«A ESCOLA COIMBRû


JOSÉ FELICIANO DE CASTILHO


Números 14 e 24 (apenas a Segunda Parte) da lista de Inocêncio relativa à «Questão Coimbrã», ou «Bom Senso e Bom Gosto», dois entre vários apodos que a polémica recebeu.

A ESCOLA COIMBRÃ. Cartas do Sr. Conselheiro José Feliciano de Castilho Barreto e Noronha. Com lista de XIX títulos publicados, até então, «sobre a actual questão litteraria», na capa posterior. Folheto brochado. 32 páginas. 19,5 x 12,5 cm. Capa meio-solta, com foxing ligeiro, que toca pontos do miolo. Mantém-se um exemplar interessante. Lisboa: Typographia do Futuro, 1866.

A ÁGUIA NO OVO E NOS ASTROS, sive A ESCHOLA COIMBRÃ na sua Aurora e em seu Zenith. Livro de propaganda destinado a dous enormes fins: o 1.º restituir a gloria da invenção ao verdadeiro fundador da Eschola; o 2.º demmonstrar, por meio de commentarios a uma das mais primorosas producções da Eschola, que só naquella religião litteraria pode haver salvação; por Um Lisboeta Convertido. Segunda Parte. Brochado. (30) páginas [num. 38-62]. 23 x 15 cm. Capas em mau estado, com manchas e faltas de papel essencialmente marginais. Miolo no geral limpo, com esporádicas manchas, piores no início e no final. Rio de Janeiro: Typographia do Commercio, de Pereira Braga, 1866.

Preço: 30 euros.


 


PORTUGUEZES ILLUSTRES


M. PINHEIRO CHAGAS


«A taverna é o escolho onde naufragam todas as tentativas civilizadoras, é o baluarte das trevas, é o castelo roqueiro onde o moderno feudalismo desfralda ao vento os seus pendões.» As primeiras três páginas da introdução descrevem a «influência triste e brutalizadora» das tabernas; segue-se modo de as combater, com bibliotecas populares e mestres escolas informados da história e da actualidade. Donde esta colecção de apontamentos biográficos dedicados a mais de uma centena de portugueses de «génio e audácia», destacados ao longo da história na liderança, nas artes, na política, na vida militar (…). De D. Dinis a Almeida Garrett, passando por Francisco de Holanda ou a Marquesa de Alorna.

Encadernação da época com pequenas marcas de desgaste. Sem capas de brochura. Com xiv+173+(3) páginas. 16 x 11,5 cm. Exemplar interessante. Lisboa: Imprensa de J. G. de Sousa Neves, 1869.

Invulgar.

Preço: 25 euros.