A MANUTENÇÃO MILITAR

1920-1921

RELATÓRIO DA GERÊNCIA

FRANCISCO DE PINA LOPES


O Major Francisco de Pina Lopes, com uma carreira militar preenchida de honras e louvores, destacou-se na organização administrativa [«modelar», segundo Gomes da Costa, e «com a mais severa economia e perfeição»], tanto na Guarda Fiscal como na 1.ª Divisão do C.E.P., mas também, depois da Guerra, na Manutenção Militar. Foi eleito senador em 1915, e deputado em 1919, tendo exercido funções de secretário e relator de diversas comissões relativas a assuntos militares, fiscais e orçamentais. Finalmente, nos governos de António Maria Baptista e José Ramos Preto, foi Ministro das Finanças. Após passar à situação de licença ilimitada, em 1923, foi administrador da C.P. e de várias outras indústrias e bancos, nacionais e ultramarinos [conferir GEPB, 21, 690-691].

Este relatório da gerência da Manutenção Militar, correspondente ao biénio 1920-1921, é um excelente exemplo das ditas capacidades organizativas e administrativas de Pina Lopes, que procura ser «intérprete fiel e austero» do que observou, executou e fez executar, num momento orçamental difícil. Extenso e detalhado, com fotografias, desenhos e tabelas e mapas desdobráveis, pormenoriza secções, divisões, serviços, sucursais e depósitos, funções e vencimentos do pessoal, a instrução, o fardamento, a disciplina, os transportes ou a produção cerealífera — destaque para o capítulo VIII, sobre a Greve dos Padeiros (p. 31-33).

Com 16,5 x 22 cm, e 78+[67]+XXI+(3) páginas, contém 58 fotografias [desde a barbearia à biblioteca, passando pela marcha das operárias e o touro holandês da sucursal dos Olivais], 2 páginas com desenhos [a produção de pão e a produção de enchidos], 2 mapas desdobráveis e 2 tabelas desdobráveis. Em muito bom estado de conservação.

Invulgar.

Preço: 40 euros.



HISTÓRIAS À MARGEM DE UM SÉCULO DE HISTÓRIA


F. KEIL DO AMARAL


Livro de “memórias da família” do arquitecto Francisco Keil do Amaral (1910-1975), publicado na Biblioteca de Estudos sobre a Sociedade e a Cultura Portuguesas, secção I, n.º 6, da editora Seara Nova, Lisboa, 1970. Capa de Guilherme Lopes Alves. 242 páginas. 14 x 22 cm. Bom estado.

Assinado pelo autor com dedicatória datada de 1970.

Preço: 25 euros.


Ilse Losa

[28Maio16]


HISTÓRIAS INESQUECÍVEIS PARA CRIANÇAS


Selecção de

ILSE LOSA


Capa de A. Pedro e ilustrações de Manuela Bacelar. Contos dos Irmãos Grimm (tradução de Maria Cristina de Araújo), Wilhelm Hauff (tradução de Teresa Balté), George Sand (tradução de Virgínia de Castro e Almeida, revista por Ângela Lieblich), John Ruskin (tradução de Luísa Derouet), Mark Twain e Oscar Wilde (traduções de Margarida Losa), Leão Tolstoi, Hans Christian Andersen, Pawel Bashow e Selma Lagerlöf (traduções de Ilse Losa). 227 páginas. 14,5 x 21 cm. Capa com ténues manchas amarelas, miolo impecável. Lisboa: Livros do Brasil, [s.d.].

Preço: 12 euros.



O MUNDO EM QUE VIVI


ILSE LOSA


Numa escrita inexcedivelmente sóbria e transparente, e através de breves episódios, este romance conduz-nos em crescendo de emoção desde a primeira infância rural de uma judia na Alemanha, pelos finais da Primeira Guerra Mundial, até ao avolumar de crises (inflação, desemprego, assassínio de Rathenau, aumento de influência e vitória dos Nazistas) que por fim a obrigam ao exílio mesmo na eminência de um destino trágico num campo de concentração. Há uma felicíssima imagem simbólica de tudo, que é a do lento avançar de uma trovoada que acaba por estar «mesmo em cima de nós». Assistimos aos rituais judaicos públicos e domésticos, a uma clara atracção alternativa entre a imigração para os Estados Unidos da América e o sionismo. Fica-se simultaneamente surpreendido pela correspondência e pelas diferenças entre o adolescer e o viver adulto em meios culturais muito diversos, pois há relances de vida religiosa luterana, católica e de agnosticismo à margem da experiência judaica ortodoxa. Perpassam figuras familiares de recorte nítido: os avós da aldeia, o pai, negociante de cavalos, desfeiteado por anti-semitas e falecido de cancro, os tios progressistas Franz e Maria, o avô Markus, a amorável avozinha Ester (kleine Oma), Paul (o jovem quase namorado que se deixa intimidar pelo ambiente), Kurt (o jovem enamorado assolapado, culto e firme nas suas convicções). A acção é desfiada numa sucessão de fases biográficas progressivamente dramáticas — e nós acabamos por participar afectivamente de um destino ao mesmo tempo muito singular e muito típico, que bem nos poderia ter cabido. Um romance de características únicas na literatura portuguesa — e emocionalmente certeiro. [Texto da contracapa, datado de Novembro de 1989, da autoria de Óscar Lopes, a quem o livro é dedicado].

15ª edição do primeiro livro da autora. Capa de Ângela Melo. 196 páginas. 14,5 x 21 cm. Porto: Edições Afrontamento, 1992.

Preço: 10 euros.


ouro-fischer

k-ouro ouro-zamith ouro-buceta


2.ª REGIÃO MILITAR

LIVRO DE OURO

NOTAS BIOGRÁFICAS DOS GENERAIS COMANDANTES
DA 5.ª DIVISÃO MILITAR, 5.ª DIVISÃO DO EXÉRCITO E 2.ª REGIÃO MILITAR
1901-1954

Álbum brochado (23 x 31 cm) com 80 páginas de textos essencialmente biográficos + uma página extra-texto, com retrato fotográfico e lista de condecorações, para cada um dos generais:

1.º Período, 5.ª Divisão Militar (1901-1911):
General de Brigada Manuel Joaquim da Silva Mata (1901-1902), General Frederico Augusto de Almeida Pinheiro (1902-1905), General José Estanislau Ventura (1906), General José Augusto Nogueira de Sá (1906-1909) e General Joaquim José da Silva Monteiro (1909-1911).

2.º Período, 5.ª Divisão do Exército (1911-1926):
General Diogo Pereira de Sampaio (1911-1913), General João Rodrigues Blanco (1913-1915), General Duarte Ivens (1915), General Bernardo António de Brito e Abreu (1915), General Fernando Tamagnini de Abreu e Silva (1915-1917 e 1918-1919), General António Maria de Matos Cordeiro (1917), General João Evangelista Pinto de Magalhães (1917), General Jaime Leitão de Castro (1917-1918), General Brás Mouzinho de Albuquerque (1919-1921), General José Augusto Simas Machado (1921-1925), General João de Morais Zamith (1925-1926) e General António Teixeira de Aguiar (1926).

3.º Período, 2.ª Região Militar, a partir de 1926:
General José Ernesto de Sampaio (1926), General Jacinto dos Reis Fischer (1927-1929), General António Gomes de Sousa Júnior (1929-1938), General Carlos Maria Pereira dos Santos (1938), General Fernando Augusto Borges Júnior (1938-1939), General José Vítor Franco (1939-1945), General Augusto Martins Nogueira Soares (1945-1949), General Manuel Bernardes de Almeida Topinho (1950-1953) e General Humberto Buceta Martins (1953-1954).

Explica o comandante da 2.ª região militar, na introdução, que o livro resulta de uma sugestão do Ministro da Guerra, o então Tenente-Coronel Fernando dos Santos Costa, em 1948, de que «nos Quartéis Generais, Comandos de Unidades e Sedes de Estabelecimentos Militares, fossem expostos os retratos de antigos Comandantes e Chefes».

Exemplar de uma tiragem (não-numerada) de 300 exemplares, impressa na Tipografia da Gráfica de Coimbra aos 10 de Dezembro de 1954 (na capa e contracapa, bem como no final da introdução, a data simbólica que figura é o 1.º de Dezembro).

Capa com ligeiras marcas de uso, nas orlas, o interior em bom estado; no geral um exemplar bastante satisfatório.

Preço: 60 euros.


rosto-ouro

Este slideshow necessita de JavaScript.

ESTUDOS DE HISTÓRIA MILITAR SOBRE A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL (1914-1918) [1.ª SÉRIE], pelo Brigadeiro EDUARDO SANTOS. Com estudos dedicados às ideias de Schliefen (“A Alemanha e a Guerra em duas frentes.”), à França e ao seu exército (“Joffre e o Plano XVII.”), à defesa da neutralidade belga (“O rei Alberto e o comando do exército.”), ao isolamento e intervenção inglesa (“O Corpo Expedicionário.”) e a Liége (“O prólogo do drama.”). Brochado. Ilustrado. 12,5 x 18,5 cm. 244 páginas + 4 mapas desdobráveis, no final, com esquemas de manobras militares. Exemplar assinado pelo autor com dedicatória. Lisboa: ICGG, 1949.
Preço: 18 euros (reservado).