Os contos de Maria Judite de Carvalho, pela exímia perfeição técnica, pela aparente facilidade, pelo fluxo límpido e limpo, pela estrutura cerrada, pela lucidez e ironia para com os factos tristes ou horríveis narrados, pelo tom natural e matter of fact das conclusões, pela originalidade do seu significado, pela variedade de temas e situações, pela economia e rigor da expressão — correspondem a um conceito evoluído e bem contemporâneo deste género literário. (José Palla e Carmo)


TANTA GENTE, MARIANA
2.ª edição. Assinado pela autora com dedicatória de amizade a José Palla e Carmo. 147 páginas. 10,5 x 18 cm. Colecção Livro de Bolso Arcádia / Autores Portugueses n.º 7. Com um carimbo da tiragem comprovada pela SPA (este o exemplar n.º 714). Bom exemplar. Lisboa: Arcádia, 1960.
Preço: 25 euros.


AS PALAVRAS POUPADAS
Contos. Primeira edição. Assinado pela autora com dedicatória de amizade. Colecção Autores Portugueses n.º 27 (correcto no miolo, mas não na lombada, onde aparece como n.º 25). Exemplar n.º 2117 de uma tiragem (de provavelmente 3000, após algum “êxito” com Tanta Gente, Mariana, um ano antes) declarada à SPA. 168 páginas. 10,5 x 18 cm. Bom estado. Lisboa: Arcádia, 1961. Prémio Camilo Castelo Branco em 1962.
Preço: 35 euros.


OS ARMÁRIOS VAZIOS
Primeira edição do primeiro romance da autora. Capa de João da Câmara Leme. 167 páginas (por abrir). 13 x 19 cm. Usado. Colecção Contemporânea, n.º 83, da editora Portugália, Lisboa, 1966.
Preço: 17 euros.


FLORES AO TELEFONE
Contos. Primeira edição. Assinado pela autora com dedicatória de “velha amizade e muita admiração” a José Palla e Carmo. Capa de João da Câmara Leme. 225 páginas. Colecção Contemporânea n.º 110, Lisboa: Portugália Editora, 1968. Lombada amarelecida.
Preço: 30 euros.


TEMPO DE MERCÊS
Contos. Primeira edição. Assinado pela autora com dedicatória de amizade e admiração a José Palla e Carmo. Capa de Soares da Rocha. 199 páginas. 11,5 x 18,5 cm. Miolo excelente. Capa com pequenos sinais de uso. Lisboa: Seara Nova, 1973.
Preço: 30 euros.


O HOMEM NO ARAME
(Textos publicados no Diário de Lisboa entre 1970 e 1975)
A Lisboa do autocarro, do Metro, da bicha do supermercado, da “senhora” dona de casa e da “mulherzinha”, mulher-a-dias, da gente que dia a dia se encontra e desencontra, chora e ri, ama e odeia, é o tema destas crónicas. Capa de Henrique Ruivo. 199 páginas. 14 x 21 cm. Bom estado. Assinatura de posse de José Palla e Carmo, datada de 1980. Lisboa: Livraria Bertrand, 1979.
Preço: 20 euros.


AS PALAVRAS POUPADAS
4.ª edição. Colecção Século XX n.º 292. Com 134 páginas, e 14 x 21 cm. Carimbo de posse inócuo na primeira página. Bom estado. Lisboa: Publicações Europa-América, 1988.
Preço: 10 euros.


PAISAGEM SEM BARCOS
Contos. Capa com pintura de Francisco Simões. Colecção Século XX n.º 319. 151 páginas. 14 x 21 cm. Bom estado. Lisboa: Publicações Europa-América, 1990.
Preço: 10 euros.



NOTAS ACERCA DA GERAÇÃO DE 70


FLAUSINO TORRES


Um ensaio histórico de monta sobre a época em que se afirmou aquela que ficou conhecida como a Geração de 70, a de Eça, Antero, Ramalho ou Oliveira Martins. Retrato económico, social, político e cultural, do momento no país e no mundo.

Colecção Portugália n.º 22, série Movimentos Ideológicos n.º 5. Capa de João da Câmara Leme. 464 páginas. 13 x 20,5 cm. Lisboa: Portugália Editora, 1967. Capa com alguma perda de cor, visível na fotografia. Exemplar sólido.

Preço: 15 euros.


John dos Passos

[13Dez11]


MANHATTAN TRANSFER


JOHN DOS PASSOS


Com uma nota do autor para a edição portuguesa, datada de 2 de Agosto de 1960. Traduzido do inglês por Alfredo Amorim. Capa de João da Câmara Leme. 412-(8) páginas. Colecção Os Romances Universais (n.º XXV), da Portugália Editora, Lisboa, [1960]. Primeira edição portuguesa. Óptimo exemplar.

Preço: 15 euros.


Nítido Nulo

[07Dez11]


NÍTIDO NULO


VERGÍLIO FERREIRA


Romance. Primeira edição. Capa de João da Câmara Leme. 313 páginas. 14 x 19 cm. Lisboa: Portugália Editora, [Fevereiro de] 1971. Lombada com algum cansaço, capas e interior em bom estado.

Magoito 23.Julho.1977 – Depois fomos ver o mar ao Magoito e filosofar sobre o mar. É ali que se passa o meu Nítido Nulo: a casa da guarda-fiscal funciona de prisão no romance. Diante do mar, como diante de qualquer espectáculo da Natureza, o comentário é feito quase só com interjeições. Mas lá reflecti que é o espectáculo mais monótono e mais fascinante. E pensei que há milhões de anos é assim. Obscuramente prolongámos a nossa vida até esses milhões. E sentimo-nos menos efémeros.
[Citação encontrada por Serafim Ferreira num dos volumes do diário de Vergílio Ferreira, Conta-Corrente.]

Preço: 20 euros.





CONSIDERAÇÕES PESSOAIS

ENSAIOS

ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Primeiro livro de ensaios do autor (1908 – 1972), co-director da Presença a partir de 1931 e até ao último número publicado, em 1940 (José Régio e João Gaspar Simões partilhavam com Casais Monteiro a direcção da revista). O ensaio de abertura, «A Arte contra a Ordem», começa da seguinte forma:

Adormecendo com sempre renovado sono após a descoberta duma nova direcção; após cada revolução caindo na escolástica do que ela trouxe de novo, tendemos a esquecer que toda a obra de génio que repousa nas nossas estantes, ou na parede severa dos museus, com a segurança dum incontestável classicismo, foi um dia motivo de escândalo, objecto de sarcasmo e riso, quando não duma completa indiferença.

Com ensaios sobre cinema, crítica literária, Mário de Sá-Carneiro, Goethe e Benjamin Jarnés, e outros que falam de José Régio, Tolstoi, Dostoievski, James Joyce, Marcel Proust, Paul Valéry, Stéphane Mallarmé ou Jules Supervielle. 213 páginas. 12 x 19 cm. Um excelente exemplar, muito estimado. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1933 (foi reeditado em 2004, com um novo prefácio de Carlos Leone).

Como curiosidade, refira-se a existência desta obra na biblioteca pessoal de Fernando Pessoa.

Preço: 30 euros.



ADOLESCENTES


ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Primeiro, e único, romance de Casais Monteiro. Capa de Roberto Araújo. Página de guarda com um carimbo «Oferta dos Editores» e uma nota manuscrita: «Para a Biblioteca do SEN». 201 páginas. 13 x 19,5 cm. Porto: Editorial Ibérica, 1945.

Invulgar.

Preço: 20 euros.



O CORSÁRIO


JEAN DRAULT


Tradução de ADOLFO CASAIS MONTEIRO. Segundo o prefácio de Drault, este romance de pirataria é, sob certos aspectos, «uma nova história de Robinsons», passada na Ilha Maurícia. Com 224 páginas, e 12,5 x 19 cm. Porto: Editora Educação Nacional, 1941.

Preço: 10 euros.



POESIAS COMPLETAS

1929 – 1969


ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Compilação de (quase) toda a poesia publicada por Adolfo Casais Monteiro, com um prefácio do autor e acrescida do livro inédito O Estrangeiro Definitivo, escrito no Brasil. Capa de João da Câmara Leme. Com xii-346 páginas, e 14 x 20 cm. Um bom exemplar. Colecção Poetas de Hoje, n.º 32. Lisboa: Portugália, 1969.

Preço: 30 euros.



ESTRUTURA E AUTENTICIDADE
NA TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIAS


ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Capa de Armando Alves. 160 páginas. 15 x 24 cm. Colecção Estudos Gerais, série Universitária. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1984. Esgotado.

Preço: 15 euros.