PIERROT E ARLEQUIM,

PERSONAGENS DE TEATRO
Ensaios de dialogo seguidos de commentarios

JOSÉ DE ALMADA NEGREIROS


Peça originalmente publicada no primeiro número da revista Athena, dirigida por Fernando Pessoa, em Outubro de 1924, o mês anterior a esta edição. «Embora muitas vezes considerado como uma obra de teatro, Pierrot e Arlequim foi anunciado como conferência, «da série Harmonia», pelo Diário de Lisboa (7 e 12 de fevereiro e 9 de outubro de 1924).» [modernismo.pt]

Desenhos de Almada incluídos: um autoretrato, dois figurinos, um desenho allusivo e o motivo da capa.

Primeira edição em livro. 68+(2) páginas, a penúltima delas anunciando a publicação para breve da peça Portugal (trez actos), o que não chegou a acontecer. 13 x 19 cm. Lisboa: Portugalia Editora, [Nov.] 1924.

Exemplar encadernado em sintético (encadernação sóbria e sólida, em excelente estado de conservação), com a capa anterior mas não a posterior, aparado (perdeu as pequenas badanas, não impressas), e com duas faltas de papel: uma no canto inferior interior da página de rosto, a outra no canto inferior interior da última página, a 68, este fazendo desaparecer para sempre, do fundo da página 67, as duas últimas letras da palavra “grandes” bem como toda a palavra “asas”… [clique nas fotografias supra]. Miolo muito limpo, em excelente estado de conservação, tal como os quatro desenhos e a capa. Com ex-libris distinto, de anterior proprietário. No geral, um exemplar muito interessante — onde as virtudes compensam os defeitos — de uma obra essencial da bibliografia do artista.

Raro.

Preço: 150 euros.



SINDICALISMO PERSONALISTA

PLANO DE SALVAÇÃO DO MUNDO

RAUL LEAL


Filosofia. Ensaio. Último livro publicado pelo autor. Numa carta a Almada Negreiros, Raul Leal conta as grandes dificuldades por que passou para conseguir publicar esta obra, portadora de «uma Alta Mensagem de Paz e Grandeza para toda a Humanidade e verdadeiro contributo, no seu entender, para a consecução do seu sistema psicossocial (que passaria, igualmente, pela superação dos opostos: fascismo e comunismo) e para a realização de uma Suprema Política do Espírito, numa Idade Futura» [citado por Manuela Parreira da Silva, aqui]189 páginas, por abrir. 13 x 19,5 cm. Colecção Ensaio n.º 2. Excelente estado de conservação. Lisboa: Editorial Verbo, 1960.

Raro.

Preço: 60 euros.





CONSIDERAÇÕES PESSOAIS

ENSAIOS

ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Primeiro livro de ensaios do autor (1908 – 1972), co-director da Presença a partir de 1931 e até ao último número publicado, em 1940 (José Régio e João Gaspar Simões partilhavam com Casais Monteiro a direcção da revista). O ensaio de abertura, «A Arte contra a Ordem», começa da seguinte forma:

Adormecendo com sempre renovado sono após a descoberta duma nova direcção; após cada revolução caindo na escolástica do que ela trouxe de novo, tendemos a esquecer que toda a obra de génio que repousa nas nossas estantes, ou na parede severa dos museus, com a segurança dum incontestável classicismo, foi um dia motivo de escândalo, objecto de sarcasmo e riso, quando não duma completa indiferença.

Com ensaios sobre cinema, crítica literária, Mário de Sá-Carneiro, Goethe e Benjamin Jarnés, e outros que falam de José Régio, Tolstoi, Dostoievski, James Joyce, Marcel Proust, Paul Valéry, Stéphane Mallarmé ou Jules Supervielle. 213 páginas. 12 x 19 cm. Um excelente exemplar, muito estimado. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1933 (foi reeditado em 2004, com um novo prefácio de Carlos Leone).

Como curiosidade, refira-se a existência desta obra na biblioteca pessoal de Fernando Pessoa.

Preço: 30 euros.



ADOLESCENTES


ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Primeiro, e único, romance de Casais Monteiro. Capa de Roberto Araújo. Página de guarda com um carimbo «Oferta dos Editores» e uma nota manuscrita: «Para a Biblioteca do SEN». 201 páginas. 13 x 19,5 cm. Porto: Editorial Ibérica, 1945.

Invulgar.

Preço: 20 euros.



O CORSÁRIO


JEAN DRAULT


Tradução de ADOLFO CASAIS MONTEIRO. Segundo o prefácio de Drault, este romance de pirataria é, sob certos aspectos, «uma nova história de Robinsons», passada na Ilha Maurícia. Com 224 páginas, e 12,5 x 19 cm. Porto: Editora Educação Nacional, 1941.

Preço: 10 euros.



POESIAS COMPLETAS

1929 – 1969


ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Compilação de (quase) toda a poesia publicada por Adolfo Casais Monteiro, com um prefácio do autor e acrescida do livro inédito O Estrangeiro Definitivo, escrito no Brasil. Capa de João da Câmara Leme. Com xii-346 páginas, e 14 x 20 cm. Um bom exemplar. Colecção Poetas de Hoje, n.º 32. Lisboa: Portugália, 1969.

Preço: 30 euros.



ESTRUTURA E AUTENTICIDADE
NA TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIAS


ADOLFO CASAIS MONTEIRO


Capa de Armando Alves. 160 páginas. 15 x 24 cm. Colecção Estudos Gerais, série Universitária. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1984. Esgotado.

Preço: 15 euros.