PLAY

AND TWO SHORT PIECES FOR RADIO

SAMUEL BECKETT


«This new addition to the cannon of Mr. Beckett’s dramatic work includes the highly idiosyncratic Play which was first performed — and performed very successfully — at the Ulmer Theater, Ulm-Donau, Germany, on 14th June, 1963. The volume also includes two short pieces for radio, Words and Music, commissioned by the BBC, and Cascando which was originally written in French for RTF, and which Mr. Beckett has himself translated into English.» (da badana)

1.ª edição (original). Encadernação editorial em tela vermelha, com sobrecapa. 48,(2) páginas. 20,5 x 12,5 cm. Sobrecapa com algumas imperfeições. Encadernação em bom estado. Miolo limpo. London: Faber and Faber, 1964.

Preço: 65 euros.


 


O HOMEM SEM QUALIDADES

ESTUDO SOBRE ROBERT MUSIL

YVETTE KACE CENTENO


Dissertação de Licenciatura de Yvette K. Centeno em Filologia Germânica, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, ano 1962/1963.

«Estudar Musil na obra é estudar o seu carácter de artista e de homem» (página 4).

Inclui apenso (1 página), o dactiloscrito policopiado do Regulamento dos “Prémios de Revelação” instituídos pela Sociedade Portuguesa de Escritores (extinta em 1965), com um sublinhado a lápis azul, na primeira linha do regulamente, onde se indica que o prémio é destinado à «revelação em livro de novos escritores».

Volume brochado. 148,(2) páginas (em 300, no total: impresso apenas nas páginas ímpares). 30 x 20,8 cm. Capa em cartolina preta, sem qualquer referência escrita ou impressa. Bom estado. Raro.

Preço: 60 euros.


 


SEIS POEMAS


FERNANDO PESSOA


Título completo [traduzido na capa posterior]: SEIS POEMAS DE FERNANDO PESSOA E HETERÓNIMOS. Apresentados no Ateneo de Madrid, na interpretação dos «Jograis de São Paulo», para ilustrar a conferência de Eduardo Freitas da Costa em 24 de Abril de 1959.

Eduardo Freitas da Costa, jornalista e político, arreigado salazarista e director de jornais de extrema-direita (aqui), estudou e escreveu sobre Fernando Pessoa, o homem e a obra, ao longo de décadas, mormente privilegiando a perspectiva nacionalista. Publicaram-se estes Seis Poemas (…) por ocasião da conferência que proferiu no Ateneo de Madrid, «Fernando Pessoa y la poesia portuguesa contemporánea», inserida no ciclo Cuestiones Politico-Culturales de la Europa de Hoy — precisamente 15 anos antes da noite que o conduziria ao exílio nessa mesma cidade.

Poemas (três dos quais excertos) de Alberto Caeiro, Ricardo Reis, Álvaro de Campos; e Fernando Pessoa. Edição bilingue. Traduções de Ángel Crespo. Abre com a reprodução de um retrato do poeta por Almada Negreiros.

Grampeado. (16) páginas, inumeradas. 23,5 x 16,5 cm. Com defeitos: capas e miolo com pregas e vincos na zona adjacentes ao pé da lombada. Manchas leves na capa posterior. Miolo limpo. Valorizado pelo cartão-convite (16 x 11) para a conferência. Nota manuscrita a lápis no topo da capa — hipotética nomeação da destinatária do exemplar. Tiragem restrita.

Preço: 17 euros.


 


FORMULÁRIO DOS MEDICAMENTOS

PARA OS HOSPITAES MILITARES DA PROVÍNCIA


SERVIÇO DE SAÚDE DA PROVÍNCIA DE ANGOLA


Exemplar com autógrafo de posse, no rosto, do chefe do serviço de saúde do Hospital de Benguela, Luanda, 8 de Fevereiro de 1894.

Farmacopeia de bolso, com alguns ingredientes autóctones. VI,(84) páginas, 17,4 x 11,5 cm. Encadernação da época, modesta, cansada porém sólida, com duas pequenas garatujas na pasta frontal. Possui ambas as capas de brochura. Miolo no geral limpo, com manchas leves, essencialmente nas orlas. Ex-libris de antigo bibliófilo. Loanda: Imprensa Nacional, 1894.

Raro.

Preço: 45 euros.


 


A CIDADE E OS HOMENS

E OUTROS POEMAS

EDUARDO VALENTE DA FONSECA


Das primeiras obras publicadas por Eduardo Valente da Fonseca [Aveiro, 1928-2003]. Autografado pelo poeta com extensa dedicatória ao autor da capa, Rui Filipe.

Brochado. 126 páginas. 18 x 13 cm. Estimado. Porto: edição do autor, 1956 (composto e impresso na Tipografia do Carvalhido, distribuído pela Livraria Aviz).

Preço: 65 euros.


 


CAFÉ REPÚBLICA

CAFÉ CENTRAL

CAFÉ 25 DE ABRIL

CRIMES IMPERFEITOS


ÁLVARO GUERRA


Trilogia completa (e sequela independente), fresco e folhetim do século XX português, da Primeira Guerra ao pós-25 de Abril, durante 1380 páginas, publicadas entre 1982 e 1990.

Os quatro volumes em primeira edição, com dedicatórias manuscritas, todas ao mesmo dedicatário, datadas por Álvaro Guerra (ou também “Manel”) e muito próximas das datas de publicação:

CAFÉ REPÚBLICA
Folhetim do Mundo Vivido em Vila Velha (1914-1945)
Longa dedicatória de amizade de Álvaro Guerra, datada de Maio de 1982. Capa de João Segurado. 247 páginas. 21 x 14 cm. Lombada descolorada. Miolo limpo. No geral, um bom exemplar. Primeira edição. Lisboa: O Jornal, [Maio de] 1982.

CAFÉ CENTRAL
Folhetim do Mundo Vivido em Vila Velha (1945-1974)
Com dedicatória de amizade de Álvaro Guerra («aquele abraço que dispensa literaturas»), datada de Abril de 1984. Capa de João Segurado. 435 páginas. 21 x 14 cm. Lombada amarelecida e com vincos de leitura. Miolo limpo. Mantém-se um exemplar interessante. Primeira edição. Lisboa: O Jornal, [Abril de] 1984.

CAFÉ 25 DE ABRIL
(as ruínas)
Folhetim do Mundo Vivido em Vila Velha
Dedicatória de amizade de Álvaro Guerra («uma amizade firme, todos os dias reforçada, com ou sem cafés»), datada de Maio de 1987. Capa de João Segurado. 328 páginas. 21 x 14 cm. Manuseado. Lombada amarelecida e com vincos de leitura. Miolo limpo. Primeira edição. Lisboa: O Jornal, [Abril de] 1987.

CRIMES IMPERFEITOS
Dedicatória de amizade no ante-rosto, datada de Janeiro de 1991. Capa de João Segurado. 370 páginas. 21 x 14 cm. Manuseado. Capa com vincos de leitura e pequenas marcas de uso. Miolo limpo, salvo primeiras quatro páginas amarelecidas. Mantém-se um exemplar interessante. Primeira edição. Lisboa: O Jornal, 1990.

Um conjunto invulgar, lido e estimado, com dedicatórias personalizadas que reflectem, também, a evolução de uma amizade particular do autor.

Preço: 135 euros.


 


POESIA OU DINHEIRO ?

Drama em 2 Actos

CAMILO CASTELO BRANCO


2.ª edição, primeira em título próprio. Originalmente publicado no 2.º volume das Cenas Contemporâneas, ed. Silva Teixeira, 1855 (o mesmo Silva Teixeira creditado nesta edição como impressor de Cruz Coutinho). As capas de brochura reciclam papel anteriormente impresso na oficina tipográfica — no caso, capas de uma 4.ª edição da Gramática Franceza de Monteverde, 1857.

Exemplar intonso (20,7 x 13,5 cm), com ligeiros vincos e alguns picos de oxidação, possui ambas as capas e lombada em bom estado. 46 páginas. Porto: Em Casa de Cruz Coutinho – Editor, 1862.

Preço: 75 euros.



MANUAL DE ZOOLOGÍA FANTÁSTICA


JORGE LUIS BORGES
MARGARITA GUERRERO


A un chico lo llevan por primera vez al jardín zoológico. Ese chico será cualquiera de nosotros o, inversamente, nosotros hemos sido ese chico y lo hemos olvidado. En ese jardín, en ese terrible jardín, el chico ve animales vivientes que nunca ha visto; ve jaguares, buitres, bisontes y, lo que es más extraño, jirafas. ve por primera vez la desatinada variedad del reino animal, y ese espectáculo, que podría alarmarlo u horrorizarlo, le gusta. Le gusta tanto que ir al jardín zoológico es una diversión infantil, o puede parecerlo. Cómo explicar este hecho común y a la vez misterioso? — início do Prólogo.


Primeira edição, e primeira versão de El Libro de Los Seres Imaginarios, publicado dez anos mais tarde, e que na sua última versão conta com 120 “espécies”. Nesta primeira versão, como Manual de Zoología Fantástica, estão descritos 89 “seres”.

Ilustrado. Obra escrita em colaboração com Margarita Guerrero. Capa com desenho («El catoblepas») de Fabrizio Clerici. Arranjo gráfico de Emmanuel Carballo. Cartonagem editorial com sobrecapa. 159 páginas. 17,5 x 11 cm. Pequena rúbrica de posse «A. Campos» (poeta e editor António Campos), no rosto. Lombada e margens da capa frontal levemente amarelecidas. Protegido com uma segunda sobrecapa de melinex. No geral, um bom exemplar, com mínimas marcas de uso, de uma muito curiosa peça do imaginário borgesiano. Colecção Breviarios del Fondo de Cultura Económica, n.º 125. México / Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 1957.

Preço: 130 euros.


 


INTRODUCCIÓN A LA LITERATURA INGLESA


JORGE LUIS BORGES


Primeira edição. Com a colaboração de María Esther Vázquez. Retrato do autor por Ramón Columba, a par do rosto. Prólogo datado de 19 de Abril de 1965, e com a data de impressão de 5 de Agosto do mesmo ano.

Brochado. 66,(2) páginas. 20 x 13 cm. Lombada com pequenos defeitos (pontos de falta de papel). Mínimo selo de venda da Livraria Divulgação (Porto), na página de guarda, e rúbrica de posse «A. Campos/67» (poeta e editor António Campos), no rosto. Opúsculo protegido com sobrecapa de melinex. Usado, mantém-se um exemplar interessante, e raro. Colección Esquemas, n.º 64. Buenos Aires: Editorial Columba, 1965.

Preço: 65 euros.


 


THÈSE D’ASTRONOMIE

POUR LE DOCTORAT ÈS SCIENCES MATHÉMATIQUES


JOAQUIM-ANTÓNIO RODRIGUES DE PASSOS


Je me propose, dans ce travail, de donner avec beaucoup de développement:
1.º. Les détails relatifs à la découverte de Newton;
2.º Les séries par lequelles on résout le problème de Képler, qui consiste à trouver l’anomalie vraie, ainsi que le rayon vecteur de l’orbite, en fonction de l’anomalie moyenne.
[p.2]

Com assinatura de posse e selo de biblioteca pessoal (na capa), com o número 110 manuscrito, de José de Saldanha [1839-1912, químico, mineralogista, bibliófilo] e, na primeira página do texto, o carimbo azulado da biblioteca de B. M. Tavares de Proença e José de Saldanha Oliveira e Sousa, com o mesmo número 110 manuscrito ao centro.

Intonso. Capas de brochura azuis. 42 páginas. 28,5 x 22,5 cm. Capa com pequenos defeitos. Miolo com manchas. Paris: Malllet-Bachelier, imprimeur-libraire du Bureau des Longitudes, de l’École Polytechnique, etc., 1853.

Preço: 40 euros.


 


A PROVÍNCIA DE ANGOLA


NORTON DE MATOS


Tiragem especial de 50 exemplares numerados e assinados pelo autor (este o exemplar n.º 37).

Com dedicatória extensa de Norton de Matos, datada de 7 de Maio de 1927, ao Comandante [Francisco de] Aragão e Mello.

Encadernação em tela vermelha, gravada a seco e a ouro. 391,(5) páginas. 21,5 x 14 cm. Com ocasionais sublinhados a lápis de cor azul ou vermelho — potenciais marcas de leitura do dedicatário. Antiga assinatura de posse no ante-rosto, de posterior possuidor. Mantém-se, no geral, bom exemplar. Acabou de imprimir-se a 5 de Abril de 1927. Porto: Edição de Marânus, 1926.

Preço: 85 euros.


 


SALAMMBÓ


GUSTAVE FLAUBERT


Primeira edição portuguesa, no ano seguinte à original francesa (1862). Primeira edição portuguesa de Flaubert [aqui].

Tradução de F[rancisco]. F[erreira]. da Silva Vieira [tipógrafo, tradutor e escritor]. Editor: F. Gonçalves Lopes. Lisboa: Typographia do Futuro, 1863.

Obra completa em 2 volumes, encadernados num único tomo, com a lombada em pele e quatro nervos. Gravura de uma serpente no rosto de ambos os volumes. 257+248 páginas. 19,5 x 13 cm. Ligeiras imperfeições exteriores. Miolo aparado e com manchas leves nas primeiras e últimas páginas do tomo. Sem capas de brochura. Uma data manuscrita no topo da primeira página do texto (28/10/1907).

Raro.

Preço: 40 euros.


 


A NOITE E O RISO

TRÍPTICO

NUNO BRAGANÇA


Primeira edição. Com dedicatória de amizade de Álvaro Guerra, a oferecer o livro a um amigo não nomeado, na época. Capa de Mendes de Oliveira.

Brochado. 340,(3) páginas. 19 x 12 cm. Lombada amarelecida e com vincos de leitura leves. No geral um bom exemplar, invulgar. Colecção Circulo de Prosa. Lisboa: Moraes Editores, 1969.

Preço: 65 euros.


 


O AQUÁRIO


FIAMA HASSE PAIS BRANDÃO


Segundo livro de Fiama Hasse Pais Brandão. Brochado. 28 páginas. 18,2 x 11,8 cm. Com marcas superficiais de bicho de papel na capa frontal (que não tocam o desenho), e mínimos sinais de uso exteriores. Miolo limpo. Mantém-se um bom exemplar, de uma obra rara. Colecção A Palavra n.º 3, orientada por Casimiro de Brito. Composto e impresso na Tipografia Cácima, Faro, 1959.

Preço: 45 euros.


 


A CAVALO NO DIABO

CRÓNICAS DO PÚBLICO E CASOS PRIVADOS

JOSÉ CARDOSO PIRES


Crónicas. Primeira edição. Com invulgar dedicatória de José Cardoso Pires, extensa, de amizade e companheirismo lisboeta.

Brochado. 206 páginas. 21 x 13,5 cm. Muito bom exemplar. Colecção Obras de José Cardoso Pires. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1994.

Preço: 75 euros.


 


WHEN THE WOLVES HOWL


AQUILINO RIBEIRO


The author of this novel is the doyen of Portuguese literature. When it appeared in Portugal it was welcomed as a masterpiece. Ribeiro was at once arrested and charged with having attempted to discredit Portugal in the eyes of the world, with inciting action against the security of the State, and with insulting the magistrature and secret police (…) [da badana].

Primeira edição inglesa. Tradução de Patricia Macgowan Pinheiro (ou Patrícia Lança, à época exilada em Argel). Desenho da capa de R. G. Williamson. 288 páginas. 20,5 x 14 cm. Encadernação editorial com sobrecapa, ambas em bom estado, salvo leve amarelecimento na lombada. Miolo limpo. London: Jonathan Cape, 1963.

Inclui factura de compra na Livraria Sá da Costa, passada a Raul Rego, com o título e o autor do livro adquirido — e um desconto de 10% —, no dia 7 de Maio de 1964; e um cartão de cumprimentos oficial da revista Colóquio-Letras, datado de 10 de Maio de 1983, com um pedido manuscrito — não assinado (de Luís Amaro?) e ocupando a frente e o verso do cartão — para que o destinatário não identificado desvende, «num dos seus interessantíssimos artigos bibliográficos», o «mistério» de a primeira edição de O Homem que Matou o Diabo «ter saído  em Espanha, e em espanhol».

em conjunto com:

O HOMEM QUE MATOU O DIABO
AQUILINO RIBEIRO
Prefácio extenso de Serafina Martins, sobre os meandros e circunstâncias da obra. Brochado. 253,(3) páginas. 23,5 x 15 cm. Bom exemplar. Colecção Obras de Aquilino Ribeiro. Lisboa: Bertrand Editora, 2018.

e também:

QUANDO OS LOBOS JULGAM A JUSTIÇA UIVA
Texto integral da acusação e defesa no processo de Aquilino Ribeiro
Proibido e apreendido em Portugal. Prefácio de Adolfo Casais Monteiro. Defesa assumida pelo advogado Heliodoro Caldeira. Brochado. 112 páginas. 15,4 x 11,3 cm. Lombada amarelecida. Bom exemplar. São Paulo: Editora Liberdade e Cultura, [s.d.].

Conjunto invulgar.

Preço: 110 euros.


 


O NAVIO DOS MORTOS

E OUTRAS NOVELAS

JOAQUIM PAÇO D’ARCOS


2.ª edição, valorizada pela dedicatória do autor a José Palla e Carmo, o qual anotou a lápis as margens de inúmeras páginas, com paralelismos, chamadas de atenção e diversas apreciações, como que preparando uma recensão literária.

Capa de Infante do Carmo. Brochado. 314-(6) páginas. 19 x 12 cm. Lombada com vincos ligeiros de leitura. Bom exemplar. Lisboa: Guimarães Editores, [Abril de] 1964.

Preço: 35 euros.


 


O DESTERRO DAS MANTILHAS


[ANTÓNIO JOAQUIM MESQUITA E MELO]


Anunciada a sua venda ao público nas edições d’O Correio do Porto de 19 e 20 de Dezembro de 1820 embora Inocêncio lhe atribua a data de 1821, ver I-162 e tb. VIII-186 teve por autor, sob pseudónimo, António Joaquim Mesquita e Melo, poeta natural de Avintes que à época teria cerca de 30 anos de idade. A questão das mantilhas, tema do opúsculo, é um problema coevo sobre o qual existem reflexões de Garrett e, mais tarde, também de Camilo (ver aqui).

Título completo: O DESTERRO DAS MANTILHAS : ou Exhortação em que o Poeta Gallego com rasões bem arrasoadas, mostra a necessidade de desterrar um traje, que esconde a formosura e a gentilesa das Mulheres bonitas. Porto: Na Typografia à Praça de S. Thereza, [1820].

Caderno de 8 páginas, cosido. 21,5 x 15,5 cm. Conserva, soltas, as frágeis capas de brochura originais, azuis, não impressas. Capas e miolo com variados vincos e algumas manchas.

Exemplar com assinatura de posse, no topo da primeira e na base da última página, de João Carlos Mascarenhas de Mello, n. 1860, médico-cirurgião, militar condecorado e republicano — como sub-inspector de saúde da 1.ª divisão militar, por exemplo, encontramo-lo de visita ao moderno Pavilhão Vacinogénico de Lisboa, em 1911. Mascarenhas de Melo foi, também, durante 23 anos consecutivos, presidente da assembleia geral do Sport Lisboa e Benfica, entre 1908 e 1931, e não por acaso surge homenageado na primeira página do primeiro número do boletim oficial do clube, em 1927, sendo então o sócio n.º 10.

Muito invulgar.

Preço: 65 euros.



 



ANTÓNIO NOBRE


2.ª edição, revista, aumentada e ilustrada. Edição de 3.000 exemplares, correcta e augmentada, em papel couché, com desenhos de Eduardo Moura e Júlio Ramos, e o retrato do poeta d’après Thomaz Costa.

Meia encadernação de pele de manufactura recente, em muito bom estado de conservação, com nervos e dois rótulos. Sem capas de brochura. 172+(6) páginas. 21,5 x 11,5 cm. Impresso em Paris. Lisboa: Guillard, Aillaud & C.ª, 1898.

Preço: 130 euros.


 


OS APONTAMENTOS


JOSÉ SARAMAGO


Exemplar assinado por José Saramago com dedicatória personalizada [«este livro de combate enquanto recuperamos o fôlego para continuar»], datada de 7 de Fevereiro de 1976.

Brochado. 248 páginas. 18,5 x 11,5 cm. Lombada com vincos de leitura. Colecção Cadernos Seara Nova, série Actualidade Nacional. Lisboa: Seara Nova, [21 de Janeiro de] 1976.

Preço: 125 euros.


 


A HORA UNIVERSAL
DOS PORTUGUESES


PEDRO VEIGA


Autografado pelo autor com dedicatória a Falcão Machado, a quem dirige uma carta-manuscrita — na sua inconfundível caligrafia, em curioso papel amarelo (17,3 x 13,5 cm), assinada mas não datada, com 4 páginas (uma “em branco”) e cerca de 202 palavras, — comentando, com interesse literário evidente, alguns assuntos bibliográficos e artísticos conimbricenses em comum:

«Penso que não faria mal eu tratar pictoralmente Coimbra nos ex-libris e nos selos postais. E também na literatura musical. Nos fadunchos!»

Com ex-libris de Pedro Veiga. Sobrecapa editorial em papel marmoreado. Tiragem numerada e assinada (este o n.º XXXI, de um total não indicado). Ligeiros picos de oxidação. Bom estado geral. 16 páginas, por abrir. 22,7 x 17,5 cm. Porto: Edições «Prometeu», [s.d.].

Conjunto invulgar.

Preço: 115 euros.


 


LISBOA EM QUATRO HORAS
E LISBOA EM QUATRO DIAS


Nova Edição. Um guia turístico para a Lisboa de final de Oitocentos. Sem menção do autor (há referências de uma edição com o mesmo título, no Rio de Janeiro, uns 8 anos antes, igualmente sem autoria indicada). 82 páginas. 19 x 14 cm. Encadernação recente em sintético, impecável. Sem a capa de brochura anterior. Não aparado. Algumas páginas por abrir. Lisboa: Typ. da Companhia Nacional Editora, 1895.

Preço: 45 euros.


 


ELEMENTOS PARA A HISTÓRIA
DO MUNICÍPIO DE LISBOA


EDUARDO FREIRE DE OLIVEIRA


Título e autor, tal qual figuram no rosto: Elementos para a História do Município de Lisboa, por Eduardo Freire de Oliveira, arquivista da Camara Municipal da mesma cidade. 1.ª PARTE. Publicação mandada fazer a expensas da Camara Municipal de Lisboa, para commemorar o centenario do Marquez de Pombal em 8 de Maio de 1882.

Mais de 10 mil páginas de documentos oficiais de algum modo relevantes, organizados cronologicamente e alusivos a séculos de assuntos invariavelmente díspares — as iguarias de um banquete celebratório, a colocação na prisão do Limoeiro do líder de uma «companhia de comediantes de Castella», a lista das pessoas de cada freguesia que se recusam a participar numa campanha de limpeza pública, a morte do rei —, num panorama que permite acompanhar os reflexos da política e da história do país nas várias decisões e questões do município d’esta cidade onde desde muito cedo esteve instalado um Governo demasiado centralista.

Temos assim «a carta regia que trouxe a communicação official da morte de Filippe II» (tomo II, quase todo dedicado ao “tempo dos Filipes”, pág. 590), «a ruína de Lisboa», no sábado 1 de Novembro de 1755 (tomo XVI, a partir da página 133, com lista e descrição sumária de abalos sísmicos anteriores, nomeadamente os de 1309, 1321, 1344, 1356, 1512, 1531, 1551, 1575, 1597, 1598, 1699 e 1724), a inauguração da estátua equestre de D. José (em parte citada aqui) ou a «consulta da Cammara a el-rei em 2 de julho de 1650», onde se propõem os nomes de «doze fidalgos, doze cidadãos e doze homens do povo» para «terem as chaves das quatro portas da cidade» (tomo V, p. 208, antecedendo em algumas páginas a lista exaustiva dos preços de venda de todo o tipo de animais para alimentação, indexados inteiros, em partes, e por género).

O primeiro documento transcrito no tomo I, que não o foral de 1179, data de 7 de Novembro de 1190, e o último documento transcrito no tomo XVII data de 23 de Agosto de 1777. Entre ambos, os diversos prefácios e as anotações constantes de Freire de Oliveira (1841-1916) desvelam e aprofundam as origens e importância dos textos que transcreve. Contém ainda algumas ilustrações, muito poucas, destacando-se a litografia da Divisa da Cidade, que abre o tomo X, ou a «planta litographada da sala das sessões do senado da camara de Lisboa, que acompanha a carta regia de 13 de Novembro de 1773» (tomo I, pág. 68).

[Para uma descrição mais detalhada da cronologia de cada tomo, consulte-se o artigo de António Miranda na Rossio n.º 1, de 2013. Como o plano cronológico da 1.ª parte da obra deveria ter prosseguido até ao ano do início da publicação (1882), suspeita-se que, além da nunca publicada 2.ª parte, também desta 1.ª parte terá ficado por publicar pelo menos um tomo, para o período 1777-1882.]

Obra completa (tudo quanto se publicou), em XVII tomos de 24,5 x 16,5 cm (66cm de estante), Lisboa: Typographia Universal, 1882-1911.

Tomo I, 1885, (12)+661+(5) págs. Tomo II, 1887, xiv+593+(2) págs. Tomo III, 1888, vi+584+(3) págs. Tomo IV, 1889, xii+628+(3) págs. Tomo V, 1891, vi+620+(3) págs. Tomo VI, 1893, ix+627+(2) págs. Tomo VII, 1894, cxii+466+(3) págs. Tomo VIII, 1896, vi+593+(3) págs. Tomo IX, 1898, vi+617+(4) págs. Tomo X, 1899, viii+595+(2) págs. Tomo XI, 1901, vi+632+(3) págs. Tomo XII, 1903, (10)+652+(3) págs. Tomo XIII, 1904, (6)+622+(3) págs. Tomo XIV, 1906, (6)+634+(3) págs. Tomo XV, 1906, (6)+630+(3) págs. Tomo XVI, 1910, xiv+567+(4) págs. Tomo XVII, 1911, (6)+622+(3) págs.

Acrescentam-se os dois volumes de índices, publicados cerca de 40 anos mais tarde: Índice dos «Elementos para a História do Município de Lisboa», por Esteves Rodrigues da Silva, sob a direcção de Jaime Lopes Dias, 2 vols., Lisboa: Câmara Municipal, 1942-1943. Com 396+578 páginas, e 22,5 x 17 cm. Capa do volume II com um rasgão restaurado. Páginas por abrir.

Todos os 19 volumes em brochura e 17 deles com as páginas por abrir. Bom estado geral, com não mais do que pequenos defeitos dispersos (muito ocasionais picos de humidade; algumas lombadas mais amarelecidas que outras; bicho de papel que atacou superficialmente a capa do tomo VI; e situações afins, de pouca monta).

Conjunto invulgar.

Preço: 440 euros.



 


VENEZA DE VISTA E OUVIDO


LÉLIA COELHO FROTA


Exemplar n.º 84 de uma tiragem única de 100, numerados e assinados pela autora, fora de mercado, para oferta a amigos. Edição bilingue, com tradução italiana de Luciana Stegagno Picchio. Prefácio de Alexandre Eulálio. Vinhetas de Maria Leontina. Projecto gráfico de Cecília Jucá de Holanda. 46 páginas. Papel superior. 16 x 12 cm. Capa com sinais de manuseio, miolo limpo. Rio de Janeiro, 1986.

Acabado de imprimir a 11 de Julho de 1986, data do 48.º aniversário de Lélia Coelho Frota. Autografado (e emendado) pela autora com dedicatória à poetisa e tradutora Maria da Saudade Cortesão, esposa do poeta Murillo Mendes.

Lélia Coelho Frota, historiadora de arte e especialista em cultura popular brasileira, foi curadora da representação brasileira nas Bienais de Veneza de 1978 e 1988, a primeira das quais corresponde à data em que este conjunto de poemas foi escrito.

Preço: 40 euros.


 

ver também:
  • Antologia de poemas por António Miranda, aqui.
  • O exemplar n.º 21 de Veneza de Vista e Ouvido foi oferecido ao escritor brasileiro Lázaro Barreto (aqui).