COIMBRA

IMPRESIONES Y NOTAS DE UN ITINERARIO


JOSÉ MARÍA VIQUEIRA


Ilustrado com fotografias e desenhos, no texto, a preto. Exemplar numerado (56), e com a chancela do autor.

Brochado. xvi,386 páginas. 20 x 13 cm. Bom estado geral. Coimbra: Coimbra Editora, 1957.

Preço: 30 euros.


 


VIAGEM EM PORTUGAL

1798-1802


CARL ISRAEL RUDERS


«Não conheço livro escrito por forasteiro acerca do nosso país, onde Portugal e os portugueses sejam observados e descritos com maior objectividade e mais leal propósito de equidade.» [Prefácio, p.7]

Tradução de António Feijó. Prefácio e notas de Castelo Branco Chaves. Capa de António Pedro. Brochado. 406 páginas. 24,5 x 17 cm. Mínimas marcas de uso exteriores. Bom estado geral. Série Portugal e os Estrangeiros. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1981.

Preço: 25 euros.


 


O PORTUGAL DE D. JOÃO V VISTO POR TRÊS FORASTEIROS


Tradução, prefácio e notas de Castelo Branco Chaves, que desvenda três curiosas publicações em língua francesa, de difícil acesso, publicadas em Paris, Amsterdão e Milão, descrevendo Lisboa e alguns pontos do País (Cascais, Coimbra, Mondego, Zêzere, Tejo, Serra da Estrela, Elvas, Estremoz, Vendas Novas, Montemor, Aldeia Galega, Mafra, etc.), nas duas décadas anteriores ao Terramoto de 1755.

Brochado. 281-(17) páginas. 24,5 x 16,5 cm. Bom estado geral. Série Portugal e os Estrangeiros. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1983.

Preço: 25 euros.


 


CARTAS DE LISBOA
1822


JOSÉ PECCHIO


Nascido em 1785, em Milão, José Pecchio vive numa época de profundos conflitos, numa Europa marcada por guerras e revoluções. Paladino da Liberdade, está solidário com todos os povos que por ela lutam – espanhóis, portugueses, gregos…
Nestas Cartas, escritas durante o seu curto exílio em Portugal, surge a Lisboa do primeiro quartel do século XIX: arcaica nos seus costumes, inculta na ausência de manifestações artisticas, pobre nos mendigos que a enxameiam, suja na imundície das suas ruas…
Descrição realista, num estilo aliciante a que não falta a ironia, mas que não humilha nem descamba na fatuidade. Pelo contrário, destas Cartas irradia sempre uma simpatia humana pelo povo que foi capaz de fazer uma Revolução para dar a Liberdade à sua Pátria. [da contracapa]

Introdução e notas de Manuela Lobo da Costa Simões. Tradução de Manuel José Trindade Loureiro. Brochado. 102+(2) páginas. 21 x 14 cm. Bom exemplar. Colecção Cidade de Lisboa, n.º 11. Lisboa: Livros Horizonte, 1990.

Preço: 15 euros.