VIAGEM EM PORTUGAL

1798-1802


CARL ISRAEL RUDERS


«Não conheço livro escrito por forasteiro acerca do nosso país, onde Portugal e os portugueses sejam observados e descritos com maior objectividade e mais leal propósito de equidade.» [Prefácio, p.7]

Tradução de António Feijó. Prefácio e notas de Castelo Branco Chaves. Capa de António Pedro. Brochado. 406 páginas. 24,5 x 17 cm. Mínimas marcas de uso exteriores. Bom estado geral. Série Portugal e os Estrangeiros. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1981.

Preço: 25 euros.


 


O PORTUGAL DE D. JOÃO V VISTO POR TRÊS FORASTEIROS


Tradução, prefácio e notas de Castelo Branco Chaves, que desvenda três curiosas publicações em língua francesa, de difícil acesso, publicadas em Paris, Amsterdão e Milão, descrevendo Lisboa e alguns pontos do País (Cascais, Coimbra, Mondego, Zêzere, Tejo, Serra da Estrela, Elvas, Estremoz, Vendas Novas, Montemor, Aldeia Galega, Mafra, etc.), nas duas décadas anteriores ao Terramoto de 1755.

Brochado. 281-(17) páginas. 24,5 x 16,5 cm. Bom estado geral. Série Portugal e os Estrangeiros. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1983.

Preço: 25 euros.


 


SUBSÍDIOS PARA A BIBLIOGRAFIA DA HISTÓRIA LOCAL PORTUGUESA


BIBLIOTECA NACIONAL


Catálogo bibliográfico de monografias de localidades (digitalizado aqui). Nota prefacial do director da Biblioteca Nacional, A. Botelho da Costa Veiga. Introdução de António Mesquita de Figueiredo.

Brochado. xii,425 páginas. 22,8 x 16,3 cm. Bom estado. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1933.

Preço: 24 euros.


 


ESTUDOS BIOGRAPHICOS

OU NOTICIA DAS PESSOAS RETRATADAS NOS
QUADROS HISTORICOS PERTENCENTES À BIBLIOTHECA NACIONAL DE LISBOA

JOSÉ BARBOSA CANAES DE FIGUEIREDO CASTELLO-BRANCO


Bastas vezes citado por Inocêncio nos verbetes do Diccionario (e biobibliografado em IV:264-267), que sobre esta obra em particular anota:

A larga introducção de pag. xiv a lxxvi é uma espécie de quadro geral, ou resenha narrativa dos successos da egreja catholica, deduzida desde a creação do mundo conforme o texto bíblico, e trazida até os nossos dias. Falando verdade, fica tão bem collocada n’aquelle logar e n’aquella obra, como o ficaria em qualquer outra, para que o auctor a destinasse. Seguem-se as biographias, nas quaes apparecem suecessivamente arregimentados por ordem de hierarchias, sanetos, pontífices, bispos, presbyteros, e a final indivíduos seculares, ou leigos, na phrase do auctor. Entre estas personagens conta-se um bom numero de portuguezes, posto que uma grande parte, e talvez a maior, sejam estrangeiros. O auctor semêa por todo o livro notas, e reflexões, que não deixam de ser instructivas e curiosas, e mostram a sua erudição ecclesiastica, e as doutrinas e opiniões que professava em assumptos de padroado, concordatas, bullas, inquisição, jesuítas, etc, etc. Ha também varias noticias topographicas e da historia ecclesiastica de algumas cidades e povoações, tanto do continente de Portugal, como dos domínios ultramarinos.

Contém índices onomástico, topográfico e genealógico, no final.

Sólido fólio de (2),lxxvi,317,(13) págs. e 33,7 x 23,5 cm, em encadernação sintética moderna, sem capas de brochura, com marcas de restauro marginal no ante-rosto e rosto e ínfima assinatura de posse junto à margem superior do ante-rosto, esvanecida, datada de 1903. Miolo limpo. No geral, bom exemplar. Lisboa: na loja do editor F. A. Silva, 1854.

Preço: 95 euros.



EXAMES PERICIAES NO CADAVER DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA

DR. SIDÓNIO PAES

NO VESTUARIO E NA ARMA AGGRESSORA

ASDRÚBAL D’AGUIAR


Separata dos Archivos do Instituto de Medicina Legal de Lisboa, Série B, volume V. Ilustrado com fotografias e desenhos em XVI estampas couché no final do volume.

Brochado. 64,[XVI] páginas. 26,5 x 20 cm. Assinatura de posse junto à base do ante-rosto. Mínimas imperfeições exteriores. Bom estado geral. Lisboa: Oficinas Gráficas da Biblioteca Nacional, 1921.

Preço: 45 euros (reservado).


 


FERNANDO PESSOA NO SEU TEMPO


EDUARDO LOURENÇO (coord.)


Coordenação de Eduardo Lourenço e António Braz de Oliveira, com a colaboração de Manuela Rego, João Rui de Sousa, José Carlos González, e outros.

Edição complementar à exposição do primeiro centenário do nascimento do poeta, na Biblioteca Nacional, com catálogo e iconografia, e ensaios de Manuel Villaverde Cabral, Ángel Crespo, Maria Aliete Galhoz, Cleonice Bernardelli, Fernando Guimarães, José Blanco e Luciana Stegagno Picchio. Inclui inéditos. Ilustrado a preto e a cor.

Brochado. 205,(3) páginas. 24 x 17 cm. Miolo em couché. Bom estado. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1988.

Preço: 17 euros.


 


A NOITE DE NATAL


RAUL BRANDÃO
JÚLIO BRANDÃO


Leitura, introdução e notas por José Carlos Seabra Pereira, seguido de um estudo sobre Júlio Brandão.

Brochado. 249,(7) páginas. 24 x 15 cm. Mínimas imperfeições. Bom estado geral. Edição conjunta IN-CM e Biblioteca Nacional, na Colecção Biblioteca de Autores Portugueses. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1981.

Preço: 12 euros.


 


CÂNTICOS


JOSÉ DA SILVA MENDES LEAL JUNIOR


Poesia. Com (8)+404+(4) páginas, e 20,5 x 14 cm. Encadernação com a lombada em pele, em bom estado geral. Sem capas de brochura. Miolo aparado, com ocasionais manchas, nas primeiras e últimas páginas. Assinatura de posse na folha de rosto, onde figura um selo branco da Livraria de Campos Júnior. Lisboa: Typographia do Panorama, 1858.

Preço: 30 euros.


 

Mendes Leal [n. Lisboa, 1818 — f. Sintra, 1886] foi jornalista, dramaturgo, funcionário da Biblioteca Nacional, sócio da Academia de Ciências, deputado e ministro.


 


MADRID EM CHAMAS

( IMPRESSÕES VIVIDAS EM ESPANHA )

Z. VILLALBA


A visão da Guerra Civil de Espanha que convinha ao Estado Novo, donde o prefácio de Marcelo Caetano, que elogia no autor o hábito «à disciplina dos factos e das normas», e ser «profissionalmente avesso à deformação literária da realidade», isto perante «os monstros da revolução pseudo-proletária» e os «frios algozes comunistas».

Trata-se de uma «tradução livre», pelo octogenário «Dr. Eduardo de Castro e Almeida», de um «manuscrito» de «um homem de leis, eminente no fôro madrileno». Villalba, Z. será então um pseudónimo? Existe o manuscrito? Nas décadas anteriores, Castro e Almeida (n. 1865), que foi primeiro conservador da Biblioteca Nacional, tornara-se uma autoridade na catalogação de manuscritos em arquivos públicos nacionais.

Capa não assinada. Em brochura e em bom estado, salvo vinco (pouco profundo) de leitura na lombada. 161+(1) páginas. 19 x 12 cm. Sem menção de editor, mas com a referência de ter sido composto e impresso na secção de «Linotypes» d’O Jornal do Comércio e das Colónias [orgão de imprensa alinhado com a ditadura], em Lisboa, 1936.

em conjunto com:

VINGANÇA, de ALFREDO MARQUES. Novela operária. Capa não-assinada. 158+(2) páginas. 19,5 x 13,5 cm. Lisboa: Editorial Hercules, 1933. Capas e lombada cansadas e com defeitos. Pequena assinatura de posse no interior do ante-rosto. Miolo no geral limpo.

Preço (do conjunto: 25 euros.