À RODA DE PORTUGAL


JOSÉ AGOSTINHO


Livro de viagens garrettiano do início do século XX, com passagens por Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Vila Nova de Cerveira, Caminha, Âncora, Afife, Areosa, Viana do Castelo, Santa Luzia, Ponte de Lima, Arcos de Valdevez, Ponte da Barca, Vila Verde, Amares, Terras do Bouro, Gerês, Vieira do Minho, Póvoa do Lanhoso, Celorico de Basto, Fafe, Guimarães, Vizela, Braga, Famalicão, S. Miguel de Seide, Barcelos, Vila do Conde, Porto, Santo Tirso, Paços de Ferreira, Louzada, Felgueiras, Amarante, Baião, Marco de Canavezes, Penafiel, Paredes, Valongo, Gondomar, Maia, Bouças, Leça do Bailio, Vila Nova de Gaia, Oliveira do Douro, Avintes, Trás-os-Montes (e fala do bicho da seda), Régua, Lamego, Vila Real, Vila Pouca de Aguiar, Pedras Salgadas, Vidago, Chaves, Barca de Alva, Mirandela, Alfândega da Fé, Bragança, Vinhais, Vimioso, Miranda do Douro, Moncorvo, Freixo-de-Espada-à-Cinta, Pocinho, Foz Côa, Trancoso, Guarda, Pinhel, Celorico, Mangualde, Anadia, Penalva do Castelo, Viseu, Vale de Besteiros, Tondela, Santa Comba-Dão, Mortágua, Bussaco, Coimbra, Portela, Penacova, Lorvão, Condeixa-a-Nova e Condeixa-a-Velha, Figueira da Foz, Leiria, Marinha Grande, Batalha, Alcobaça, Torres Vedras, Nazaré, Caldas da Rainha, Peniche, Óbidos, Bombarral, Cadaval, Alenquer, Azambuja, Santarém, Almeirim, Cartaxo, Tancos, Almourol, Portalegre, Elvas, Vendas Novas, Casa Branca, Monfurado, Évora, Arraiolos, Estremoz, Borba, Vila Viçosa, Montemor-o.Novo, Beja, Serpa, Moura, Cuba, Sagres, Albufeira, Faro, Tábua, Oliveira do Hospital, Lisboa, Barreiro, Palmela, Guia, Cascais, Estoril, Parede, Carcavelos, Belém, Sintra, Lumiar, Odivelas, Almada, Caparica, Queluz, Sintra, Cacém, Mafra, Algés e Linda-a-Pastora.

2.ª edição [a primeira data de 1914]. Completa em 2 volumes. Capas de Maria Vasconcellos. 334,(2) + 316,(4) páginas. 19 x 12 (x 4,8) cm. Mínimo carimbo de posse no rosto de ambos os volumes. Bom estado geral. Porto: Editora Educação Nacional, 1938.

Preço: 35 euros.


 


LIVRO NEGRO

INSTRUÇÕES SECRETAS PARA A SUBVERSÃO DA SOCIEDADE MODERNA


TITO KOWALSKI


[Pseudónimo não identificado de autor português.] Começando por justificar uma afirmação de Álvaro Cunhal, após encontro com Georges Marchais, de que «o eurocomunismo não se aplica em Portugal», o texto parte para a análise de alguns comunismos europeus (Itália, França, …), antes de uma digressão pela história recente de algumas insurreições armadas, e a sua sustentação teórica em diversos autores, de uma forma não muito clara (vide índice ↑). As instruções são, principalmente, tópicos.

Capa de V.M. 73+(7) páginas. 20,8 x 14,7 cm. Selo e etiqueta destacável, na guarda, da agência de jornais Jornália, nas Caldas da Rainha. Capa com marcas de manuseio, miolo limpo: bom exemplar. Impresso na Tipave, em Aveiro. Queluz: Literal, 1977.

Preço: 17 euros.