TEATRO INFANTIL

O CAVALO MÁGICO, de Carlos Manuel Rodrigues

HISTÓRIA DA INÊS E DA ANA, de Maria Helena Ançã

CRISPIM O GRILO MÁGICO, de A. M. Pires Cabral


Colecção Barca Nova n.º 3.
[a Fiama Hasse Pais Brandão a quem uma situação imprevista obrigou a renunciar (embora temporariamente) à co-direcção desta colecção, dirigimos os nossos agradecimentos pelas raízes que nela plantou.]

Colecção dirigida por António Júlio Valarinho. Direcção gráfica e capa de João Carlos Albernaz. Desenhos de Margarida Pinto e Maria José Almeida. Com a fotografia e um apontamento biográfico para cada um dos autores, antes das respectivas peças. 144 páginas. 13,5 x 18,5 cm. Óptimo exemplar. Lisboa: Ulmeiro, 1980.

Preço: 12 euros.



SABEI POR ONDE A LUZ


GRACINDA MARQUES
ANTÓNIO MANUEL PIRES CABRAL


Pasta de cartão (22,5 x 31 cm) com selo lacrado na capa com o título da obra, em estado imaculado, apenas com o cordel cortado para poder ser aberto. Contém: 27 folhas (21 x 29,5 cm), das quais 4 são poemas de A.M.Pires Cabral (“Rua Antiga”, “Adufa”, “Janela em Ângulo” e “Janelas”) e 20 são desenhos de antigas varandas, janelas, ferros e adufas, de Gracinda Marques. Termina com um mapa de Vila Real identificando o local exacto de cada um dos 20 desenhos.

Colecção Adufa, volume 5. Direcção gráfica de Victor Ribeiro. Tiragem de 1050 exemplares. Edição da Comissão Regional de Turismo da Serra do Marão, Vila Real, 1983.

Bom estado. Invulgar.

Preço: 40 euros.



TRIRREME


A. M. PIRES CABRAL


Dividido em três partes: «Tu, que os meus ombros», «Abril devia ser» (inclui os «Nove pretextos tomados de Camões»), e «Um homem sentado no seu tempo». Capa de João Botelho. Colecção Poesia do Nosso Tempo, n.º 20. 74 + (6) páginas. 12 x 18 cm. Manuseado. Coimbra: Centelha, [Março de] 1978.

Preço. 20 euros.



7 PEÇAS EM UM ACTO


ANTÓNIO MANUEL PIRES CABRAL

ANTÓNIO CABRAL


As 7 peças: Temos tempo, Matilde /// Os Muros de Verona /// Ouve-se uma flauta /// Virá um dia virá /// O Consultório /// O Poço /// Seguir viagem.

Capa de João Botelho. 268 páginas. 11,5 x 18 cm. Bom estado, embora com uma pequena assinatura de posse no rosto. Volume 7 da colecção de teatro da Editora Centelha, Coimbra, 1977.

Preço: 15 euros.



O ACTO E O DESTINO

POEMA DRAMÁTICO


ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA


Foi este poema dramático representado, pela primeira vez, em comemoração do I Centenário de Mouzinho de Albuquerque, num espectáculo promovido pela Mocidade Portuguesa, no Teatro Nacional de D. Maria II, em 1 de Dezembro de 1955. Com cenários de José Amaro Júnior, figurinos de António Vaz Pereira e interpretação de Couto Viana, Ruy Mendes e outros.

Segundo Glória Bastos, é um texto «de temática histórica que apela ao sentido patriótico e à participação cívica e militar dos cidadãos». Edição do autor [?], Lisboa, 1957, contemporânea da sua participação na direcção das revistas Távola Redonda e Graal.

Capa de Ruy Mendes. Cenário de José Amaro Júnior. 36 páginas. 14 x 19,5 cm.  Capa com manchas, visíveis na fotografia, e falta da página de guarda que antecede o rosto.

Raro.

Preço: 20 euros.



POESIA ESCOLHIDA DE AI QING


Escolha, tradução, prefácio e notas de JIN GUO PING.
Revisão literária de António Manuel Couto Viana.

Edição bilingue. Capa de Mo Pan Fei. Ilustrado com algumas fotografias do poeta Ai Qing. 442 páginas. 12 x 17 cm. Bom estado. Macau: Instituto Cultural de Macau, 1987.

Autografado com dedicatória de página inteira por A.M. Couto Viana, datada de 1992.

Preço: 20 euros.



AS (E)VOCAÇÕES LITERÁRIAS


ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA


Crónicas, «memórias e esboços de estudos literários», anteriormente publicados em jornais e revistas, sobre autores com os quais Couto Viana conviveu ou sentiu afinidades literárias, dando primazia aos poetas:

Afonso Lopes Vieira, Alberto d’Oliveira, Alfredo Pimenta, Alfredo Serrano, Álvaro Benamor, Américo Cortez Pinto, António Alves Martins, António Corrêa d’Oliveira,  António Patrício, Augusto Lima, Azinhal Abelho, Blanco-Amor, Camilo Castelo Branco, Eça de Queiroz, Ernesto Sardinha, João de Deus, Francisco de Almeida, João da Rocha, João Verde, José de Almada Negreiros, José Bruges, José Régio, Júlio Brandão, Manuel Lereno, Odylo Costa, Filho, Teixeira de Pascoaes, Teófilo Carneiro, Vasco de Lima Couto e Vitorino Nemésio.

O livro termina com alguns textos mais generalistas: Cancioneiros Galantes, A Poesia Viaja de Comboio, Os Poetas e o Comércio, Poesia Militante, A Sátira à Política na Poesia Portuguesa, e Queixas contra a Inglaterra na Poesia Portuguesa.

255 páginas. 15 x 21 cm. Edição do autor, Lisboa, 1980. Excelente exemplar.

Preço: 12 euros.



PONTO DE NÃO-REGRESSO


ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA


Poemas datados 1977-1980, antecedidos por um estudo de cerca de 15 páginas da autoria de Franco Nogueira. Capa de Vítor Luís, com um desenho de Juan Soutullo. 115 páginas. 15 x 21 cm. Tiragem de 500 exemplares. Impecável estado de conservação. Braga: Editora Pax, 1982.

Preço: 12 euros.



SOU QUEM FUI

Antologia Poética

ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA


Primeira edição. Com uma nota prévia do autor, escrita por ocasião dos 50 anos de poesia (1948-1998). Posfácio de JOÃO BIGOTTE CHORÃO. Na colecção Poesia, fundada por Luís de Montalvor. Capa com um desenho de Almada Negreiros. 193 páginas. 13,5 x 20 cm. Lisboa: Edições Ática, 2000.

Preço: 15 euros.



AS “FUNÇÕES” PATRIÓTICAS DO ABADE DE LOBRIGOS


ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA


Separata de Estudos Regionais, vol. 18. Viana do Castelo: Centro de Estudos Regionais, 1997. 12 páginas. 17 x 23 cm. Autografado com dedicatória do autor ao poeta minhoto João Marcos.

Preço: 15 euros.



UM PASSEIO CULTURAL NA POESIA DE ANTÓNIO FERREIRA


ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA


Palestra proferida em 2 de Março de 1996 na Sede da Casa do Concelho de Ponte de Lima. Ilustrado com fotografias. Lisboa: Casa do Concelho de Ponte de Lima, 1996. Ilustrado. 32 páginas. 16 x 23 cm.

Preço: 10 euros.



VIANA NA POESIA DE MARIA MANUELA COUTO VIANA


ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA


Retrato da poetisa por Carlos Carneiro. Separata de Estudos Regionais, vol. 21. Autografado com dedicatória do autor ao poeta minhoto João Marcos. 16 páginas. 17 x 23 cm. Viana do Castelo: Centro de Estudos Regionais, 2000.

Preço: 15 euros.


natal


RETÁBULO PARA UM ÍNTIMO NATAL


ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA


Autografado pelo autor com dedicatória datada para a actriz Hermínia Tojal. Com um estudo introdutório de João Maia. Capa com algumas manchas. Tiragem de 600 exemplares. 32+(8) páginas. 16,8 x 24 cm. Edição do autor, Braga, 1980.

Preço: 25 euros.



AINDA NÃO


ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA


Exemplar assinado pelo autor com dedicatória datada de 2010.

Último livro do autor. Data da edição: o dia do 87.º aniversário de Couto Viana, 24 de Janeiro de 2010. Capa de Juan Soutullo. Tiragem única de 300 exemplares (que, pelas últimas informações, ainda não estarão esgotados). 52 páginas. 13 x 18 cm. Edição Averno 032. Óptimo exemplar. Lisboa: Averno, 2010.

Preço: 20 euros.


prado4


AO CONTRÁRIO DE PENÉLOPE


JACINTO DO PRADO COELHO


1.ª edição. Com ensaios sobre Camilo, Eça, Fialho, Cesário, Trindade Coelho, Garrett, Pascoaes, Pessoa, Namora, António Gedeão, autores e épocas literárias, bem como algumas considerações sobre o ensino da literatura. 306 páginas. 14 x 20,5 cm. Capa de José Cândido. Usado. Lisboa: Bertrand, 1976.

Preço: 10 euros.


natalia-surrealismo


O SURREALISMO NA POESIA PORTUGUESA


Organização, Prefácio e Notas de
NATÁLIA CORREIA


Inclui excertos de José de Almada Negreiros, Alexandre O’Neill, Vespeira, David Mourão-Ferreira, Florbela Espanca, Herberto Helder, António José Forte, Mário de Sá-Carneiro, Fernando Pessoa, Raul Leal, Raul Brandão, Camilo Pessanha, Maria Alberta Menéres, António Maria Lisboa, João Rui de Sousa, Isabel Meyrelles, Ana Hatherly, José Sebag, Manuel de Castro, Maria Teresa Horta, José Carlos Ary dos Santos, Dórdio Guimarães, Natércia Freire, Cruzeiro Seixas, Carlos de Oliveira, António Domingues, Salette Tavares, Eugénio de Andrade, Mário Cesariny, Mário Henrique Leiria, António Aragão, António Ramos Rosa, Vitorino Nemésio, Tomás de Figueiredo, Saul Dias, António Navarro, Carlos Queirós, António Pedro, José Blanc de Portugal, Jorge de Sena, Raul de Carvalho, José Régio, José Gomes Ferreira, Luiza Neto Jorge, António Barahona da Fonseca, Afonso Duarte, Teixeira de Pascoaes, Ângelo de Lima, Eugénio de Castro, Henrique Tavares, Fernando Lemos, Pedro Oom, José Manuel Pressler, Paula Almada Negreiros, Fernando Grade, Carlos Wallenstein, Alfredo Margarido, Carlos Eurico da Costa, Fernando Alves dos Santos, Henrique Risques Pereira, Mário Saa, Edmundo de Bettencourt, António Nobre, Cesário Verde, Francisco de Pina e Melo, Correia Garção, Dinis da Cruz, Tomás António Gonzaga, Bocage, Curvo Semedo, António Feliciano de Castilho, Faustino Xavier de Novais, Soares de Passos, Antero de Quental, Gomes Leal, Guerra Junqueiro, Francisco de Vasconcelos, Pinto Brandão, Soros Maria do Céu, Soror Mariana Alcoforado, Gregório de Matos, Jerónimo Bahia, António Serrão de Castro, António Barbosa de Bacelar, Soror Violante do Céu, Jacinto Freire de Andrade, Camões, Bandarra, Cristovão Falcão, Bernardim Ribeiro, Gil Vicente, Diogo Brandão, João Airas e o jogral Mendinho.

Primeira Edição. 418+(6) páginas. 13 x 18,5 cm. Colecção Estudos e Documentos, n.º 81, Série Antologias, Lisboa: Publicações Europa-América, 1973. Manuseado.

Preço: 25 euros.





CONSIDERAÇÕES PESSOAIS

ENSAIOS

ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Primeiro livro de ensaios do autor (1908 – 1972), co-director da Presença a partir de 1931 e até ao último número publicado, em 1940 (José Régio e João Gaspar Simões partilhavam com Casais Monteiro a direcção da revista). O ensaio de abertura, «A Arte contra a Ordem», começa da seguinte forma:

Adormecendo com sempre renovado sono após a descoberta duma nova direcção; após cada revolução caindo na escolástica do que ela trouxe de novo, tendemos a esquecer que toda a obra de génio que repousa nas nossas estantes, ou na parede severa dos museus, com a segurança dum incontestável classicismo, foi um dia motivo de escândalo, objecto de sarcasmo e riso, quando não duma completa indiferença.

Com ensaios sobre cinema, crítica literária, Mário de Sá-Carneiro, Goethe e Benjamin Jarnés, e outros que falam de José Régio, Tolstoi, Dostoievski, James Joyce, Marcel Proust, Paul Valéry, Stéphane Mallarmé ou Jules Supervielle. 213 páginas. 12 x 19 cm. Um excelente exemplar, muito estimado. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1933 (foi reeditado em 2004, com um novo prefácio de Carlos Leone).

Como curiosidade, refira-se a existência desta obra na biblioteca pessoal de Fernando Pessoa.

Preço: 30 euros.



ADOLESCENTES


ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Primeiro, e único, romance de Casais Monteiro. Capa de Roberto Araújo. Página de guarda com um carimbo «Oferta dos Editores» e uma nota manuscrita: «Para a Biblioteca do SEN». 201 páginas. 13 x 19,5 cm. Porto: Editorial Ibérica, 1945.

Invulgar.

Preço: 20 euros.



O CORSÁRIO


JEAN DRAULT


Tradução de ADOLFO CASAIS MONTEIRO. Segundo o prefácio de Drault, este romance de pirataria é, sob certos aspectos, «uma nova história de Robinsons», passada na Ilha Maurícia. Com 224 páginas, e 12,5 x 19 cm. Porto: Editora Educação Nacional, 1941.

Preço: 10 euros.



POESIAS COMPLETAS

1929 – 1969


ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Compilação de (quase) toda a poesia publicada por Adolfo Casais Monteiro, com um prefácio do autor e acrescida do livro inédito O Estrangeiro Definitivo, escrito no Brasil. Capa de João da Câmara Leme. Com xii-346 páginas, e 14 x 20 cm. Um bom exemplar. Colecção Poetas de Hoje, n.º 32. Lisboa: Portugália, 1969.

Preço: 30 euros.



ESTRUTURA E AUTENTICIDADE
NA TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIAS


ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Capa de Armando Alves. 160 páginas. 15 x 24 cm. Colecção Estudos Gerais, série Universitária. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1984. Esgotado.

Preço: 15 euros.


Na sequência de Coração Arquivista (1977), um título feliz para qualquer bibliófilo, António Manuel Couto Viana publicou, em 1980, As (e)vocações Literárias, onde reuniu novamente uma série de crónicas ou «memórias e esboços de estudos literários» anteriormente publicadas em jornais e revistas sobre autores com os quais conviveu ou sentiu afinidades literárias, dando primazia aos poetas:

– Afonso Lopes Vieira
– Alberto d’Oliveira
– Alfredo Pimenta
– Alfredo Serrano
– Álvaro Benamor
– Américo Cortez Pinto
– António Alves Martins
– António Corrêa d’Oliveira
– António Patrício
– Augusto Lima
– Azinhal Abelho
– Blanco-Amor
– Camilo Castelo Branco
– Eça de Queiroz
– Ernesto Sardinha
– João de Deus e Francisco de Almeida
– João da Rocha
– João Verde
– José de Almada Negreiros
– José Bruges
– José Régio
– Júlio Brandão
– Manuel Lereno
– Odylo Costa, Filho
– Teixeira de Pascoaes
– Teófilo Carneiro
– Vasco de Lima Couto
– Vitorino Nemésio

[… e terminando o volume com alguns textos menos personalizados:]

– Cancioneiros Galantes
– A Poesia Viaja de Comboio
– Os Poetas e o Comércio
– Poesia Militante
– A Sátira à Política na Poesia Portuguesa
– Queixas contra a Inglaterra na Poesia Portuguesa

Se já em Coração Arquivista se tinha debruçado sobre Almada Negreiros (ler aqui), a história que conta n’As (e)vocações Literárias repesca, além de referências ao contexto em que o artista parte para Paris em 1919, os desagradáveis comentários com que Mário Saa, na sua acintosa obra A Invasão dos Judeus, brindou Almada: «um estômago judaico-africano a digerir influências francesas». Suprema afronta: além de judeu, também africano… Sim, porque para Mário Saa, e citando Couto Viana dada a inacessibilidade da obra em questão, «o judeu é o único indivíduo (não sei porque natureza excepcional) capaz de nutrir rancor ao militarismo». Vai daí, Couto Viana termina esta crónica, em que se debruça superficialmente sobre as contradições do pensamento nacionalista de Almada Negreiros, com a reprodução de uma Chanson Patriotique, composta pelo artista em Paris, 1919:

CHANSON PATRIOTIQUE

(Temps de marche militaire
aux femmes de mon pays)

O femmes venez venez
O femmes venez toutes
faire de la vraie sculpture
de celle qui plaît a Dieu

O femmes venez venez
O femmes venez toutes
faire de la vraie sculpture
comme la font les vrais animaux

O femmes venez venez
O femmes venez toutes
Femmes n’oubliez pas
que vous êtes les seules machines
pour faire des soldats!

Ainda sobre Almada, e como apronfudamento de ambas as crónicas de Couto Viana, leia-se a célebre entrevista ao programa Zip-Zip, em 1970, e uma carta inédita, datada de Paris, 1919.

capas Couto Viana

Publicado em 1982, Ponto de Não Regresso (poemas datados 1977-1980), possui uma cinta original remetendo para um prefácio de 15 páginas da autoria de Franco Nogueira. A capa é de Vítor Luís, com um desenho de Juan Soutullo. O livro termina com uma «Súbita Vaidade»:

Detrás das palavras gastas,
Há um ímpeto criador:
Ó leitor que me afastas,
Deves ler-me outra vez, lerás melhor.

Dei sinais, dei avisos, dei memória
Não só de mim.
Poesia transitória?
Quem o disse morreu antes de ver-lhe o fim.

Juntai nova semente aos velhos grãos
De terra fértil, que reguei com pranto.
E recebi, depois, nas próprias mãos,
O fruto acre do meu canto.

Mas se alguém o comer (e a fome é certa!)
Há-de encontrar-lhe um funde de doçura:
O coração atento, a alma aberta
Ao amor e à procura.

Não, não secou ou amornou a fonte
Que em cada livro meu, quente, fluía!
– É estéril e seco o horizonte
De quem ignora a minha poesia!

Refira-se, para terminar, que nem um nem outro livro conheceram 2.ª edição, e que tiveram tiragens de 1000 exemplares (ensaio) e 500 exemplares (poesia).

Exemplares em óptimo estado de conservação.

Preço: 12 euros (cada).