À RODA DE PORTUGAL


JOSÉ AGOSTINHO


Livro de viagens garrettiano do início do século XX, com passagens por Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Vila Nova de Cerveira, Caminha, Âncora, Afife, Areosa, Viana do Castelo, Santa Luzia, Ponte de Lima, Arcos de Valdevez, Ponte da Barca, Vila Verde, Amares, Terras do Bouro, Gerês, Vieira do Minho, Póvoa do Lanhoso, Celorico de Basto, Fafe, Guimarães, Vizela, Braga, Famalicão, S. Miguel de Seide, Barcelos, Vila do Conde, Porto, Santo Tirso, Paços de Ferreira, Louzada, Felgueiras, Amarante, Baião, Marco de Canavezes, Penafiel, Paredes, Valongo, Gondomar, Maia, Bouças, Leça do Bailio, Vila Nova de Gaia, Oliveira do Douro, Avintes, Trás-os-Montes (e fala do bicho da seda), Régua, Lamego, Vila Real, Vila Pouca de Aguiar, Pedras Salgadas, Vidago, Chaves, Barca de Alva, Mirandela, Alfândega da Fé, Bragança, Vinhais, Vimioso, Miranda do Douro, Moncorvo, Freixo-de-Espada-à-Cinta, Pocinho, Foz Côa, Trancoso, Guarda, Pinhel, Celorico, Mangualde, Anadia, Penalva do Castelo, Viseu, Vale de Besteiros, Tondela, Santa Comba-Dão, Mortágua, Bussaco, Coimbra, Portela, Penacova, Lorvão, Condeixa-a-Nova e Condeixa-a-Velha, Figueira da Foz, Leiria, Marinha Grande, Batalha, Alcobaça, Torres Vedras, Nazaré, Caldas da Rainha, Peniche, Óbidos, Bombarral, Cadaval, Alenquer, Azambuja, Santarém, Almeirim, Cartaxo, Tancos, Almourol, Portalegre, Elvas, Vendas Novas, Casa Branca, Monfurado, Évora, Arraiolos, Estremoz, Borba, Vila Viçosa, Montemor-o.Novo, Beja, Serpa, Moura, Cuba, Sagres, Albufeira, Faro, Tábua, Oliveira do Hospital, Lisboa, Barreiro, Palmela, Guia, Cascais, Estoril, Parede, Carcavelos, Belém, Sintra, Lumiar, Odivelas, Almada, Caparica, Queluz, Sintra, Cacém, Mafra, Algés e Linda-a-Pastora.

2.ª edição [a primeira data de 1914]. Completa em 2 volumes. Capas de Maria Vasconcellos. 334,(2) + 316,(4) páginas. 19 x 12 (x 4,8) cm. Mínimo carimbo de posse no rosto de ambos os volumes. Bom estado geral. Porto: Editora Educação Nacional, 1938.

Preço: 35 euros.


 


O DESTERRO DAS MANTILHAS


[ANTÓNIO JOAQUIM MESQUITA E MELO]


Anunciada a sua venda ao público nas edições d’O Correio do Porto de 19 e 20 de Dezembro de 1820 embora Inocêncio lhe atribua a data de 1821, ver I-162 e tb. VIII-186 teve por autor, sob pseudónimo, António Joaquim Mesquita e Melo, poeta natural de Avintes que à época teria cerca de 30 anos de idade. A questão das mantilhas, tema do opúsculo, é um problema coevo sobre o qual existem reflexões de Garrett e, mais tarde, também de Camilo (ver aqui).

Título completo: O DESTERRO DAS MANTILHAS : ou Exhortação em que o Poeta Gallego com rasões bem arrasoadas, mostra a necessidade de desterrar um traje, que esconde a formosura e a gentilesa das Mulheres bonitas. Porto: Na Typografia à Praça de S. Thereza, [1820].

Caderno de 8 páginas, cosido. 21,5 x 15,5 cm. Conserva, soltas, as frágeis capas de brochura originais, azuis, não impressas. Capas e miolo com variados vincos e algumas manchas.

Exemplar com assinatura de posse, no topo da primeira e na base da última página, de João Carlos Mascarenhas de Mello, n. 1860, médico-cirurgião, militar condecorado e republicano — como sub-inspector de saúde da 1.ª divisão militar, por exemplo, encontramo-lo de visita ao moderno Pavilhão Vacinogénico de Lisboa, em 1911. Mascarenhas de Melo foi, também, durante 23 anos consecutivos, presidente da assembleia geral do Sport Lisboa e Benfica, entre 1908 e 1931, e não por acaso surge homenageado na primeira página do primeiro número do boletim oficial do clube, em 1927, sendo então o sócio n.º 10.

Muito invulgar.

Preço: 65 euros.