros.



AS MÃOS SUJAS


JEAN-PAUL SARTRE


Teatro. Capa do pintor António Domingues. Tradução de António Coimbra Martins. Título original: Les Mains Sales (visado pela censura). 152 páginas. 11 x 16 cm. Número 28 da colecção Três Abelhas. Lisboa: Europa-América, 1960.

Preço: 10 euros.



MORTOS SEM SEPULTURA


JEAN-PAUL SARTRE


Teatro. 2.ª edição. Título original: Morts sans Sepulture. Tradução de Francisco da Conceição. Capa de A. Dias. 166 páginas (por abrir). 12 x 19 cm. Óptimo estado.

Preço: 5 euros.