VIAGEM EM PORTUGAL

1798-1802


CARL ISRAEL RUDERS


«Não conheço livro escrito por forasteiro acerca do nosso país, onde Portugal e os portugueses sejam observados e descritos com maior objectividade e mais leal propósito de equidade.» [Prefácio, p.7]

Tradução de António Feijó. Prefácio e notas de Castelo Branco Chaves. Capa de António Pedro. Brochado. 406 páginas. 24,5 x 17 cm. Mínimas marcas de uso exteriores. Bom estado geral. Série Portugal e os Estrangeiros. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1981.

Preço: 25 euros.


 


O PORTUGAL DE D. JOÃO V VISTO POR TRÊS FORASTEIROS


Tradução, prefácio e notas de Castelo Branco Chaves, que desvenda três curiosas publicações em língua francesa, de difícil acesso, publicadas em Paris, Amsterdão e Milão, descrevendo Lisboa e alguns pontos do País (Cascais, Coimbra, Mondego, Zêzere, Tejo, Serra da Estrela, Elvas, Estremoz, Vendas Novas, Montemor, Aldeia Galega, Mafra, etc.), nas duas décadas anteriores ao Terramoto de 1755.

Brochado. 281-(17) páginas. 24,5 x 16,5 cm. Bom estado geral. Série Portugal e os Estrangeiros. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1983.

Preço: 25 euros.


 


CÂNTICOS


JOSÉ DA SILVA MENDES LEAL JUNIOR


Poesia. Com (8)+404+(4) páginas, e 20,5 x 14 cm. Encadernação com a lombada em pele, em bom estado geral. Sem capas de brochura. Miolo aparado, com ocasionais manchas, nas primeiras e últimas páginas. Assinatura de posse na folha de rosto, onde figura um selo branco da Livraria de Campos Júnior. Lisboa: Typographia do Panorama, 1858.

Preço: 30 euros.


 

Mendes Leal [n. Lisboa, 1818 — f. Sintra, 1886] foi jornalista, dramaturgo, funcionário da Biblioteca Nacional, sócio da Academia de Ciências, deputado e ministro.


 


MADRID EM CHAMAS

( IMPRESSÕES VIVIDAS EM ESPANHA )

Z. VILLALBA


A visão da Guerra Civil de Espanha que convinha ao Estado Novo, donde o prefácio de Marcelo Caetano, que elogia no autor o hábito «à disciplina dos factos e das normas», e ser «profissionalmente avesso à deformação literária da realidade», isto perante «os monstros da revolução pseudo-proletária» e os «frios algozes comunistas».

Trata-se de uma «tradução livre», pelo octogenário «Dr. Eduardo de Castro e Almeida», de um «manuscrito» de «um homem de leis, eminente no fôro madrileno». Villalba, Z. será então um pseudónimo? Existe o manuscrito? Nas décadas anteriores, Castro e Almeida (n. 1865), que foi primeiro conservador da Biblioteca Nacional, tornara-se uma autoridade na catalogação de manuscritos em arquivos públicos nacionais.

Capa não assinada. Em brochura e em bom estado, salvo vinco (pouco profundo) de leitura na lombada. 161+(1) páginas. 19 x 12 cm. Sem menção de editor, mas com a referência de ter sido composto e impresso na secção de «Linotypes» d’O Jornal do Comércio e das Colónias [orgão de imprensa alinhado com a ditadura], em Lisboa, 1936.

em conjunto com:

VINGANÇA, de ALFREDO MARQUES. Novela operária. Capa não-assinada. 158+(2) páginas. 19,5 x 13,5 cm. Lisboa: Editorial Hercules, 1933. Capas e lombada cansadas e com defeitos. Pequena assinatura de posse no interior do ante-rosto. Miolo no geral limpo.

Preço (do conjunto: 25 euros.