CADERNOS CAPRICÓRNIO

Direcção de ORLANDO DE ALBUQUERQUE

 


A-CHAN, A TANCAREIRA
HENRIQUE DE SENNA FERNANDES
Conto, escrito em Coimbra em 1950, vencedor do prémio Fialho de Almeida, nos Jogos Florais da Queima de Fitas da Universidade de Coimbra. Agrafado. 20 páginas. 20 x 15 cm. Bom estado de conservação. Cadernos Capricórnio n.º 16, Lobito, 1974.
Preço: 15 euros.

O JANGADEIRO
ALBANO MENDES DE MATOS
Contos. Agrafado. 32 páginas. 20 x 15 cm. Bom exemplar. Cadernos Capricórnio n.º 17, Lobito, 1974.
Preço: 12 euros.

«MESTRE» TAMODA
AGOSTINHO MENDES DE CARVALHO – UANHENGA XITU
Conto. Agrafado. 23 páginas. 20 x 15 cm. Bom exemplar. Colecção Cadernos Capricórnio n.º 19, Lobito, 1974.
Preço: 12 euros.

POEMAS
VIRIATO DA CRUZ
Poesia. Agrafado. 16 páginas. 20 x 15 cm. Assinatura de posse no ante-rosto. Cadernos Capricórnio n.º 25, Lobito, 1974.
Preço: 12 euros.


 


VISÃO POLÍTICA


JOSÉ MONK


José Monk foi o pseudónimo do Coronel Joaquim Emídio Xavier Machado (1850-1904), essencialmente em escritos de cariz político. O autor pertenceu à Casa Militar do Rei, foi oficial às ordens do Infante D. Afonso e condecorado com as ordens de Avis e Santiago.

Neste opúsculo, apresenta um ambicioso «plano da regeneração política, financeira e nacional» cujas propostas incluem, ao detalhe, profundas reformulações militares e estratégicas que incluem, por exemplo, «a alienação voluntária e indubitavelmente necessária das províncias ultramarinas de Moçambique, Guiné e Timor».

Brochado. 45 páginas. 22,5 x 15,5 cm. Manuseado. Capa com pequenas manchas. Lombada com falhas. Miolo limpo. Edição do Autor, Lisboa, 1898.

Preço: 15 euros.


 


REFLEXÕES SOBRE A ARTE NEGRA

(ENSAIO)

MESQUITELA LIMA


Ilustrado com 20 fotografias a preto, de página inteira, e um esquema de uma escultura, em papel couché, extra-texto. 46+[42] páginas. 29,5 x 21 cm. Brochado. Pequenas marcas superficiais de bicho de papel na orla exterior da capa. Bom estado geral. Invulgar. Série Relatórios e Comunicações do Instituto de Investigação Científica de Angola, n.º 18, Luanda, 1971.

Preço: 50 euros.


 


QUISSANGE
SAÜDADE NÊGRA


TOMAZ VIEIRA DA CRUZ


Ilustrações de Luís Malta e capa de Ferreira Costa. Encadernação em sintético, com selo d’A Portuense, gravada a ouro na lombada e pasta frontal. Miolo aparado. 116 páginas não numeradas. 22,5 x 15,5 cm. Lisboa: [depositária Livraria Bertrand], 1932.

Exemplar autografado e datado pelo autor com extensa dedicatória manuscrita, dando conta do contexto de um episódio epifânico por que passou horas antes («o mais triste e inédito dos meus poemas africanos», um «momento eterno para a minha vida de peregrino através desta áfrica incompreendida e sofredora»).

Invulgar.

Preço: 160 euros.



«Devemos perguntar, talvez, se e por que motivo a poesia de Tomaz Vieira da Cruz merece consideração no contexto da literatura de Angola. Afinal de contas, essa poesia ostenta os sinais inequívocos da literatura do Ultramar. E Vieira da Cruz pôs termo ao seu «exílio» quando, em 1949, voltou para Portugal, precisamente em vésperas do movimento que prenunciaria uma autêntica literatura angolana. (…) Ora, nos anos 30 e 40, quando poucos poetas se davam ao trabalho de abordar uma temática angolana em termos intimistas, a poesia de motivos africanos, por exótica e sentimentalista que seja, quase se considera uma abertura na barreira cultural construída pelo colonialismo. (…) A igualização agridoce e os africanos compenetrados que povoam os poemas de Vieira da Cruz subvertem, de certo modo, a conceptualização eurocêntrica de África.»
[Russell G. Hamilton, Literatura Africana. Literatura Necessária. I – Angola (1981), pp. 67-68]


ACTAS DO 1.º CONGRESSO DE ETNOGRAFIA E FOLCLORE


BRAGA
22 A 25 DE JUNHO DE 1956


Actas do congresso organizado pela Junta de Acção Social (integrada no Plano de Formação Social e Corporativa) e promovido pela Câmara Municipal de Braga, de 22 a 25 de Junho de 1956.

Colaboração de Fernando de Castro Pires de Lima, Augusto Pires de Lima, Gustavo Barroso, Américo Pires de Lima, António de Almeida, Sebastião Pessanha, Celestino Maia, Luís Chaves, Hugo Rocha, Abel Viana, Leando Quintas Neves, Jaime Lopes Dias, Guilherme Felgueiras, José Osório de Oliveira, Manuel Rodrigues Simões Júnior, Jorge Dias, José Redinha, Ezequiel de Campos, Arnaldo Pinheiro Torres, Luís de Pina, Ernesto Veiga de Oliveira, Rebelo Bonito, António de Sousa Machado, Raul de Miranda, Nuno Catharino Cardoso, Afonso do Paço, Fernado Castel-Branco, e muitos outros.

A variedade temática impressiona:

Teatro popular, música popular, traje regional, brinquedos, poesia, festas religiosas, medicina popular, danças, procissões, literatura popular, fala infantil, jogos de cartas, folclore africano, pescadores, bruxaria, santos populares, magia, batráquios, canções da apanha da azeitona, romarias, adagiários (…) etc.

Obra completa em 3 volumes, brochados, com 452, 428 e 464 páginas, ilustrados, 23 x 16 (x 7) cm. Bom estado. Lisboa: «Biblioteca Social e Corporativa», 1963.

Preço: 60 euros.


 


GENTES DO MATO


MANUEL PACAVIRA


Primeira edição do primeiro livro do escritor angolano Manuel Pedro Pacavira (1939-2016). Com 125+(3) páginas. 18 x 12 cm. Miolo limpo. Capas em bom estado. Lombada descolorada e com um vinco de leitura. Lisboa: África Editora, 1974.

Preço: 25 euros.


 


POEMAS


ALDA LARA


Compilação póstuma dos poemas de Alda Lara (1930-1962), com organização de Orlando de Albuquerque, marido da autora. Exemplar autografado por Orlando de Albuquerque com dedicatória. 3.ª edição, 5.º milhar. Invulgar. 193+(7) páginas. 20,6 x 14,7 cm. Capa amarelecida, com pequenas marcas de manuseio e desgaste superficial. Miolo limpo. Lobito: Capricórnio, 1973.

Preço: 35 euros.


 


ALBUM DE ESTATISTICA GRAPHICA DOS
CAMINHOS DE FERRO DO ULTRAMAR
1903


Com mapas in-folio do caminho de ferro de Mormugão, dos caminhos de ferro do sul da Índia, do caminho de ferro de Lourenço Marques, e do caminho de ferro de Luanda a Ambaca, cada um deles complementado com diversos mapas estatísticos e gráficos (mercadorias, movimentos, receitas, etc.). Termina com um mapa desdobrável dos caminhos de ferro do sul de África (63,7 x 57,3 cm).

Álbum (37,5 x 26,5 cm) em cartonagem editorial com lombada em tela verde. Com (2)+xi+(57)+[1] páginas. Capa manchada. Miolo no geral limpo, com ocasionais picos de acidez marginais. Papel superior. Pequeno carimbo azul de oferta do Ministério da Marinha no rosto. No geral, um exemplar interessante.

Edição da 3.ª Repartição da Direcção Geral do Ultramar, do Ministério do Mar e da Marinha, Lisboa, na Typographia da «A Editora», 1905.

Preço: 70 euros.


 


CALENGA


CASTRO SOROMENHO


Contos. Primeira edição, com dedicatória datada ao jornalista Mário Rocha, à época n’O Século Ilustrado.

Capa e ilustrações de Manuel Ribeiro de Pavia. Prefácio de Arthur Ramos. Brochado. 231+(9) páginas. Alguns cadernos por abrir. 19,2 x 12,5 cm. Capa com pequenas manchas, visíveis na fotografia, e lombada amarelecida. Contracapa com mínimas marcas de bicho de papel, pouco perceptíveis. Exemplar interessante. Lisboa: Editorial Inquérito, 1945.

Preço: 40 euros.


 


ARMAS DA GUERRILHA


JEAN-LOUIS BRAU


«Pela primeira vez na Europa, a nomenclatura precisa e pormenorizada das técnicas utilizadas, quer em África, quer no Vietname, quer, ainda, na América Latina.»

Dividido em 3 partes: Os Fundamentos da Guerrilha; O Guerrilheiro e as suas Armas; A Formação do Guerrilheiro.

Edição ilustrada com fotografias, desenhos, esquemas e tabelas. Tradução de Zarco Moniz Ferreira. 190 páginas. 20 x 14 cm. Bom exemplar. Lisboa: Editora Ulisseia, [1974].

Preço: 40 euros.


 


VIDAS NOVAS


LUANDINO VIEIRA


Contos escritos por Luandino Vieira ao longo de um mês, enquanto detido pela PIDE, em Luanda (1962), e editados clandestinamente durante a sua prisão no Tarrafal, iniciada em 1964.

Directeur de la publication: Madame A. Bros.

Com uma página sobre o autor (reproduzida acima), assinada “Edições Anti-Colonial”. Publicado em Paris, onde existia uma forte concentração de exilados e outros opositores, africanos e portugueses, às ditaduras e ao colonialismo. Bom estado: capa com uma ou outra mancha leve; e pequena rubrica de posse, datada de 1968, no canto superior (exterior) da página de rosto. 80 páginas. 17,5 x 12 cm. Paris: Edições Anti-Colonial / Madame A. Bros, [s.d.].

Preço: 60 euros.