O ARCO BELÉM — S. JULIÃO DA BARRA,
CONTORNO DA ENSEADA DE PAÇO DE ARCOS


LÍVIO DA COSTA GUEDES


Um estudo para «profissionais», «pescadores», «turistas» e «desportistas», que inclui um «somatório de notícias e alterações sofridas» neste trecho da margem do Tejo, e refere «a importância militar e económica da enseada através dos tempos», com descrição e história das diversas fortalezas, portos e localidades que a zona compreende. Em anexo, transcrevem-se documentos fundamentais, complementados com as biografias dos arquitectos, engenheiros e militares envolvidos nas construções referidas [vide índice nas fotografias supra]. Contém a reprodução a cores de cinco gravuras, duas delas desdobráveis, em extra-texto, e papel couché.

Prefácio de Vasco da Costa Salema. Separata do 54.º volume do Boletim do Arquivo Histórico e Militar. 200+(14) páginas. 16,5 x 23 cm. Assinatura de posse no canto superior interior da página de guarda. Ténues marcas de bicho do papel na capa, e ligeiro vinco sob o nome do autor. Lombada amarelecida. Miolo impecável. Bom exemplar. Lisboa: Câmara Municipal de Oeiras, 1986.

Preço: 20 euros.



A MANUTENÇÃO MILITAR

1920-1921

RELATÓRIO DA GERÊNCIA

FRANCISCO DE PINA LOPES


O Major Francisco de Pina Lopes, com uma carreira militar preenchida de honras e louvores, destacou-se na organização administrativa [«modelar», segundo Gomes da Costa, e «com a mais severa economia e perfeição»], tanto na Guarda Fiscal como na 1.ª Divisão do C.E.P., mas também, depois da Guerra, na Manutenção Militar. Foi eleito senador em 1915, e deputado em 1919, tendo exercido funções de secretário e relator de diversas comissões relativas a assuntos militares, fiscais e orçamentais. Finalmente, nos governos de António Maria Baptista e José Ramos Preto, foi Ministro das Finanças. Após passar à situação de licença ilimitada, em 1923, foi administrador da C.P. e de várias outras indústrias e bancos, nacionais e ultramarinos [conferir GEPB, 21, 690-691].

Este relatório da gerência da Manutenção Militar, correspondente ao biénio 1920-1921, é um excelente exemplo das ditas capacidades organizativas e administrativas de Pina Lopes, que procura ser «intérprete fiel e austero» do que observou, executou e fez executar, num momento orçamental difícil. Extenso e detalhado, com fotografias, desenhos e tabelas e mapas desdobráveis, pormenoriza secções, divisões, serviços, sucursais e depósitos, funções e vencimentos do pessoal, a instrução, o fardamento, a disciplina, os transportes ou a produção cerealífera — destaque para o capítulo VIII, sobre a Greve dos Padeiros (p. 31-33).

Com 16,5 x 22 cm, e 78+[67]+XXI+(3) páginas, contém 58 fotografias [desde a barbearia à biblioteca, passando pela marcha das operárias e o touro holandês da sucursal dos Olivais], 2 páginas com desenhos [a produção de pão e a produção de enchidos], 2 mapas desdobráveis e 2 tabelas desdobráveis. Em muito bom estado de conservação.

Invulgar.

Preço: 40 euros.



CALVÁRIOS DA FLANDRES

(1918)


Capitão AUGUSTO CASIMIRO


3.º milhar. Capa de Sousa Lopes. Encadernação moderna, inteira de pele, em óptimo estado. Conserva capa de brochura anterior, visível nas fotografias. Aparado. Assinatura de posse no ante-rosto (grande) e no rosto (pequena). 213-(3) páginas. 12 x 18,5 cm. Bom exemplar. Porto: Renascença Portuguesa, 1920.

Preço: 25 euros.


bibliogg


BIBLIOGRAFIA DA GRANDE GUERRA

(RESENHA DAS PUBLICAÇÕES PORTUGUESAS)


Coronel VITORIANO JOSÉ CÉSAR
Vice Almirante VICENTE ALMEIDA D’EÇA


O produto reverte para a Subscrição Nacional dos Padrões, Consagração do Esforço da Nação Portuguesa e Glorificação dos nossos Mortos na Grande Guerra. 

Prefácio (experiente) do Vice Almirante, e notas bibliográficas (enriquecedoras) do Coronel. Com data e local manuscritos na capa («Batalha, 15 de Abril de 1925), sobre pequena assinatura ilegível. 102 páginas. Manuseado. Edição dos Padrões da Grande Guerra, Lisboa, 1923.

Raro.

Preço: 40 euros.



SIGILLA COMITUM FLANDRIAE ET INSCRIPTIONES DIPLOMATUM

GENEALOGIA COMITUM FLANDRIAE

HISTORIAE COMITUM FLANDRIAE


OLIVARIUS VREDIUS


Olivarius / Olivario / Olivari / Oliverio
Olivier De Wree

De Vree / De Vrée /De Vrede / Vredi / Vredio / Vredius


Colecção original das 3 principais obras de Olivarius Vredius (Bruges, 1596 – 1652), poeta, humanista, historiador, jurisconsulto, filólogo, numismata e editor flamengo, um dos mais importantes estudiosos das antigas línguas germânicas dos Países Baixos, autor em pouco mais de uma década (1639-1652) deste trabalho valiosíssimo de condensação e iconografia histórica flamenga e europeia, que perdurou como referência nos últimos 350 anos:

  • SIGILLA COMITUM FLANDRIAE ET INSCRIPTIONES DIPLOMATUM Ab Iis Editorum Cum Expositione Historica. 1639.
  • GENEALOGIA COMITUM FLANDRIAE, A Balduino Ferreo Usque Ad Philippum IV, Hispaniae Tegem. 1642-43.
  • HISTORIAE COMITUM FLANDRIAE. 1650-1652.

Trata-se de um conjunto importante para a História de Portugal para a História de Espanha, pois era rei da Flandres, aquando da publicação, Filipe IV de Espanha, III de Portugal, a quem os títulos são dedicados. Pese embora a Restauração da coroa portuguesa, com lugar no intervalo de tempo entre o primeiro e o último volume publicado, a genealogia e iconografia dos Filipes de Espanha são parte inegável da História portuguesa desse tempo. E devidamente assinalados no texto, encontram-se os registos dos diversos portugueses que tomaram parte em casamentos e descendências da Casa de Habsburgo.

As obras foram ricamente ilustradas por quatro gravadores de Bruges: Samuel Lommelin e o seu filho Adrian (mais tarde gravador oficial de Rubens e Van Dyck), e Franciscus Schelhaur e o seu filho homónimo. Segundo Philip Bertram Murray Allan, houve uma rápida deterioração das lâminas durante a impressão, causando grande disparidade na clareza das imagens entre os primeiros e os últimos exemplares impressos. Desse modo, as primeiras cópias (como é o caso desta) tornaram-se muito valorizadas.

A distribuição dos títulos pelos quatro volumes é a seguinte:

—– Volume I —–

GENEALOGIA COMITUM FLANDRIAE, a Balduino Ferreo usque ad Philippum IV. Hisp. Regem. Variis sigillorum figuris repraesentata, atque in viginti duas tabulas divisa, quae diplomatibus, seriptisue antiquis, aut coaetaneis comprobantur. Auctore OLIVARIO VREDIO, I. C. Brugensi. Opus omnibus Historiis ac Genealogiis utilissimum; Vix enim ulla est orbe Christiano praeclara Nobilitas, quin ex aliquo Comitum Flandriae sit oriunda, atque ita geniu suum ad Carolum Magnum referre possit. Brugis Flandrorum: Kerchovios, 1642.

Com uma primeira parte essencialmente gráfica (retrato do autor, rosto adornado com uma gravura de Filipe IV e dezenas de gravuras representando brasões e selos familiares) de [14]+170 páginas, anotada e corrigida manualmente. Seguida de PROBATIONES GENEALOGIAE FLANDRICAE, com 414 páginas.

—– Volume II —–

GENEALOGIA COMITUM FLANDRIAE, PARS SECUNDA. Contines Probationes XII. posteriorum tabularum, quibus, praeter alia stemmata, elucidantur: BURGUNDICUM ET AUSTRIACUM. Auctore OLIVARIO VREDIO, I. C. Brugensi. Brugis Flandrorum: Kerchovios, 1643.

Contém as [8]+496+[2] páginas da segunda parte da GENEALOGIA, igualmente ilustradas no rosto com uma representação de Filipe IV e, numa outra página, o retrato do autor. Uma ou outra página com marcas de restauro contemporâneas. Segue-se, no mesmo volume, a primeira parte de:

HISTORIAE COMITUM FLANDRIAE. Libri Prodromi Duo. Quid Comes? Quid Flandria? Auctore Olivario Vredio, I. C. Brugensi. Brugis: Kerchovios, 1650.

PARS PRIMA. FLANDRIA ETHNICA a Primo Consulatu Caj. Jul. Caesaris usque ad Clodovaeum Primum Francorum Regem Christianum per DLIV annos. Liber Prodromus de Officio Ac Dignitate Comitis Apud Ethnicos Romanos, Gothos, Francos.

Portada ricamente decorada com desenho alegórico, visível numa das fotografias. 110+[3] páginas.

—– Volume III —–

HISTORIAE COMITUM FLANDRIAE. Libri Prodromus Alter. FLANDRIA VETUS SIUE ETHNICA dicta PRIMA FRANCIA. Ad Consules et Senatores Perpetuos Terrae Francae in Flandria. Brugis: Lucam Kerchovium, 1650.

A segunda parte da HISTORIAE. [14]+692+[4]+LXXX+[26] páginas. Portada ilustrada. Capitulares floreadas. Vastos índices no final. Algumas anotações manuscritas enriquecem o texto. Com um mapa dos reinos Francos, bem como gravuras de muralhas fortificadas, ou de altares romanos dedicados à devoção da deusa Nehellennia, da autoria de autoria de Joh. De Mel, Brugges, 1647.

—– Volume IV —–

SIGILLA COMITUM FLANDRIAE ET INSCRIPTIONES DIPLOMATUM Ab Iis Editorum Cum Expositione Historica. [Auctore:] Olivari Vredi Iuri-Consulti Brug. Ex quibus apparet, quit Comitibus Flandriae accesserit, decesse ritue, & quâ ratione Hispaniarum, aliaq Regna, nec non Septemdecim Belgii, caeteraeq, Provinciae, ad PHILIPPUM MAGNUM IV. HISPANIARUM REGEM, sint devolutae. Brugis Flandrorum: Kerchovium, 1639.

[14]+308+[94] páginas. Uma magnífica obra de referência para a sigilografia europeia. Ilustrada com 310 gravuras, na sua maioria de sigilla (um certo tipo de grandes selos oficiais de nobreza), mas também brazões, árvores genealógicas e um mapa da Flandres desdobrável e em excelente estado de conservação.

Seguida da rara 2.ª parte da HISTORIAE, em curso de impressão aquando da morte do autor, e cujo grosso da edição se dispersou (conferir Brunet, vol. V, 1864, cols. 1385-1386):

HISTORIAE FLANDRIAE CHRISTIANAE. Ab Anno Christi 500. Clodovaei I. Francorum Regis XVI. Usque Ad Annum 767. Pepin Regis Franc. XVI. Auctore Oliverio Vredio I. C. Brugensi. Brugis Flandrorum: Typis Petri Van Pee, [1652].

E é aqui, nas duas metades da segunda parte da HISTORIAE (volumes III e IV do conjunto), que Vredius cumpre um dos seus trabalhos mais meritórios, o de provar a filiação da língua neerlandesa e do respectivo dialecto flamengo, acompanhados de glossário, na família das antigas línguas germânicas, após o estudo dos flamengos como descendentes directos dos antigos Francos.

————————-

Trata-se, pois, de um conjunto seiscentista raro, quando assim uniforme, completo e preservado, muito valorizado por algumas anotações manuscritas (infelizmente não datáveis), concisas e ordenadas, que ora identificam sigilla, ora traduzem textos de grego para latim, ou até remetem para uma dada obra que refere determinado assunto em questão. Igualmente valorizado pela inserção no texto de algumas erratas e novas gravuras, por certo retiradas de uma edição francesa posterior, como foi o caso de La Genealogie des comtes de Flandres […], logo em 1642.

Encadernações da época, em carneira, com ligeiros defeitos nas extremidades, de somenos importância perante o bom estado geral do conjunto. Lombadas gravadas a ouro, ricamente decoradas com 6 nervos, florões e rótulos de marroquim. Miolo aparado, muito limpo e fresco. Cortes carminados. Seixas decoradas. In-folios de 21 x 32 cm, perfazendo as quatro lombadas 20 cm de estante.

PEÇA DE COLECÇÃO.

Preço: 2850 euros.



UM MANUSCRITO DA BIBLIOTECA NACIONAL DE MADRID INTERESSANTE À HISTÓRIA DOS AÇORES
NO SÉCULO XVII


FRANCISCO MENDES DA LUZ


Separata do volume VI do Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, assinada pelo autor com dedicatória ao embaixador Luiz Norton, datada de Madrid, 1949. Com 7 páginas e 16,5 x 22 cm. Angra do Heroísmo: Tipografia Andrade, 1948.

Preço: 15 euros.





SUBSÍDIOS PARA O

INVENTÁRIO ARTÍSTICO DOS AÇORES


FRANCISCO ERNESTO DE OLIVEIRA MARTINS


Exemplar autografado pelo autor com dedicatória acompanhada de um postal-convite para o casamento de um familiar, ilustrado com um par de bonecos de trapos noivos, da sua colecção pessoal.

Igreja a igreja, casa a casa… Primeiro tentame sistemático de um inventário histórico-global da arte e do artesanato no arquipélago: mobiliário, pintura, escultura, arquitectura religiosa, civil e militar, faiança, porcelana, marfim, colchas e bordados, etc. Catálogo em papel couché, ilustrado com centenas de fotografias da autoria de Francisco Reis Maduro Dias, Guillon, João Soares de Ávila, José Leite, Mário Corvelo de Freitas, Norberto Ávila, Veríssimo Salvador, Foto Iris e Foto Nóbrega. 449 páginas. 21 x 29,5 cm. Uma edição da Secretaria Regional de Educação e Cultura / Direcção Regional dos Assuntos Culturais, impressa em Angra do Heroísmo, 1981 (capa com a data de 1980, colofón com a data de impressão de 31 de Março de 1981).

Preço: 45 euros.