HOSPITAL JÚLIO DE MATOS

Um Ano de Administração. 1946


JOAQUIM JOSÉ DE PAIVA CORRÊA (coord.)


Um balanço económico-financeiro da administração do Hospital Júlio de Matos, em 1946. As dificuldades logísticas, tentativas de reforma, soluções implementadas e seus resultados práticos, no primeiro ano após a reorganização administrativa do Hospital por despacho ministerial, mas também um ano de subida geral de preços — o primeiro depois do fim da II Guerra Mundial —, e pois de custos e despesas correntes.

Num extenso relatório, são discriminadas todas as receitas e despesas do Hospital, em tabelas, gráficos e quadros (muitos deles em folhas desdobráveis de dimensões generosas), que dão um retrato muito curioso de todo o o movimento no interior de uma tal instituição, pesada e complexa.
Exemplos: o custo por doente discriminado (vestuário, alimentação, farmácia, exames médicos, assistência clínica e de enfermagem, transportes); os materiais que foram gastos por mês na oficina de costura (agulhas, alfinetes, botões, colchetes, cotim, dedais, fita de nastro, fivelas, linhas, óleo, pano cru, molas, sarja, zuarte) e o que lá se produziu (almofadas, aventais, batas, calças, camisas, casacos, ceroulas, cobertores, colchas, colchões, cuecas, guardanapos, lençóis, lenços de cabeça, panos de cozinha, peúgas, toalhas e vestidos); ou na de sapataria; despesas com as caldeiras, com a farmácia, com os transportes (automóveis e hipomóveis); com a exploração agropecuária (que produzia batatas, cebolas, cenouras, tomates, alhos, couves, alfaces, nabiças, repolho, feijão verde, pimentos, favas, nabos, abóbora, pêssegos, abrunhos, alperces, ameixas, morangos e milho) e os jardins (ergoterápicos); com a alimentação (incluindo pormenores como a variação de preço de todos os géneros alimentícios consumidos nas cantinas do hospital, incluindo a mão de vaca, nos 3 anos anteriores); etc.; etc.

Um retrato em números do funcionamento de um grande hospital (160 profissionais para 519 doentes), em Portugal, nos meados da década de 40.

Com 184 páginas, e 24 folhas desdobráveis, com quadros e gráficos. 17 x 24 cm. Bom estado. Miolo muito limpo. Lisboa: Hospital Júlio de Matos, 1947.

Preço: 35 euros.


 


CALENDÁRIO PRIVADO


FERNANDA BOTELHO


Exemplar autografado pela autora, com dedicatória ao arquitecto e crítico de arte Mário de Oliveira, «com afecto antigo e muita admiração». 2.ª edição. 267 páginas. 12 x 19 cm. Lisboa: Livraria Bertrand, 1973. Exemplar em excelente estado de conservação.

Preço: 15 euros.



CONSCIÊNCIA


RAMADA CURTO


Peça em Três Actos. Exemplar assinado pelo autor, para o «camarada e amigo» escritor Portugal Ribeiro. 221 páginas. 12 x 17 cm. Lisboa: Empresa Nacional de Publicidade, 1939. Bom estado de conservação.

Preço: 15 euros.



ENFERMARIA, PRISÃO E CASA MORTUÁRIA


DOMINGOS MONTEIRO


Novelas. 2.ª edição (definitiva), assinada pelo autor com dedicatória à escritora Hortense de Almeida. Capa com alguns picos de acidez. Brochado. 167 páginas. 13 x 19,5 cm. Lisboa: Sociedade de Expansão Cultural, 1957.

Preço: 15 euros.



VOZ DE PRISÃO


MANUEL FERREIRA


1.ª edição assinada pelo autor com dedicatória («saudações fraternais» no Natal de 1971). Arranjo gráfico de Armando Alves. Brochado. 153+(11) páginas. 14 x 19,5 cm. Porto: Editorial Inova, 1971.

Preço: 25 euros.



O TOIRO CELESTE PASSOU


AFONSO BOTELHO


Novela. 2.ª edição, publicada com a chancela Teoremas de Filosofia de JOAQUIM DOMINGUES, em 1972, e autografada pelo autor com dedicatória ao amigo cineasta ANTÓNIO LOPES RIBEIRO, após «uma noite de conversa». 113 páginas. 12 x 19,5 cm. Óptimo estado.

Preço: 15 euros.



GENEALOGIA DA ARTE GÓTICA


FERNANDO DE PAMPLONA


Separata de MUSEU. Exemplar autografado com dedicatória, «homenagem de muito apreço» a um «ilustre amigo». 24 páginas. 12 x 17 cm. Capa com leves picos de acidez. Gaia: Edições Pátria, 1935.

Preço: 12 euros.



PROMESSA


MARQUEZA DE POMARES


Versos de D. Maria Manuela de Brito e Castro, primeira Marquesa de Pomares. Exemplar autografado pela autora com dedicatória e «testemunho de maternal afecto». Invulgar. Capa com motivos em relevo. 82 páginas. 11 x 15,5 cm. Coimbra: Typographia França Amado, 1911.

Preço: 20 euros.



CONTOS DESTA GUERRA


Cenas vividas pelos que presenciaram, confrangidos, os horrores e brutalidades da invasão germânica; feitos heróicos dos que defendiam o solo abençoado onde nasceram e onde estavam enterrados os seus avós; engenhosos planos estratégicos de mulheres e crianças que ficavam à retaguarda, numa feroz resistência aos saques, às sevícias e à luxúria dos nazis […] Os seus autores, pertencentes à moderna geração eslava, devem ser quase totalmente desconhecidos em Portugal, mas há nestes contos a humanidade e o poder descritivo dum Gorky ou dum Dostoievsky, dum Korolenko ou dum Tolstoi, tanto do agrado dos nossos leitores.

Contos de Isaak BABEL, Wanda WASSILEWSKA, Leónidas SOBOLEV, M. LOSCHENKO, Nikolai TIKHONOV, Vladimiro RUDENY, B. GALIN, A. GOROBOVA, S. WASHENTZEW, Boris YAMPOLSKY, A. SHAROV, W. ZALOBOTNIG, W. KOZHEVNIKOV, A. ISBACH e Z. ZLATOPOLSK.

Traduções de Ersílio Cardoso e Oldemiro César. 198 páginas. 13 x 19 cm. Bom exemplar. N.º 26 da Colecção Contos e Novelas da Editorial Gleba, Lisboa, 1946.

Preço: 12 euros.



ALBA DE ALJUBARROTA

EL ADVENIMIENTO DE LA CASA DE AVIZ

MARQUÉS DE QUINTANAR


Autografado pelo autor ao embaixador Luís Norton, com uma dedicatória referindo Eugénio de Castro. Segovia: Universidad Popular Segoviana, 1946.

Conferencia leída por su Director, el Excmo. Sr. Marqués de Quintanar, en la sala de San Quirce, el 14 de Agosto de 1946.

38 páginas e uma árvore genealógica (44 x 24 cm) desdobrável, no final, com as origens das Casas de Avis e Bragança. 17 x 24 cm. Com alguns picos de humidade, principalmente nas capas e folhas mais próximas.

Preço: 15 euros.


Victor Palla, 1946

[08Fev14]

palla1

palla2 palla3 palla4


A MORTE VEIO DE MADRUGADA


MARIA ARCHER


Curiosa capa de VICTOR PALLA para um invulgar romance policial de Maria Archer. Lombada cansada. 223 páginas. 15,5 x 22 cm. Coimbra: Coimbra Editora, 1946.

Preço: 8 euros.



L’AIGLE A DEUX TÊTES

Trois Actes


JEAN COCTEAU


Com um prefácio do autor sobre a concepção da peça — a inspiração [Ludovico II da Baviera e a Imperatriz «Sissi», le vrai malheur de ces princes, supériuers à leur rôle, c’est qu’ils sont plus des idées que des êtres], a procura de um teatro “activo” [en faveur d’un théâtre de paroles et de mise en scène] — e uma saudação especial a Jean Marais.

3.ª edição. 196 páginas. 12 x 18,5 cm. Bom exemplar, apenas amarelecido. Paris: Gallimard, 1946.

Preço: 5 euros.



NOUVEAU THÉATRE DE POCHE


JEAN COCTEAU


1.ª edição de bolso do teatro de Jean Cocteau, com 15 desenhos inéditos e um prefácio do autor. Inclui as peças: Parade // Le Boeuf sur le Toit // Le Pauvre Matelot // L’Ecole des Veuves // Le Bel Indifférent // Le Fantôme de Marseille // Anna la Bonne // La Dame de Monte-Carlo // Le Fils de l’Air // Le Menteur // Par la Fenêtre // Je l’ai perdue // Lis ton Journal // La Farce du Château // L’Epouse Injustement Doupçonnée.

171 páginas. 12 x 18,5 cm. Capa com três manchas rosadas, visível na fotografia supra. Bom exemplar. Monaco: Éditions du Rocher, 1960.

Preço: 10 euros.


Museologia

[03Ago11]

 


APONTAMENTOS SOBRE MUSEOLOGIA
MUSEUS ETNOLÓGICOS

LIÇÕES DADAS NO MUSEU DE ETNOLOGIA DO ULTRAMAR

ERNESTO VEIGA DE OLIVEIRA


Com capítulos sobre a definição, origens, história e evolução dos conceitos fundamentais de museologia; museus de etnologia; história e evolução dos museus etnológicos portugueses; tipologia dos museus etnológicos; métodos e regras de recolha museológica; identificação e registo; arte e estilos africanos; exposições permanentes e exposições temporárias.

Lições proferidas por Veiga de Oliveira no Museu de Etnologia do Ultramar no âmbito da cadeira de Museologia do Curso de Ciências Antropológicas e Etnológicas do Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina (ISCSPU), no ano lectivo de 1970-1971. Com 112 páginas e 18 x 24 cm. Colecção Estudos de Antropologia Cultural, n.º 6. Edição do Centro de Estudos de Antropologia Cultural da Junta de Investigações do Ultramar, Lisboa, 1971.

Preço: 15 euros.



INTRODUÇÃO À TÉCNICA DE MUSEUS


GUSTAVO BARROSO


Trata-se do Volume I — Parte Geral e Parte Básica. Com noções de organização, arrumação, catalogação, restauro, cronologia, epigrafia, bibliografia, diplomática, paleografia e iconografia. Ilustrado com fotografias e desenhos. Capa cansada, embora o exemplar se mantenha sólido e manuseável. 336 + (8) páginas (por abrir). 16,5 x 24 cm. Uma edição do Museu Histórico Nacional do Brasil (1946), da autoria do seu director, também professor de Técnica de Museus.

Preço: 10 euros.


Jean-Paul SARTRE

[03Nov10]


Revista L’ARC n.º 30 (1966)


Número especial dedicado a JEAN-PAUL SARTRE


Com textos de J.M.G. Le Clézio («Un homme exemplaire»), Jean Paul Sartre («Saint Georges le dragon», sobre Tintoretto), Raymond Bellour («Homme pour homme»), Michel Antoine Burnier («Un combat politique»), Robert Castel («Un beau risque»), Pierre Trotignon, («Le dernier métaphysicien»), Christine Glucksmann («L’origine de la littérature»), Raymond Jean («La parole poétique»), Jean Jacques Brochier («Les Huns et les autres») e um encarte de Georges Gurvitch (o estudo crítico «Dialectique et Sociologie selon J.-P. Sartre»).

L’ARC Revue Trimestrielle, Aix-en-Provence, 1966 (4.º Trimestre). 2.ª edição. Número concebido e dirigido por Bernard Pingaud. 102 páginas. Ilustrado. 18 x 23 cm.

Preço: 12 euros.



KEAN


JEAN-PAUL SARTRE


Uma peça originalmente escrita por ALEXANDRE DUMAS, aqui na versão de Jean-Paul Sartre. 2.ª edição. Tradução de Fernando Midões. Capa de Alves Martins. 197 páginas. 12 x 19 cm. Lisboa: Editorial Presença, [s.d.].

Preço: 10 euros.


putain


LA PUTAIN RESPECTEUSE


JEAN-PAUL SARTRE


Peça em um acto e dois quadros. Bom exemplar da tiragem vulgar da primeira edição, muito limpo e sólido. 164-(3) páginas. 12 x 19 cm. Paris: Editions Nagel, 1946.

Preço: 10 euros.



AS ESTÁTUAS VOLANTES


JEAN-PAUL SARTRE


Prefácio de Lionel de Roulet, discípulo e amigo de Sartre, que sugeriu o título para esta tradução portuguesa. Título Original: La Chambre. Tradução de ADOLFO CASAIS MONTEIRO. 70 páginas. 12,5 x 18,5 cm. Colecção Novelas “Inquérito” n.º 26. Lisboa: Editorial Inquérito, 1941.

Preço: 7 euros.



AS MÃOS SUJAS


JEAN-PAUL SARTRE


Teatro. Capa do pintor António Domingues. Tradução de António Coimbra Martins. Título original: Les Mains Sales (visado pela censura). 152 páginas. 11 x 16 cm. Número 28 da colecção Três Abelhas. Lisboa: Europa-América, 1960.

Preço: 10 euros.



MORTOS SEM SEPULTURA


JEAN-PAUL SARTRE


Teatro. 2.ª edição. Título original: Morts sans Sepulture. Tradução de Francisco da Conceição. Capa de A. Dias. 166 páginas (por abrir). 12 x 19 cm. Óptimo estado.

Preço: 5 euros.