ANTIGUIDADE TARDIA E PALEOCRISTIANISMO
EM PORTUGAL


M. JUSTINO MACIEL


Trabalho de investigação sobre História da Arte e Arqueologia na área da Antiguidade, em que se apresenta uma nova sistematização dos dados existentes da Antiguidade Tardia em Portugal e seus testemunhos artísticos. Após um levantamento dos refereciais históricos, arqueológicos e literários disponíveis, equaciona-se a interacção que neste contexto existe entre a cidade e o campo, bem como a progressiva abertura a este último e os reflexos que tal dinâmica produz nas manifestações artísticas.
Um estudo dos signos visivelmente conotados com as religiões orientais revela que eles se apresentam numa comunidade de uso de que participam quer a cultura romana quer o crisitianismo. A constatação desta realidade surge como profundamente significante de uma evolução da arte da Antiguidade Tardia numa dinâmica entre a opacidade e a transparência, que vem permitir novas abordagens da escultura, do mosaico e mesmo da arquitectura, da pintura e da decoração de cerâmica. Na sequência desta constatação, efectua-se uma nova leitura dos mais importantes monumentos dos contextos romano tardio, suevo e visigótico, progressivamente conotados com as propostas vivenciais cristãs. No centro desta realidade, quer numa perspectiva sintagmática, quer numa perspectiva paradigmática, estudam-se os monumentos de Tróia de Setúbal, onde a arte romana tardia se revela plenamente como em qualquer outro ponto do Império Romano. Esta investigação desenvolveu-se [ainda com] trabalhos de campo em vários [outros] locais, designadamente em Conímbriga, [e] na Villa Romana do Montinho das Laranjeiras (Algarve).

Com prólogos de J.M. Bairrão Oleiro e Theodor Hauschild. Ilustrado com fotografias, desenhos e plantas. 347 páginas. Formato álbum: 21 x 29,5 cm. Capa manuseada, miolo limpo e em bom estado. Lisboa: Edições Colibri, 1996.

Preço: 27 euros.



RELIGIÕES DA LUSITÂNIA


J. LEITE DE VASCONCELOS


[U]m livro ímpar, pela amplitude e rigor da pesquisa,
pelo sólido travejamento, pelo poder evocativo de tempos passados.

[Orlando Ribeiro]

Obra completa em 3 volumes, na reedição fac-similada da primeira edição, colecção Temas Portugueses da Imprensa Nacional-Casa da Moeda, Lisboa, 1981.

Ilustrados a cor e a preto, e com desdobráveis. 3 volumes de (8)+xl+440+(10) págs.; (4)+xviii+372+(6) págs; e (6)+xviii+636+(4) págs. Com 24,2 x 15 (x 8,3) cm. Miolo limpo. Capas com sinais de manuseio [visíveis nas fotografias ↑], e lombadas amarelecidas e com vincos de leitura. Sólidos. Bom estado geral.

Em conjunto com:

RELIGIÕES ANTIGAS DE PORTUGAL. Aditamentos e observações às Religiões da Lusitânia de J. Leite de Vasconcelos. Fontes epigráficas, de JOSÉ MANUEL GARCIA. Complemento essencial aos 3 volumes, dividido em 3 partes: na primeira, republicação de trabalhos dispersos de Leite de Vasconcelos que se ligam directamente às Religiões da Lusitânia, como aditamentos; na segunda parte, acompanhamento crítico da leitura dos 3 volumes, analisados numa perspectiva actual; e na terceira, as fontes epigráficas não publicadas por Leite de Vasconcelos, e «todas as inscrições epigráficas encontradas até 1986 em Portugal”. Com mapas, plantas, gravuras e fotografias. 688 páginas. 24,2 x 15 cm. Capa e lombada com descoloração marginal. Na colecção Temas Portugueses da Imprensa Nacional-Casa da Moeda, Lisboa, 1991.

AS RELIGIÕES DA LUSITÂNIA DE J. LEITE DE VASCONCELOS: contribuição para o seu estudo — alguns comentários e ÍNDICES gerais, de PAULA BÁRCIA. Ilustrado com mapas e contendo índices didascálico, bibliográfico, onomástico, ideográfico e geográfico; e ainda um índice de figuras e um de instituições, complementados com uma rubrica “diversos” onde se englobam “indicações de congressos, efemérides e colecções particulares de certa importância, a que Leite de Vasconcelos faz referência”. 274+(12) páginas. 24,2 x 15 cm. Miolo limpo, capa com manchas leves, marginais. Na colecção Temas Portugueses da Imprensa Nacional-Casa da Moeda, Lisboa, 1982.

Preço (conjunto dos 5 volumes): 135 euros.



ELEMENTOS PARA A HISTÓRIA
DO MUNICÍPIO DE LISBOA


EDUARDO FREIRE DE OLIVEIRA


Título e autor, tal qual figuram no rosto: Elementos para a História do Município de Lisboa, por Eduardo Freire de Oliveira, arquivista da Camara Municipal da mesma cidade. 1.ª PARTE. Publicação mandada fazer a expensas da Camara Municipal de Lisboa, para commemorar o centenario do Marquez de Pombal em 8 de Maio de 1882.

Mais de 10 mil páginas de documentos oficiais de algum modo relevantes, organizados cronologicamente e alusivos a séculos de assuntos invariavelmente díspares — as iguarias de um banquete celebratório, a colocação na prisão do Limoeiro do líder de uma «companhia de comediantes de Castella», a lista das pessoas de cada freguesia que se recusam a participar numa campanha de limpeza pública, a morte do rei —, num panorama que permite acompanhar os reflexos da política e da história do país nas várias decisões e questões do município d’esta cidade onde desde muito cedo esteve instalado um Governo demasiado centralista.

Temos assim «a carta regia que trouxe a communicação official da morte de Filippe II» (tomo II, quase todo dedicado ao “tempo dos Filipes”, pág. 590), «a ruína de Lisboa», no sábado 1 de Novembro de 1755 (tomo XVI, a partir da página 133, com lista e descrição sumária de abalos sísmicos anteriores, nomeadamente os de 1309, 1321, 1344, 1356, 1512, 1531, 1551, 1575, 1597, 1598, 1699 e 1724), a inauguração da estátua equestre de D. José (em parte citada aqui) ou a «consulta da Cammara a el-rei em 2 de julho de 1650», onde se propõem os nomes de «doze fidalgos, doze cidadãos e doze homens do povo» para «terem as chaves das quatro portas da cidade» (tomo V, p. 208, antecedendo em algumas páginas a lista exaustiva dos preços de venda de todo o tipo de animais para alimentação, indexados inteiros, em partes, e por género).

O primeiro documento transcrito no tomo I, que não o foral de 1179, data de 7 de Novembro de 1190, e o último documento transcrito no tomo XVII data de 23 de Agosto de 1777. Entre ambos, os diversos prefácios e as anotações constantes de Freire de Oliveira (1841-1916) desvelam e aprofundam as origens e importância dos textos que transcreve. Contém ainda algumas ilustrações, muito poucas, destacando-se a litografia da Divisa da Cidade, que abre o tomo X, ou a «planta litographada da sala das sessões do senado da camara de Lisboa, que acompanha a carta regia de 13 de Novembro de 1773» (tomo I, pág. 68).

[Para uma descrição mais detalhada da cronologia de cada tomo, consulte-se o artigo de António Miranda na Rossio n.º 1, de 2013. Como o plano cronológico da 1.ª parte da obra deveria ter prosseguido até ao ano do início da publicação (1882), suspeita-se que, além da nunca publicada 2.ª parte, também desta 1.ª parte terá ficado por publicar pelo menos um tomo, para o período 1777-1882.]

Obra completa (tudo quanto se publicou), em XVII tomos de 16,5 x 24,5 cm (66cm de estante), Lisboa: Typographia Universal, 1882-1911.

Tomo I, 1885, (12)+661+(5) págs. Tomo II, 1887, xiv+593+(2) págs. Tomo III, 1888, vi+584+(3) págs. Tomo IV, 1889, xii+628+(3) págs. Tomo V, 1891, vi+620+(3) págs. Tomo VI, 1893, ix+627+(2) págs. Tomo VII, 1894, cxii+466+(3) págs. Tomo VIII, 1896, vi+593+(3) págs. Tomo IX, 1898, vi+617+(4) págs. Tomo X, 1899, viii+595+(2) págs. Tomo XI, 1901, vi+632+(3) págs. Tomo XII, 1903, (10)+652+(3) págs. Tomo XIII, 1904, (6)+622+(3) págs. Tomo XIV, 1906, (6)+634+(3) págs. Tomo XV, 1906, (6)+630+(3) págs. Tomo XVI, 1910, xiv+567+(4) págs. Tomo XVII, 1911, (6)+622+(3) págs.

Acrescentam-se os dois volumes de índices, publicados cerca de 40 anos mais tarde: Índice dos «Elementos para a História do Município de Lisboa», por Esteves Rodrigues da Silva, sob a direcção de Jaime Lopes Dias, 2 vols., Lisboa: Câmara Municipal, 1942-1943. Com 396+578 páginas, e 17 x 22,5 cm. Capa do volume II com um rasgão restaurado. Páginas por abrir.

Todos os 19 volumes em brochura e 17 deles com as páginas por abrir. Bom estado geral, com não mais do que pequenos defeitos dispersos (muito ocasionais picos de humidade; algumas lombadas mais amarelecidas que outras; bicho de papel que atacou superficialmente a capa do tomo VI; e situações afins, de pouca monta).

Conjunto invulgar.

Preço: 450 euros.





 


BIBLIOGRAPHIA HISTORICA PORTUGUEZA


JORGE CESAR DE FIGANIERE


BIBLIOGRAPHIA HISTORICA PORTUGUEZA ou catalogo methodico dos auctores portuguezes, e de alguns estrangeiros domiciliarios em Portugal, que tractaram da Historia civil, politica e ecclesiastica d’estes reinos e seus dominios, e das nações ultramarinas, e cujas obras correm impressas em vulgar; onde também se apontam muitos documentos e escriptos anonymos que lhe dizem respeito, por JORGE CESAR DE FIGANIERE, official da Secretaria de Estado dos Negocios Estrangeiros, commendador da Real Ordem de Isabel a Catholica, Membro do Conservatorio Real de Lisboa, etc.

Bibliografia histórica portuguesa, com índice de autores, em reimpressão fac-simile holandesa, limpa e cuidada, da rara edição portuguesa de 1850. Encadernação editorial em tela. Exemplar em muito bom estado de conservação. 359 páginas. 15 x 23 cm. Naarden: Anton W. Van Bekhoven, 1970.

Preço: 50 euros.



HISTORIA DE UM FOGO-MORTO

(Subsidios para uma História Nacional)

1258-1848
Vianna do Castello
(Fastos politicos e militares).

JOSÉ CALDAS


Com lxxviii + 563 pags, e 19 x 12 cm. Brochado. Ilustrado com uma planta da antiga vila de Viana. Exemplar manuseado e frágil: capa manchada e lombada cansada, prestes a quebrar e com falhas de papel; contudo, a globalidade do miolo apresenta-se limpo e intonso. Porto: Livraria Chardron de Lello & Irmão, editores, 1904.

Preço: 30 euros.