DOMINGOS ÀS SEXTAS-FEIRAS

LAMENTAÇÃO PARA PASSAR ÀS ESCURAS


A. GARRAIO


«Augusto Garraio está hoje quasi esquecido; o seu nome tem andado pouco pelos réclames dos jornaes; o seu retrato não anda por ahi em todas as publicações illustradas, como o de tantas nullidades. É preciso, porém, fazer-lhe justiça e recordar que Augusto Garraio foi um auctor dramatico festejadissimo, um magnifico traductor de peças, um ensaiador com muitas aptidões, superior mesmo á maioria dos que hoje andam pelos theatros.» Após bem sucedidas peças em Lisboa, no Gymnasio (1865) e no Variedades, «foi depois para o Porto e lá teve a sua melhor epocha de gloria; foi excellente ensaiador, foi director e emprezario do theatro Baquet, escreveu innumeras peças originaes, imitações e traducções, em todos os géneros. […] Se Augusto Garraio tivesse querido, ninguém no Porto faria mais fortuna em theatro.  Nunca teriam existido emprezas Alves Rente, Taveira e outras.»
[Sousa Bastos, aqui]

Original em verso. Representada pela primeira vez no Theatro da Rua dos Condes pelo Actor Queiroz na noite do seu benefício, em 1867. Preço 60 réis. Com 8 páginas (por abrir). 20,5 x 13 cm. Bom estado. Bibliotheca do Theatro Moderno n.º 3 (1868). Lisboa: Typographia de Gutierres, 1868.

Preço: 15 euros.


 


CARTEIRA DO ARTISTA


SOUZA BASTOS


Apontamentos para a Historia do Theatro Portuguez e Brazileiro acompanhados de notícias sobre os Principaes artistas, escritores dramaticos e compositores estrangeiros.

Jornalista e “homem do teatro” — empresário, director teatral, encenador e ensaiador, dramaturgo e dramatógrafo —, António de Sousa Bastos (1844-1911), marido da actriz Palmira Bastos, compilou esta grande e pequena história do teatro português seu contemporâneo, o do final do século XIX, com espaço para muito mais do que actores, dramaturgos e salas de teatro.

Os índices alfabéticos listam: actores portuguezes e brazileiros; actrizes portuguezas e brazileiras; aderecistas; architectos, auctores de figurinos e decoradores; artistas dramáticos estrangeiros; benemeritos do theatro; cabelleireiros de theatro; cantores portuguezes; companhias diversas; contraregras; curiosidades theatraes; decretos, portarias, tratados e outros documentos referentes ao theatro; diversos empregados de theatro; dramas, comedias, tragedias, operas-comicas, revistas e peças phantasticas notaveis pelo seu merecimento ou pelo sucesso que obtiveram; emprezarios theatraes; ensaiadores portuguezes e brazileiros; escriptores, dramaticos e criticos theatraes, portuguezes e brazileiros; escriptores dramaticos estrangeiros; guarda-roupas; machinistas; musicos estrangeiros; musicos portuguezes e brazileiros; operas e dansas; pontos; scenographos; theatros estrangeiros; e theatros portuguezes e brazileiros.

Esta espécie de enciclopédia caótica do teatro, repleta de pequenas gravuras, está inicialmente organizada cronológicamente, por dias e meses do ano: nascimentos de determinado actor, estreia de uma dada peça, abertura de uma nova sala, etc.
O dito calendário ocupa um pouco mais de metade do livro, bem organizada mas, a partir da página 475, a sucessão de apêndices, acrescentos, correções, adendas, novas informações, rectificações, ampliações e eventos sem data torna a pesquisa de informação uma curiosa aventura proto-hipertextual para a qual o índice de 30 páginas supra-citado é a peça chave.

Primeira edição. Lisboa: Antiga Casa Bertrand — José Bastos, Editor, 1899. Com 868 páginas, e 26 x 18,5 cm. Encadernação com lombada em pele, com ligeiro desgaste. Aparado. Conserva a capa de brochura anterior, uma litografia de Raphael Bordallo Pinheiro. Pequenas e inócuas marcas de bicho do papel em algumas páginas. Assinatura de posse no rosto. Exemplar interessante, sólido, em bom estado geral.

Preço: 90 euros.


 

Disponível online, digitalizado, aqui.