Dinis Machado

[14Nov11]


O QUE DIZ MOLERO


DINIS MACHADO


«Temos a seita dos calmeirões, os Vai ou Racha», disse Austin, «que já tinham sido os Malhoas e os Roquetes, e que mais tarde seriam os Sertórios. O rapaz via-os, rua acima, rua abaixo, gingando o corpo, fazendo gestos vagamente obscenos para a janela das costureirinhas, combinando petiscadas, provocando quem passava, uma discussão, uns tabefes, umas sandes de presunto, uns copos de vinho tinto, a ronda nocturna pelas casas de prostitutas, as últimas anedotas contadas sob a lua alta e as estrelas, o jogo das moedas à luz esverdeada do candeeiro de gás, fantasmas movendo-se, os últimos de cada dia, na tranquilidade do bairro adormecido. Molero enumera-os: o Pé de Cabra, que era o chefe e que fazia contrabando de tudo, desde relógios suíços a cigarros Camel e Lucky Strike, que tinha como passatempo favorito dar carolos, pancadas com os nós dos dedos nas cabeças deste e daquele, principalmente dos mais miúdos, para enrijar a moleirinha, dizia ele; o Gil Penteadinho, que vivia de mulheres, jogava à pancada com a mãe todos os dias por causa disso e andava sempre a atirar uma moeda ao ar como, depreende Molero, George Raft no Scarface; o Bexigas Doidas, que não era bexigoso, como se poderá supor, tinha uma doença de pele e coçava-se muito, às vezes os outros coçavam-lhe as costas porque ele não chegava lá; o Lucas Pireza, que ganhava todos os concursos de tango nas sociedade de recreio, tinha o pai na Mitra e dava cem toques na bola com o pé esquerdo sem a deixar cair; o Metro e Meio, que nem Metro e Meio parecia ter, crescia para os lados, não para cima; o Tonecas Arenas, que usava sombrero, falava de touradas que nunca tinha visto, nunca viu nenhuma, vendia imagens religiosas à porta das igrejas, e também fotografias pornográficas para eventuais turistas depravados, tudo isto à Comissão, o fabricante era o mesmo; o Peito Rente, que tinha uma expressão muito dele quando achava bem qualquer coisa, dizia isso é rachmaninófico, é rachmaninófico, e que golfava sangue quando chegava o Outono. [excerto das páginas 33-34]

Primeira edição de uma obra icónica da literatura portuguesa da segunda metade do século xx (foi publicada recentemente, pela Quetzal, a 22.ª edição). Capa de Saldanha Coutinho. 182 páginas. 12 x 19 cm. Bom exemplar, salvo assinatura de posse no canto interior de rosto e ante-rosto. Lisboa: Bertrand, 1977.

Raro.

Preço: 40 euros.



DISCURSO DE ALFREDO MARCENEIRO
A GABRIEL GARCIA MARQUEZ


DINIS MACHADO


Ilustrações de Fátima Vaz. Primeira edição. 30 páginas. 14 x 21 cm. Lisboa: Bertrand, 1984. Invulgar.

Preço: 15 euros.


Alguns dos entrevistados:

Luís Carlos Patraquim

Agustina Bessa Luís

Vasco Granja

Luís Fernando Veríssimo

Ondjaki

Ricardo Araújo Pereira

Manuel Alberto Valente

Rabih Abou Khalil

Mário de Carvalho

Pepetela

Ana Hatherly

Cruzeiro Seixas

Júlio Pomar

Fernando Lopes

Ruy Duarte de Carvalho

Fernando Savater

Ian McEwan

Paul Auster

António M. Feijó

José Maria Vieira Mendes

António Ole

A. M. Pires Cabral

Hal Hartley

Luís Amorim de Sousa

Daniel Blaufuks

Arturo Perez Revérte

Dinis Machado

Vasco Pulido Valente (entrevista datada de 8 Nov. 2006 —

— mais recente, a entrevista-capa da LER deste mês, é de antologia.)