O DESTERRO DAS MANTILHAS


[ANTÓNIO JOAQUIM MESQUITA E MELO]


Anunciada a sua venda ao público nas edições d’O Correio do Porto de 19 e 20 de Dezembro de 1820 embora Inocêncio lhe atribua a data de 1821, ver I-162 e tb. VIII-186 teve por autor, sob pseudónimo, António Joaquim Mesquita e Melo, poeta natural de Avintes que à época teria cerca de 30 anos de idade. A questão das mantilhas, tema do opúsculo, é um problema coevo sobre o qual existem reflexões de Garrett e, mais tarde, também de Camilo (ver aqui).

Título completo: O DESTERRO DAS MANTILHAS : ou Exhortação em que o Poeta Gallego com rasões bem arrasoadas, mostra a necessidade de desterrar um traje, que esconde a formosura e a gentilesa das Mulheres bonitas. Porto: Na Typografia à Praça de S. Thereza, [1820].

Caderno de 8 páginas, cosido. 21,5 x 15,5 cm. Conserva, soltas, as frágeis capas de brochura originais, azuis, não impressas. Capas e miolo com variados vincos e algumas manchas.

Exemplar com assinatura de posse, no topo da primeira e na base da última página, de João Carlos Mascarenhas de Mello, n. 1860, médico-cirurgião, militar condecorado e republicano — como sub-inspector de saúde da 1.ª divisão militar, por exemplo, encontramo-lo de visita ao moderno Pavilhão Vacinogénico de Lisboa, em 1911. Mascarenhas de Melo foi, também, durante 23 anos consecutivos, presidente da assembleia geral do Sport Lisboa e Benfica, entre 1908 e 1931, e não por acaso surge homenageado na primeira página do primeiro número do boletim oficial do clube, em 1927, sendo então o sócio n.º 10.

Muito invulgar.

Preço: 65 euros.



 


UM QUARTO CHEIO DE ESPELHOS


JOÃO MIGUEL FERNANDES JORGE


Textos sobre arte. Uma recolha em grande parte publicada ao longo de 1983-1985 no jornal A Capital sob o título «Sentir o Olhar».

Textos sobre: Alberto Carneiro, Álvaro Lapa, Amadeo de Souza-Cardoso, Ângelo de Sousa, António Dacosta, Arpad Szenes, Eduardo Batarda, Henrique Pousão, João Botelho, João Paulo Feliciano, Jorge Martins, José Pedro Croft, Josefa d’Óbidos, Mário Botas, Menez, Nuno Carinhas, Paulo Nozolino, Pedro Cabrita Reis, Pedro Calapez, René Bertholo, Robert Mapplethorpe, e muitos outros.

1.ª edição. Capa sobre guache de Jorge Martins. 182 páginas. 21 x 13 cm. Pequenos sinais de uso. Bom estado geral. Colecção Referências. Lisboa: Quetzal, 1987.

em conjunto com:

A FLOR DA ROSA
JOÃO MIGUEL FERNANDES JORGE
Textos e ficções sobre arte. 1.ª edição. 184 páginas. 21 x 14 cm. Bom exemplar. Lisboa: Relógio d’Água, 2000.

Preço (do conjunto): 18 euros.


 


CADERNOS CAPRICÓRNIO

Direcção de ORLANDO DE ALBUQUERQUE

 


A-CHAN, A TANCAREIRA
HENRIQUE DE SENNA FERNANDES
Conto, escrito em Coimbra em 1950, vencedor do prémio Fialho de Almeida, nos Jogos Florais da Queima de Fitas da Universidade de Coimbra. Agrafado. 20 páginas. 20 x 15 cm. Bom estado de conservação. Cadernos Capricórnio n.º 16, Lobito, 1974.
Preço: 15 euros.

O JANGADEIRO
ALBANO MENDES DE MATOS
Contos. Agrafado. 32 páginas. 20 x 15 cm. Bom exemplar. Cadernos Capricórnio n.º 17, Lobito, 1974.
Preço: 12 euros.

«MESTRE» TAMODA
AGOSTINHO MENDES DE CARVALHO – UANHENGA XITU
Conto. Agrafado. 23 páginas. 20 x 15 cm. Bom exemplar. Colecção Cadernos Capricórnio n.º 19, Lobito, 1974.
Preço: 12 euros.

POEMAS
VIRIATO DA CRUZ
Poesia. Agrafado. 16 páginas. 20 x 15 cm. Assinatura de posse no ante-rosto. Cadernos Capricórnio n.º 25, Lobito, 1974.
Preço: 12 euros.


 


EXPEDIÇÕES CIENTÍFICO-MILITARES
ENVIADAS AO BRASIL


SOUSA VITERBO


Primeira reunião deste importante conjunto de cerca de 164 biografias, e bibliografias — de cientistas, arquitectos, cartógrafos, desenhadores, engenheiros, fortificadores e naturalistas portugueses ou que, ao serviço de Portugal, trabalharam no Brasil —, inicialmente publicadas dispersas na Revista Militar, entre 1893 e 1895.

Coordenação, aditamentos e introdução de Jorge Faro. Em 2 volumes, de 175 + 142 páginas, e 18 x 13 (x 2) cm. Ambos os volumes com o miolo limpo, e as capas e lombadas com pequenas manchas e marcas superficiais de bicho de papel. Impressos na Neogravura, Lisboa, para as Edições Panorama, em 1962.

Preço: 25 euros.


 


O BRASIL DE HOJE


MAJOR ALEXANDRE DE MORAIS


Homem do Regime — autor do Manual do Legionário, do Manual da Mocidade Portuguesa, ou de um volume de crónicas militares da Guerra Civil de Espanha (vista pelo prisma franquista) — Alexandre de Morais retrata nesta obra o Brasil da época (início da década de quarenta), nos seus aspectos geográficos, históricos, políticos, económicos, militares (e beligerantes). O mote parece ter sido a entrada do Brasil na II Guerra Mundial, contra a Alemanha e a Itália, por força dos ataques infligidos pelos países do Eixo à frota mercante brasileira.

Obra completa em 2 volumes, ilustrados com fotografias, tabelas e mapas, de 244 e 286 páginas (maioria por abrir), e 19 x 13 (x 4) cm. Capas com pequenas manchas, lombadas amarelecidas, miolo de ambos os volumes limpo. Lisboa: Edições Universo, 1943.

Primeiro volume autografado pelo autor com dedicatória ao «velho e querido amigo» Andrade e Sousa.

Preço: 25 euros.


 


CORRESPONDÊNCIA
DE CARVOEIRO


FERNANDO FALCÃO MACHADO


Um texto carvoeirense de Manuel Falcão Félix Machado, comentado pelo filho, Fernando Falcão Machado, cerca de quarenta anos depois. Separata do jornal A Voz do Minho, Barcelos, Dezembro-Janeiro 1968. Com 8 páginas, e 21 x 15 cm. Capa com manchas leves. Miolo limpo. No geral, um bom exemplar. Composto e impresso na Companhia Editora do Minho, de Barcelos.

Preço: 8 euros.



A PROPÓSITO DE TEATRO

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES OPORTUNAS OFERECIDAS
À INTELIGÊNCIA E REFLEXÃO DE TODOS OS
HOMENS DE BOA VONTADE


JOSÉ GAMBOA


Ensaios sobre teatro, dramaturgia, crítica, o Conservatório, os repertórios, a imprensa, e outros temas (inclui «O teatro e futebol como elementos de educação»). Vide índice nas fotografias. Exemplar assinado com dedicatória ao cineasta Baptista Rosa. Manuseado. Sólido. Com uma mínima falta de papel na contracapa. 425-(4) páginas. 19,2 x 12,5 cm. Lisboa: edição do autor, 1949.

Preço: 18 euros.


 


INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DO
TEATRO PORTUGUÊS


DUARTE IVO CRUZ


Plano da obra: Os esboços pré-vicentinosGil Vicente, o que faz os autos a El-ReiO teatro pré-vicentinoRenascimento e teatro Pausa neo-latina A luta pela sobrevivência teatral Dualidade do séc. XVIIISéc. XIX — Séc. XX.

Brochado. Com 229 páginas e 21 x 15 cm. Ligeiras marcas de uso exteriores. Carimbo antigo, de oferta institucional, na página de guarda. Bom estado geral. Lisboa: Guimarães Editores, 1983.

Preço: 15 euros.


 


O PAPA NO DECIMO NONO SECULO


J. MAZZINI

Triumviro da República Romana

Giuseppe Mazzini (1805-1872), escritor, jornalista, activista, político e ex-carbonário, é uma das figuras principais do chamado Risorgimento, movimento que na segunda metade do século XIX pugnou pela unificação dos vários estados italianos num único país com um governo central, secular e republicano. Várias vezes exilado por motivos políticos, na Suíça, em França e em Inglaterra, participou na fundação de uma Segunda República Romana (1849), insubmissa ao poder papal, onde desempenhou funções no triunvirato governativo. O projecto falhou, seguindo-se novo exílio para o autor, que publica o libelo anti-papal O Papa no Décimo Nono Século, a tradução portuguesa editada no mesmo ano da edição original.

Com 64 páginas e 16 x 11 cm. Capas com manchas, falhas de papel, lombada praticamente inexistente e uma minúscula assinatura de posse («205 – Joaquim  Martins»), a aparo, que se repete no topo da primeira página do texto (mesma caligrafia e tinta, variante «Joaquim da Costa»). Miolo no geral limpo. Última página com falta de metade inferior, rasgada, já após o final do texto. Bruxelas: na Imprensa de V. Wouters, 1850.

Preço: 25 euros.



 


NOVA HISTÓRIA DE JOÃO DE CALAIS


Quanto às aventuras do navegador João de Calais, Luís da Câmara Cascudo não deixou de fomentar algumas dúvidas a respeito da sua verdadeira autoria, baseando-se nas informações de Mme. Monique Cazeaux-Varagnac e nas pesquisas de Antoine Barbier, as quais apontam para um certo Jean Castillon, possível pseudónimo de autor anónimo, como o autor da estória que cativa há séculos o ocidente europeu. O etnólogo brasileiro nota, ainda, que a versão original da História de João de Calais reporta o seu ambiente para o reino português, tendo o mesmo sido modificado aquando da tradução, pois a redacção de Madame de Gómez substitui o porto de Lisboa e o reino de Portugal pelo porto de Palermo no reino da Sicília. [daqui]

Folheto “de cordel” com agrafo. 11.ª edição. 16 páginas. 16,5 x 12 cm. Pequenos picos de oxidação marginais. Bom estado. Edição do Bazar Feniano / António da Silva Santos e C.ª / Porto [s.d.].

Preço: 12 euros.



SCENAS DA IMPRENSA NACIONAL

A BERNARDA DO RELATÓRIO


Poema heróico-risível em três cantos, um prólogo e um epílogo, original atribuído a Artelio Pompeu, Marculio Arbio, Roma Patavini e Silvio Augusto. Mandado imprimir a expensas de 23 bibliógrafos.

D’este poema se imprimiu um número restricto de exemplares, distribuídos à sorte. Ninguém é obrigado a lê-lo, nem tão pouco a dizer que o recebeu. É inútil rasgá-lo ou queimá-lo para o destruir. É permitido suspeitar do nome dos autores, mas previne-se que é dificílimo acertar. Há algumas pontas de fora, mas é arriscado puxar por elas. O melhor em todos os casos é meditar sobre o que ele diz.

Brochado. 33 páginas. 21 x 11 cm. Bom estado. [Lisboa]: edição dos autores, Dezembro de 1914.

Preço: 15 euros.


 

  • Nunca se deve perseguir afoitamente outro carro, na certeza de que onde ele passa, podereis passar também, visto que um veículo que se dirige em sentido contrário pode por ele, ser evitado, sem que vos aconteça o mesmo.
  • Um rebentamente de pneu é raras vezes perigoso se não travais, manobrando seguramente o volante. Qual é a melhor maneira de assim proceder? Volante bem seguro, unhas para cima e braços encostados ao tronco para maior firmeza.
  • Acima de tudo, aprendei a «manobrar». Aquele que no momento culminante não sabe agir com serenidade e precisão, não é um condutor seguro. Este deve conhecer bem o carro e efectuar as manobras instintivamente.
  • Não procureis nunca assombrar os passageiros com a vossa perícia: pelo contrário, esforçai-vos para que eles se mantenham absolutamente tranquilos.


BREVES INSTRUÇÕES DE MECÂNICA E CONSELHOS PARA CANDIDATOS A CONDUTORES DE AUTOMÓVEIS


BERNARDO DIAS


2.ª edição, refundida, aumentada e ilustrada com gravuras e o esquema da nova sinalização [1933]. Agrafado. 17 x 12 cm. 24 páginas + 2 estampas extra-texto, a cor, com sinais de trânsito e publicidade. Cartão de antiga escola de condução no interior. Usado. Miolo com manchas. Texto com pontuação algo anárquica. Impresso em Lisboa, na Tip. Moderna.

em conjunto com:

O EXAME. Prova Teórica para Condutores de Automóveis. Por José de Campos e Alexandre Campos. Ilustrado. Brochado. 80 páginas. 17 x 12 cm. Com sublinhados a vermelho. Lisboa: Edições Lane, 1971.

Preço (do conjunto): 12 euros.


 


APROVEITAMENTO DA POUPANÇA NACIONAL EM BENEFÍCIO DA COLECTIVIDADE, POR MEIO DOS

CERTIFICADOS DE AFORRO


Brochura promocional da Junta do Crédito Público, que anuncia as vantagens dos recém-criados Certificados de Aforro:

Quis-se preencher, por meio dos certificados de aforro, uma lacuna de há muito verificada, e que se traduz na fuga ou quiçá no desinteresse das pequenas economias pelo rendimento comercial dos dinheiros resultantes da poupança, conseguida muitas vezes à custa de tantos sacrifícios.
Sente-se e é notório o afastamento da circulação real de vários capitais, amealhados ou entesourados, à maneira antiga, nas impenetráveis burras à prova de fogo, ou mais poèticamente, em esconderijos cujo segredo passa de geração em geração ou ainda guardados na palha dos colchões, em pés-de-meia ou em panelas de barro, algumas vezes cautelosamente emparedadas.
Esse dinheiro, ciosamente imobilizado na melhor das intenções, previdentemente guardado para as incertezas do dia de amanhã, não vê a luz do sol nem se lhe dá o calor da utilidade para que foi criado no interesse de cada um, seu possuidor, em particular, e da comunidade em geral; torna-se, na conjectura económica, um elemento de perturbação e transforma afinal, em improdutiva avareza, um belo sentimento de previdência que está na base da poupança e que bem entendido, deve ser estimulado e acarinhado como factor de riqueza nacional. Etc.

Folheto de 8 páginas + capa ilustrada. Agrafado. 15 x 10,5 cm. Bom estado geral. Composto e impresso na Tipografia Portuguesa, Lisboa, 1961.

Preço: 7 euros.


 


O IDEAL REPUBLICANO

A IGNORÂNCIA É A INIMIGA DA DEMOCRACIA

ANTÓNIO SÁ NOGUEIRA


Conferência promovida pelo Grupo de Estudos Democráticos, e presidida por Brito Camacho, realizada no Teatro da Trindade em 14 de Janeiro de 1932. Termina com «Viva a República!»

(…) apesar de se afirmar «plataforma» ou estrutura «complementar» da Aliança Republicano-Socialista (Azevedo Gomes, Mário de Castro, Norton de Matos, Tito de Morais e outros), o GED representava uma alternativa a esta organização, pelo menos como movimento suprapartidário. Criado em 1931, por Armando Marques Guedes (com António Sá Nogueira e Dias Pereira) o Grupo assinala nos seus traços constitutivos a intenção de robustecer a Democracia no interior da República, animado por «ideias liberais e socialistas» e dentro do típico programa seareiro, demopédico e assente num «iluminismo de elites», elitismo ao qual se terá a prevenção, porém, em não taxar de «anti-popular». [cit. Paulo Archer de Carvalho]

Desenho da capa assinado JS. Brochado. 47 páginas e 19 x 12,5 cm. Manchas exteriores leves. Bom estado geral. Colecção Luz. Lisboa: Emprêsa Editora Luz, 1932.

Preço: 17 euros.


 


VISÃO POLÍTICA


JOSÉ MONK


José Monk foi o pseudónimo do Coronel Joaquim Emídio Xavier Machado (1850-1904), essencialmente em escritos de cariz político. O autor pertenceu à Casa Militar do Rei, foi oficial às ordens do Infante D. Afonso e condecorado com as ordens de Avis e Santiago.

Neste opúsculo, apresenta um ambicioso «plano da regeneração política, financeira e nacional» cujas propostas incluem, ao detalhe, profundas reformulações militares e estratégicas que incluem, por exemplo, «a alienação voluntária e indubitavelmente necessária das províncias ultramarinas de Moçambique, Guiné e Timor».

Brochado. 45 páginas. 22,5 x 15,5 cm. Manuseado. Capa com pequenas manchas. Lombada com falhas. Miolo limpo. Edição do Autor, Lisboa, 1898.

Preço: 15 euros.


 


PORTUGAL E A GRÉCIA


MANUEL BERNARDES BRANCO


Brochado. 62 páginas. 16,5 x 11 cm. Amarelecido. Bom estado geral. Na Bibliotheca do Povo e das Escolas, 24.ª série, número 185, da Companhia Nacional Editora, sucessora de David Corazzi e Justino Guedes, Lisboa, 1890.

Preço: 10 euros.


 


TRASMONTANOS ILUSTRES
O VISCONDE DE CARNAXIDE


GRÉMIO DE TRÁS-OS-MONTES


Homenagem prestada pelo Gremio de Trás-os-Montes ao mais velho dos seus sócios — e a um dos mais ilustres trasmontanos — o Dr. Antonio Baptista de Sousa (Visconde de Carnaxide) em sessão solene de 7 de Junho de 1930.

Ilustrado com um retrato do  homenageado, extra-texto. Intervenções de Ferreira Deusdado, José Viana, Armelim Junior e José Maria Cabral Sampaio.

Brochura. 41 páginas, com alguns cadernos por abrir. 23 cm x 16 cm. A sobre-capa da brochura, na frente e na lombada, possui algumas falhas de papel. Miolo em bom estado. Lisboa: composto e impresso na Tip. da Gazeta dos Caminhos-de-Ferro, 1930.

Preço: 17 euros.


 


EVOLUÇÃO SOCIAL


PAULO DE BARROS


Discurso Pronunciado no «Grémio de Instrução e Recreio», de Bragança, na noite do dia 26 de Maio de 1881. Nota manuscrita (pelo autor?) à cabeça: «Ex.mo Sr. Alferes M.el Rodrigues».

Brochado. 48 páginas. 22 x 14 cm. Manuseado. Capa com pequenas manchas. Lombada com algumas falhas de papel. Mantém-se um exemplar interessante. Porto: Real Typographia Lusitana, 1881.

Preço: 18 euros.


 


ETNOGRAFIA TRANSMONTANA


ANTÓNIO LOURENÇO FONTES


Obra completa em 2 volumes. Volume I: CRENÇAS E TRADIÇÕES DE BARROSO. Volume II: O COMUNITARISMO DE BARROSO. Ilustrados com fotografias e desenhos.

3.ª edição. Brochados. 232+226 páginas. 21 x 14 [x 2,5] cm. Bom estado. Colecção Coisas Nossas, n.º 11 e n.º 12. Lisboa: Editorial Domingos Barreira, 1992.

Preço: 30 euros.


ÍNDICE:

 


VILARINHO DA FURNA

UMA ALDEIA COMUNITÁRIA


JORGE DIAS


Reedição de um estudo seminal, «reprodução fac-similada da 1.ª edição de Vilarinho da Furna publicada pelo Centro de Estudos de Etnologia Peninsular do Instituto para a Alta Cultura — 1948.»

Nota preliminar e prefácio de Orlando Ribeiro. Cancioneiro de Margot Dias. Desenhos de Fernando Galhano. Ilustrado com fotografias, desenhos e mapas.

2.ª edição (nesta editora). Brochado. 307-(13) páginas. 24 x 15 cm. Bom estado. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1983.

Preço: 24 euros.


 


ILHA DO PICO

MAJESTADE DOS AÇORES

GUIDO DE MONTEREY


Um pouco de História, um pouco de turismo, um pouco de lazer: um extenso guia light para visitar a ilha, com listas dos sítios mais pitorescos de cada freguesia, o que inclui quintas, igrejas, ermidas e cafés. Muito útil para ajuizar da evolução urbanística do Pico nos últimos 40 anos.

Brochado. 3.ª edição, revista. Ilustrado a preto. Brochado. 180-(4) páginas. 17,5 x 12 cm. Bom estado. Porto: Edição do autor, 1980.

Preço: 18 euros.


 


SUBSÍDIOS PARA O

INVENTÁRIO ARTÍSTICO DOS AÇORES


FRANCISCO ERNESTO DE OLIVEIRA MARTINS


Igreja a igreja, casa a casa… Primeiro tentame sistemático de um inventário histórico-global da arte e do artesanato no arquipélago: mobiliário, pintura, escultura, arquitectura religiosa, civil e militar, faiança, porcelana, marfim, colchas e bordados, etc.

Catálogo em papel couché, ilustrado com centenas de fotografias da autoria de Francisco Reis Maduro Dias, Guillon, João Soares de Ávila, José Leite, Mário Corvelo de Freitas, Norberto Ávila, Veríssimo Salvador, Foto Iris e Foto Nóbrega.

Brochado. 449 páginas. 29,5 x 21 cm. Capa frontal com pequenas falhas de verniz  nas margens superior e inferior. Lombada com ténues vincos de leitura. Miolo limpo. Mantém-se um bom exemplar. Angra do Heroísmo: Secretaria Regional de Educação e Cultura / Direcção Regional dos Assuntos Culturais, 1980.

Figura no rosto dedicatória-autógrafa de Francisco Ernesto de Oliveira Martins, acompanhada de um postal-convite, para o casamento de uma familiar, ilustrado com um par de bonecos de trapos (noivos) da colecção pessoal do autor.

Preço: 50 euros.


 


“COMISSÃO NO ARQUIPÉLAGO”

(EPISÓDIO MARÍTIMO DURANTE A GUERRA DE 1939-1945)

LEOVIGILDO DOS SANTOS GOMES

2.º Tenente do Quadro Auxiliar do Serviço Naval

Trata-se da história do contra-torpedeiro «Lima», comandado pelo capitão-tenente Sarmento Rodrigues, e o episódio protagonizado nos Açores, em plena Segunda Guerra Mundial, quando este navio terá sobrevivido a uma inclinação de 67º («pondo a descoberto todo o bombordo até à quilha», p. 32), tal como na ilustração da capa. Relata também diversas situações subsequentes, em terra, em particular em Ponta Delgada e Angra do Heroísmo.

Brochado. 126 páginas. 19 x 12,5 cm. Capa com ligeiros picos de oxidação, maioritariamente marginais. Miolo limpo. No geral, um bom exemplar. Lisboa: Parceria António Maria Pereira, 1959.

Preço: 20 euros.


 


REGIONALISMO MICAELENSE


SOCIEDADE TERRA NOSTRA


Comunicação apresentada ao I Congresso Açoreano pela [Direcção da] Sociedade Terra Nostra. — O Congresso teve lugar em Lisboa, no Grémio dos Açores, que no mesmo ano mudou de designação para Casa dos Açores. Assinaturas de membros da direcção no rosto, a última a de Vasco Bensaúde.

Brochado. 16-(4) páginas, e 17,5 x 11,5 cm. Capa manchada, sobretudo na orla. Miolo no geral limpo, embora no primeiro par de páginas se encontre uma mancha leve junto à margem inferior. Mantém-se um exemplar interessante e invulgar. Composto e impresso na Tipografia Insular, Maio de 1938.

Preço: 25 euros.



JOSÉ DO CANTO

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA MICAELENSE

(1820-1898)

FERNANDO AIRES DE MEDEIROS SOUSA


Biografia. Com a transcrição de inúmeras cartas. Brochado. 396 páginas. 23 x 16 cm. Capa manchada. Interior limpo — embora haja uma pequena assinatura de posse a um canto da página de guarda. Mantém-se um exemplar interessante. Ponta Delgada: Universidade dos Açores, 1982.

Preço: 25 euros.


 


CÔNSULES FRANCESES EM LISBOA E NOS AÇORES NO SÉCULO XVII


MARIA ANTONIETA SOARES DE AZEVEDO


Separata do n.º 1 de Arquipélago, Série Ciências Humanas, Revista do Instituto Universitário dos Açores., Janeiro de 1979. Brochado. 101-(3) páginas. 23,5 x 16 cm. Capa manchada e com um rasgo na margem superior, sem perda de papel. Miolo limpo salvo rubrica de posse no rosto. Ponta Delgada: Instituto Universitário dos Açores, 1979.

em conjunto com:

UM MANUSCRITO DA BIBLIOTECA NACIONAL DE MADRID INTERESSANTE À HISTÓRIA DOS AÇORES NO SÉCULO XVII. FRANCISCO MENDES DA LUZ. Separata do volume VI do Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, assinada pelo autor com dedicatória ao embaixador Luiz Norton, datada de Madrid, 1949. Com 7 páginas e 16,5 x 22 cm. Angra do Heroísmo: Tipografia Andrade, 1948.

Preço: 15 euros.


 


HISTÓRIAS À MARGEM DE UM SÉCULO DE HISTÓRIA


F. KEIL DO AMARAL


Livro de “memórias da família” do arquitecto Francisco Keil do Amaral (1910-1975), publicado na Biblioteca de Estudos sobre a Sociedade e a Cultura Portuguesas, secção I, n.º 6, da editora Seara Nova, Lisboa, 1970. Capa de Guilherme Lopes Alves. 242 páginas. 22 x 14 cm. Bom estado geral.

Assinado pelo autor com dedicatória datada de 1970.

Preço: 25 euros.


 


SUBSÍDIOS PARA O CONHECIMENTO DA ILHA DA MADEIRA, COLIGIDOS NO ELUCIDÁRIO MADEIRENSE, E ILUSTRADOS POR PITUM, EM 1969


PITUM KEIL DO AMARAL


Prefácio do autor, Francisco Pires Keil do Amaral (Pitum). Com dezenas de ilustrações de página inteira. Brochado. 106-(6) páginas. 22 x 17 cm. Capa com pequenos defeitos e um rabisco de esferográfica, pouco incomodativo. Miolo limpo. Mantém-se um bom exemplar, de uma obra invulgar [e cujo contexto o autor explicou aqui]. Funchal: Edição do autor, 1970.

Preço: 35 euros.


 


O TRAJO DO ARQUIPÉLAGO DA MADEIRA


VISCONDE DO PORTO DA CRUZ


«Os homens conservam os fatos de serguilha a que adicionaram já o casaco da mesma fazenda, para os dias festivos, o barrete de lã com orelhas ou o chapéu preto redondo e com abas largas. (…) Algumas mulheres dos campos, mais próximos da cidade ou das grandes vilas da Madeira, já usam mantilhas de renda escura para a missa ou para as festas, tendo abandonado os lenços, os chailes e a bota-chã

Opúsculo ilustrado a preto, no texto, e com uma estampa colorida em extra-texto: «florista madeirense com o trajo regional». [2]-15-(1) páginas. 23 x 16 cm. Bom estado. Impresso em Aveiro. Edição do Autor, 1954.

Preço: 17 euros.


 


UMA HORA D’ANTO


FELICIANO SOARES


No Funchal – Ilha da Madeira, na inauguração do busto do Poeta, pela Câmara Municipal. Com informação sobre a vida de António Nobre, particularmente os dezoito meses que passou na Madeira, e fotografias (da casa onde habitou, reprodução de um autógrafo que deixou, etc.).

Exemplar com dedicatória sentida de Feliciano Soares, «para a querida Purificação», datada de Maio de 1942, na página de guarda.

Ilustrado com fotografias, e fac-similes de manuscritos. Brochado [4]-41-(3) páginas. 24,3 x 17,5 cm. Ocasional foxing. Bom estado geral. Edição da Câmara Municipal do Funchal, 1941.

Preço: 24 euros.


 


NACIONALISMO E NACIONALISTAS NA MADEIRA NOS ANOS TRINTA (1928-1936)


EMANUEL JANES


Dissertação de Mestrado em História Contemporânea na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Com capítulos dedicados a Fernão Favila Vieira, Manuel de Gouveia e Freitas, Luís Viera de Castro e Ernesto Gonçalves, entre outros.

Ilustrado. Brochado. 260 páginas. 23 x 16 cm. Bom estado. Colecção Memórias, n.º 16. Funchal: Secretaria Regional do Turismo e Cultura / Centro de Estudos de História do Atlântico, 1997.

Preço: 15 euros.


 


ACHAS NA AUTONOMIA

VIAGEM AO INTERIOR DA FLAMA

LUÍS CALISTO


Revista ilustrada de 288 páginas e 29,5 x 25 (x 1) cm. Design de José Miguel Araújo e coordenação fotográfica de Rui Marote. Fotografia de Rui Marote, Manuel Nicolau, Agostinho Spínola e Artur Campos. Exemplar assinado com dedicatória datada de «95». Bom estado. Edição especial do Diário de Notícias da Madeira, Agosto de 1995.

Preço: 22 euros.


 


RIFONEIRO PORTUGUÊS


PEDRO CHAVES


2.ª edição, com «mais 3000 rifões» relativamente à primeira. Prefácio do autor inclui o prefácio da primeira edição. Brochado. 452 páginas. 20 x 13 cm. Marcas de uso ligeiras. Bom estado geral. Colecção Folclore e Pedagogia, n.º 3. Porto: Editorial Domingos Barreira, [1945].

Preço: 30 euros.


 


FALARES DA ILHA

DICIONÁRIO DA LINGUAGEM POPULAR MADEIRENSE


ABEL MARQUES CALDEIRA


2.ª edição, com cerca de 1000 novos vocábulos e expressões. Prefácio de Emanuel Paulo Ramos e estudo linguístico de José Neves Henriques. Brochado. 248 páginas. 20,5 cm x 14,5 cm. Capa com ligeiras marcas de uso. Bom estado geral. Funchal (Madeira): Editorial Eco do Funchal, 1993.

Preço: 18 euros.


 


TEMAS HISTÓRICOS MADEIRENSES


JOEL SERRÃO


Abrange o período histórico desde o início da colonização, em 1425, até 1640. Capa com pormenor do livro de receitas da Misericórdia do Funchal.

Brochado, 147-(1) páginas e 21 cm x 15 cm. Em bom estado. Colecção Atlântica n.º 2. Funchal: Região Autónoma da Madeira / Secretaria Regional do Turismo, Cultura e Emigração / Centro de Estudos de História do Atlântico, 1992.

Preço: 17 euros.


 


O REGIMENTO DE FORTIFICAÇÃO DE D. SEBASTIÃO
(1572)
E A CARTA DA MADEIRA DE BARTOLOMEU JOÃO
(1654)


RUI CARITA


Por outro lado, este trabalho de História Regional, debruçando-se sobre o Regimento de Fortificação de D. Sebastião de 1572, encontra-se de alguma forma ligado também ao edifício do colégio dos Jesuítas, mandado construir pelo mesmo rei e cuja traça deve ser, pelo menos em parte, da autoria do então Mestre das Obras Reais, Mateus Fernandes, igualmente responsável pela fortificação da Ilha, nestes finais do séc. XVI e o executor do regimento de que trata este trabalho.
[da Introdução]

«Trabalho para a Cadeira de História Moderna de Portugal, Faculdade de Letras de Lisboa, Curso de História, Professor Doutor Francisco Sales Loureiro.» Apresentação de Eduardo António Brazão de Castro (Secretário Regional da Educação). Brochado. 172-(4) páginas. 23,5 x 16,5 cm. Bom estado. Funchal: Centro de Apoio Universitário do Funchal, 1984.

Preço: 20 euros.


 


MADEIRA
THE ISLAND VINEYARD


NOËL COSSART


Noël Cossart was born in Madeira in 1907. He has devoted his life to the study of the island, its history, climate, flora and wines, about which he probably knows more than anyone else alive.
[da Contracapa]

Primeira edição. História do Vinho da Madeira (interligada à da própria ilha) por um profundo conhecedor do tema. Prefácio da autoria de três membros da Associação Comercial e Industrial do Funchal. Na capa reproduz-se uma ilustração do século XIX da baía do Funchal.

Ilustrado com fotografias, quadros, reprodução de pinturas, gravuras e vários outros documentos. De destacar a reprodução de um mapa da Madeira de 1351 e de um mapa actual, desdobrável, no final da obra. Brochado. 199-(1) páginas. 24,5 x 18,8 cm. Capa com ligeiras marcas de uso, miolo em bom estado. London: Christie’s Wine Publications, 1984.

Preço: 25 euros.


 


TERRA ATLÂNTIDA

IMPRESSÕES DA MADEIRA


EDMUNDO TAVARES


Exemplar assinado pelo autor com dedicatória a Alberto José Pessoa, de arquitecto para arquitecto, datada de 1950.

Ilustrado. Brochado. 107 páginas. 24,3 x 16,5 cm. Capa com ligeiro desgaste nas margens, e lombada amarelecida. No geral, um bom exemplar, com uma dedicatória invulgar. Lisboa: Bertrand (Irmãos) Lda., 1948.

Preço: 35 euros.



VIAGEM EM PORTUGAL

1798-1802


CARL ISRAEL RUDERS


«Não conheço livro escrito por forasteiro acerca do nosso país, onde Portugal e os portugueses sejam observados e descritos com maior objectividade e mais leal propósito de equidade.» [Prefácio, p.7]

Tradução de António Feijó. Prefácio e notas de Castelo Branco Chaves. Capa de António Pedro. Brochado. 406 páginas. 24,5 x 17 cm. Mínimas marcas de uso exteriores. Bom estado geral. Série Portugal e os Estrangeiros. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1981.

Preço: 25 euros.


 


O PORTUGAL DE D. JOÃO V VISTO POR TRÊS FORASTEIROS


Tradução, prefácio e notas de Castelo Branco Chaves, que desvenda três curiosas publicações em língua francesa, de difícil acesso, publicadas em Paris, Amsterdão e Milão, descrevendo Lisboa e alguns pontos do País (Cascais, Coimbra, Mondego, Zêzere, Tejo, Serra da Estrela, Elvas, Estremoz, Vendas Novas, Montemor, Aldeia Galega, Mafra, etc.), nas duas décadas anteriores ao Terramoto de 1755.

Brochado. 281-(17) páginas. 24,5 x 16,5 cm. Bom estado geral. Série Portugal e os Estrangeiros. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1983.

Preço: 25 euros.


 


A LENDA DO PINTOR DRALIA


F. A. GARCEZ TEIXEIRA


[Garcez Teixeira pretende demonstrar a inexistência do pintor flamengo João Dralia, activo em Tomar no final do século XV, localizando a origem do erro num texto do Visconde de Juromenha.]

Exemplar n.º 80 de uma tiragem restrita de 150. Brochura. 19 páginas + 1 desdobrável com várias interpretações do epitáfio transcrito por Juromenha. 26 x 19,5 cm. Papel superior. Bom estado. Série Contribuições para a História das Artes em Portugal, I. Lisboa: Tipografia do Comércio, 1922.

Preço: 22 euros.


 


RAÚL XAVIER — ESCULTOR


OLDEMIRO CÉSAR


Com 56 reproduções do trabalho do artista, incluindo os baixos-relevos para a Exposição do Mundo Português; as alegorias da escadaria da Assembleia da República; as estátuas de Camilo e a de Wenceslau de Moraes; os bustos de António Sardinha, Fidelino de Figueiredo, Bissaia Barreto; ou o retrato de Beldemónio.

Com uma caricatura de Arnaldo Ressano. Brochado. 52-[62] páginas. 23,5 x 16,5 cm. Bom estado. Colecção Artistas Portugueses. Lisboa: [s.e.], 1943.

Preço: 20 euros.


 


A ARTE DO MOSAICO

COMPÊNDIO HISTÓRICO-TÉCNICO DA ARTE MUSIVA


ALFREDO MUCCI


História e Técnica. Apresentação de Ricardo Averini. Ilustrado a preto e a cor. 199-(5) páginas. 24,3 x 18 cm. Encadernação editorial. Bom estado. Invulgar. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1962.

Preço: 35 euros.


 


WILLIAM SHAKESPEARE


algumas traduções portuguesas


A COMÉDIA DOS EQUÍVOCOS
COMÉDIA EM 5 ACTOS
WILLIAM SHAKESPEARE
«Traduzido directamente do original inglês». Tradução de Henrique Braga. Volume das Obras de William Shakespeare, editadas pela Lello, com um retrato do dramaturgo em couché, a par do rosto. Brochado. 182-(2) páginas. 19,3 x 12,4 cm. Bom estado. Porto: Lello & Irmão, [s.d.].
Preço: 10 euros.

A TRAGÉDIA DE CORIOLANO
WILLIAM SHAKESPEARE
Tradução e nota introdutória de Manuel Resende. Posfácio de Jorge SIlva Melo. Tradução estreada a 31 de Janeiro de 1998 no Rivoli — Teatro Municipal do Porto, com encenação de Jorge Silva Melo e telões de Eduardo Batarda. Brochado. 187 páginas. 21 x 14,5 cm. Manuseado. Bom estado geral. Porto: Edições Afrontamento, 1998.
Preço: 10 euros.

BEM ESTÁ O QUE BEM ACABA
COMÉDIA EM 5 ACTOS
WILLIAM SHAKESPEARE
«Tradução directa da edição de Collins». Prólogo e tradução de Henrique Braga. Volume das Obras de William Shakespeare, editadas pela Lello, com um retrato do dramaturgo em couché, a par do rosto. Brochado. 202-(2) páginas. 19,3 x 12,4 cm. Leve foxing. Bom estado geral. Porto: Lello & Irmão, 1948.
Preço: 10 euros.

CANSEIRAS DE AMOR BALDADAS
COMÉDIA EM 5 ACTOS
WILLIAM SHAKESPEARE
«Tradução directa da edição de Collins». Tradução de Henrique Braga. Volume das Obras de William Shakespeare, editadas pela Lello, com um retrato do dramaturgo em couché, a par do rosto. Brochado. 199 páginas. 19,3 x 12,4 cm. Capa com manchas leves, marginais. Lombada amarelecida. Porto: Lello & Irmão, 1948.
Preço: 10 euros.

CONTO DE INVERNO
COMÉDIA-DRAMA EM 5 ACTOS
WILLIAM SHAKESPEARE
«Traduzido directamente da edição de Collins, a mais conforme com a célebre Cambridge Shakespeare». Prólogo e tradução de Henrique Braga. Volume das Obras de William Shakespeare, editadas pela Lello, com um retrato do dramaturgo em couché, a par do rosto. Brochado. 196 páginas. 19,3 x 12,4 cm. Amarelecido. Marcas superficiais de bicho de papel junto à margem inferior da capa. Porto: Lello & Irmão, 1955.
Preço: 12 euros.

CYMBELINE
DRAMA ROMÂNTICO EM 5 ACTOS
WILLIAM SHAKESPEARE
«Traduzido da edição de Collins». Prólogo e tradução de Henrique Braga. Volume das Obras de William Shakespeare, editadas pela Lello, com um retrato do dramaturgo em couché, a par do rosto. Brochado. 240 páginas, por abrir. 19,3 x 12,4 cm. Bom estado geral. Porto: Lello & Irmão, [s.d.].
Preço: 10 euros.

MACBETH
WILLIAM SHAKESPEARE
«Representado provavelmente em 1606. Impresso pela primeira vez em 1623. Tradução do Dr. Domingos Ramos.» Volume das Obras de William Shakespeare, editadas pela Lello, com um retrato do dramaturgo em couché, a par do rosto. Brochado. 210 páginas, por abrir. 19,3 x 12,4 cm. Lombada levemente amarelecida. Bom estado geral. Porto: Lello & Irmão, 1979.
Preço: 10 euros.

MUITO BARULHO POR NADA
COMÉDIA EM 5 ACTOS
WILLIAM SHAKESPEARE
«Traduzido directamente da edição inglesa de William Collins, a mais conforme com a célebre edição de Canterbury, por Henrique Braga.» Revista por João Grave. Prólogo de Henrique Braga. Volume das Obras de William Shakespeare, editadas pela Lello, com um retrato do dramaturgo em couché, a par do rosto. Brochado. 191 páginas. 19,3 x 12,4 cm. Ligeiro foxing marginal na capa. Porto: Lello & Irmão, [s.d.].
Preço: 10 euros.

NOITE DOS REIS OU O QUE QUISERDES
COMÉDIA EM 5 ACTOS
WILLIAM SHAKESPEARE
«Traduzido directamente da edição inglesa de Collins, a mais conforme com a célebre edição de Canterbury, por Henrique Braga.» Revista por João Grave. Prólogo de Henrique Braga. Volume das Obras de William Shakespeare, editadas pela Lello, com um retrato do dramaturgo em couché, a par do rosto. Brochado. 238-(2) páginas. 19,3 x 12,4 cm. Bom estado. Porto: Lello & Irmão, [s.d.].
Preço: 10 euros.

O REI HENRIQUE VIII
TRAGÉDIA EM CINCO ACTOS
WILLIAM SHAKESPEARE
«Tradução da edição Cassell por Henrique Braga». Volume das Obras de William Shakespeare, editadas pela Lello, com um retrato do dramaturgo em couché, a par do rosto. Brochado. 185-(7) páginas. 19,3 x 12,4 cm. Bom estado. Porto: Lello & Irmão, 1955.
Preço: 15 euros.

OS DOIS CAVALHEIROS DE VERONA
COMÉDIA
WILLIAM SHAKESPEARE
«Tradução directa da edição de Collins por Henrique Braga». Volume das Obras de William Shakespeare, editadas pela Lello, com um retrato do dramaturgo em couché, a par do rosto. Brochado. 221-(3) páginas. 19,3 x 12,4 cm. Bom estado. Porto: Lello & Irmão, [s.d.].
Preço: 15 euros.

OS DOIS PARENTES NOBRES
WILLIAM SHAKESPEARE
JOHN FLETCHER
Tradução de Énio Ramalho. Volume das Obras de William Shakespeare, editadas pela Lello, com um retrato do dramaturgo em couché, a par do rosto. Brochado. 231 páginas. 19,3 x 12,4 cm. Bom estado. Porto: Lello & Irmão, 1974.
Preço: 15 euros.

OTELO
WILLIAM SHAKESPEARE
«Impresso pela primeira vez em 1862. Representado em 1604. Tradução do Dr. Domingos Ramos.» Volume das Obras de William Shakespeare, editadas pela Lello, com um retrato do dramaturgo em couché, a par do rosto. Brochado. 272 páginas, por abrir. 19,3 x 12,4 cm. Bom estado geral. Porto: Lello & Irmão, 1974.
Preço: 15 euros.

PÉRICLES, PRÍNCIPE DE TIRO
DRAMA ROMÂNTICO
WILLIAM SHAKESPEARE
«Traduzido directamente da edição inglesa de William Collins, a mais conforme com a célebre Cambridge Shakespeare». Prólogo e tradução de Henrique Braga, revista por João Grave. Volume das Obras de William Shakespeare, editadas pela Lello, com um retrato do dramaturgo em couché, a par do rosto. Brochado. 189-(3) páginas. 19,3 x 12,4 cm. Bom estado. Porto: Lello & Irmão, [s.d.].
Preço: 15 euros.

RICARDO III
DRAMA HISTÓRICO EM CINCO ACTOS
WILLIAM SHAKESPEARE
Tradução de D. Luiz de Bragança. Prefácio de Vieira de Almeida. Volume da tiragem especial das Obras de William Shakespeare, editadas pela Lello. De 266 páginas e 25,5 x 19 cm. Encadernação editorial gravada. Miolo em papel superior, sem manchas. Com capas de brochura. Bom estado. Porto: Lello & Irmão, 1956.
Preço: 25 euros.

VIDA E MORTE DE EL-REI RICARDO II
(TRAGÉDIA)
WILLIAM SHAKESPEARE
«Traduzido directamente da edição inglesa de William Collins, a mais conforme com a célebre Cambridge Shakespeare». Prólogo e tradução de Henrique Braga. Volume das Obras de William Shakespeare, editadas pela Lello, com um retrato do dramaturgo em couché, a par do rosto. Brochado. VIII-186 páginas. 19,3 x 12,4 cm. Bom estado. Porto: Lello & Irmão, 1948.
Preço: 12 euros.