CARTAS INÉDITAS

DE OITENTA E CINCO ESCRITORES PORTUGUESES DA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX E DO PRIMEIRO QUARTEL DO SÉCULO ACTUAL

Prefaciadas e anotadas por
CÂNDIDO DE FIGUEIREDO


Cartas de: Abel Botelho, Adolfo Coelho, Alexandre Herculano, Amélia Janny, Antero de Quental, António Cândido, António José Viale, Augusto Soromenho, Bernardino Pinheiro, Braamcamp Freire, Bulhão Pato, Camilo Castelo Branco, António Feliciano de Castilho, Conde de Casal-Ribeiro, Conde de Monsaraz, Conde de Sabugosa, Conde de Samodães, Cunha Rivara, Dom António da Costa, Dom João da Câmara, Duarte Guimarães, Pereira Caldas, Doutor Sousa Martins, Xavier Rodrigues Cordeiro, Tomás de Carvalho, Xavier da Cunha, Eduardo Augusto Vidal, Emídio Navarro, Eugénio de Castilho, Fernandes Costa, Fernando Caldeira, Ferreira Lapa, Francisco Palha, Almeida Garrett, Gervásio Lobato, Gomes de Amorim, Gomes Leal, Gonçalves Crespo, Gonçalves Viana, Guerra Junqueiro, Guilherme Braga, Guilherme de Azevedo, Guimarães Fonseca, Inocêncio Francisco da Silva, João de Deus, João de Lemos, João Penha, Joaquim Martins de Carvalho, Sampaio Bruno, José Silvestre Ribeiro, José de Sousa Monteiro, José Veríssimo, Júlio de Castilho, Júlio César Machado, Latino Coelho, Luís Augusto Palmeirim, Luís Guimarães, Manuel Duarte de Almeida, Maria Amália Vaz de Carvalho, Mariana Angélica de Andrade, Mendes Leal, Miguel de Bolhões, Narciso de Lacerda, Olavo Bilac, Pinheiro Chagas, Ramalho Ortigão, Ramos Coelho, Rudolfo Dalgado, Sales Lencastre, Santos Valente, Silva Pinto, Silveira da Mota, Sílvio Romero, Simões Dias, Sousa Viterbo, Teixeira de Queirós, Teixeira de Vasconcelos, Tomás Ribeiro, Trindade Coelho, Teófilo Braga, Vilhena Barbosa, Visconde de Benalcanfor, Sanches de Frias, Zeferino Brandão.

Intonso e em brochura. (xvi)+208+(4) páginas. 22,5 x 15 cm. Capa (com algumas manchas) e lombada (amarelecida) com mínimas falhas (marginais) de papel. Rio de Janeiro: H. Antunes & C.ª, [1924]. Composto e impresso em Lisboa.

Preço: 22 euros.


 


DAS ORDENS RELIGIOSAS EM PORTUGAL


PEDRO DINIS


2.ª edição, publicada um ano após a primeira, impressa na mesma tipografia mas com uma nova introdução do autor. 293+(7) páginas. 14,5 x 10,5 cm. Bom exemplar. Encadernação da época, lombada em pele. Miolo aparado, sem capas de brochura. Lisboa: Typographia de J. J. A. Silva, 1854.

Dividida em 40 CAPÍTULOS, assim resumidos no plano da obra: Procuramos responder ás accusações que se fiseram. e se fazem ainda, aos Frades de Portugal, e mostrar, que se não em todas, em grande parte, ha calumnia, absurdo, e odio inveterado, mas sem fundamento. Depois damos uma notícia das Ordens, que n’estes reinos houve, da sua origem, e introducção. Depois ainda apresentamos alguns casos, em que os frades mostraram a sua utilidade, já missionando, já escrevendo, e ensinando; e finalmente concluímos, fazendo algumas reflexões sobre a abolição do monachismo, e procurando mostrar que só uma restituição sisuda das Ordens Religiosas póde attenuar os tristes effeitos da sua extincção.

Vasta galeria de temas versados, tais o matrimónio, o celibato, a fecundação, os comportamentos sociais, os jesuítas, a emigração e a demografia, e resposta directa a muitos ataques históricos ao clero ao longo da história portuguesa.

Importante para o entendimento dos severos conflitos clerico-liberais da primeira metade do século XIX, e curioso, pela compilação de “pequena-história” e pela desenvolta e arreigada prosa apologética do autor.

Preço: 70 euros.


 


OS FRADES

DEFESA, JUSTIFICAÇÃO E APOLOGIA
INSUSPEITÍSSIMAS

JOÃO DE LEMOS


2.ª edição, imediata à primeira. Com uma advertência do editor, Teixeira de Freitas (4 págs.). Epígrafes de Herculano e Voltaire. Encadernação sintética moderna em muito bom estado. Com capas de brochura (cansadas), e aparado à cabeça. 182+(2) páginas. 21 x 14 cm. Guimarães: Centro de Propaganda Catholica em Portugal, 1883.

Preço: 45 euros.


«Imprimiu-se (…) em 1853, a obra de Pedro Dinis, Das ordens religiosas em Portugal, de exaltante vigor apologético, que o poeta João de Lemos (…) citou profusamente na colectânea Os frades (1883), que conheceu acolhimento entusiástico, traduzido em mais duas edições imediatas (…)»

[DHRP, p.94, aqui,
e biografia e retrato do poeta e jornalista João de Lemos (1819-1890),
no Occidente, aqui.]