NOVA DESCRIPÇÃO DE LISBOA, dos seus Arredores, e de CINTRA, PENA e MAFRA, com um ensaio historico de tudo quanto esta Capital contém de mais notavel; ornado com algumas estampas. Ensaio introdutório de Carlos Lindemann. Com capas de brochura e as duas gravuras extra-texto pertencentes, uma do Palácio da Pena, outra da Praça do Comércio, esta desdobrável. 135+(5) páginas. Capa com picos de oxidação. Lisboa: na loja de João P. M. Lavado, 1853.


GUIA DE VIAJANTES EM LISBOA, e suas visinhanças. Sem indicação de autor, mas com um enquadramento histórico inicial, e várias notas de rodapé. Capas de brochura com marcas de restauro de amador. 90+(4) páginas. Lisboa: na typographia de O. R. Ferreira e C.ª, 1845.


Duas obras completas e não aparadas, encadernadas num único tomo, em bom estado geral. Encadernação esdrúxula contemporânea de amador, 12 x 17,7 x 2,2 cm, em papel de fantasia cor-de-rosa com motivos geométricos dourados em relevo… Rótulo de pele.

Preço: 75 euros.



ELEMENTOS PARA A HISTÓRIA
DO MUNICÍPIO DE LISBOA


EDUARDO FREIRE DE OLIVEIRA


Título e autor, tal qual figuram no rosto: Elementos para a História do Município de Lisboa, por Eduardo Freire de Oliveira, arquivista da Camara Municipal da mesma cidade. 1.ª PARTE. Publicação mandada fazer a expensas da Camara Municipal de Lisboa, para commemorar o centenario do Marquez de Pombal em 8 de Maio de 1882.

Mais de 10 mil páginas de documentos oficiais de algum modo relevantes, organizados cronologicamente e alusivos a séculos de assuntos invariavelmente díspares — as iguarias de um banquete celebratório, a colocação na prisão do Limoeiro do líder de uma «companhia de comediantes de Castella», a lista das pessoas de cada freguesia que se recusam a participar numa campanha de limpeza pública, a morte do rei —, num panorama que permite acompanhar os reflexos da política e da história do país nas várias decisões e questões do município d’esta cidade onde desde muito cedo esteve instalado um Governo demasiado centralista.

Temos assim «a carta regia que trouxe a communicação official da morte de Filippe II» (tomo II, quase todo dedicado ao “tempo dos Filipes”, pág. 590), «a ruína de Lisboa», no sábado 1 de Novembro de 1755 (tomo XVI, a partir da página 133, com lista e descrição sumária de abalos sísmicos anteriores, nomeadamente os de 1309, 1321, 1344, 1356, 1512, 1531, 1551, 1575, 1597, 1598, 1699 e 1724), a inauguração da estátua equestre de D. José (em parte citada aqui) ou a «consulta da Cammara a el-rei em 2 de julho de 1650», onde se propõem os nomes de «doze fidalgos, doze cidadãos e doze homens do povo» para «terem as chaves das quatro portas da cidade» (tomo V, p. 208, antecedendo em algumas páginas a lista exaustiva dos preços de venda de todo o tipo de animais para alimentação, indexados inteiros, em partes, e por género).

O primeiro documento transcrito no tomo I, que não o foral de 1179, data de 7 de Novembro de 1190, e o último documento transcrito no tomo XVII data de 23 de Agosto de 1777. Entre ambos, os diversos prefácios e as anotações constantes de Freire de Oliveira (1841-1916) desvelam e aprofundam as origens e importância dos textos que transcreve. Contém ainda algumas ilustrações, muito poucas, destacando-se a litografia da Divisa da Cidade, que abre o tomo X, ou a «planta litographada da sala das sessões do senado da camara de Lisboa, que acompanha a carta regia de 13 de Novembro de 1773» (tomo I, pág. 68).

[Para uma descrição mais detalhada da cronologia de cada tomo, consulte-se o artigo de António Miranda na Rossio n.º 1, de 2013. Como o plano cronológico da 1.ª parte da obra deveria ter prosseguido até ao ano do início da publicação (1882), suspeita-se que, além da nunca publicada 2.ª parte, também desta 1.ª parte terá ficado por publicar pelo menos um tomo, para o período 1777-1882.]

Obra completa (tudo quanto se publicou), em XVII tomos de 16,5 x 24,5 cm (66cm de estante), Lisboa: Typographia Universal, 1882-1911.

Tomo I, 1885, (12)+661+(5) págs. Tomo II, 1887, xiv+593+(2) págs. Tomo III, 1888, vi+584+(3) págs. Tomo IV, 1889, xii+628+(3) págs. Tomo V, 1891, vi+620+(3) págs. Tomo VI, 1893, ix+627+(2) págs. Tomo VII, 1894, cxii+466+(3) págs. Tomo VIII, 1896, vi+593+(3) págs. Tomo IX, 1898, vi+617+(4) págs. Tomo X, 1899, viii+595+(2) págs. Tomo XI, 1901, vi+632+(3) págs. Tomo XII, 1903, (10)+652+(3) págs. Tomo XIII, 1904, (6)+622+(3) págs. Tomo XIV, 1906, (6)+634+(3) págs. Tomo XV, 1906, (6)+630+(3) págs. Tomo XVI, 1910, xiv+567+(4) págs. Tomo XVII, 1911, (6)+622+(3) págs.

Acrescentam-se os dois volumes de índices, publicados cerca de 40 anos mais tarde: Índice dos «Elementos para a História do Município de Lisboa», por Esteves Rodrigues da Silva, sob a direcção de Jaime Lopes Dias, 2 vols., Lisboa: Câmara Municipal, 1942-1943. Com 396+578 páginas, e 17 x 22,5 cm. Capa do volume II com um rasgão restaurado. Páginas por abrir.

Todos os 19 volumes em brochura e 17 deles com as páginas por abrir. Bom estado geral, com não mais do que pequenos defeitos dispersos (muito ocasionais picos de humidade; algumas lombadas mais amarelecidas que outras; bicho de papel que atacou superficialmente a capa do tomo VI; e situações afins, de pouca monta).

Conjunto invulgar.

Preço: 450 euros.





 


OS ANTEPASSADOS DE
ALGUNS CINEMAS DO PORTO


ALVES COSTA


São evocados o Cine-Teatro S. João, o Salão High-Life, o Cinema Batalha [inclui fotografia do fresco desaparecido de Júlio Pomar], o Salão-Jardim Passos Manuel (“antepassado do actual «Coliseu» e «Cinema Passos Manuel»”), e feita menção a outras salas e animatógrafos.

Ilustrado com fotografias, cartazes e programas. Brochado, 17 cm x 22,8 cm. 37+(3) páginas. Manuseado. Capa e algumas páginas com pontos de oxidação. Lisboa: Instituto Português de Cinema – Cinemateca Nacional, 1975.

Preço: 17 euros.



OS MAIS ANTIGOS CINEMAS DE LISBOA
1896-1939

A DISTRIBUIÇÃO DE FILMES EM PORTUGAL
1908-1939


M. FÉLIX RIBEIRO


Lista exaustiva dos Cinemas e Teatros referidos nesta obra: Animatographo de Alcântara, Animatographo do Rossio, Belém Cinema, Campolide Cinema, Capitólio, Casino Étoile, Chiado Terrasse, Cine Bélgica, Cine Esperança, Cine Ginásio, Cine Oriente, Cine Pátria, Cine Paris, Cine Tortoise, Cinema Avis, Cinema Colossal, Cinema Condes, Cinema Cosmopolita, Cinema Europa, Cinema Gil Vicente, Cinema Palácio, Cinema Palatino, Cinema Pathé, Cinema Popular, Cinema Promotora, Cinema Restauradores, Cinema Rex, Cinema Universal, Cinema Voz do Operário, Coliseu de Lisboa, Coliseu dos Recreios, Eden Cinema, Eden Concerto, Esplanada Belém-Jardim, Esplanada Monumental, Grande Animatographo de Alcântara, Imperial Cinema, Império (1916), Jardim Cinema, Lusitania Film, Lys, Max Cine, Novo Cine, Odéon, Olympia, Palais Cinema, Paradis Cinema, Paraíso de Lisboa, Paris Cinema, Pathé Cinema, Rossio Palace, Royal Cine, Roxy, Tivoli, Trianon Palace, The Wonderful, Salão Avenida, Salão Central, Salão Chantecler, Salão Chiado, Salão Cosmopolita, Salão Edison, Salão Fantástico, Salão Foz, Salão Ideal, Salão Liberdade, Salão Lisboa, Salão Portugal (Alfama), Salão Portugal (Ajuda), Salão Rubi, Salão Theatro de Variedades, Salão das Trinas, Salão Recreio da Graça, Salão S. Carlos, Salão da Trindade, Salon Rouge, São Luiz Cine, Eden Teatro, Teatro D. Amélia, Teatro Estrela, Teatro do Ginásio, Teatro Joaquim de Almeida, Teatro Moderno, Teatro Politeama, Teatro do Rato, Teatro República, Teatro Salão dos Anjos, Teatro São Luís, Teatro da Trindade.

Profusamente ilustrado. Brochado, 264+(4) páginas. 17,5 cm x 23,8 cm. Assinatura de posse na página de guarda. Capa manuseada (perda de cor, desgaste marginal), cortes do miolo com picos de oxidação, miolo em bom estado. Lisboa: Instituto Português de Cinema – Cinemateca Nacional, 1978.

Preço: 25 euros.



FILMES, FIGURAS E FACTOS
DA HISTÓRIA
DO CINEMA PORTUGUÊS
1896-1949


M. FÉLIX RIBEIRO


Prefácios de Luís de Pina e de João Bénard da Costa, e introdução do autor:

Meti ombros a este trabalho na intenção de que nele ficassem apontados e respeitados muitos e variados aspectos do que foi a caminhada percorrida pelo cinema português ao longo do período que decorre entre o anos de 1896, quando Aurélio da Paz dos Reis dá as primeiras voltas de manivela, por intermédio da sua tão primitiva, embora eficiente, máquina de filmar, para nos oferecer a sua «Saída do Pessoal Operário da Fábrica Confiança», e o final de 1949, para nós um limite para os nossos propósitos […]

Capítulo I: 1.º Ciclo do Porto / Capítulo II: 1.º Ciclo de Lisboa / Capítulo III: 2.º Ciclo do Porto / Capítulo IV: 2.º Ciclo de Lisboa / Capítulo V: O sonoro chega a Portugal.

Com fotografias, anúncios, desenhos, caricaturas, fotogramas de filmes, etc. Brochado, 651+(5) páginas (papel couché), 17,8 cm x 25,8 cm. Bom estado geral. Lisboa: Cinemateca Portuguesa, 1983.

Preço: 45 euros.