LIVROS I.º e II.º


FERNANDO GUERREIRO


Deste livro foram impressos, em off-set, sobre chapa de cartão, 250 exemplares, que custaram ao autor, graças à colaboração de alguns amigos gráficos (sem os quais esta edição não teria sido sequer possível), a módica quantia de 15 mil escudos. Com a venda dos volumes (que não tenham sido, entretanto, distribuídos pelos amigos), ao preço unitário (!) de cem escudos, o responsável pelos textos espera recuperar o dinheiro inicialmente investido, de modo a, ainda este ano, possivelmente no (fim do) Outono, pelo mesmo processo, mas em melhores condições técnicas, fazer sair (como toupeiras matreiras) das tocas em que se encontram, respectivamente os LIVROS III.º e IV.º (com textos de 1976/77). Para que conste. No ano de MCMLXXVII.

Primeiro livro do poeta, ensaísta, tradutor e professor universitário Fernando Guerreiro (n. 1950). Com 266-(1) páginas (soltas), não colado nem agrafado, e 17 x 22,5 cm. Lisboa: edição do autor, 1977.

Exemplar que concorreu ao Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes, em Novembro de 1977 [que premiou Sophia de Mello Breyner Andresen com O Nome das Coisas], e ficou na posse de um dos júris, donde a nota a lápis na capa: «menção honrosa».

Raro.

Preço: 40 euros.



PELOS CAMINHOS DA MANHÃ


JOAQUIM MANUEL MAGALHÃES


Colecção Licorne, n.º 7 [erradamente referido na ficha técnica como o n.º 7 da Colecção Meia-Noite, a colecção da editora Arcádia para a literatura de horror, fantástico, ficção científica e superstição]. 62-(3) páginas. 13,5 x 20,5 cm. Capa com perda de cor em pequenos pontos, e lombada descolorada por inteiro. Vide fotografia. Exemplar sólido, de miolo limpo e estimado. Bom estado. Lisboa: Arcádia, 1977.

Um dos livros “substituídos“, em 2010.
Assinado pelo autor com dedicatória invulgar datada de 1985.

Preço: 70 euros.


MARIA TERESA HORTA

[17Jan15]


EMA


MARIA TERESA HORTA


Ema é a viagem de uma mulher. só. na contemplação erótica. é a convulsão do amor. é a resposta. a violência. a dificuldade. o espelho. a explosão feminina-feminista. é a nudez verdade de Ema.

Ficção. Exemplar autografado pela autora com dedicatória de amizade. Capa de Teresa Dias Coelho. Fotografia da autora na contracapa de Isabel Ferreira. Colecção Aleph. 131 páginas. 14 x 20 cm. Lisboa: Edições Rolim, [Novembro de] 1984.

Preço: 25 euros.



MULHERES DE ABRIL


MARIA TERESA HORTA


Poemas [de Abril a Novembro de 1977]. Inclui «Homenagem às mulheres-a-dias». Capa e arranjo gráfico de José Araújo. 110 páginas. 13 x 18,5 cm. Lisboa: Editorial Caminho, 1977. Bom exemplar.

Preço: 15 euros.



ABORTO

DIREITO AO NOSSO CORPO


Inquérito realizado por

CÉLIA METRASS
HELENA DE SÁ MEDEIROS
MARIA TERESA HORTA


Com casos de condenação, depoimentos de parteiras e mulheres que abortaram, tomadas de posição de políticos, médicos e advogados, legislação, etc. Ilustrado. 361 páginas. 12,5 x 18,5 cm. Termina com um poema de Maria Teresa Horta («Do Direito ao Nosso Corpo»), datado de Fevereiro de 1975. Colecção Mulheres em Luta. Lisboa: Editorial Futura, 1975.

Preço: 12 euros.




A SAÍDA DA CRISE

TEXTOS DA CONFERÊNCIA NACIONAL DO PCP PARA A RECUPERAÇÃO ECONÓMICA

Conferência de 4 e 5 de Junho de 1977. Textos da Carlos Costa, Jaime Serra, António Gervásio, Domingos Abrantes, Marques Ribeiro, Estevão Lázaro, Vasco Paiva, João Avelino Gonçalves, João Garcia Araújo, Valdemar Quaresma, Fernando Pontes, Luís Manuel Martins, Ezequiel Vicente, Carlos Aboim Inglês, Veiga de Oliveira, e muitos outros. Álbum brochado com 250-(6) páginas, e 20 x 29,5 cm, ilustrado com fotografias, incluindo algumas da Conferência. Capa manchada

Em conjunto com:

AS NACIONALIZAÇÕES. Textos da Conferência das Organizações do PCP para a Defesa e Dinamização do Sector Nacionalizado da Economia. 11 e 12 de Março de 1978. Álbum brochado com 189 páginas, e 20 x 29,5 cm.

Preço (do conjunto): 15 euros.


Nikias Skapinakis

[27Dez14]



CARTAZES


NIKIAS SKAPINAKIS


Catálogo da exposição de pintura «Cartazes», de Nikias Skapinakis, que teve lugar na Galeria Quadrum, em Maio de 1994. Inclui o postal de publicidade à exposição, com uma imagem de uma pintura não reproduzida no catálogo. Tiragem de 500 exemplares. Com 21 x 30 cm e 14 páginas: um texto de José-Augusto França, em português e inglês, reprodução de quatro pinturas (duas de página inteira) e catálogo das obras presentes (título, ano e medidas).

Preço: 12 euros.



AS NATUREZAS METAFÍSICAS


NIKIAS SKAPINAKIS


Seguindo-se às Paisagens do Vale dos Reis e às Paisagens Internas, que se desenvolveram ao longo dos anos 80, as Naturezas Metafísicas introduziram algumas modificações, mais ou menos profundas, relativamente âquelas séries.
O sentido de paisagem que tinha identificado os quadros do Vale dos Reis e que nas Paisagens Internas se associou a uma concepção de natureza morta, desapareceu nas “naturezas” recentes, favorecendo o reaparecimento de uma figuração destituída de realismo. (…)

Catálogo da exposição de pintura e desenho «As Naturezas Metafísicas», de Nikias Skapinakis, que teve lugar na Cooperativa Árvore, em Dezembro de 1991. Montagem da exposição de Laura Soutinho, e design do catálogo de Humberto Nelson. Tiragem de 500 exemplares. Com 24,5 x 31,5 cm e 8 páginas: um texto de Nikias Skapinakis, em português e inglês, reprodução de cinco pinturas e catálogo das obras presentes (título, ano e medidas).

Preço: 12 euros.



[CATÁLOGOS DE 2 EXPOSIÇÕES]


NIKIAS SKAPINAKIS


Catálogos/brochura de duas exposições do pintor Nikias Skapinakis, ambos com a lista de obras expostas, mas nenhum deles ilustrado:

Exposição de óleos e guaches na Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa, 1956. Com um texto introdutório do próprio Skapinakis, lista de obras e preços de venda. Tiragem de 250 exemplares. 4 páginas. 16,5 x 22 cm. Raro.

Exposição de óleos, guaches e serigrafias na Galeria Zen, Porto, Maio de 1977. Inclui um texto de Fernando de Azevedo sobre o pintor, escrito para a exposição. Lista de obras, e medidas. 4 páginas + capa. 17 x 24,5 cm.

Preço (conjunto): 15 euros.



INACTUALIDADE DA ARTE MODERNA


NIKIAS SKAPINAKIS


Conferência realizada no 1.º Salão de Arte Moderna da Sociedade Nacional de Belas Artes, em Outubro de 1958. Parcialmente publicado anteriormente no jornal O Comércio do Porto. Com uma pequena rubrica de posse na primeira página, datada de 1959. 37 páginas. 12 x 19,5 cm. Lisboa: Seara Nova, [s.d.].

Preço: 15 euros.


Rui Nunes

[27Nov12]


ROSTOS


RUI NUNES


Primeira edição. Capa de Fernando Mateus sobre fragmento de pintura de Magritte (versão de 1954 de O Império das Luzes). 118 páginas. 13,5 x 20,5 cm. Lisboa: Relógio d’Agua, 2001.

Preço:  5 euros.



O MENSAGEIRO DIFERIDO


RUI NUNES


Primeira edição (reeditado na Relógio d’Água em 2005). Capa de Teresa Ferrand. 119 páginas. 12 x 18,5 cm. Incluso por anterior proprietário, um recorte de jornal com uma entrevista dada pelo autor a Elisabete França, publicada no Diário de Notícias de 31 de Agosto de 1999. Bom exemplar. Lisboa: A Regra do Jogo, 1981.

Ler crítica de Álvaro Salema na revista Colóquio/Letras n.º 68, de Julho de 1982, aqui.

Preço: 15 euros.



7 PEÇAS EM UM ACTO


ANTÓNIO MANUEL PIRES CABRAL

ANTÓNIO CABRAL


As 7 peças: Temos tempo, Matilde /// Os Muros de Verona /// Ouve-se uma flauta /// Virá um dia virá /// O Consultório /// O Poço /// Seguir viagem.

Capa de João Botelho. 268 páginas. 11,5 x 18 cm. Bom estado, embora com uma pequena assinatura de posse no rosto. Volume 7 da colecção de teatro da Editora Centelha, Coimbra, 1977.

Preço: 15 euros.



OS CAVALOS DA NOITE


A. M. PIRES CABRAL


Autografado pelo autor com dedicatória. 22 + (2) páginas. 12,5 x 22 cm. Tiragem de 1000 exemplares. Edição do autor para Publicações Setentrião, Vila Real, [Maio de] 1982.

Preço: 30 euros.



NOVE PRETEXTOS TOMADOS DE CAMÕES


A. M. PIRES CABRAL


Sequência de nove poemas retirados do livro Trirreme, editado dois anos antes. 10 páginas. 12,5 x 21 cm. Tiragem de 1000 exemplares. Edição do Núcleo Cultural Municipal de Vila Real, [Abril de] 1980, por ocasião das comemorações do IV Centenário da Morte de Camões.

Preço: 15 euros.



TRIRREME


A. M. PIRES CABRAL


Dividido em três partes: «Tu, que os meus ombros», «Abril devia ser» (inclui os «Nove pretextos tomados de Camões»), e «Um homem sentado no seu tempo». Capa de João Botelho. Colecção Poesia do Nosso Tempo, n.º 20. 74 + (6) páginas. 12 x 18 cm. Coimbra: Centelha, [Março de] 1978.

Preço. 25 euros.


Vasco Graça Moura

[09Abr12]

Este slideshow necessita de JavaScript.

O MÊS DE DEZEMBRO e outros poemas
Poesia. Com um desenho de Domingos A. Sequeira. Direcção gráfica de Armando Alves. 61+(9) páginas. 13 x 19 cm. Colecção Coroa da Terra, n.º 6. Porto: Inova, 1977.
Preço: 20 euros.

INSTRUMENTOS PARA A MELANCOLIA
Poesia. Com três desenhos de José Rodrigues, e uma fotografia do autor. Direcção gráfica de Armando Alves. Primeiro título da Colecção Obscuro Domínio. 128 páginas. 13 x 21 cm. Encontrado no livro: um recorte de jornal com um artigo de Eduardo Prado Coelho que fala da poesia do autor. Porto: O Oiro do Dia, [Setembro de] 1980.
Preço: 20 euros.

50 POEMAS DE GOTTFRIED BENN
Selecção, tradução e prefácio de Vasco Graça Moura. Capa com um desenho de Manuel Ribeiro de Pavia. Com fotografias e fac-similes de manuscritos de Gottfried Benn. Direcção gráfica de Armando Alves. 82 páginas (por abrir). 14 x 20 cm. Colecção As Mãos e os Frutos, décimo sexto volume. Porto: O Oiro do Dia, [Setembro de] 1982.
Preço: 20 euros.

NÓ CEGO, O REGRESSO
Poesia. Com uma aguarela de Mário Botas. Direcção gráfica de Armando Alves. Colecção O Aprendiz de Feiticeiro, quinto volume. 60 páginas. 15 x 22,5 cm. Porto: O Oiro do Dia, [Novembro de] 1982.
Preço: 25 euros.

OS ROSTOS COMUNICANTES
Cadernos de Poesia Dom Quixote, n.º 28. Capa de Fernando Felgueiras. 64 páginas. 11 x 18 cm. Lisboa: Publicações Dom Quixote, [Outubro de] 1984.
Preço: 20 euros.

A SOMBRA DAS FIGURAS
Poesia. Edição do autor, Lisboa, [Outubro de] 1985. Tiragem de 1000 exemplares. 80 páginas. 15 x 21 cm. Excelente estado de conservação.
Preço: 30 euros.

UMA CARTA NO INVERNO
Poesia. Capa de Rogério Petinga sobre Flagelação de Piero della Francesca. Inclui o poema de homenagem a Óscar Lopes, «Um Senhor de Matosinhos». 79 páginas. 13 x 21 cm. Óptimo exemplar. Lisboa: Quetzal Editores, 1997.
Preço: 20 euros.


JURISLÂNDIA
Livro do curso de Direito da Faculdade de Direito de Lisboa. 252 páginas. 18 x 24 cm. Publicado com o apoio da Morais Editores. Impresso na Covilhã (Tip. Notícias da Covilhã). Exemplar autografado por uma das alunas para António Carlos Leónidas que, nos anos 60, foi presidente do IMAVE (onde estava integrada a Telescola) e chefe de redacção da revista Escola Portuguesa. Caricaturas de Sanches, e outros. Com uma caricatura e um texto jocoso para cada um dos 21 professores, incluindo Marcello Caetano. Entre os alunos, destacam-se os nomes de Vasco Graça Moura (com versos de António Rebordão Navarro), Manuela Portugal [Eanes], Pedro Roseta, Mário Assis Ferreira, Noronha Nascimento, Artur Faria Maurício, António Figueiredo Lopes, António Monteiro, Basílio Horta, Fausto de Quadros e Joaquim da Silva Lourenço. Invulgar.
Ver lista completa dos alunos e outras fotografias da obra aqui.
Preço: 35 euros.

Nítido Nulo

[07Dez11]


NÍTIDO NULO


VERGÍLIO FERREIRA


Romance. Primeira edição. Capa de João da Câmara Leme. 313 páginas. 14 x 19 cm. Lisboa: Portugália Editora, [Fevereiro de] 1971. Lombada com algum cansaço, capas e interior em bom estado.

Magoito 23.Julho.1977 – Depois fomos ver o mar ao Magoito e filosofar sobre o mar. É ali que se passa o meu Nítido Nulo: a casa da guarda-fiscal funciona de prisão no romance. Diante do mar, como diante de qualquer espectáculo da Natureza, o comentário é feito quase só com interjeições. Mas lá reflecti que é o espectáculo mais monótono e mais fascinante. E pensei que há milhões de anos é assim. Obscuramente prolongámos a nossa vida até esses milhões. E sentimo-nos menos efémeros.
[Citação encontrada por Serafim Ferreira num dos volumes do diário de Vergílio Ferreira, Conta-Corrente.]

Preço: 20 euros.


Virgílio Martinho

[07Dez11]


O CONCERTO DAS BUZINAS


VIRGÍLIO MARTINHO


A sala de prisão tem trinta e seis passos por doze de extensão, uma retrete e dois anexos: um grande e outro pequeno. É neste que dormem Passão e Graça. Passão está meio surdo e de vez em quando urina sangue. Graça tem a voz entaramelada e nem sempre encontra as palavras ajustadas para exprimir o que pensa; mas está a recuperar, já consegue ler uma coluna de jornal sem que esta se transforme numa ilegível mancha negra.

Capa de Henrique Ruivo. 174 páginas. 11,5 x 18,5 cm. Colecção Ficcionistas Portugueses. Lisboa: Seara Nova, 1976.

Preço: 25 euros.



RELÓGIO DE CUCO


VIRGÍLIO MARTINHO


Epígrafe de André Breton: «O espírito que mergulha no surrealismo revive com exaltação a melhor parte da sua infância». Capa de Soares Rocha. 85 páginas. 13,5 x 18,5 cm. Colecção Novas Direcções, n.º 16. Lisboa: Estampa, 1973.

Preço: 20 euros.



FILOPÓPOLUS


VIRGÍLIO MARTINHO


Em apêndice, conteém «A Minha Profissão», uma entrevista com Virgílio Martinho. Capa de Mário Henrique Leiria. Arranjo gráfico de Júlio Navarro. 195 páginas. 11 x 18 cm. Colecção Teatro Vivo (n.º 2), dirigida por Carlos Porto. Lisboa: Plátano Editora, 1973. Manuseado.

Preço: 15 euros.



A SAGRADA FAMÍLIA


VIRGÍLIO MARTINHO


Peça em dois actos. 1.ª edição. Capa de Vitorino Martins sobre pormenor de Au Moulin Rouge, 1892, de Toulouse Lautrec. 107 páginas. 11,5 x 18 cm. Óptimo estado de conservação. Lisboa: Moraes Editores, com o patrocínio da Secretaria de Estado da Cultura, [Outubro de] 1980.

Preço: 15 euros.


Dinis Machado

[14Nov11]


O QUE DIZ MOLERO


DINIS MACHADO


«Temos a seita dos calmeirões, os Vai ou Racha», disse Austin, «que já tinham sido os Malhoas e os Roquetes, e que mais tarde seriam os Sertórios. O rapaz via-os, rua acima, rua abaixo, gingando o corpo, fazendo gestos vagamente obscenos para a janela das costureirinhas, combinando petiscadas, provocando quem passava, uma discussão, uns tabefes, umas sandes de presunto, uns copos de vinho tinto, a ronda nocturna pelas casas de prostitutas, as últimas anedotas contadas sob a lua alta e as estrelas, o jogo das moedas à luz esverdeada do candeeiro de gás, fantasmas movendo-se, os últimos de cada dia, na tranquilidade do bairro adormecido. Molero enumera-os: o Pé de Cabra, que era o chefe e que fazia contrabando de tudo, desde relógios suíços a cigarros Camel e Lucky Strike, que tinha como passatempo favorito dar carolos, pancadas com os nós dos dedos nas cabeças deste e daquele, principalmente dos mais miúdos, para enrijar a moleirinha, dizia ele; o Gil Penteadinho, que vivia de mulheres, jogava à pancada com a mãe todos os dias por causa disso e andava sempre a atirar uma moeda ao ar como, depreende Molero, George Raft no Scarface; o Bexigas Doidas, que não era bexigoso, como se poderá supor, tinha uma doença de pele e coçava-se muito, às vezes os outros coçavam-lhe as costas porque ele não chegava lá; o Lucas Pireza, que ganhava todos os concursos de tango nas sociedade de recreio, tinha o pai na Mitra e dava cem toques na bola com o pé esquerdo sem a deixar cair; o Metro e Meio, que nem Metro e Meio parecia ter, crescia para os lados, não para cima; o Tonecas Arenas, que usava sombrero, falava de touradas que nunca tinha visto, nunca viu nenhuma, vendia imagens religiosas à porta das igrejas, e também fotografias pornográficas para eventuais turistas depravados, tudo isto à Comissão, o fabricante era o mesmo; o Peito Rente, que tinha uma expressão muito dele quando achava bem qualquer coisa, dizia isso é rachmaninófico, é rachmaninófico, e que golfava sangue quando chegava o Outono. [excerto das páginas 33-34]

Primeira edição de uma obra icónica da literatura portuguesa da segunda metade do século xx (foi publicada recentemente, pela Quetzal, a 22.ª edição). Capa de Saldanha Coutinho. 182 páginas. 12 x 19 cm. Bom exemplar, salvo assinatura de posse no canto interior de rosto e ante-rosto. Lisboa: Bertrand, 1977.

Raro.

Preço: 40 euros.



DISCURSO DE ALFREDO MARCENEIRO
A GABRIEL GARCIA MARQUEZ


DINIS MACHADO


Ilustrações de Fátima Vaz. Primeira edição. 30 páginas. 14 x 21 cm. Lisboa: Bertrand, 1984. Invulgar.

Preço: 15 euros.





CONSIDERAÇÕES PESSOAIS

ENSAIOS

ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Primeiro livro de ensaios do autor (1908 – 1972), co-director da Presença a partir de 1931 e até ao último número publicado, em 1940 (José Régio e João Gaspar Simões partilhavam com Casais Monteiro a direcção da revista). O ensaio de abertura, «A Arte contra a Ordem», começa da seguinte forma:

Adormecendo com sempre renovado sono após a descoberta duma nova direcção; após cada revolução caindo na escolástica do que ela trouxe de novo, tendemos a esquecer que toda a obra de génio que repousa nas nossas estantes, ou na parede severa dos museus, com a segurança dum incontestável classicismo, foi um dia motivo de escândalo, objecto de sarcasmo e riso, quando não duma completa indiferença.

Com ensaios sobre cinema, crítica literária, Mário de Sá-Carneiro, Goethe e Benjamin Jarnés, e outros que falam de José Régio, Tolstoi, Dostoievski, James Joyce, Marcel Proust, Paul Valéry, Stéphane Mallarmé ou Jules Supervielle. 213 páginas. 12 x 19 cm. Um excelente exemplar, muito estimado. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1933 (foi reeditado em 2004, com um novo prefácio de Carlos Leone).

Como curiosidade, refira-se a existência desta obra na biblioteca pessoal de Fernando Pessoa.

Preço: 30 euros.



ADOLESCENTES


ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Primeiro, e único, romance de Casais Monteiro. Capa de Roberto Araújo. Página de guarda com um carimbo «Oferta dos Editores» e uma nota manuscrita: «Para a Biblioteca do SEN». 201 páginas. 13 x 19,5 cm. Porto: Editorial Ibérica, 1945.

Invulgar.

Preço: 20 euros.



O CORSÁRIO


JEAN DRAULT


Tradução de ADOLFO CASAIS MONTEIRO. Segundo o prefácio de Drault, este romance de pirataria é, sob certos aspectos, «uma nova história de Robinsons», passada na Ilha Maurícia. Com 224 páginas, e 12,5 x 19 cm. Porto: Editora Educação Nacional, 1941.

Preço: 10 euros.



POESIAS COMPLETAS

1929 – 1969


ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Compilação de (quase) toda a poesia publicada por Adolfo Casais Monteiro, com um prefácio do autor e acrescida do livro inédito O Estrangeiro Definitivo, escrito no Brasil. Capa de João da Câmara Leme. Com xii-346 páginas, e 14 x 20 cm. Um bom exemplar. Colecção Poetas de Hoje, n.º 32. Lisboa: Portugália, 1969.

Preço: 30 euros.



ESTRUTURA E AUTENTICIDADE
NA TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIAS


ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Capa de Armando Alves. 160 páginas. 15 x 24 cm. Colecção Estudos Gerais, série Universitária. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1984. Esgotado.

Preço: 15 euros.