REVISTA DE PORTUGAL


Dirigida por

VITORINO NEMÉSIO


Colecção completa. Nº 1 (Coimbra, Outubro 1937) ao nº 10 (Lisboa, Novembro 1940). Publicação dirigida por Vitorino Nemésio, secretariado por Alberto de Serpa, com colaborações plásticas, literárias e críticas (e alguns inéditos póstumos) de:

Afonso Duarte, António Sérgio, Júlio (Saúl Dias), José Régio, Adolfo Casais Monteiro, Miguel Torga, António de Sousa, Carlos Queiroz, João Gaspar Simões, João Falco, Mário Eloy, Ribeiro Couto, Ventura Porfírio, Almada Negreiros, António Botto, Agostinho da Silva, Alberto de Serpa, José Bacelar, Fernando Amado, Manuel Laranjeira, Sarah Affonso, Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro, Jules Supervielle, Cecília Meireles, Aquilino Ribeiro, Diogo de Macedo, Sant’Anna Dionísio, José Marinho, Francisco Bugalho, Maria Helena Vieira da Silva, Políbio Gomes dos Santos, Mário Dionísio, Câmara Reis, Teófilo Braga, Álvaro de Campos, Manuel Bandeira, Mily Possoz, Delfim Santos, Vitorino Nemésio, António Nobre, Antero de Quental, Rachel Bastos, Manuel Anselmo, José Tagarro, Alexandre Herculano, Adalgisa Nery, Murilo Mendes, Maria Archer, João José Cochofel, José Neiva, Fernando Namora, Bernardo Marques, Baltazar Lopes, Fialho de Almeida, Ofélia Marques, Jorge de Lima, Edmundo de Bettencourt, Fernando Lopes-Graça, Raul Brandão, Paulo Quintela, Rainer Maria Rilke, João Cabral do Nascimento, Jorge Amado, José Gomes Ferreira, Olavo d’Eça Leal, Andrée Crabbé Rocha, Hein Semke, Raúl Proença, António Lopes Ribeiro, José Osório de Oliveira, Camilo Pessanha, José Rodrigues Miguéis, e outros.

«Retomando um título que fez época, e refiro-me à publicação de Eça de Queirós de finais do século passado, a Revista de Portugal estava bem estruturada, revelando um projecto indubitavelmente amadurecido (…) [tendo congregado] nas suas páginas, com um equilíbrio notável, saudosistas, poetas de Orpheu, presencistas e neo-realistas.» [v. Daniel Pires, Dic. Imp. Periód. Portug. Séc. XX, vol.1, p.316]

Ilustrada com esparsos extra-textos couché, em cada número. Em brochura. 24,5 x 16,3 cm por volume, 13 cm na estante. Paginados para (3) volumes de 672, 598 (e 292) páginas — o N.º 5 e o N.º 10 incluem apensos os cadernos de guardas, ante-rosto e rosto, assim como os respectivos índices finais de títulos por autor, para as encadernações do Volume I (números 1 a 4) e do Volume II (números 5 a 8).

Ínfimas imperfeições exteriores: canto da moldura na capa do N.º 1; vinco na margem inferior da capa do N.º 4; metade inferior da lombada e pequena mancha amarela em zona adjacente da capa do N.º 5; margem superior empoeirrada na capa do N.º 10. Uma colecção num estado de conservação invulgar, com vários cadernos por abrir.

Preço: 300 euros.


 


RECORDAÇÕES DE INFÂNCIAS


FERNANDO SYLVAN


Preparado no Ano Internacional da Criança (1979). Capítulos dedicados a Amélia Rey-Colaço, José Gomes Ferreira, Fernando Lopes Graça, Otelo Saraiva de Carvalho, Anjos Teixeira. Colaboração de Tino Sequeira na recolha e ordenação de dados. Ilustrado com fotografias das infâncias de cada um.

Brochado. 107,(5) páginas. 20,5 x 14,5 cm. No geral, um bom exemplar. Colecção Memórias, n.º 1. Cacém: Edições Ró, 1980.

Preço: 18 euros.


 


A MITOLOGIA FADISTA


ANTÓNIO OSÓRIO


«A mais desenvolvida inquirição ideológica sobre o fado, cancro da vida e da cultura nacionais, segundo Lopes Graça. Desde as origens até pouco antes do 25 de Abril, procura o autor desvendar, neste livro, o fenómeno fadista nas suas principais implicações e pontos de apoio, pondo bem a claro o que ele comporta de aniquilante e servil.» [da contracapa]

1.ª edição. Brochado. 119,(1) páginas. 18 x 11,7 cm. Pequenas marcas de uso exteriores. Leve vinco de leitura na lombada. Miolo limpo. No geral, um bom exemplar. Colecção Horizonte n.º 25. Lisboa: Livros Horizonte, Junho de 1974.

Preço: 25 euros.