ELEMENTOS PARA A HISTÓRIA
DO MUNICÍPIO DE LISBOA


EDUARDO FREIRE DE OLIVEIRA


Título e autor, tal qual figuram no rosto: Elementos para a História do Município de Lisboa, por Eduardo Freire de Oliveira, arquivista da Camara Municipal da mesma cidade. 1.ª PARTE. Publicação mandada fazer a expensas da Camara Municipal de Lisboa, para commemorar o centenario do Marquez de Pombal em 8 de Maio de 1882.

Mais de 10 mil páginas de documentos oficiais de algum modo relevantes, organizados cronologicamente e alusivos a séculos de assuntos invariavelmente díspares — as iguarias de um banquete celebratório, a colocação na prisão do Limoeiro do líder de uma «companhia de comediantes de Castella», a lista das pessoas de cada freguesia que se recusam a participar numa campanha de limpeza pública, a morte do rei —, num panorama que permite acompanhar os reflexos da política e da história do país nas várias decisões e questões do município d’esta cidade onde desde muito cedo esteve instalado um Governo demasiado centralista.

Temos assim «a carta regia que trouxe a communicação official da morte de Filippe II» (tomo II, quase todo dedicado ao “tempo dos Filipes”, pág. 590), «a ruína de Lisboa», no sábado 1 de Novembro de 1755 (tomo XVI, a partir da página 133, com lista e descrição sumária de abalos sísmicos anteriores, nomeadamente os de 1309, 1321, 1344, 1356, 1512, 1531, 1551, 1575, 1597, 1598, 1699 e 1724), a inauguração da estátua equestre de D. José (em parte citada aqui) ou a «consulta da Cammara a el-rei em 2 de julho de 1650», onde se propõem os nomes de «doze fidalgos, doze cidadãos e doze homens do povo» para «terem as chaves das quatro portas da cidade» (tomo V, p. 208, antecedendo em algumas páginas a lista exaustiva dos preços de venda de todo o tipo de animais para alimentação, indexados inteiros, em partes, e por género).

O primeiro documento transcrito no tomo I, que não o foral de 1179, data de 7 de Novembro de 1190, e o último documento transcrito no tomo XVII data de 23 de Agosto de 1777. Entre ambos, os diversos prefácios e as anotações constantes de Freire de Oliveira (1841-1916) desvelam e aprofundam as origens e importância dos textos que transcreve. Contém ainda algumas ilustrações, muito poucas, destacando-se a litografia da Divisa da Cidade, que abre o tomo X, ou a «planta litographada da sala das sessões do senado da camara de Lisboa, que acompanha a carta regia de 13 de Novembro de 1773» (tomo I, pág. 68).

[Para uma descrição mais detalhada da cronologia de cada tomo, consulte-se o artigo de António Miranda na Rossio n.º 1, de 2013. Como o plano cronológico da 1.ª parte da obra deveria ter prosseguido até ao ano do início da publicação (1882), suspeita-se que, além da nunca publicada 2.ª parte, também desta 1.ª parte terá ficado por publicar pelo menos um tomo, para o período 1777-1882.]

Obra completa (tudo quanto se publicou), em XVII tomos de 16,5 x 24,5 cm (66cm de estante), Lisboa: Typographia Universal, 1882-1911.

Tomo I, 1885, (12)+661+(5) págs. Tomo II, 1887, xiv+593+(2) págs. Tomo III, 1888, vi+584+(3) págs. Tomo IV, 1889, xii+628+(3) págs. Tomo V, 1891, vi+620+(3) págs. Tomo VI, 1893, ix+627+(2) págs. Tomo VII, 1894, cxii+466+(3) págs. Tomo VIII, 1896, vi+593+(3) págs. Tomo IX, 1898, vi+617+(4) págs. Tomo X, 1899, viii+595+(2) págs. Tomo XI, 1901, vi+632+(3) págs. Tomo XII, 1903, (10)+652+(3) págs. Tomo XIII, 1904, (6)+622+(3) págs. Tomo XIV, 1906, (6)+634+(3) págs. Tomo XV, 1906, (6)+630+(3) págs. Tomo XVI, 1910, xiv+567+(4) págs. Tomo XVII, 1911, (6)+622+(3) págs.

Acrescentam-se os dois volumes de índices, publicados cerca de 40 anos mais tarde: Índice dos «Elementos para a História do Município de Lisboa», por Esteves Rodrigues da Silva, sob a direcção de Jaime Lopes Dias, 2 vols., Lisboa: Câmara Municipal, 1942-1943. Com 396+578 páginas, e 17 x 22,5 cm. Capa do volume II com um rasgão restaurado. Páginas por abrir.

Todos os 19 volumes em brochura e 17 deles com as páginas por abrir. Bom estado geral, com não mais do que pequenos defeitos dispersos (muito ocasionais picos de humidade; algumas lombadas mais amarelecidas que outras; bicho de papel que atacou superficialmente a capa do tomo VI; e situações afins, de pouca monta).

Conjunto invulgar.

Preço: 480 euros.



SIGILLA COMITUM FLANDRIAE ET INSCRIPTIONES DIPLOMATUM

GENEALOGIA COMITUM FLANDRIAE

HISTORIAE COMITUM FLANDRIAE


OLIVARIUS VREDIUS


Olivarius / Olivario / Olivari / Oliverio
Olivier De Wree

De Vree / De Vrée /De Vrede / Vredi / Vredio / Vredius


Colecção original das 3 principais obras de Olivarius Vredius (Bruges, 1596 – 1652), poeta, humanista, historiador, jurisconsulto, filólogo, numismata e editor flamengo, um dos mais importantes estudiosos das antigas línguas germânicas dos Países Baixos, autor em pouco mais de uma década (1639-1652) deste trabalho valiosíssimo de condensação e iconografia histórica flamenga e europeia, que perdurou como referência nos últimos 350 anos:

  • SIGILLA COMITUM FLANDRIAE ET INSCRIPTIONES DIPLOMATUM Ab Iis Editorum Cum Expositione Historica. 1639.
  • GENEALOGIA COMITUM FLANDRIAE, A Balduino Ferreo Usque Ad Philippum IV, Hispaniae Tegem. 1642-43.
  • HISTORIAE COMITUM FLANDRIAE. 1650-1652.

Trata-se de um conjunto importante para a História de Portugal para a História de Espanha, pois era rei da Flandres, aquando da publicação, Filipe IV de Espanha, III de Portugal, a quem os títulos são dedicados. Pese embora a Restauração da coroa portuguesa, com lugar no intervalo de tempo entre o primeiro e o último volume publicado, a genealogia e iconografia dos Filipes de Espanha são parte inegável da História portuguesa desse tempo. E devidamente assinalados no texto, encontram-se os registos dos diversos portugueses que tomaram parte em casamentos e descendências da Casa de Habsburgo.

As obras foram ricamente ilustradas por quatro gravadores de Bruges: Samuel Lommelin e o seu filho Adrian (mais tarde gravador oficial de Rubens e Van Dyck), e Franciscus Schelhaur e o seu filho homónimo. Segundo Philip Bertram Murray Allan, houve uma rápida deterioração das lâminas durante a impressão, causando grande disparidade na clareza das imagens entre os primeiros e os últimos exemplares impressos. Desse modo, as primeiras cópias (como é o caso desta) tornaram-se muito valorizadas.

A distribuição dos títulos pelos quatro volumes é a seguinte:

—– Volume I —–

GENEALOGIA COMITUM FLANDRIAE, a Balduino Ferreo usque ad Philippum IV. Hisp. Regem. Variis sigillorum figuris repraesentata, atque in viginti duas tabulas divisa, quae diplomatibus, seriptisue antiquis, aut coaetaneis comprobantur. Auctore OLIVARIO VREDIO, I. C. Brugensi. Opus omnibus Historiis ac Genealogiis utilissimum; Vix enim ulla est orbe Christiano praeclara Nobilitas, quin ex aliquo Comitum Flandriae sit oriunda, atque ita geniu suum ad Carolum Magnum referre possit. Brugis Flandrorum: Kerchovios, 1642.

Com uma primeira parte essencialmente gráfica (retrato do autor, rosto adornado com uma gravura de Filipe IV e dezenas de gravuras representando brasões e selos familiares) de [14]+170 páginas, anotada e corrigida manualmente. Seguida de PROBATIONES GENEALOGIAE FLANDRICAE, com 414 páginas.

—– Volume II —–

GENEALOGIA COMITUM FLANDRIAE, PARS SECUNDA. Contines Probationes XII. posteriorum tabularum, quibus, praeter alia stemmata, elucidantur: BURGUNDICUM ET AUSTRIACUM. Auctore OLIVARIO VREDIO, I. C. Brugensi. Brugis Flandrorum: Kerchovios, 1643.

Contém as [8]+496+[2] páginas da segunda parte da GENEALOGIA, igualmente ilustradas no rosto com uma representação de Filipe IV e, numa outra página, o retrato do autor. Uma ou outra página com marcas de restauro contemporâneas. Segue-se, no mesmo volume, a primeira parte de:

HISTORIAE COMITUM FLANDRIAE. Libri Prodromi Duo. Quid Comes? Quid Flandria? Auctore Olivario Vredio, I. C. Brugensi. Brugis: Kerchovios, 1650.

PARS PRIMA. FLANDRIA ETHNICA a Primo Consulatu Caj. Jul. Caesaris usque ad Clodovaeum Primum Francorum Regem Christianum per DLIV annos. Liber Prodromus de Officio Ac Dignitate Comitis Apud Ethnicos Romanos, Gothos, Francos.

Portada ricamente decorada com desenho alegórico, visível numa das fotografias. 110+[3] páginas.

—– Volume III —–

HISTORIAE COMITUM FLANDRIAE. Libri Prodromus Alter. FLANDRIA VETUS SIUE ETHNICA dicta PRIMA FRANCIA. Ad Consules et Senatores Perpetuos Terrae Francae in Flandria. Brugis: Lucam Kerchovium, 1650.

A segunda parte da HISTORIAE. [14]+692+[4]+LXXX+[26] páginas. Portada ilustrada. Capitulares floreadas. Vastos índices no final. Algumas anotações manuscritas enriquecem o texto. Com um mapa dos reinos Francos, bem como gravuras de muralhas fortificadas, ou de altares romanos dedicados à devoção da deusa Nehellennia, da autoria de autoria de Joh. De Mel, Brugges, 1647.

—– Volume IV —–

SIGILLA COMITUM FLANDRIAE ET INSCRIPTIONES DIPLOMATUM Ab Iis Editorum Cum Expositione Historica. [Auctore:] Olivari Vredi Iuri-Consulti Brug. Ex quibus apparet, quit Comitibus Flandriae accesserit, decesse ritue, & quâ ratione Hispaniarum, aliaq Regna, nec non Septemdecim Belgii, caeteraeq, Provinciae, ad PHILIPPUM MAGNUM IV. HISPANIARUM REGEM, sint devolutae. Brugis Flandrorum: Kerchovium, 1639.

[14]+308+[94] páginas. Uma magnífica obra de referência para a sigilografia europeia. Ilustrada com 310 gravuras, na sua maioria de sigilla (um certo tipo de grandes selos oficiais de nobreza), mas também brazões, árvores genealógicas e um mapa da Flandres desdobrável e em excelente estado de conservação.

Seguida da rara 2.ª parte da HISTORIAE, em curso de impressão aquando da morte do autor, e cujo grosso da edição se dispersou (conferir Brunet, vol. V, 1864, cols. 1385-1386):

HISTORIAE FLANDRIAE CHRISTIANAE. Ab Anno Christi 500. Clodovaei I. Francorum Regis XVI. Usque Ad Annum 767. Pepin Regis Franc. XVI. Auctore Oliverio Vredio I. C. Brugensi. Brugis Flandrorum: Typis Petri Van Pee, [1652].

E é aqui, nas duas metades da segunda parte da HISTORIAE (volumes III e IV do conjunto), que Vredius cumpre um dos seus trabalhos mais meritórios, o de provar a filiação da língua neerlandesa e do respectivo dialecto flamengo, acompanhados de glossário, na família das antigas línguas germânicas, após o estudo dos flamengos como descendentes directos dos antigos Francos.

————————-

Trata-se, pois, de um conjunto seiscentista raro, quando assim uniforme, completo e preservado, muito valorizado por algumas anotações manuscritas (infelizmente não datáveis), concisas e ordenadas, que ora identificam sigilla, ora traduzem textos de grego para latim, ou até remetem para uma dada obra que refere determinado assunto em questão. Igualmente valorizado pela inserção no texto de algumas erratas e novas gravuras, por certo retiradas de uma edição francesa posterior, como foi o caso de La Genealogie des comtes de Flandres […], logo em 1642.

Encadernações da época, em carneira, com ligeiros defeitos nas extremidades, de somenos importância perante o bom estado geral do conjunto. Lombadas gravadas a ouro, ricamente decoradas com 6 nervos, florões e rótulos de marroquim. Miolo aparado, muito limpo e fresco. Cortes carminados. Seixas decoradas. In-folios de 21 x 32 cm, perfazendo as quatro lombadas 20 cm de estante.

PEÇA DE COLECÇÃO.

Preço: 2850 euros.