O PORTO DE LISBOA

ESTUDO DE HISTÓRIA ECONÓMICA

seguido de CATÁLOGO BIBLIOGRÁFICO E ICONOGRÁFICO

Álbum monumental ilustrado com inúmeros extra-textos fotográficos, impressos em heliocromia (protegidos por papel vegetal) e rotogravura, e diversos gráficos e mapas desdobráveis, incluindo a planta de toda a extensão do Porto de Lisboa, fronteira extensa entre a cidade e o rio.

Encadernação editorial com sobrecapa. 405,[38],(7) páginas. 33,8 x 28,5 cm. Bom estado geral. Edição da Administração-Geral do Porto de Lisboa, por ocasião do Quinto Centenário do Infante D. Henrique, 1960.

em conjunto com:

Gravura original assinada a lápis, com uma representação do edifício sede do Porto de Lisboa em 1917 — uma esquina icónica no Cais do Sodré. Emoldurada. Moldura: 22 x 27 cm. Imagem: 8 x 13 cm. Pequena mancha num canto do papel não impresso, junto à moldura, longe da imagem. Bom estado geral. Sem data.

Conjunto invulgar.

Preço: 125 euros.


 


A ARQUITECTURA RELIGIOSA DE PONTA DELGADA NOS SÉCULOS XVI A XVIII


NESTOR DE SOUSA


Ilustrado com dezenas de fotografias, a preto, e, no final do volume, um «Apenso Gráfico» com 15 desenhos, fac-similes, projectos, plantas e mapas desdobráveis, de diferentes medidas.

Brochado. 484,(1),[15] páginas couché. 24,5 x 17,4 cm. Miolo limpo. No exterior, falhas superficiais de papel em vários pontos da orla e arestas da lombada, e na margem superior da capa frontal. Mantém-se um exemplar sólido e interessante. Ponta Delgada: Universidade dos Açores, 1986.

Preço: 45 euros.


 

Surrealismo-em-Portugal-1934-1952


SURREALISMO EM PORTUGAL
1934-1952


María Jesús Ávila
Perfecto E. Cuadrado


Uma das principais obras de referência para o estudo da história do “surrealismo português”, nas suas manifestações pictóricas, escultóricas, literárias e performativas. Edição conjunta do Museu do Chiado e do Museo Extremeño e Iberoamericano de Arte Contemporáneo, aquando da exposição com o mesmo título, que passou por ambos os museus e pela Fundação Cupertino de Miranda, em 2001.

Notas introdutórias de José Sasportes, Raquel Henriques da Silva, Pedro Lapa, e outros. Álbum com (20)+456 páginas, e 24 x 30 cm. Encadernação editorial. Em muito bom estado.

Preço: 145 euros.


 


CICLO DE CINEMA DE
FICÇÃO CIENTÍFICA

1984: “O Futuro é já Hoje?”


João Bénard da Costa (org.)


Marcando o ano “fatídico” que Orwell imaginara quarenta anos antes, a Gulbenkian e a Cinemateca Portuguesa juntaram-se em 1984 para um épico ciclo de filmes de Ficção Científica. O catálogo que daí resultou poderá bem ser uma das melhores edições jamais dedicadas ao género e, certamente, um dos mais impressionantes livros feitos em Portugal. [ler aqui]

Direcção literária de João Bénard da Costa. Direcção gráfica de Fernando de Azevedo. Textos de John Baxter, Olivier Assayas, Trindade Santos, João Manuel Barreiros e Alberto Vaz da Silva. 516 páginas, algumas desdobráveis. 30,5 x 22,5 cm. Encadernação editorial gravada a ouro, com sobrecapa. Em muito bom estado de conservação. Tiragem de 2000 exemplares, esgotada na primeira semana. Edição conjunta Cinemateca Portuguesa / Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1984.

Um objecto invulgar.

Preço: 135 euros.


 


DESENHOS RECUPERADOS


LAGOA HENRIQUES


Catálogo da exposição na Galeria de Arte Moderna da SNBA, com os “desenhos recuperados” de um incêndio no atelier do artista. Os desenhos intactos foram cedidos por José Carlos Ary dos Santos, José Saramago, Isabel da Nóbrega e José Duarte Tinoco. Inclui um poema inédito de Eugénio de Andrade e um texto introdutório de Rocha de Sousa. Fotografias de Mário Cabrita Gil.

Com dedicatória autógrafa de Lagoa Henriques na página de rosto.

Brochado. Ilustrado a preto e a cor. 76 páginas (inum.). 25 x 20 cm. Capa com mínimo desgaste nas arestas. Miolo em papel couché. Bom estado. Lisboa: Sociedade Nacional de Belas Artes, [1972].

Preço: 50 euros.


 


JOÃO VIEIRA

— CATÁLOGOS DE EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS DE PINTURA —


LIMITES
Catálogo ilustrado da exposição na Galeria Valbom, em Lisboa, em 2000. Texto de Bernardo Pinto de Almeida. Exemplar assinado pelo pintor com dedicatória [«Para a Hermínia»]. Com 72 páginas e 28,5 x 22,5 cm. Bom estado. Tiragem de 700 exemplares. Lisboa: Galeria Valbom, 2000.
Preço: 25 euros.

PINTURAS RECENTES
Catálogo ilustrado da exposição na Galeria Valbom, em Lisboa, em 2002. Textos doe João Vieira, Raquel Henriques da Silva, Helder Macedo e João Fernandes. Exemplar assinado pelo pintor com dedicatória [«Para a Hermínia, Viva o Teatro!»]. Com 40 páginas e 28,5 x 22,5 cm. Bom estado. Tiragem de 500 exemplares. Lisboa: Galeria Valbom, 2002.
Preço: 30 euros.

NÃO-PINTURA
Catálogo ilustrado da exposição na Casa da Cerca — Centro de Arte Contemporânea, em Almada, integrada no Festival de Teatro de Almada 2008. Com textos de Emília Ferreira (“Olho Vivo e Mão Ligeira”), e Joaquim Benite. Com 55 páginas, e 27,5 x 21 cm. Bom estado. Almada: Casa da Cerca, 2008.
Preço: 15 euros.

NO PRINCÍPIO ERA O VERBO
Catálogo ilustrado da exposição por ocasião da 1.ª Bienal Internacional de Artes Plásticas e IX edição do Prémio Vespeira, organização da Câmara Municipal do Montijo, em 2008. Textos de Jaime Silva, João Vieira e Paulo Simões Rodrigues. Tiragem de 500 exemplares. 40 páginas. 27 x 21 cm. Lombada descolorada. Bom estado geral. Montijo: Galeria Municipal, 2008.
Preço: 15 euros.


 


CATALOGUE RAISONNÉ


JÚLIO POMAR


Dois únicos volumes publicados.

CATALOGUE RAISONNÉ I Peintures, Fers et Assemblages 1942 – 1968.
Com ensaios críticos de Alexandre Pomar e Marcelin Pleynet. Encadernação editorial em tela, com sobrecapa. 337 páginas. 29,7 x 27,5 (x 3,1) cm. Selado, como novo. Paris: Éditions De La Différence, 2004.

CATALOGUE RAISONNÉ II Peintures et Assemblages 1968 – 1985.
Com ensaios críticos de Raquel Henriques da Silva e Michel Waldberg. Encadernação editorial em tela, com sobrecapa. 340 páginas. 29,7 x 27,5 (x 3,5) cm. Selado, como novo. Paris: Éditions de la Différence, 2001

Preço (do conjunto): 60 euros.


 


SUBSÍDIOS PARA O

INVENTÁRIO ARTÍSTICO DOS AÇORES


FRANCISCO ERNESTO DE OLIVEIRA MARTINS


Igreja a igreja, casa a casa… Primeiro tentame sistemático de um inventário histórico-global da arte e do artesanato no arquipélago: mobiliário, pintura, escultura, arquitectura religiosa, civil e militar, faiança, porcelana, marfim, colchas e bordados, etc.

Catálogo em papel couché, ilustrado com centenas de fotografias da autoria de Francisco Reis Maduro Dias, Guillon, João Soares de Ávila, José Leite, Mário Corvelo de Freitas, Norberto Ávila, Veríssimo Salvador, Foto Iris e Foto Nóbrega.

Brochado. 449 páginas. 29,5 x 21 cm. Capa frontal com pequenas falhas de verniz  nas margens superior e inferior. Lombada com ténues vincos de leitura. Miolo limpo. Mantém-se um bom exemplar. Angra do Heroísmo: Secretaria Regional de Educação e Cultura / Direcção Regional dos Assuntos Culturais, 1980.

Figura no rosto dedicatória-autógrafa de Francisco Ernesto de Oliveira Martins, acompanhada de um postal-convite, para o casamento de uma familiar, ilustrado com um par de bonecos de trapos (noivos) da colecção pessoal do autor.

Preço: 50 euros.


 


JOSÉ FRANCISCO DE PAIVA

ENSAMBLADOR E ARQUITECTO DO PORTO

(1744-1824)

MARIA HELENA MENDES PINTO


Catálogo de mobiliário, arquitectura e ornamento, ilustrado a preto e a cor, com reproduções e impressão de qualidade superior.

Brochado com sobrecapa. 264 páginas. 24 x 20 cm. Bom estado. Edição do Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa, 1973.

Preço: 45 euros.


 


MUSEU DA REAL ASSOCIAÇÃO DOS ARCHITECTOS CIVIS E ARCHEOLOGOS PORTUGUEZES

(NO LARGO DO CARMO)

Actual Museu Aqueológico do Carmo. Mínima nota introdutória: meia página. Catálogo não ilustrado, transcreve algumas inscrições romanas. Selo de antiga biblioteca pessoal no interior e exterior da capa frontal. Algumas emendas a lápis, não-recentes.

58+(4) páginas. 19 x 12,5 cm. Capa manchada. Miolo (aparado) no geral limpo. Lisboa: Typographia Universal de Thomaz Quintino Antunes, impressor da Casa Real, 1876.

Preço: 14 euros.


 


ELEMENTOS PARA A HISTÓRIA
DO MUNICÍPIO DE LISBOA


EDUARDO FREIRE DE OLIVEIRA


Título e autor, tal qual figuram no rosto: Elementos para a História do Município de Lisboa, por Eduardo Freire de Oliveira, arquivista da Camara Municipal da mesma cidade. 1.ª PARTE. Publicação mandada fazer a expensas da Camara Municipal de Lisboa, para commemorar o centenario do Marquez de Pombal em 8 de Maio de 1882.

Mais de 10 mil páginas de documentos oficiais de algum modo relevantes, organizados cronologicamente e alusivos a séculos de assuntos invariavelmente díspares — as iguarias de um banquete celebratório, a colocação na prisão do Limoeiro do líder de uma «companhia de comediantes de Castella», a lista das pessoas de cada freguesia que se recusam a participar numa campanha de limpeza pública, a morte do rei —, num panorama que permite acompanhar os reflexos da política e da história do país nas várias decisões e questões do município d’esta cidade onde desde muito cedo esteve instalado um Governo demasiado centralista.

Temos assim «a carta regia que trouxe a communicação official da morte de Filippe II» (tomo II, quase todo dedicado ao “tempo dos Filipes”, pág. 590), «a ruína de Lisboa», no sábado 1 de Novembro de 1755 (tomo XVI, a partir da página 133, com lista e descrição sumária de abalos sísmicos anteriores, nomeadamente os de 1309, 1321, 1344, 1356, 1512, 1531, 1551, 1575, 1597, 1598, 1699 e 1724), a inauguração da estátua equestre de D. José (em parte citada aqui) ou a «consulta da Cammara a el-rei em 2 de julho de 1650», onde se propõem os nomes de «doze fidalgos, doze cidadãos e doze homens do povo» para «terem as chaves das quatro portas da cidade» (tomo V, p. 208, antecedendo em algumas páginas a lista exaustiva dos preços de venda de todo o tipo de animais para alimentação, indexados inteiros, em partes, e por género).

O primeiro documento transcrito no tomo I, que não o foral de 1179, data de 7 de Novembro de 1190, e o último documento transcrito no tomo XVII data de 23 de Agosto de 1777. Entre ambos, os diversos prefácios e as anotações constantes de Freire de Oliveira (1841-1916) desvelam e aprofundam as origens e importância dos textos que transcreve. Contém ainda algumas ilustrações, muito poucas, destacando-se a litografia da Divisa da Cidade, que abre o tomo X, ou a «planta litographada da sala das sessões do senado da camara de Lisboa, que acompanha a carta regia de 13 de Novembro de 1773» (tomo I, pág. 68).

[Para uma descrição mais detalhada da cronologia de cada tomo, consulte-se o artigo de António Miranda na Rossio n.º 1, de 2013. Como o plano cronológico da 1.ª parte da obra deveria ter prosseguido até ao ano do início da publicação (1882), suspeita-se que, além da nunca publicada 2.ª parte, também desta 1.ª parte terá ficado por publicar pelo menos um tomo, para o período 1777-1882.]

Obra completa (tudo quanto se publicou), em XVII tomos de 24,5 x 16,5 cm (66cm de estante), Lisboa: Typographia Universal, 1882-1911.

Tomo I, 1885, (12)+661+(5) págs. Tomo II, 1887, xiv+593+(2) págs. Tomo III, 1888, vi+584+(3) págs. Tomo IV, 1889, xii+628+(3) págs. Tomo V, 1891, vi+620+(3) págs. Tomo VI, 1893, ix+627+(2) págs. Tomo VII, 1894, cxii+466+(3) págs. Tomo VIII, 1896, vi+593+(3) págs. Tomo IX, 1898, vi+617+(4) págs. Tomo X, 1899, viii+595+(2) págs. Tomo XI, 1901, vi+632+(3) págs. Tomo XII, 1903, (10)+652+(3) págs. Tomo XIII, 1904, (6)+622+(3) págs. Tomo XIV, 1906, (6)+634+(3) págs. Tomo XV, 1906, (6)+630+(3) págs. Tomo XVI, 1910, xiv+567+(4) págs. Tomo XVII, 1911, (6)+622+(3) págs.

Acrescentam-se os dois volumes de índices, publicados cerca de 40 anos mais tarde: Índice dos «Elementos para a História do Município de Lisboa», por Esteves Rodrigues da Silva, sob a direcção de Jaime Lopes Dias, 2 vols., Lisboa: Câmara Municipal, 1942-1943. Com 396+578 páginas, e 22,5 x 17 cm. Capa do volume II com um rasgão restaurado. Páginas por abrir.

Todos os 19 volumes em brochura e 17 deles com as páginas por abrir. Bom estado geral, com não mais do que pequenos defeitos dispersos (muito ocasionais picos de humidade; algumas lombadas mais amarelecidas que outras; bicho de papel que atacou superficialmente a capa do tomo VI; e situações afins, de pouca monta).

Conjunto invulgar.

Preço: 440 euros.



 


MARCAS DE CONTRASTES
E OURIVES PORTUGUESES

DESDE O SÉCULO XV A 1950

MANUEL GONÇALVES VIDAL


Prefácio de Reinaldo dos Santos. Centenas de reproduções de marcas de contrastes e identificação cronológica e geográfica de ourives portugueses ao longo de cinco séculos. Uma referência preciosa para investigadores, estudantes, coleccionadores e comerciantes. Em brochura. Capa cansada. Lombada fendida, de uso prévio, mas perfeitamente manuseável. Miolo limpo. Com (8)+viii+560+(8) páginas, e 27,5 x 19 cm. Lisboa: Casa da Moeda, 1958.

Preço: 90 euros.