O PORTO DE LISBOA

ESTUDO DE HISTÓRIA ECONÓMICA

seguido de CATÁLOGO BIBLIOGRÁFICO E ICONOGRÁFICO

Álbum monumental ilustrado com inúmeros extra-textos fotográficos, impressos em heliocromia (protegidos por papel vegetal) e rotogravura, e diversos gráficos e mapas desdobráveis, incluindo a planta de toda a extensão do Porto de Lisboa, fronteira extensa entre a cidade e o rio.

Encadernação editorial com sobrecapa. 405,[38],(7) páginas. 33,8 x 28,5 cm. Bom estado geral. Edição da Administração-Geral do Porto de Lisboa, por ocasião do Quinto Centenário do Infante D. Henrique, 1960.

em conjunto com:

Gravura original assinada a lápis, com uma representação do edifício sede do Porto de Lisboa em 1917 — uma esquina icónica no Cais do Sodré. Emoldurada. Moldura: 22 x 27 cm. Imagem: 8 x 13 cm. Pequena mancha num canto do papel não impresso, junto à moldura, longe da imagem. Bom estado geral. Sem data.

Conjunto invulgar.

Preço: 125 euros.


 


A MANUTENÇÃO MILITAR

1920-1921

RELATÓRIO DA GERÊNCIA

FRANCISCO DE PINA LOPES


O Major Francisco de Pina Lopes, com carreira militar preenchida de honras e louvores, destacou-se na organização administrativa — «modelar», segundo Gomes da Costa, e «com a mais severa economia e perfeição» —, tanto na Guarda Fiscal como na 1.ª Divisão do C.E.P., mas também, depois da Guerra, na Manutenção Militar. Foi eleito senador em 1915, e deputado em 1919, tendo exercido funções de secretário e relator de diversas comissões relativas a assuntos militares, fiscais e orçamentais. Finalmente, nos governos de António Maria Baptista e José Ramos Preto, foi Ministro das Finanças. Após passar à situação de licença ilimitada, em 1923, foi administrador da C.P. e de várias outras indústrias e bancos, nacionais e ultramarinos [GEPB, v. 21, pp. 690-691].

Este Relatório da Gerência da Manutenção Militar, correspondente ao biénio 1920-1921, é bom exemplo das ditas capacidades organizativas e administrativas de Pina Lopes, que procura ser «intérprete fiel e austero» do que observou, executou e fez executar, num momento orçamental difícil. Extenso e detalhado, com fotografias, desenhos e tabelas e mapas desdobráveis, pormenoriza secções, divisões, serviços, sucursais e depósitos, funções e vencimentos do pessoal, a instrução, o fardamento, a disciplina, os transportes ou a produção cerealífera. Destaque para o capítulo VIII, sobre a Greve dos Padeiros, p. 31-33.

Com 22 x 16,5 cm, e 78,[67],XXI,(3) páginas, contém 58 fotografias, desde a barbearia à biblioteca, passando pela marcha das operárias e o touro holandês da sucursal dos Olivais; 2 páginas com desenhos: a produção de pão e a produção de enchidos; 2 mapas desdobráveis e 2 tabelas desdobráveis. Bom estado de conservação.

Preço: 35 euros.



PLAN D’IRRIGATION DE L’ALENTEJO


1.ere PHASE


Texto do miolo em francês. Mapas no texto (a preto) e desdobráveis (quatro, a cor) em português.

Brochado. Com (4),59,[4] páginas. 23 x 16,2 cm. Bom estado. Edição da Direcção-Geral dos Serviços Hidráulicos, Abril de 1970.

Preço: 24 euros.


 


O PROBLEMA PRISIONAL PORTUGUÊS


ESTUDO ELABORADO PELA DIRECÇÃO-GERAL DOS SERVIÇOS PRISIONAIS EM CUMPRIMENTO DO DESPACHO DE S. EX.ª O MINISTRO DA JUSTIÇA DE 14 DE SETEMBRO DE 1955

Inclui diversas tabelas e quadros, e um mapa desdobrável (60 x 37 cm), com a localização de cadeias comarcãs e julgados municipais em todo o continente e ilhas.

Brochado. 168,[1] páginas. 24,8 x 18,7 cm. Capas e cantos exteriores do corte do miolo com manchas. Miolo no geral limpo. Caxias: Escola Tipográfica do Reformatório Central de Lisboa Padre António de Oliveira, 1956.

Preço: 25 euros.


 


A CATEDRAL DE VISEU


A. DE LUCENA E VALE


Estudo elaborado para o Ciclo das Conferências Culturais do 8.º centenário da reintegração da Diocese de Viseu. Proferido pelo autor no interior da Sé, em 31 de Dezembro de 1944. Acrescentado com um estudo de pormenor sobre a Capela do Calvário, localizada nos claustros.

Brochado. 58 páginas (por abrir) + 23 fotografias extra-texto, couché, a preto. 22 x 17 cm. Bom estado geral. Separata da revista Beira Alta, Viseu, 1945, parcialmente reproduzida aqui.

Em conjunto com: antigo roteiro turístico da cidade de Viseu, desdobrável — o mapa aberto mede 27,5 x 21 cm —, com ilustração da Sé no frontispício e apenas um dos desenhos assinado («S. Cunha»). Bom estado de conservação, sem perda de cor. Impresso na Tipografia Guerra. Viseu: C. M. Turismo, [s.d.].

Preço: 30 euros.


 


ALBUM DE ESTATISTICA GRAPHICA DOS
CAMINHOS DE FERRO DO ULTRAMAR
1903


Com mapas in-folio do caminho de ferro de Mormugão, dos caminhos de ferro do sul da Índia, do caminho de ferro de Lourenço Marques, e do caminho de ferro de Luanda a Ambaca, cada um deles complementado com diversos mapas estatísticos e gráficos (mercadorias, movimentos, receitas, etc.). Termina com um mapa desdobrável dos caminhos de ferro do sul de África (63,7 x 57,3 cm).

Álbum (37,5 x 26,5 cm) em cartonagem editorial com lombada em tela verde. Com (2)+xi+(57)+[1] páginas. Capa manchada. Miolo no geral limpo, com ocasionais picos de acidez marginais. Papel superior. Pequeno carimbo azul de oferta do Ministério da Marinha no rosto. No geral, um exemplar interessante.

Edição da 3.ª Repartição da Direcção Geral do Ultramar, do Ministério do Mar e da Marinha, Lisboa, na Typographia da «A Editora», 1905.

Preço: 70 euros.